Agrotrilha na caatinga: instrumento pioneiro para o turismo rural e estratégia de Educação Ambiental

Autores

  • Magda Maria Guilhermino Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Ana Beatriz Gomes-Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Silvânia Melo-da-Cunha Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN https://orcid.org/0000-0002-6160-0355
  • Sueli Aparecida Moreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal/RN http://orcid.org/0000-0002-0558-5808

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11560

Palavras-chave:

Agroecologia; Turismo Rural; Agroturismo; Desenvolvimento da comunidade.

Resumo

O agroturismo representa uma oportunidade de Educação Ambiental em áreas degradadas da Caatinga. Naquele contexto, o presente estudo tem como objetivo avaliar a viabilidade de uma trilha ecológica construída em conjunto aos agricultores familiares para demonstrar ações de recuperação do solo, utilizando estruturas de pedras e vegetativas para a recuperação do solo. Portanto, realizou-se pesquisa-ação na comunidade Trangola em Currais Novos (RN), para avaliar o potencial turístico da comunidade e a eficácia da trilha em Educação Ambiental. Concluiu-se que o agroturismo representa uma estratégia de desenvolvimento sustentável da comunidade ao viabilizar a agricultura familiar. A trilha pode assegurar renda alternativa enquanto se promove a restauração do bioma da Caatinga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magda Maria Guilhermino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Professora Titular em Sistemas Sustentáveis de Produção Animal - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, 2018.

Ana Beatriz Gomes-Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Bióloga e Mestre pelo Programa de Pós graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente/PRODEMA - UFRN, Natal,RN.

Silvânia Melo-da-Cunha, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Graduanda em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN, Natal, RN.

Sueli Aparecida Moreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal/RN

Programa de Pos graduação em Estudos Urbanos e Regionais - PPEUR  e Docente de Antropologia da Alimentação e Segurança Alimentar do Centro de Biociências - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Referências

ARAÚJO FILHO, J.A., DE CARVALHO, F.C., GARCIA, R., de SOUSA, R.A. Efeitos da Manipulação da Vegetação Lenhosa sobre a Produção e compartimentalização da Fitomassa Pastável de uma Caatinga Sucessional. Revista Bras. Zootec., v.31, n.1, p.11-19, 2002.

BRASIL, Constituição. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Capítulo I da Educação Ambiental. Brasília, Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321>. Acesso em: 19 de Jan de 2018.

DA SILVA, J. M. C.; LEAL, I. R.; TABARELLI, M. Caatinga: the largest tropical dry forest region in South America. Switzerland: Springer, 2018

DE MOURA CARVALHO, I.C. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez Editora, 2017.

FRANCISCO JÚNIOR, J.C. Processo de desenvolvimento do ecoturismo em Brotas. I Congresso Brasileiro de Turismo (1999: Piracicaba). Anais... Piracicaba: FEALQ, p.229-233, 1999.

GEPARN. Grupo de estudo em políticas públicas para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar, agroecologia e recuperação do bioma Caatinga. Natal: UFRN, 2017. Disponível em < http://grupogeparnufrn.blogspot.com.br/2017/06/estacao-trangola-24-de-junho-de-2017.html>. Acesso em: 26 de Dez de 2017.

GIL, F. M. Nuevas formas de turismo em los espacios rurales españoles. Estudios Turisticos, Madri, n.122, p. 15-39, 1994.

GUIMARÃES, S. T. L. Trilhas Interpretativas e Vivências na Natureza: reconhecendo e reencontrando nossos elos com a paisagem. Rio Claro: IGCE/UNESP, 2001.

GUILHERMINO, M. M., SILVA-SANTOS, M. P., CAVALARI, V. H., LICHSTON, J. E., LUCENA, R. L., BARBOSA-DE-AZEVEDO, T. K., & MOREIRA, S. A. Defeso da Caatinga: proposta de política pública para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar em bioma Caatinga. Revista Brasileira De Educação Ambiental, v.14, n.2, 372-86. 2019.

KAPADIA, D. Agrotourism: enhancing and sustaining farm economy in India. Tourism and Hospitality International Journal, v. 11, n.1, p.12-25, 2018.

LEAL, I. R.; TABARELLI, M; DA SILVA, J. M. C. Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: Editora Universitária UFPE, 2003.

LEUNG, Y-F.; SPENCELEY, A.; HVENEGAARD, G.; BUCKLEY, R; GROVES, C. Turismo e gestão da visitação em áreas protegidas: diretrizes para sustentabilidade. Gland, Switzerland: IUCN, 2019.

LIMA, S.T. Trilhas interpretativas: a aventura de conhecer a paisagem. Cadernos Paisagem, n.3, p.39-44,1998.

LIRA SANTOS, S.C., DE MEDEIROS, J.F., DE MESQUITA, L.X., DE OLIVEIRA, F. DE A., MARACAJÁ, P.B. Informativo técnico do semi-árido. Infotecnarido, v.1, n.1, p.13-27, 2007.

MACHADO, A. Ecoturismo: um produto viável: A Experiência do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2005. 232 p.

MAIA, G. N. Caatinga árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura & Arte, 2004.

PARRA, C. S; SILVA, C. P.; CHEHADE, M. Agroturismo como fonte de renda para pequenos agricultores. Revista Científica Eletrônica Turismo, ano III, v. 3, p. 1-7, 2006.

SANTOS, E. de O.; SOUZA, M. Teoria e prática do turismo no espaço rural. Barueri: Manole, 2010.

SEABRA, G. Turismo sertanejo. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2007.

SILVEIRA, K.; MELO, M. Uma avaliação das trilhas ecológicas do Parque Estadual de Dois Irmãos–Recife/PE. (Belém: 2009). Anais... Belém: IV Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte e Nordeste de Educação Tecnológica, 2009.

SOMEKH, B.; LEWIN C. Teoria e Métodos de Pesquisa Social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

VEIGA, J.E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Guilhermino, M. M. ., Gomes-Ferreira, A. B., Melo-da-Cunha, S. ., & Moreira, S. A. (2021). Agrotrilha na caatinga: instrumento pioneiro para o turismo rural e estratégia de Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 377–391. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11560

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-12-13
Aceito em 2021-08-03
Publicado em 2021-10-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)