Formação artística: um espaço não formal para discutir Educação Ambiental e cidadania em Teixeira de Freitas (BA)

  • Hadassa Marques Santana Carmo Universidade do Estado da Bahia
  • Ana Odália Vieira Sena Universidade do Estado da Bahia
  • Alexsandro Santos da Silva Universidade do Estado da Bahia https://orcid.org/0000-0001-8582-8381
Palavras-chave: Educação Ambiental; Arte; Espaço não escolar.

Resumo

A arte e a ciência são campos cujas pontes se estabelecem ao longo da história. Tais aproximações se constituem para buscar a compreensão sobre o universo e suas múltiplas alterações, pois “artistas e cientistas percebem o mundo da mesma forma, apenas representam-no com linguagens diferentes” (REIS; GUERRA; BRAGA, 2006, p. 72). Partindo dessa compreensão, pensar sobre o mundo e as ações antrópicas sobre a natureza são temáticas presentes nas diversas expressões artísticas, bem como, nas discussões da Educação Ambiental (EA), deixando assim o campo do discurso e passando a ser um lugar de ações em espaços não formais de ensino. Por isso, a presente pesquisa buscou responder: qual a relação que se estabelece entre a arte e as questões socioambientais no contexto da Agnaldo Bomfim Escola de Dança em Teixeira de Freitas (BA)? A pesquisa foi realizada com cinco integrantes do curso (duas mulheres e três homens) e o professor, que responderam a um questionário. Este trabalho foi analisado a partir da Análise Textual Discursiva – ATD (MORAES, GALIAZZI, 2006), cujo resultado permitiu a constituição de dois metatextos: “A dança como espaço de mudança pessoal, social e ambiental” e “Criação e reflexão, atos de mão dupla na arte”. Esperamos que esta pesquisa possa contribuir com o campo de Educação Ambiental e possibilite ampliar a compreensão de como a arte pode ser instrumento social de reflexão sobre questões socioambientais.

Biografia do Autor

Hadassa Marques Santana Carmo, Universidade do Estado da Bahia

Mestre em Educação em Ciências (PPGEC) pela Universidade Estadual de Santa Cruz cuja linha de pesquisa e atuação é Formação de Professores, orientada pelo Professor Doutor Maxwell Roger P. Siqueira e co-orientada pela Professora Doutora Luisa Dias Brito. Graduada em Ciências Biológicas pela (UESC). Pós graduanda em Biotecnologia pela Universidade do Estado da Bahia, Campus X em Teixeira de Freitas. Foi bolsista do Programa de Bolsa de Iniciação Científica da CEPLAC - CNPq, no setor de Fitopatologia, desenvolvendo trabalhos na área de Genética Molecular de agosto de 2010 a julho de 2011, também bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência, (PIBID-Biologia), desenvolvendo pesquisas na área de ensino de ciências de agosto de 2011 a julho de 2013. Atuou como professora voluntária junto ao Instituto Teológico da Assembleia de Deus em Itabuna no curso de Bacharel em Teologia lecionando a disciplina de Bioética, e junta ao Curso preparatório para concurso da PM-BA APRATEF em Teixeira de Freitas. Desde 2015 atua como professora, entre os anos de 2015 a 2017 foi professora do Ensino Fundamental II, na rede particular de ensino. Desde o ano de 2018 atua na rede pública no Ensino Médio, , pelo Estado da Bahia, no ano de 2018 no sistema REDA como professora do currículo regular e técnico junto ao CETEPES, e a partir de 2019 como efetiva atuando apenas no ensino regular.

Ana Odália Vieira Sena, Universidade do Estado da Bahia

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1984) e mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2007). Atualmente é professora assistente da Universidade do Estado da Bahia, Colegiado de Ciências Biológicas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Ambiental, Políticas Públicas em Educação Ambiental, Formação de Professores e Ensino de Ciências Naturais e Biologia, Estudos de Agroecologia e Recursos Hídricos. É presidente do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Peruípe, Itanhém e Jucuruçú 2016/2021 e Coordenadora do Programa de Educação Ambiental do Programa Arboretum de conservação e restauração da diversidade florestal. É coordenadora do Laboratório de Práticas de Educação Ambiental do Departamento de Educação Campus X - Teixeira de Freitas. Membro do Conselho Gestor APA Ponta da Baleia/Abrolhos. Coordenadora Adjunta do Fórum Baiano de Comitês de Bacias Hidrográficas.

Alexsandro Santos da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Especialista em Biociências e Biodiversidade: Ecologia e Conservação Ambiental (UNEB), Especialista em Educação Ambiental (FASG), Licenciado em Ciências Biológicas (UNEB)

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 11 maio 2020.

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental, Brasília,DF, abr 1999. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 11 set. 2018.

BRASIL. Lei n. 9795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Presidência da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 11 maio 2020.

CACHAPUZ, A. F. Arte e ciência no ensino das ciências. Interacções, Portugal, n. 31, p. 95-106, 2014.

CANDA, C. N. Sentidos da arte: diálogos entre teatro, a experiência estética e a educação. Revista Científica da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, v. 5, p. 243-261, 2010.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H. C. S.; LOGAREZZI, A. (Org.). Consumo e resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: EdUFSCar, p. 18-41, 2006.

DEGASPERI, T. C.; BONOTTO, D. M. B. Educação Ambiental e as dimensões cognitiva e afetiva do trabalho com valores: produzindo sentidos. Ciência Educativa, Bauru, v. 23, n. 3, p. 625-642, 2017.

DOMINGUES, T. C. Educação e cidadania: aspectos legais, concepções e processos pedagógicos desenvolvidos na ETEC de Piedade-SP à luz de Gramsci. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar, São Paulo.

FREITAS, B.; BERNARDES, M. B. J. Educação Ambiental: Ações Educativas em Espaços Não Formais. Anais do XI Congresso Nacional de Educação, 2013, Curitiba., p. 1-19. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2020.

FREITAS, N. M S.; GONÇALVES, T. V. O. Práticas teatrais e o ensino de Ciências: o teatro jornal na abordagem da temática do lixo. Educar em Revista. Curitiba, v. 34, n.68, p. 199-216, mar/abr 2018.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não formal. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008. Disponível em: <http://www.moodle.ufba.br/file.php/12618/Livro_Antonio_Carlos_Gil.pdf>. Acesso em 16 jun. 2018.

GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

GOMES, R. K. S.; NAKAYAMA, L. Educação Ambiental: saberes necessários a práxis educativa docente de uma escola amazônica amapaense. Educar em Revista, Curitiba, n. 66, p. 257-273, out./dez. 2017.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, v. 7, n. 1, 5 nov. 2008.

KLISYS, A. Ciência, arte e jogo. São Paulo: Peirópolis, 2010.

KONDRAT, H.; MACIEL, M. D. Educação Ambiental para a escola básica: contribuições para o desenvolvimento da cidadania e da sustentabilidade. Revista Brasileira de Educação, v. 18 n. 55, p. 825 -1058, out.-dez. 2013.

MORAES, R; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação. v. 12, n. 1, p. 117-128. 2006.

OLIVEIRA, C. L.; MOURA, D. G. Projetos Trilhos Marinhos – uma abordagem de ambientes não-formais de aprendizagem e metodologia de projetos. Educação e Tecnologia. Belo Horizonte, v.18, n.3, p. 46-61, jul/dez 2005.

PRAIA, J; GIL-PÉREZ D.; VILCHES A. O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Revista Ciência & Educação, v. 13, n. 2, p. 141-156, 2007.

REIS, J. C.; GUERRA, A.; BRAGA, M. Ciência e arte: relações improváveis? História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13 (suplemento), p. 71-87, 2006.

RODRIGUES, C. S. A dimensão estética da Educação Ambiental nos entendimentos e práticas de arte educadores e de professores da escola de ensino fundamental. 2009. 66 f. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Estadual Paulista – Júlio de Mesquita Filho, São Carlos. São Carlos, 2009.

SATO, M. Debatendo os desafios da Educação Ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande; FURG, v. 1, p. 14-33, 2001.

SEVERO, J.L.R.L. Educação não escolar como campo de práticas pedagógicas. Rev. bras. Estud. pedagog. (online), Brasília, v. 96, n. 244, p. 561-576, set./dez. 2015.

TEIXEIRA, C. L; TAVARES, G. M. Corpo de Afetos: entre o apego emocional e o movimento dançado. Fractal: Revista de Psicologia, v. 32, n. 1, p. 99-107, jan.-abr. 2020.

Publicado
2021-03-08
Como Citar
Carmo, H. M. S., Sena, A. O. V., & Silva, A. S. da. (2021). Formação artística: um espaço não formal para discutir Educação Ambiental e cidadania em Teixeira de Freitas (BA). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 105-122. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11403
Seção
Artigos