A Educação Ambiental e a contribuição dos jardins botânicos na construção de cidades mais saudáveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11132

Palavras-chave:

Degradação Ambiental; Gestão Ambiental de Cidades; Sociedades Saudáveis; Meio Ambiente, Urbanização.

Resumo

A sociedade contemporânea tem contribuído para a redução da qualidade ambiental, enquanto que a Educação Ambiental (EA) e os Jardins Botânicos contribuem para minimizar esta ação. O objetivo deste artigo é discutir o papel e importância da EA na construção de cidades mais saudáveis e a contribuição dos jardins botânicos neste processo. Cidades saudáveis são propostas integrativas que buscam o planejamento de ações voltadas à qualidade de vida social e ambiental. A EA e os Jardins Botânicos são importantes instrumentos na condução da sociedade à novos valores e comportamentos proporcionais a uma postura crítica e proativa. Portanto, através da EA, que também é função dos Jardins Botânicos, pode-se chegar a uma sensibilização social que leve à uma relação mais saudável entre homem-ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael de Souza Mendes da Silva, Universidade Federal de Alfenas

Graduando em Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Alfenas, Câmpus Poços de Caldas, Instituto de Ciências e Tecnologia, ICT.

Bacharel em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL),
Atua na Fundação Jardim Botânico de Poços de Caldas, MG

Ligia de Almeida Gilioli Fraga, Universidade Federal de Alfenas

Doutoranda do PPGCA-Unifal, Câmpus Poços de Caldas, Instituto de Ciências e Tecnologia, ICT

Luciana Botezelli, Universidade Federal de Alfenas

Professora Associada da Unifal, Câmpus Poços de Caldas, Instituto de Ciências e Tecnologia, ICT

Ernesto de Oliveira Canedo-Júnior, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professor da Universidade do Estado de Minas Gerais - Unidade Poços de Caldas, Departamento de Educação e Ciências Humanas

Referências

ALVES, L. A. Cidades Saudáveis e Cidades Inteligentes: uma abordagem comparativa. Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia, v. 31. p.1-23. 2019.

AMARAL, A. C. C. Z. M.; RICCETTO, P. H. A. Responsabilidade Civil e Sustentabilidade: normatividade em prol do meio ambiente. Revista Sequência, Florianópolis, n.75. p. 105-128. 2017.

ARAÚJO, M. C.; CÂNDIDO, G. A. Qualidade de vida e sustentabilidade urbana. Revista Holos, Natal, v.1. p. 3-19. 2014.

BARCHI, R. Educação Ambiental e (eco)governamentalidade. Revista Ciência e Educação, Bauru, v.22, n. 3, 2016. p. 635-650.

BARROSO, A. L. F.; MESQUITA, R. C. G. Subsídios para a gestão de jardins botânicos no Brasil - o caso do Jardim Botânico Adolpho Ducke de Manaus. Revista Rodriguésia, Rio de Janeiro, v.65, p. 791-805, 2014.

BEGON, M.; TOWNSEND, C. R.; et al. Ecologia: de indivíduos a ecossistemas. Porto Alegre: Artmed, 2007.

BGCI. Global Distribution of Botanic Gardens, 2020. Disponível em: <https://tools.bgci.org/map.php>. Acesso em: 25 ago. 2020.

BOTKIN, D. B.; KELLER, E. A. Ciência Ambiental: Terra, um planeta vivo. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

BRASIL. Lei nº. 9.795 de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 27 de abr. de 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm>. Acesso em: 17 abr. 2020.

BRASIL. Resolução CONAMA n° 339, de 25 de setembro 2003. Ministério do Meio Ambiente. Dispõe sobre a criação, normatização e o funcionamento dos jardins botânicos, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 25 de set. de 2003.Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=377>. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. 436 p. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2020.

BRUSAMARELO, D.; LUZ, A. R.; MIRANDA, D. G.; et al. A Educação Ambiental no contexto da evolução da ciência, tecnologia e sociedade. Revista HISTEDBR, Campinas, v.16, n.69, p. 336-345. 2016.

CALAÇA, F. J. S. Contemplando a Dizimação do Antropoceno: Uma História Não Natural Sobre o Sexto Evento de Extinção em Massa. HALAC – Historia Ambiental, Latinoamericana y Caribeña, v. 8, n. 2, 2018, p. 239-242.

CARDOSO, V. S. O programa de Educação Ambiental do Jardim Botânico Municipal de Bauru (Bauru-SP): a busca por uma identidade. 2013. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Área de Concentração em Ensino de Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, 2013. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/90910>. Acesso em: 21 abr. 2020.

CARLINI, E. L. A. Plantas Medicinais do Brasil: O pesquisador brasileiro consegue estudá-las?. Revista Fitos, [S.l.], v. 1, n. 02, p. 8-18, out. 2013.

CERATI, T. M. Educação em jardins botânicos na perspectiva da alfabetização científica: análise de uma exposição e público. 2014. 240 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

COELHO, N. L. S. C.; MOURA, M. V. L. P. Conhecendo o Jardim Botânico da Universidade Rural: um guia didático para o ensino de ciências. 2018. 69 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <http://rima.im.ufrrj.br:8080/jspui/handle/1235813/3178>. Acesso em: 21 abr. 2020.

COLOMBO, S. R. A Educação Ambiental como instrumento na formação da cidadania. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 14, n. 2, p. 067-075, 17 nov. 2014.

COSTANZA, R.; ALPEROVITZ, G.; et al. Construindo uma economia na sociedade na natureza sustentável e desejável. In. ASSADOURIAN, E.; PRUGH, T. (org). Estado do Mundo 2013: a sustentabilidade ainda é possível?. Bahia: UMA, 2013. p.78-94. Disponível em: <https://www.akatu.org.br/wp-content/uploads/2017/04/EstadodoMundo2013web.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2020.

CHIPINDO, P. C. M. A Educação Ambiental e o desenvolvimento Sustentável. Revista Órbita Pedagógica, São Paulo, v.6, n.1, 2018. p. 51-62.

FILHO, V. S.; MACIEL, A. B. C. Espaço público e Educação Ambiental: cidadania e participação política. Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, Grajaú, v. 2, n. 5, 2016. p. 446-465.

FESTOZO, M. B.; QUEIXAS, R. C.; et al. Relações Históricas entre a Educação Ambiental e a Participação Social. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 11, n. 24. p. 253-266. 2018.

GARCIA, P. M. B.; AUGUSTIN, C. H. R. R.; et al. Índice Geomorfológico como subsídio ao planejamento urbano. Mercator, Fortaleza, v. 19. p. 1-27. 2020. Acesso em: 3 mai. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GILIOLI, L. A. Educação Ambiental: análise de percepções e possíveis parcerias entre escolas e Unidades de Conservação. 2019. 133f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos). Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2019. Disponível em: < https://repositorio.unifei.edu.br/xmlui/handle/123456789/1964 >. Acesso em: 19 abr. 2020.

GUIMARÃES, M. Por uma Educação Ambiental Crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, Abaetetuba, v. 7, n.9. p. 11-22. 2016.

LAZZARI, G. et al. Trilha ecológica: um recurso pedagógico no ensino da Botânica. Revista Scientia Cum Industria, Caxias do Sul, v. 5, n. 3, p. 161 - 167, 2017.

LEACH, M. Caminhos para a Sustentabilidade: Construindo Estratégias Políticas. In: ASSADOURIAN, E.; PRUGH, T. (org). Estado do Mundo 2013: a sustentabilidade ainda é possível?. Bahia: UMA, 2013. p.136-145. Disponível em: <https://www.akatu.org.br/wp-content/uploads/2017/04/EstadodoMundo2013web.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2020.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MARÍN, Y. A. O. O ensino da biodiversidade: tendências e desafios nas experiências pedagógicas. Revista Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, Bogotá, Colômbia, v. 12, n. 2, p. 173-185, 2017.

MARTINS, R. T. P; ARAÚJO, R. S. Benefícios dos parques urbanos. Pers. online: hum & sociais aplicadas, Campos dos Goyatacazes, v. 10, n. 4, p. 38-44, 2014.

MONTEIRO, J. A. V. M. Programa de Educação Ambiental para a conservação da flora brasileira – a experiência do Jardim Botânico Plantarum entre 2011 e 2014. Revista Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, v. 14, n. 54, p. 1-30, 2015.

NETO, N. C.; NUNES, A. A. P. Sustentabilidade: Teoria tridimensional do direito e Educação Ambiental. Revista Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v.4, n.7, p. 163-186. 2017.

OLIVEIRA, V. S. Dilemas do lazer em áreas protegidas: o caso do Jardim Botânico de Brasília – JBB. 2018. 184 f. Dissertação (Mestrado em Turismo) - Programa de Pós-Graduação em Turismo do Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/32889>. Acesso em: 20 abr. 2020.

PIRES, M. M. Y. Aspectos históricos sobre o Jardim Botânico da UNESPAR/ Campus Paranavaí: uma contribuição para a preservação ambiental. Revista Científica Fatecie, Paranavaí, v. 2, n. 2, p. 137-155, dez. 2017.

RIBEIRO, R. V.; et al. Estudo etnobotânico de plantas medicinais comercializadas em feiras livres de Cuiabá. Caderno de Publicações, Várzea Grande, v. 7, p. 32-54, 2014.

ROSA, L. V. B.; PEREIRA, M. D. Projeto do Jardim Botânico de Bagé. Revista da Mostra de Trabalhos de Conclusão de Curso - Tcc - Congrega, [s.l.], p. 670-683, 2018. Disponível em: <http://revista.urcamp.tche.br/index.php/rcmtcc/article/view/3027/2136>. Acesso em: 22 abr. 2020.

SANTANA, C. As funções dos jardins botânico s e seus efeitos para a cidade: projeto de jardim botânico para a cidade de Maringá (PR). 2019. 39 f. Monografia (Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo) - Graduação em Arquitetura e Urbanismo, UniCesumar – Centro Universitário de Maringá, Maringá, 2019. Disponível em: <http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/5199>. Acesso em: 24 abr. 2020.

SANTOS, P. F.; SOUZA, B. L. Estudo da percepção da qualidade ambiental por meio do método fenomenológico. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 2, p. 57-74. 2015.

SILVA, L. N. R.; CALIXTO, P. M. Educação Ambiental na escola: promovendo e valorizando o sujeito e o ambiente. Revista Thema, Rio Grande do Sul, v. 14, n. 2, p.25-36. 2017.

SILVA, R. E. F. et al. Percepções sobre o Jardim Botânico do Recife (JBR) entre moradores de seu entorno. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 306-317, 2016.

SIMÕES, C. M. O. et al. Farmacognosia: do produto ao medicamento. Porto Alegre: Artmed, 2017.

SILVA, W. G.; HIGUCHI, M. I. G.; et al. Educação Ambiental na formação psicossocial dos jovens. Revista Ciência e Educação, Bauru, v. 21, n. 4, p. 1031-1047. 2015.

TAJRA, S. F.; VIANNA, P. C. Cidades saudáveis: Brasil e Portugal, caminhos que se assemelham e se distinguem. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v.14, n.5. p. 48-61. 2018.

TORRES, M.; SILVA, L. T.; SANTOS, L.; MENDES, J. F. G. Saúde e bem-estar em meio urbano: das políticas à prática. Revista portuguesa de saúde pública, Lisboa, v.31, n.1. p. 95–107.

TULER, A. C.; PEIXOTO, A. L.; et al. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) na comunidade rural de São José da Figueira, Durandé, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 70, e01142018, 2019.

VILLAÇA, F. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos avançados, São Paulo, v. 25, n. 71, p. 37-58, 2011. Acesso em: 4 mai. 2020.

VENDRASCO, N. C. V.; CERATI, T. M.; RABINOVICI, A. Por que os professores visitam um jardim botânico? In: CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EM DIDÁTICA DE LAS CIENCIAS, 2013, Girona, Espanha. Anais eletrônicos... Girona: 2013. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/303890351_POR_QUE_OS_PROFESSORES_VISITAM_UM_JARDIM_BOTANICO>. Acesso em: 20 abr. 2020.

WESTPHAL, M. F.; OLIVEIRA, S. C. Cidades Saudáveis: uma forma de abordagem ou uma estratégia de ação em saúde urbana?. Revista USP, São Paulo, n. 107. p. 91-102. 2015.

ZANIRATO, S. H.; ROTONDARO, T. Consumo, um dos dilemas da sustentabilidade. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 88. p. 77-92. 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Silva, R. de S. M. da, Fraga, L. de A. G., Botezelli, L., & Canedo-Júnior, E. de O. (2021). A Educação Ambiental e a contribuição dos jardins botânicos na construção de cidades mais saudáveis. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 497–515. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11132

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-09-02
Aceito em 2021-07-14
Publicado em 2021-08-01