Socioeconomia e percepção ambiental de pescadores artesanais em uma comunidade do Maranhão

Autores

  • Giovanna Santos de Souza Universidade Federal do Piauí https://orcid.org/0000-0002-4982-0988
  • Maria Gracelia Paiva Nascimento Universidade Federal do Piauí
  • Ruceline Paiva Melo Lins Universidade Federal do Piauí https://orcid.org/0000-0002-5303-5851
  • Ivanilza Moreira de Andrade Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11122

Palavras-chave:

Delta do rio Parnaíba, Pesca artesanal, Qualidade da água.

Resumo

Objetivou-se avaliar o perfil socioeconômico e a percepção ambiental dos pescadores artesanais do município de Água Doce do Maranhão sobre a qualidade da água do rio Água Doce. Os entrevistados possuem condições básicas de moradia, acesso ao abastecimento de água e coleta de lixo. O rio foi definido como importante fonte de alimentação, sobrevivência e sustento, com água considerada de boa qualidade, sendo sua coloração apontada como principal indicador. O uso de apetrechos de malha reduzida foi associado à diminuição da quantidade e baixo rendimento do pescado capturado. Observou-se a necessidade de ações de sensibilização ambiental capazes de contribuir com a manutenção da qualidade do rio e dos estoques pesqueiros da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Santos de Souza, Universidade Federal do Piauí

Bacharel em Engenharia de Pesca pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Campus Parnaíba, especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade Superior de Ensino PROGRAMUS, mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPI. Integrante da equipe de pesquisa do Laboratório de Ecologia Aquática - LEA/UFDPar. Desenvolve trabalhos na área de ecologia, funcionamento e metabolismo de ecossistemas aquáticos e ecologia, estrutura e dinâmica de comunidades fitoplanctônicas. 

Maria Gracelia Paiva Nascimento, Universidade Federal do Piauí

Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí (PRODEMA/UFPI/TROPEN). Possui Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí (PRODEMA/UFPI/TROPEN), Campus Ministro Petrônio Portella, em Teresina (2014), Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Reis Velloso, em Parnaíba (2011). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase nos seguintes temas: Etnobotânica, Taxonomia de Fanerógamas, Ecologia e Meio Ambiente, Ecologia e Educação Ambiental. Tem experiência ainda em métodos e práticas no ensino de Ciência e Biologia e Etnoconhecimento ligado à comunidades pesqueiras.

Ruceline Paiva Melo Lins, Universidade Federal do Piauí

Formada em Licenciatura Plena e Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (2003), tem mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2006) e doutorado em Recursos Naturais pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG (2011). Foi professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba - IFPB, no período de 2006 a 2008 e de 2009 a 2011. Desde 2011 é professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, Campus de Parnaíba. Tem experiência na área de ecologia, com ênfase em ecologia de ecossistemas aquáticos e ecologia do fitoplâncton, atuando principalmente nos seguintes temas: limnologia geral, estrutura e função de lagos e reservatórios e ecologia de comunidades fitoplanctônicas.

Ivanilza Moreira de Andrade, Universidade Federal do Piauí

Possui doutorado em Botânica pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2006), mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Pernambuco (1996) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Ceará, licenciatura (1993) e bacharelado (1994). Atualmente é professora efetiva da Universidade Federal Delta do Piauí (UFDPar). É professora Permanente do Programa de Mestrado em Biotecnologia da UFPI (BIOTEC)/UFDPar e professora do quadro permanente do Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA)/UFPI. Curadora do Herbário Delta do Paraíba (HDDELTA) da Universidade Federal Delta do Parnaíba (UFDPar).Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Sistemática Vegetal, com os seguintes temas: Taxonomia de fanerógamas, Araceae, morfometria, variabilidade genética e etnobotânica. 

Referências

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – 2018/2019. 2019. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019/. Acesso em: 15 ago. 2020.

ANA- AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas Brasil: abastecimento urbano de água: panorama nacional. 2010. Disponível em: http://atlas.ana.gov.br/Atlas/downloads/atlas/Resumo%20Executivo/Atlas%20Brasil%20-%20Volume%201%20-%20Panorama%20Nacional.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

AMANAJÁS, V. V. V. Pesca e perfil socioeconômico dos pescadores artesanais da fronteira setentrional do Brasil: a comunidade pesqueira de Oiapoque, Amapá. Confins. v.1, n. 37, p. 1-9, 2018.

AMORIM, J. C. et al. Entre a terra e a água: a pesca e o conhecimento etnoictiológico dos pescadores artesanais. Ethnoscientia, v.4, n.1, p. 1-18, 2019.

APPOLINÁRIO, F. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. 2ª ed. São Paulo. Cengage Learning. 2012.

ARAÚJO, A. R. R. et al. Gestão da pesca de Mytella charruana (D’ORBIGNY, 1846) no litoral do estado de Sergipe: indicadores de sustentabilidade. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, v. 4, n. 2, p. 56-72, 2009.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 7ª ed. Editora UFSC: Florianópolis. 2011.

BARBOSA, A. R. et al. Abordagem etnoherpetológica de São José da Mata-Paraíba-Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 7, n. 2, p. 1-8, 2007.

CAMPOS, A. G.; CHAVES, J. V. Perfil laboral dos pescadores artesanais no Brasil: insumos para o programa seguro defeso. Mercado de Trabalho. v.1, n.60, p. 1-12, 2016.

CANTANHÊDE, L. G. et al. Environmental perception of fishermen: use and conservation of fisheries resources. Biota Neotropica, v. 18, n. 4, p. 1-10, 2018.

CIDREIRA NETO, I. R. G.; FRAGOSO, M. L. B.; RODRIGUES, G. G. Pesca artesanal do marisco no litoral paraibano: relações socioambientais e tecnologias sociais. Revista de Geografia (Recife), v. 36, n. 1, p. 1-13, 2019.

CORREIA, F. L. F.; GOMES, É. R.; NUNES, O. O.; LOPES, J. B. F. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea: estado do Maranhão: relatório diagnóstico do município de Água Doce do Maranhão, Serviço Geológico do Brasil. 2011.

COSTA, C. R. et al. Interannual water quality changes at the head of a tropical estuary. Environmental Monitoring and Assessment, v. 189, n. 12, p. 628, 2017.

COSTA, R. N. P.; PINHEIRO, E. M. O cenário do saneamento básico no Brasil. Educação Ambiental em Ação, v. 66, n.1, p. 1-26, 2018.

DICTORO, V. P.; HANAI, F. Y. Análise da relação homem-água: a percepção ambiental dos moradores locais de cachoeira de Emas–SP, bacia hidrográfica do rio Mogi-guaçu. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, v. 36, n.1, p. 92-120, 2016.

DICTORO, V. P.; GALVÃO, D. F.; HANAI, F. Y. O estudo das representações sociais e da percepção ambiental como instrumentos de análise das relações humanas com a água. Ambiente & Educação, v. 21, n. 1, p. 232-251, 2016.

DINIZ, A. L. C. et al. O uso multiplo da área de pesca do município de Raposa, Maranhão/Brasil/The multiple use of the fishing area in the municipality of Raposa, Maranhão/Brazil. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p. 6999-7010, 2020.

EVANGELISTA, N. S. B. et al. Indicadores socioeconômicos e percepção ambiental de pescadores em São Francisco do Conde, Bahia. Boletim do Instituto de Pesca, v. 40, n. 3, p. 459-470, 2018.

FAÇANHA, C. L.; SILVA, C. J. Caracterização da Colônia de Pescadores Z2 de Cáceres em Mato Grosso. Interações (Campo Grande), v. 18, n. 1, p. 129-136, 2017.

FEITOSA, L. L. A.; BARROS, M. C.; ALMEIDA, Z. S. Manejo tradicional da pesca na Área de Proteção Ambiental do Delta das Américas. Revista Brasileira De Educação Ambiental, v. 14, n. 4, p. 305-322, 2019.

FERNANDES DA SILVA, R. S.; MARTINS, V. L.; GIRÃO, O. Evaluación preliminar del conocimiento etnoclimático y etnogeomorfológico de los pescadores de la costa del municipio de Goiana - estado de Pernambuco, Brasil. Revista Geográfica de América Central, v.1, n.60, p. 301 – 328, 2018.

FOGACA, F. H. S. et al. Vida na água: contribuições da Embrapa. Embrapa. Brasília- DF. 2018. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1090716/1/ODS14.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

GARCIA, M. R.; FURTADO, M. L. A comunidade de pescadores tradicionais de Carnaubeiras-Araioses-MA: Percepções socioambientais e aspectos culturais. Espaço e Cultura, v. 1, n. 40, p. 181-202, 2016.

IBGE- INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_ populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 13 ago. 2020.

INSTITUTO MARANHENSE DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS E CARTOGRÁFICOS. Plano Mais IDH: Diagnóstico Avançado: Água Doce do Maranhão. 2016. Disponível em: http://imesc.ma.gov.br/atlas/ Home/diagnostico. Acesso em: 10 ago. 2020.

MARANHÃO. Plano Estratégico de Turismo do Estado do Maranhão: plano maior 2020. Disponível em: http://portal.antaq.gov.br/wp-content/uploads/2016/12/Maranh%C3%A3o-%C3%9Anico-%E2%80%93-O-Plano-Maior-2020-Jurandir-Ferro-do-Lago-Filho.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

MARINHO, J. C.; FARIA JÚNIOR, C. H. Diagnóstico da atividade pesqueira praticada por pescadores filiados a colônia de pescadores Z-66, do município de Curuá-PA./Diagnosis of fishing activity practiced by fishermen affiliated with fishermen colony Z-66, from the city of Curuá-PA. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p. 8780-8794, 2020.

MEIRELES, M. P. A. et al. Características da pesca artesanal realizada na comunidade Passarrinho/Ilha das Canárias/MA. Gaia Scientia, v. 11, n. 3, p. 12-26, 2017.

NASCIMENTO, F. C. A.; BRAGA, C. C.; ARAÚJO, F. R. C. D. Análise Estatística dos Eventos Secos e Chuvosos de Precipitação do Estado do Maranhão. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 32, n. 3, p. 375-386, 2017.

NASCIMENTO, M. G. P.; MEIRELES, V. J. S.; ANDRADE, I. M.; BARROS, R. F. M. Etnobotânica em uma comunidade de pescadores artesanais na área de proteção ambiental (APA), Delta do Parnaíba, Piauí, Brasil. Educação Ambiental em Ação, v.18, n.68, p. 1-15, 2019.

OLIVEIRA, N. R.; SANTOS, C. R.; TURRA, A. Percepção ambiental como subsídio para gestão costeira da Baía do Araçá, Litoral Norte do Estado de São Paulo, Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 44, n. 1, p. 140-163, 2018.

PEREIRA, L. C. C. et al. Maranhão beach systems, including the human impact on São Luís Beaches. In: Brazilian Beach Systems. Springer, Cham. p.125-152, 2016.

PEREIRA, T. J. F. et al. Extrativismo de mariscos na ilha do Maranhão (MA): implicações ecológicas e socioeconômicas. Revista de Políticas Públicas, v. 21, n. 2, p. 831-853, 2017.

PHILLIPS, O.; GENTRY, A. H. The useful woody plants of Tambopata, Peru, II: further statistical tests of hypotheses in quantitative ethnobotany. Economic Botany, v. 47, n.1, p. 15-32, 1993.

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. PNSR em construção. Funasa, Brasília, 2020. Disponível em: http://pnsr.desa.ufmg.br/pnsr/. Acesso em: 18 ago. 2020.

RAMALHO, C. W. N. Mestria da pesca: cultura de um ofício. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, v. 24, n.2, 2019.

RIOS, K. A. N. " No rio e no mar, pescadores na luta": a pesca artesanal no Estado da Bahia, Brasil. Um cenário de contradições e resistência. Revista del CESLA. International Latin American Studies Review, v.1, n. 23, p. 281-299, 2019.

SILVIA, A. M.; LUCENI, H. Mulheres na atividade pesqueira no Brasil. Campos dos Goytacazes, RJ. Editora EDUENF, p. 1-368, 2019.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília, DF: Embrapa, 2018.

SANTOS, K. F. L.; ARAÚJO, A. J. F. A produção e consumo do espaço turístico no município de Tutóia (MARANHÃO). Espaço e Cultura, v.1, n. 40, p. 113-132, 2016.

SECRETARIA DE AVALIAÇÃO, PLANEJAMENTO, ENERGIA E LOTERIA. Relatório de avaliação de gastos diretos: Avaliação executiva do seguro defeso. 2019. Disponível em: Ministério da Economia. Disponível em: https://www.gov.br/economia/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/notas-informativas/2019/relatorio_segurodefeso.pdf. Acesso em: 09 ago. 2020.

SILVA, R. G.; D'INCAO, F. Perfil socioeconômico e laboral dos pescadores artesanais de camarão-rosa no complexo estuarino de Tramandaí (RS), Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, v. 42, n. 2, p. 387-401, 2018.

SILVA, M. C. Estuários–critérios para uma classificação ambiental. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 5, n. 1, p. 25-35, 2000.

SILVANO, R. A.M.; BEGOSSI, A. Fishermen's local ecological knowledge on Southeastern Brazilian coastal fishes: contributions to research, conservation, and management. Neotropical Ichthyology, v. 10, n. 1, p. 133-147, 2012.

SOUSA, W. L. et al. Protagonismo socioeconômico das pescadoras artesanais do bairro Pérola do Maicá, em Santarém Pará. Revista Ciências da Sociedade, v. 2, n. 4, p. 143-161, 2018.

SOUZA, G. S.; NASCIMENTO, M. G. P.; LINS, R. P. M.; ANDRADE, I. M. Caracterização limnológica do rio Água Doce, Município de Água Doce do Maranhão. Manuscrito em preparação. 2020.

ZACARKIM, C. E.; DUTRA, F. M.; OLIVEIRA, L. C. Perfil dos pescadores da foz do rio Araguaia, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Souza, G. S. de, Nascimento, . M. G. P., Lins, R. P. M., & Andrade, I. M. de. (2021). Socioeconomia e percepção ambiental de pescadores artesanais em uma comunidade do Maranhão. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 153–168. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11122

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-08-30
Aceito em 2021-04-09
Publicado em 2021-08-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)