Estação de tratamento de água (ETA) Bolonha: concepções de Educação Ambiental em duas escolas do ensino fundamental de Belém (PA)

  • Heron Demitrycz Yamauchi Universidade do Estado do Pará
  • Marinele Maria Saraiva Rodrigues Universidade do Estado do Pará
  • Altem Nascimento Pontes Universidade do Estado do Pará
  • Ana Cláudia Caldeira Tavares-Martins Universidade do Estado do Pará
Palavras-chave: Mapas mentais; Meio ambiente; Espaços não formais

Resumo

O presente artigo objetivou analisar a contribuição da ETA no incremento das concepções sobre EA de alunos de duas escolas do ensino fundamental de Belém, bem como a visão dos professores sobre este espaço não formal. Foram utilizados mapas mentais para analisar as concepções dos alunos antes e depois da visita ao ETA Bolonha e questionários para os professores visando acessar suas concepções sobre espaços não formais. Ao final do estudo, verificou-se que os espaços não formais são eficazes no processo de ensino e aprendizado, pois impulsionam a construção de novos conhecimentos e concepções em EA.

Biografia do Autor

Heron Demitrycz Yamauchi, Universidade do Estado do Pará

Licenciado em Ciências Naturais – Biologia- UEPA

Marinele Maria Saraiva Rodrigues, Universidade do Estado do Pará

Bióloga. Mestranda em Ciências Ambientais PPGCA/UEPA

Altem Nascimento Pontes, Universidade do Estado do Pará

 Doutor em Ciências Físicas. Professor e pesquisador  do Programa de Pós- Graduacão em Ciências Ambientais da Universidade do Estado do Pará PPGCA/UEPA

Ana Cláudia Caldeira Tavares-Martins, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Botânica. Professora e pesquisadora do Programa de Pós- Graduacão em Ciências

Referências

BIONDI, D. FALKOSWKI, Avaliação de uma atividade de Educação Ambiental com o tema “solo”. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, RS, 2009.

CARMO, H.M.A; MOURA, W.K.A; SOUZA, P.D.F.B. Representações gráficas sobre meio ambiente de alunos da escola estadual professor Luiz Antônio (Natal/RN). Revista Educação Ambiental em ação. n.45, 2013.

CARVALHO, I. M. C. Qual Educação Ambiental? Elementos para um debate sobre Educação Ambiental e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 2, abr/jun. 2001.

COAN, C. M.; NOAL, F.; CARVALHO, I. C. M.; LISOVSKI, L. A.; SATO, M.; ZAKRZEVSKI, S. B.; BARCELOS, V. A Educação Ambiental na escola: Abordagens Conceituais. Erechim/RS: Edifapes, 2003.

COSTA, R.C; SOARES, J.E.C; TÁPIA-CORAL, S.; MOTA, A. M. A percepção ambiental do corpo docente de uma escola pública rural em Manaus (Amazonas). Revista brasileira de Educação Ambiental. v.7, p.63-67, 2012.

DI BERNARDO, L. (Coord.) et al. Tratamento de Água para Abastecimento por Filtração Direta, Rio de Janeiro: ABES, RIMA, p. 480. 2003

DENCKER, A. F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. São Paulo: Futura, 1998.

FERREIRA, C.F. Formação de professores: concepções e práticas pedagógicas de Educação Ambiental. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências. Nilópolis. Olhar, 2010.

FONTES, A. CARDOSO, A. Formação de Professores de Acordo com a Abordagem Ciência/ Tecnologia/ Sociedade. Rev. Eletrônica de Enseñanza de lãs Ciências.v.5, n.1, p.15-30, 2006.

GONZAGA, M.J.B. Concepção de Educação Ambiental presente na prática pedagógica de professores da escola pública de Natal/RN. Anais do XXVI Simpósio da NPAE, 2013. Recife.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Projeto Saneamento e Cidadania: o caminho da água. Belém: COSANPA, 2012 (Cartilha).

GREGÓRIO, A.; LISOVSKI, L.A. Educação Ambiental: concepções e práticas na educação de jovens e adultos de diferentes escolas do noroeste do Paraná. Campo Mourão-PR. 2011.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: participação para além dos muros da escola. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental : UNESCO, Brasília, 2007.

JACOBI, P.R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.31, n. 2, p.233- 250, maio/ago, 2005.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de Educação para formação da cultura científica. Em Extensão, v. 7, p. 55-66, 2008.

KOZEL, S. Das imagens às linguagens do geográfico: Curitiba a “capital ecológica”.2001. 310 f. Tese (Doutorado em Geografia)-Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

LOPES, I.S; GUIDO, L.C.E; CUNHA, A.M.O; JACOBUCCI, D.F.C. Estudos coletivos de Educação Ambiental como instrumento reflexivo na formação continuada de professores de ciências em espaços educativos não-formais. Revista Electrónica de Enseñanza de las ciências, v.10, n.3, p.516-530,2011.

LOUREIRO, F. AZAZIEL, M. FRANCA, N. Educação Ambiental e Gestão Participativa em Unidades de Conservação. R. Janeiro: Ibase/Ibama, 2003.

MARTINS, B.T. A;TEIXEIRA,C;SOUSA,F.F. Centro de Educação Ambiental: um espaço não formal de Educação Ambiental na visão de professores das escolas estaduais de Itaúna-MG Rev. Eletrônica Mestr.Educ.Ambient. v.37,n.3,p. 320- 339,2017.

NASCIMENTO, N. N; SGARBI, A.D. Espaços educativos formais na educação formal: Educação Ambiental como eixo integrador do ensino de ciências. Indagation Didacta, v.8,n.1,2016.

OLIVEIRA, N.A Educação Ambiental e a Percepção Fenomenológica, Através de Mapas Mentais. Revista eletrônica do mestrado em Educação Ambiental., [S. l.], v. 16, 2006.

PARÁ, SEMA. Plano de Manejo do Parque do Utinga. Belém, PA 2013. Disponível em Acesso em 03 Nov.2015.

PINHEIRO, L.B.C; LIMA, F. S; ROCHA, T. T; TAVARES-MARTINS, A.C.C.Ressignificação das concepções de natureza, meio ambiente e Educação Ambiental através de uma trilha ecológica. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.11, n.1, p.196-214. 2016.

REIGOTA, M. Meio ambiente e Representação Social. São Paulo, Cortez.1994

REIGOTA, M. Ecologia, elites e intelligentsia na América Latina: um estudo de suas representações sociais. São Paulo: Annablume, 1999. 115 p. Brasil,1994.

REPOLHO,S .M; CAMPOS, D.N.S; TAVARES-MARTINS, A.C.C; ASSIS, D.A.S; PONTES, A.N.P. Percepção de trilhas ecológicas: concepção de meio ambiente em escolas do município de Soure, ilha do Marajó ( PA). Revista Brasileira de Educação Ambiental. v 13, n.2, p.66-84, 2018.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, M.Q.C; MORAES, R.P.G. análise situacional da percepção de meio ambiente por alunos da rede municipal de ensino da cidade de Manaus, Amazonas. Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., v. 23, julho a dezembro de 2009.

SATO, M. CARVALHO, I.M.C Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios. Porto Alegre: Artmed, Brasil, 2005.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I.M.C. Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios. Porto Alegre: Artmed, Brasil, 2005a.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago. 2005

TAMAIO, I. O professor na construção do conceito de natureza: uma experiência de Educação Ambiental. São Paulo: Annablumme: WWF, 2002.

TEIXEIRA, S. R.; SOUZA, S. A. de; SOUZA, N. R. de; ALÉSSIO, P.; SANTOS, G.T. A. Efeito da adição de lodo de estação de tratamento de água (ETA) nas propriedades de material cerâmico estrutural. Revista Cerâmica, v. 52, p. 215-220. 2006.

TOZONI-REIS, M. F. da C. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Revista Ciência & Educação, v.8, n. 1, 2002.

TREIN, E; CIAVATTA, M. O percurso teórico e empírico do GT de trabalho em educação: uma análise para debate. Revista Brasileira de Educação, n.24, 2003.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M.L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, v.57, n.4, 2005.

Publicado
2021-03-05
Como Citar
Yamauchi, H. D., Rodrigues, M. M. S., Pontes, A. N., & Tavares-Martins, A. C. C. (2021). Estação de tratamento de água (ETA) Bolonha: concepções de Educação Ambiental em duas escolas do ensino fundamental de Belém (PA). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 51-68. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10863
Seção
Artigos