Espaço físico escolar na Educação Ambiental de crianças em prol do futuro sustentável

  • Ana Claudia Mansano Girotto Universidade Cesumar, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Limpas.
  • Bianca Ramos Meira Universidade Cesumar, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Limpas.
  • Marla Simone Bueno Ribeiro Universidade Cesumar, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Limpas.
  • Maria de los Angeles Perez Lizama Universidade Cesumar, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Limpas. . Pesquisadora do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICETI).
  • Rute Grossi-Milani Universidade Cesumar, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde e Tecnologias Limpas. Pesquisadora do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICETI).
Palavras-chave: Educação ambiental, Espaços verdes, Desenvolvimento infantil, sustentabilidade

Resumo

O estudo visa a apresentar ações de criação e implantação de espaços educadores sustentáveis em uma escola municipal no Estado do Mato Grosso com a finalidade de estimular a educação ambiental e a sustentabilidade. Trata-se de uma pesquisa aplicada, pautada no uso de metodologias ativas de ensino e técnicas lúdicas de aprendizado, envolvendo acadêmicos de Arquitetura e Urbanismo e a comunidade escolar. O projeto foi desenvolvido de modo a possibilitar proteção relativa às intempéries climáticas e maior conforto térmico, assim como oportunizar a aplicação de atividades lúdicas direcionadas à educação ambiental e sensibilizar os indivíduos para problemas atuais e futuros na esfera ambiental, intencionando uma sociedade mais consciente e sustentável pós-pandemia.

Referências

ALBUQUERQUE, D. S.; SILVA, D. S.; KUHNEN, A. Environmental Preferences and Psychological Restoration possibilities in Universities Campuses. Psicologia: Ciência e Profissão. v. 36, n. 4, p. 893, 2016.

AMATO-LOURENÇO, L. F. et al. Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde. Estudos Avançados. v. 30, n. 86, p. 113-130, 2016.

BARATTO, R. Colégio público do Rio de Janeiro é a primeira escola sustentável certificada da América Latina. Archdaily, 02 Jan. 2014. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/01-164540/colegio-publico-do-rio-de-janeiro-e-a-primeira-escola-sustentavel-certificada-da-america-latina>. Acesso em: 20 Jun. 2020.

CAMPOS-DE-CARVALHO, M. I.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Importance of spatial arrangements for young children in day care centers. Children’s Environments. v. 10, n. 1, p. 19-30, 1993.

CAVALCANTE, S.; ELALI, G. A. Psicologia ambiental: Conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Editora Vozes Limitada, 2018.

CHAWLA, L.; CHAWLA, L.; KEENA, K.; PEVEC, I.; STANLEY, E. Green schoolyards as havens from stress and resources for resilience in childhood and adolescence. Health & place. v. 28, p. 1-13, 2014.

CHEN, H.; GUO, J.; WANG, C.; LUO, F.; YU, X.; ZHANG, W.; LIAO, J. Clinical characteristics and intrauterine vertical transmission potential of COVID-19 infection in nine pregnant women: a retrospective review of medical records. The Lancet. v. 395, n. 10226, p. 809-815, 2020.

CLAYTON, Susan et al. Psychological research and global climate change. Nature Climate Change. v. 5, n. 7, p. 640-646, 2015.

COELHO, W. N. B.; COELHO, M. C. Preconceito e discriminação para além das salas de aula: sociabilidades e cultura juvenil no ambiente escolar. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. n. 62, p. 32-53, 2015.

CONSTANTINO, N. R. T. Jardins educativos e terapêuticos como fatores de qualidade de vida urbana. Anais do Congresso Luso-Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado, Sustentável. 2010.

COIMBRA, A. S.; FERNANDES, A. A. Sujeitos Coletivos e Educação Ambiental. O papel das ONGs Ambientalistas de Juiz de Fora no Conselho Municipal de Meio Ambiente–COMDEMA-JF. Revista Vianna Sapiens. v. 2, n.1, p. 26, 2017.

COSTANZA, Robert et al. The value of the world's ecosystem services and natural capital. Nature. v. 387, n. 6630, p. 253-260, 1997.

CURSEU, D. et al. Potential impact of climate change on pandemic influenza risk. In: Global Warming. Springer, Boston, MA, 2010. p. 643-657.

DA SILVA, A. M. et al. Comportamentos ambientalmente responsáveis e sua relação com a Educação Ambiental. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade. v. 4, n. 1, p. 1-16, 2015.

DA SILVA, R. H. A.; MIGUEL, S. S.; TEIXEIRA, L. S. Problematização como método ativo de ensino–aprendizagem: estudantes de farmácia em cenários de prática. Trabalho, Educação e Saúde. v. 9, n. 1, p. 77-93, 2011.

DA SILVA, L. N. R.; CALIXTO, P. M. Educação Ambiental na escola: promovendo e valorizando o sujeito e o ambiente. Revista Thema. v.14, n.2, p. 25-36, 2017.

OLIVEIRA, M. L.; RUPPENTHAL, J. E. CERTIFICAÇÃO LEED: O INCREMENTO DA INOVAÇÃO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO EM RELAÇÃO A SUSTENTABILIDADE. Iberoamerican Journal of Industrial Engineering. v.12, n.23, p. 17-31, 2020.

SOUZA, T. Z. A Educação Ambiental popular: contribuições em práticas sociais. MOTRICIDADES: Revista da Sociedade de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana. v.2, n.1, p. 60-70, 2018.

SANTOS, J. O. Educação Ambiental: O trabalho desenvolvido por professores de uma escola pública do interior da Paraíba. Revista de Geociências do Nordeste. v.2, p.770-780, 2016.

FENEA (Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura e Urbanismo do Brasil). Carta de definição para Escritórios Modelo de Arquitetura e Urbanismo. Florianópolis, jul 2007. Disponível em: <http://www.fenea.org/artigos/cartadefinicaoemau>. Acesso em: 25 jun 2020.

FISCHER, L. K. et al. Biodiverse edible schools: Linking healthy food, school gardens and local urban biodiversity. Urban Forestry & Urban Greening, v. 40, p. 35-43, 2019.

GBC Brasil, Green Building Council. 2012. Disponível em: <http://www.gbcbrasil.org.br>. Acesso em: 4 Ago. 2020.

GIFFORD, R. Psychology's essential role in alleviating the impacts of climate change. Canadian Psychology/psychologie canadienne. v. 49, n. 4, p. 273, 2008.

GROHE, S.L.S. Escolas sustentáveis como proposta de política pública no Brasil. X ANPED SUL. Florianópolis: FAED/UDESC, p. 1429-1, 2014.

HERZOG, T. R., MAGUIRE, P.; NEBEL, M. B. Assessing the restorative components of environments. Journal of environmental psychology. v. 23, n. 2, p. 159-170, 2003.

HIGUCHI, M. I. G.; KUHNEN, A.; PATO, C. Psicologia Ambiental em contextos urbanos. 2019.

JESUS, J. B. D., ROSA, C. N. D., BARRETO, Í. D. D. C., & FERNANDES, M. M. Análise da incidência temporal, espacial e de tendência de fogo nos biomas e unidades de conservação do Brasil. Ciência Florestal, v. 30, n. 1, p. 176-191, 2020.

KWEON, B. S.; ELLIS, C. D.; LEE, J.; JACOBS, K. The link between school environments and student academic performance. Urban Forestry & Urban Greening, v. 23, p. 35-43, 2017.

LIMA, V. V. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. v. 21, p. 421-434, 2016.

MEC - Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade Diretoria de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania Coordenação-Geral de Educação Ambiental, 2013. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao13.pdf>. Acesso em: 24 Ago. 2020.

MORAES, Denise. Bioma Amazônia. Invivo. Fiocruz. Disponível em: <http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=958&sid=2#:~:text=Na%20regi%C3%A3o%20amaz%C3%B4nica%20chove%20bastante,pr%C3%B3ximas%20%C3%A0%20linha%20do%20Equador>. Acesso em: 26 Jun. 2020.

MOSER, G. Psicologia Ambiental e estudos pessoas-ambiente: que tipo de colaboração multidisciplinar? Psicologia Usp. v. 16, n. 1-2, p. 131-140, 2005.

MUHAMMAD, S.; LONG, X.; SALMAN, M. COVID-19 pandemic and environmental pollution: a blessing in disguise? Science of The Total Environment, p. 138820, 2020.

MUSTAPA, N. D.; MALIKI, N. Z.; HAMZAH, A. Repositioning children's developmental needs in space planning: A review of connection to nature. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 170, p. 330-339, 2015.

ONU – NAÇÕES UNIDAS BRASIL. 17 Objetivos para transformar nosso mundo, 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/>. Acesso em: 28 Out. 2019.

PATO, C. M. L.; DELABRIDA, Z. N. C. Proposta transdisciplinar em contextos formativos: chave mestra para a sustentabilidade. Psicologia ambiental em contextos urbanos. Florianópolis, SC: Edições do bosque/CFH/UFSC, p. 34-58, 2019.

PINHEIRO, J. Q.; CAVALCANTI, G. R. C.; BARROS, H. C. L. Mudanças climáticas globais: Viés de percepção, tempo e espaço. Estudos de Psicologia (Natal), v. 23, n. 3, p. 282-292, 2018.

REI, F. C. F.; GONÇALVES, A. F.; SOUZA, L. P. Acordo de Paris: Reflexões e desafios para o regime internacional de mudanças climáticas. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, v. 14, n. 29, p. 81-99, 2017.

RIBEIRO, A. I.; TAVARES, C.; GUTTENTAG, A.; BARROS, H. Association between neighbourhood green space and biological markers in school-aged children. Findings from the Generation XXI birth cohort. Environment international, v. 132, p. 105070, 2019.

RIBEIRO, S. L. Espaço escolar: um elemento (in) visível no currículo. Sitientibus, Feira de Santana, v. 31, p. 103-18, 2004.

SILVA PIÑEIRO, R. Los proyectos de caminata rumbo a la escuela para el conocimiento del entorno y favorecer actitudes y hábitos saludables desde educación infantil. Educación, v. 27, n. 53, p. 177-202, 2018.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317- 322, 2005.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ. Jardim sensorial estimula desenvolvimento de alunos, 2014. Disponível em: <http://www.educacao.pr.gov.br/Noticia/Jardim-sensorial-estimula-desenvolvimento-de-alunos>. Acesso em: 15 Ago. 2019.

SCHMIDT, B.; CREPALDI, M. A.; BOLZE, S. D. A., NEIVA-SILVA, L.; DEMENECH, L. M. Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia (Campinas), v. 37, 2020.

TEIXEIRA, T. S.; MARQUES, É. A.; PEREIRA, J. R. Educação Ambiental em escolas públicas: caminho para adultos mais conscientes. Revista Ciência em Extensão, v. 13, n. 1, p. 64-71, 2017.

THOMPSON, C. W. ROE, J.; ASPINALL, P.; MITCHELL, R.; CLOW, A.; MILLER, D. More green space is linked to less stress in deprived communities: Evidence from salivary cortisol patterns. Landscape and urban planning, v. 105, n. 3, p. 221-229, 2012.

VASCONCELOS, C. A. Possibilidades para a inserção da Educação Ambiental na formação docente. Revista Espaço Pedagógico, vol. 3, n. 1, p. 112-132, 2017.

WHITMARSH, L. Scepticism and uncertainty about climate change: Dimensions, determinants and change over time. Global environmental change, v. 21, n. 2, p. 690-700, 2011.

WOLSINK, M. Environmental education excursions and proximity to urban green space–densification in a ‘compact city’. Environmental Education Research, v. 22, n. 7, p. 1049-1071, 2016.

ZHAO, D. X.; HE, B. J.; MENG, F. Q. The green school project: A means of speeding up sustainable development? Geoforum, v. 65, p. 310-313, 2015.

Publicado
2020-12-08
Como Citar
Girotto, A. C. M., Meira, B. R., Ribeiro, M. S. B., Lizama, M. de los A. P., & Grossi-Milani, R. (2020). Espaço físico escolar na Educação Ambiental de crianças em prol do futuro sustentável. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 224-247. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10860
Seção
Artigos