Conhecimento ecológico da flora da caatinga na região do Projeto de Integração do Rio São Francisco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10834

Palavras-chave:

Produção de mudas, Capacitação, Rede de Sementes do PISF, Educação Ambiental, Recuperação de Áreas Degradadas

Resumo

Este estudo de caso avalia os conhecimentos ecológicos da vegetação da Caatinga de viveiristas e estudantes através de uma oficina de produção de mudas na área de influência do Projeto de Integração do São Francisco. A análise quanti-qualitativa permitiu verificar que, apesar de características diversificadas entre os sujeitos, eles conhecem algumas adaptações das plantas nativas, porém, há uma confusão conceitual entre espécie endêmica e exótica, principalmente para parte dos estudantes que classificaram uma espécie exótica (Prosopis juliflora) como nativa. A oficina contribuiu ao saber ecológico e florístico dos sujeitos. Os resultados indicam temas relevantes para constar em práticas de ensino formal e não-formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edjane Silva Damasceno, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Graduada em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.  Pós graduanda em Especialização em Educação Ambiental Interdisciplinar pela Universidade Federal do Vale do São Francisco. Foi bolsista de Iniciação Científica do Laboratório de Ecologia da Restauração da UFRN (lerufrn.wixsite.com/restauracao), onde desenvolveu trabalhos com tecnologias de produção de mudas aplicadas à restauração de ambientes semiáridos e a viabilidade econômica de métodos de restauração. Foi membro efetivo da Empresa Júnior do Curso de Ecologia da UFRN, atuando nos cargos de Consultora, Diretora Administrativo-financeira e Presidente Executiva da Empresa Júnior. Trabalhou na gestão de programas básicos ambientais e viveiro de mudas nativas da Caatinga. Tem experiência na área de Ecologia teórica e aplicada, com ênfase em restauração ecológica, produção de mudas, economia ecológica, educação ambiental, delineamento e montagem de experimentos de campo, coleta e monitoramento de dados em campo e organização de dados e equipe. Atualmente atua como Pesquisadora em Ciências da Terra e Meio Ambiente na gestão da Rede de Sementes do PISF no NEMA-UNIVASF.

Daniela de Jesus Lima, Universidade Federal da Bahia

Pedagoga pela Universidade Federal da Bahia (2005). Mestra em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2012). Especialista em Metodologia do Ensino, Pesquisa e Extensão pela Universidade do Estado da Bahia (2007), Estudos Étnicos e Raciais pelo Instituto Federal da Bahia (2018), Educação, Pobreza e Desigualdade pela Universidade Federal da Bahia (2017), Filosofia Contemporânea pela Faculdade São Bento (2016). Foi pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisa em EJA (LEPEJA) - FACED/UFBA de 2007 a 2012. Bolsista da CAPES no Mestrado (2010-2012). Membro do Fórum de Educação de Jovens e Adultos da Bahia (2008-2013). Os temas de interesse de pesquisa e publicações são: Currículo, Multiculturalismo, Alfabetização e Letramento, Formação Docente, Educação Infantil e Educação de Jovens e Adultos. Possui experiência com Educação a Distância com Coordenação de Tutoria, Docência, Produção de Material Didático e Orientação de TCC.

Renato Garcia Rodrigues, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (2003), Mestre e Doutor em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é Professor Adjunto (DE) na Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), responsável pela cadeira de Ecologia de Populações e Comunidades junto ao Colegiado de Ciências Biológicas. Coordenador Técnico do Programa de Conservação de Fauna e Flora - subprograma FLORA - (PCFF-PISF) e do Programa de recuperação de Áreas degradadas junto ao Projeto de Integração do Rio São Francisco-Ministério da Integração Nacional. Coordena o Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental da UNIVASF (NEMA/UNIVASF). Tem experiência na área de Conservação da Natureza e Ecologia, com ênfase em Ecologia de Populações e Comunidades.

Referências

ALBUQUERQUE, U.P. et al. How ethnobotany can aid biodiversity conservation: reflections on investigations in the semi-arid region of NE Brazil. Biodiversity and Conservation, v. 18, n. 1, 2009.

ALBUQUERQUE, U.P. et al. Medicinal plants of the caatinga (semi-arid) vegetation of NE Brazil: A quantitative approach. Jornal of Ethbopharmacology, v. 114, n. 3, 2007.

ALMEIDA, W.R. et al. The alien flora of Brazilian Caatinga: deliberate introductions expand the contingent of potential invaders. Biological Invasions, v. 17, n. 1, 2015.

ANDRADE, L.A; FABRICANTE, J.R.; OLIVEIRA, F.X. Impactos da invasão de Prosopis juliflora (sw.) DC. (Fabaceae) sobre o estrato arbustivo-arbóreo em áreas de Caatinga no Estado da Paraíba, Brasil. Acta Scientiarum. Biological Sciences, v. 32, n. 3, 2010.

ANDRADE, L.A.; FABRICANTE, J.R.; OLIVEIRA, F.X. Invasão biológica por Prosopis juliflora (Sw.) DC.: impactos sobre a diversidade e a estrutura do componente arbustivo-arbóreo da caatinga no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23, n. 4, 2009.

BARBOSA, J.A.A. et al. Caracterização da Caatinga segundo pais de alunos de uma escola privada no município de Campina Grande – PB. Revista de biologia e ciências da terra, v. 12, n. 1, 2012.

BARBOSA, J. A. A.; BARBOSA, R. K. V. C. “Visões de um semiárido”: a diversidade biológica da Caatinga na óptica de alunos da rede pública de ensino no agreste paraibano. BioFar - Revista de Biologia e Farmácia, v. 6, n. 1, 2011.

BFG. Growing knowledge: an overview of seed plant diversity in Brazil. Rodriguesia, v. 66, n. 4, 2015.

BITENCOURT, R.B.; MARQUES, J.; MOURA, G.J.B. O imaginário sobre a Caatinga representada nos desenhos infantis de estudantes do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 9, n. 2, 2014.

BRANDALISE, L.T. et al. A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de Educação Ambiental. Gestão e Produção. v. 16, n. 2, 2009.

BRASILEIRO, R.S. Alternativas de desenvolvimento sustentável no semiárido nordestino: da degradação à conservação. Scientia Plena, v. 5, n. 5, 2009.

CRESWELL, J.W. Research Design: Qualitative, Quantitative, and Mixed Methods Approaches. 4. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2014.

CRUZ, F.R.S.; ANDRADE, L.A.; FEITOSA, R.C. Produção de mudas de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda Câmara) em diferentes substratos e tamanho de recipientes. Ciência Florestal, v. 26, n. 1, 2016.

CUNHA, A.O. et al. Efeitos de substratos e das dimensões dos recipientes na qualidade das mudas de Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex D.C.) Standl. Revista Árvore, v. 29, n. 4, 2005.

DAVIS, M. et al. Don’t judge species on their originS. Nature, v. 474, n. 7350, 2011.

DIAS, G.M.; BONOTTO, D.M.B. As dimensões local e global nos entendimentos e práticas de professores participantes de um curso de formação continuada em Educação Ambiental. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 1, 2012.

DRYFLOR. Plant diversity patterns in neotropical dry forests and their conservation implications. Science, v. 353, n. 6306, 2016.

DUQUE, J.G. O Nordeste e as lavouras xerófilas. 4a ed. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2004.

FEINERER, I.; HORNIK, K. tm: Text Mining Package. R package version 0.7-7. 2019. Disponível em: <https://CRAN.R-project.org/package=tm>. Acesso em: 29 abr. 2020.

FELLOWS, I. wordcloud: Word Clouds. R package version 2.6. 2018. Disponível em: <https://CRAN.R-project.org/package=wordcloud>. Acesso em: 29 abr. 2020.

FLORA DO BRASIL 2020 EM CONSTRUÇÃO. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em: 06 jun. 2020.

KNOWLES, M.S.; III, E.F.H.; SWANSON, R.A. Aprendizagem de resultados: Uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

LEMOS, G.N.; MARANHÃ, R.R. O viveiro educador como espaço para Educação Ambiental. Ambientalmente Sustentable, v. 2, n. 6, 2008.

MANHÃES, A.P.; et al. Spatial associations of ecosystem services and biodiversity as a baseline for systematic conservation planning. Diversity and Distributions, v. 22, n. 9, 2016.

MILER, J.R. Biodiversity conservation and the extinction of experience. Trends in Ecology and Evolution, v. 20, n. 8, 2005.

NASCIMENTO, V.T. et al. Rural fences in agricultural landscapes and their conservation role in an area of caatinga (dryland vegetation) in Northeast Brazil. Environment, Development and Sustainability, v. 11, n. 5, 2009.

PALMA, A.C.; LAURANCE, S.G.W. A review of the use of direct seeding and seedling plantings in restoration: what do we know and where should we go? Applied Vegetation Science, v. 18, n. 4, 2015.

PAODJUENAS, R. et al. Conhecimento tradicional e usos do umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) por comunidades rurais do semiárido, Paraíba, Nordeste, Brasil. Ethnoscientia, v. 4, n. 1, 2019.

PEREIRA, M.S. Manual técnico: Conhecendo e produzindo sementes e mudas da Caatinga. Fortaleza: Associação Caatinga, 2011.

PROENÇA, M.S.; DAL-FARRA, R.A.; OSLAJ, E.U. Espécies Nativas e Exóticas no Ensino de Ciências: uma Avaliação do Conhecimento dos Estudantes do Ensino Fundamental. Contexto & Educação, v. 32, n. 103, 2017.

RODRIGUES, R.R. et al. Large-scale ecological restoration of high-diversity tropical forests in SE Brazil. Forest Ecology and Management, v. 261, n. 10, 2011.

SALA, A.; WOODRUFF, D.R.; MEINZER, F.C. Carbon dynamics in trees: Feast or famine? Tree Physiology, v. 32, n. 6, 2012.

SANTIAGO, L.S. et al. Drought survival strategies of tropical trees. In: GOLDSTEIN, G.; SANTIAGO, L.S. (eds). Tropical Tree Physiology. Springer. 2016.

SILVA, A.C.; SOUZA, A.F. Aridity drives plant biogeographical sub regions in the Caatinga, the largest tropical dry forest and woodland block in South America. PLoS ONE, v. 13, n. 4, 2018.

SILVA, J. M. C.; LEAL, I.R.; TABARELLI, M. Caatinga: the largest tropical dry forest region in South America. Springer. 2017.

SILVA, V.A.; ANDRADE, L.H.C. O significado cultural das espécies botânicas entre indígenas de Pernambuco: o caso Xucuru. Biotemas, v. 17, n. 1, 2004.

SOUZA, K.R.; KERBAUY, M.T.M. A abordagem quanti-qualitativa: superação da dicotomia quantitativa-qualitativa na pesquisa em educação. Educação e Filosofia, v. 31, n. 61, 2017.

URZEDO, D.I. et al. Seed Networks for Upscaling Forest Landscape Restoration: Is It Possible to Expand Native Plant Sources in Brazil? Forests, v. 11, n. 3, 2020.

TUAN, Y. Topofilia: Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. 1 ed. Londrina: Eduel, 2012.

VOGGESSER, G. et al. Cultural impacts to tribes from climate change influences on forests. Climatic Change, v. 120, n. 3, 2013.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Damasceno, E. S., Lima, D. de J., & Rodrigues, R. G. (2021). Conhecimento ecológico da flora da caatinga na região do Projeto de Integração do Rio São Francisco . Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(3), 237–255. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10834

Edição

Seção

Artigos