Educação Ambiental e cultura quilombola: entre ausências de políticas públicas e práticas de resistência

  • Lediane da Silva Borges Universidade Federal do Pará
  • João Batista do Carmo Silva Universidade Federal do Pará
  • Doriedson do Socorro Rodrigues Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Educação Ambiental. Saberes Ambientais e Culturais. Formação Humana

Resumo

O estudo analisou as relações entre a Educação Ambiental e a cultura quilombola, materializadas em saberes, práticas ambientais e culturais na comunidade Quilombola de Bailique Centro (Oeiras do Pará). Para isso, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e de campo, com abordagem qualitativa. A coleta de dados foi mediante entrevistas semiestruturadas. O estudo revelou problemáticas socioambientais, educacionais, de infraestrutura e de saúde, entre outros serviços públicos. Conclui-se que, mesmo com a ausência de políticas públicas educacionais e ambientais, voltadas para sustentabilidade, a materialidade de saberes ambientais está fundada na preocupação da conservação da bio-sócio-diversidade local, explicitada a partir de ações de trabalho, vivenciadas no coletivo 

Biografia do Autor

Lediane da Silva Borges, Universidade Federal do Pará

Professora da Rede Pública de Ensino do Município de Baião- PA. Estudante do Curso de Pós-Graduação em Educação e Cultura (PPGEDUC) do Campus Universitário do Tocantins/UFPA-Cametá. Integrante da Pesquisa História, Educação, Cultura e Saberes Afro indígena na região Amazônica e do grupo de pesquisa Quilombos e Mocambeiros: história da resistência negra na Amazônia (QUIMOHRENA)

João Batista do Carmo Silva, Universidade Federal do Pará

Doutor em Educação. Docente do Campus Universitário do Tocantins/Cametá, Universidade Federal do Pará e Docente da Faculdade de Educação – CUNTINS/Cametá. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Universidade na Amazônia.

Doriedson do Socorro Rodrigues, Universidade Federal do Pará

Doutor em Educação. Docente da Faculdade de Linguagem, do Campus Universitário do Tocantins/Cametá.

Referências

AMORIM, A. Educação. In: FERRARO JR., L. A. (org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores.Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.143-147.

ARAUJO, R. M. de L. O marxismo e a pesquisa qualitativa como referências para investigação sobre educação profissional. In: ARAUJO, R. M. de L; RODRIGUES, D.do S. (org.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas: Alínea, 2012. p. 156-186.

BASTIDE, R. Candomblé da Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BERGER FILHO, A. G.; SPAREMBERGER, R. F. L. Os direitos das populações tradicionais na ordem constitucional brasileira e sua relação com o acesso aos recursos genéticos. Revista Direito e Debate, ano XVI, n. 28, jan-jun 2008.

CARDOSO, M. O movimento negro em Belo Horizonte 1978-1998. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2002.

CHARLOT, B.; SILVA, V. A. Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1997.

GODOY, A. S. Introdução a pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./ abr.1995.

GOMES, A. M. da S. Rotas e diálogos de saberes etnobotânica transatlântica negro africano: terreiros, quilombos, quintais da grande BH. 2009. 270f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

INSTITUTO DE TERRAS DO PARÁ (ITERPA). Titulo de reconhecimento de domínio coletivo. Protocolo nº690.fls.04, livro 1-B. Oeiras do Pará: ITERPA, 2002.

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

LEFF, H. Complejidad, Racionalidad Ambiental y Diálogo de Saberes: hacia una pedagogía ambiental. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 5., 2006, Joinville. Anais eletrônicos [...]. Joinville: UFPR, 2006. Disponível em: <https://eaterciario.files.wordpress.com/2015/09/conferencias-del-v-congreso-iberamericano-de-educacion-ambiental-brasil-2006.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2019.

LEFF, H. Epistemologia ambiental. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LEFF, H. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth.Petrópolis: Vozes, 2001.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Convenção sobre a diversidade biológica, 1998. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/sbf/chm/doc/cdbport.pdf>. Acesso em: 4 maio 2015.

MOURA, C. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.

MUNHÕZ, M. G. Saber indígena e meio ambiente: experiências de aprendizagem comunitária. In: LEFF, H. (coord.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003. p. 111-131.

OLIVEIRA, H. H. de. Dança do congo: expressão, identidade e Educação Ambiental. 2011. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Cuiabá, 2011.

PINTO, B. C. de M. Filhas das matas: práticas e saberes de mulheres quilombolas na Amazônia Tocantina. Belém: Açaí, 2010.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2008.

SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

SODRÉ, M. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes,2006.

TUAN, Y F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

Publicado
2021-02-07
Como Citar
Borges, L. da S., Silva, J. B. do C., & Rodrigues, D. do S. (2021). Educação Ambiental e cultura quilombola: entre ausências de políticas públicas e práticas de resistência. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 430-449. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10806
Seção
Artigos