Educação Ambiental na mitigação dos efeitos climáticos do distrito de Chókwè em Moçambique

Autores

  • Munossiua Efremo Macorreia Universidade Save

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10788

Palavras-chave:

Educação Ambiental; Efeitos Climáticos; Sensibilização.

Resumo

O presente estudo, teve como objetivo Promover o debate sobre o que podemos fazer para amenizar os efeitos climáticos em Chókwè-Moçambique, focando na Educação Ambiental, na conservação, na redução das emissões provocadas por desmatamentos, sensibilizando as comunidades locais para a reposição das plantas nos locais com maior degradação e investirem no transporte público, usando menos viaturas individuais. Baseado nos resultados do questionário foi feito um levantamento bibliográfico de natureza qualitativo, quantitativo, exploratório e descritivo. Trabalhámos com uma amostra de 48 pessoas. A pesquisa, comportou uma busca de diversas informações relacionadas ao tema, na perspectiva de compreender claramente as causas que originam os efeitos climáticos em Chókwè, gerando consequências nas relações sociais, nos níveis populacionais, no estoque de alimentos, na extinção de certas espécies animais e florestais, em novas doenças, nos des­locamentos populacionais e ambientais, favorecendo a participação dos aprendizes como agente ativo do processo na regulação das relações sociais capaz de ajustar a conduta, nos padrões ecologicamente sustentáveis e adequados à mitigação e adaptação aos efeitos climáticos. Para isso, foram desenvolvidos diversos debates junto ao público-alvo da pesquisa  (os produtores de carvão vegetal, vendedores da rua, motoristas de minibus, aprendizes do Instituto Agrário de Chókwè, sobretudo professores), criando estratégias inovadoras e motivadoras em resposta às mudanças atuais. Como resultados das discussões verificamos que o Instituto não possui nenhum programa curricular que tenha integrado a Educação Ambiental na mitigação dos efeitos climáticos, não estando em conformidade com a legislação Moçambicana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Munossiua Efremo Macorreia, Universidade Save

Professor da Universidade Save, Doutorado em projeto com área de pesquisa Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção

Referências

BRASIL. MEC. PCN Ciências Naturais: Orientações Educacionais para Edcuação no terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 1977.

CHAMBERS, D. Sustainable development: the response from education. Australian country report. Melbourne Graduate School of Education, Australia. 2009.

MOÇAMBIQUE. Diploma Ministerial n0 25/2011 de 15 de julho n0 32. [Maputo], 12 de agosto de 2003.

MOÇAMBIQUE. Decretos n.º 30/2012, de 1 de agosto e n.º 11/2003, de 25 de março, que aprova o regulamento da lei de florestas e fauna-bravia.

MOÇAMBIQUE. Estratégia Nacional de Adaptação e Mitigação de Mudanças Climáticas, 2013-2025

MOÇAMBIQUE. Lei nº 20/97 de 1 de Outubro, nº 40. [Maputo], 7 de Outubro de 1997.

FREIRE, Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo, Ed. UNESP, (2001).

FAO, Governo De Moçambique, 2009.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 6ªed. Campinas, SP: Papirus, 1995.

GONZÁLEZ-GUAUDIANO, E. Interdisciplinaridade e Educação Ambiental: explorando novos territórios epistêmicos. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: pesquisa e desafios.Porto Alegre: Artmed, 2005.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra: Ecopedagogia e Educação Sustentável. São Paulo: Peirópolis, 2001

HAN, Q. Education for Sustainable Development and Climate Change Education in China. Journal of Education for Sustainable Development. v. 9, n. 1, 2015.

IPCC, Climate Change: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Solomon, S., D. Qin, M. Manning, Z. Chen, M. Marquis, K.B. Averyt, M.Tignor and H.L. Miller (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA. 2007.

Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), 2000.

Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), 2019.

JACOBI, P. R. et al. Mudanças climáticas globais: a resposta da educação. Revista Brasileira de Educação, Vol.16 nº46, Rio de Janeiro Jan./Abr. 2011.

KOSATSKY, T. The 2003 European heat waves. Eurosurveillance, v. 10, n.7-9, 2005.

LÜCKMAN, A. P. Jornalismo e mídia-educação no contexto do aquecimento global. Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 3, n. 2, 2006.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LOUREIRO, F. AZAZIEL, M E FRANCA, N. Educação ambiental e gestão participativa em unidades de conservação. Rio de Janeiro: Ibase / Ibama. 2003

MARENGO, J. A. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade: caracterização do clima atual edefinição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. Brasília: MMA, 2006.

OLIVEIRA, M.J.; VECCHIA, F. A controvérsia das mudanças climáticas globais e do aquecimento global antropogênico: consenso científico ou interesse político? Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 5 , 2009.

SOARES, B.E.C.; NAVARRO, M.A.; FERREIREA, A.P. Desenvolvimento sustentado e consciência ambiental: natureza, sociedade e racionalidade. Ciência e Cognição, v 2, 2004.

VIOLA, E. Impasses e perspectivas da negociação climática global e mudanças na posição brasileira. Breves CINDES, nº 30, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-10

Como Citar

Macorreia, M. E. (2020). Educação Ambiental na mitigação dos efeitos climáticos do distrito de Chókwè em Moçambique. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 362–375. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10788

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-06-14
Aceito em 2020-06-25
Publicado em 2020-12-10