Etnoecologia e Educação Ambiental sobre manguezais com indígenas

Palavras-chave: Comunidades Tradicionais; Mangue; Meio Ambiente.

Resumo

Tendo em vista a grande importância dos saberes populares, faz-se necessário o diagnóstico dos conhecimentos etnoecológicos da população indígena no distrito de Almofala (CE), sobre o manguezal, umas das áreas mais utilizadas pela tribo. Neste sentido, o objetivo geral deste trabalho é implementar ações visando o equilíbrio ambiental das áreas indígenas por meio de pesquisa aplicada etnoecológica, valorização do conhecimento local, formação de educadores ambientais e fortalecimento das organizações locais, possibilitando a sustentabilidade da população. Através deste estudo conclui-se, que é necessária a continuação de campanhas e projetos de Educação Ambiental para a comunidade indígena Tremembé acerca dos manguezais. 

Referências

ALBUQUERQUE, R.M.V.L; FARIAS, E.M.N; MAIA, R. C. Educação Ambiental para o Ecossistema Manguezal: O papel dos pescadores artesanais. Conexões Ciência e Tecnologia, Ceará, v.9, n.4, p.1 -100, 2016. Disponível em: https://issuu.com/auzuirripardodealexandria/docs/pesca_e_aquicultura_-_completa . Acesso em: 06 jul. 2016.

ALBUQUERQUE, R. M. V. L.; MAIA, R. C. Educa mangue: conhecendo o fascinante ecossistema manguezal. Acaraú: Ifce, 2018. Disponível em: https://ifce.edu.br/acarau/menu/EbookEducaMangue.pdf/view . Acesso em: 08 maio 2020.

ALVES, A. P. A. F; TOMASI, T; SAHR, C. L. L. A Perspectiva Etnográfica

na Identificação e Caracterização de Elementos Cotidianos de uma Comunidade Quilombola. Observatorium: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.79-100, 2011.

ARÁN, R. R. Culturas marítimas na costa norte do México; natureza e cosmovisões em Altamar. Etnoecologia e nova etnografia. Revista de Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande – UFRG. Vol 24, n.2, 2019.

ARAÚJO, M. R.; RIBEIRO, S. S.; LIMA, M. C. W. Povo Tremembé e remanescentes de quilombo vivendo em Acaraú: histórias de luta por direitos e reconhecimento. 1. ed. Fortaleza: Pró-Reitoria de Extensão, 2018. v. 1. 85p .

BRASIL. Decreto n° 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável de povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em 24 de janeiro de 2021.

BRASIL. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Estabelece o código florestal e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder executivo, Brasília, DF,25 de maio. 2012.

CAPITANGO, J.; CALLEJAS, G. V. Conhecimentos, experiências e práticas vitais tradicionais indígenas como fundamento para a construção de uma cultura de sustentabilidade. Revista de Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Vol. 24, n.2, 2019.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 176 p., 2001.

FARRAPEIRA, C. M. R; SILVA, K.M. E; LIMA, A. O. Percepção e concepção do manguezal vinculados ao ensino da Biologia em uma escola de Recife-PE. Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, v 19, p. 1-9, 2007.

FARIAS, K. L; DE ANDRADE, R. C. B. Educação Ambiental: O manguezal no Ensino Fundamental. Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental, v.25, 2010. ISSN 1517-1256.

FARIAS, E. S.; BACELLOS, L. A. Jovens Indígenas Tabajara: âncoras no processo de reivindicações na busca do bem viver no século XXI. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 13, n. 29, p. 119-130, 2017.

FERREIRA, A. C.; LACERDA, Luiz D. 2016. Degradation and conservation of Brazilian mangroves, status and perspectives. Ocean and Coastal Management, n. 125, p. 38-46.

LEE, S. Y.; et al. Ecological role and services of tropical mangrove ecosystems: a reassessment. Global Ecology and Biogeography, Australian, v. 23, n. 7, p. 726-743, 2014.

LIMA, M. C. W; et al. Índios Tremembé e remanescentes de quilombo vivendo em Acaraú: recontando histórias de luta por direitos e reconhecimento. Expressões da Extensão, v. 3, p. 25-31, 2018.

MAIA, R. C. Manguezais do Ceará. 1 ed. Recife: Imprima, 2016. 55 p.

PAULA, A. L. S.; LIMA, B. K. S.; MAIA, R. C. Recuperação de um manguezal degradado no Ceará através da produção de mudas de Laguncularia racemosa (L.) C.F. Gaertn. (Combretacea) e Avicennia sp. Stapf ex Ridl (Acanthacea). Revista árvore, Viçosa-MG, v.40, n.3, p.377-385, 2016.

PEREIRA, E.M.; FARRAPEIRA, C.M.R.; PINTO, S.L. Percepção e Educação Ambiental sobre manguezais em escolas públicas da Região Metropolitana do Recife. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Porto Alegre, v. 17, p. 244-261, 2006.

REZENDE, C. E. KAHN, J. R. PASSARELI, L. VÁSQUEZ, W. F. An economic valuation of mangrove restoration in Brazil. Ecological Economics. p. 296–302, 120, 2015.

RODRIGUES, L. L.; FARRAPEIRA, C. M. R. Percepção e Educação Ambiental sobre o ecossistema manguezal incrementando as disciplinas de ciências e biologia em escola pública do Recife – PE. Revista Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, RS, v. 13, n. 1, 2008.

SOUZA, A. H. C.et al. A relação dos Indígenas com a natureza como contribuição à sustentabilidade ambiental: uma revisão da literatura. Revista Destaque Acadêmico, v. 7, n. 2, 2015.

THIERS, P. R. L; MEIRELES, A. J. A; SANTOS, J. O. Manguezais na costa oeste cearense: preservação permeada de meias verdades. Editora Imprensa Universitária, Fortaleza, 2016. p126.

VAIRO, A. C.; REZENDE-FILHO, L. A. R. Concepções de alunos do ensino fundamental sobre ecossistemas de manguezal: o caso de um colégio público do Rio de Janeiro.Ensino, Saúde e Ambiente, v. 3, n. 2, p. 15-25,

VERÍSSIMO, M. E. Z. et al. A Comunidade Tremembé: Cartilha de Educação Ambiental. Fortaleza, p. 5-9, 2003

Publicado
2021-03-08
Como Citar
Oliveira, G., Queiroz, L. N. de, & Maia, R. C. (2021). Etnoecologia e Educação Ambiental sobre manguezais com indígenas. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 88-104. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10662
Seção
Artigos