A integração entre políticas públicas de proteção social com Educação Ambiental

Autores

  • Aloísio Ruscheinsky Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS. São Leopoldo/RS
  • Manoella Cará Treis UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10629

Palavras-chave:

educação ambiental; políticas públicas; desastres, práticas sociais, transversalidade

Resumo

O contexto das políticas públicas ambientais e da emergência de desastres socioambientais incidem na qualidade de vida, com destaque às causas e ações para mitigar. O objetivo do estudo é compreender a interface da Educação Ambiental com as políticas públicas, com as práticas sociais, o bem-estar social. Foram utilizados os dados de documentos múltiplos, assim como observação de campo e entrevistas semiestruturadas. Um olhar da Educação Ambiental destaca as consequências das inundações como relacionadas à organização social mais do que aos efeitos da natureza. Os desastres são reflexos das ações e práticas sociais, e desafiam a ação do poder público, as iniciativas de Educação Ambiental e as alternativas desenhadas por atores sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aloísio Ruscheinsky, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS. São Leopoldo/RS

Professor de Sociologia da Unisinos. Pesquisa em sociedade e ambiente. Consumo e conflitos ambientais.

Referências

ABREU, N. J. et al. O papel da Educação Ambiental no desenvolvimento da percepção dos riscos de inundações e prevenção de acidentes e desastres naturais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 11, n. 1, p. 97-107, 2016.

CALLON, M.; LASCOUMES, P.; BARTHE, Y. Agir dans un monde incertain. Essai sur la democratie technique. Paris: Seuil, 2001.

CAMPOS, I. M.; ALVES, J. B. Participação social na gestão de resíduos sólidos na cidade de Teixeira (PB). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 14, n. 4, p. 323-339, 2019.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004

FLORIANI, D. Ciência, etnociências e saberes locais: apontamentos para refletir sobre o debate teórico e as práticas do socioambientalismo, in SHIRAISHI N., J. et. al (orgs.). Problema ambiental: naturezas e sujeitos em conflitos. São Luís: Edufma, 2019, p. 25-47

FREITAS, C.M. et al. Vulnerabilidade socioambiental, redução de riscos de desastres e construção da resiliência: lições do terremoto no Haiti e das chuvas fortes na Região Serrana. Ciências Saúde coletiva, v. 17, n. 6, p. 1577-1586, 2012.

HARREMOËS, P. et al. The precautionary principle in the 20th century. Late lessons from early warnings. London: Earthscan Publications, 2002.

ISSBERNER, LR; LÉNA, P. (ed.). Brazil in the anthropocene: conflicts between predatory development and environmental policies. Londres, NYC, Routledge Environmental Humanities, 2017.

IZUMI, T.; SHAW, R. Role of civil society organizations in policy and advocacy in risk reduction. In: SHAW, R.; IZUMI, T. (eds). Civil Society Organization and Disaster Risk Reduction. Springer, Tokyo, 2014. p. 15-27.

JACOBI, P. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 233-250, 2005

KUHLICKE, C. et al. Contextualizing social vulnerability: findings from case studies across Europe. Natural Hazards, v. 58 (2), p. 789 810, 2011.

LATOUR, B. Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. Revista de Antropologia, v. 57, n.1, p.11-31, 2014.

LATOUR, B. et al. Down to earth social movements: an interview with Bruno Latour. Social Movement Studies, v. 17, n. 3, p. 353-361, 2018.

NÉDÉLEC, L.; SIMONNEAUX, L.; MOLINATTI, G. Éduquer dans un monde incertain: quel cadre pour comprendre comment les enseignants appréhendent les incertitudes des questions socialement vives? Journal of education, v. 5, n. 02, p. 10-24, 2017.

PENTEADO, A.F et al. Riscos Associados ao Sistema de Controle de Enchentes no Vale do Rio dos Sinos. Territorium, n. 19, p. 161-168, 2016.

PINTO, C. R.J. O sujeito insuficiente: a dupla face do esgotamento do sujeito político no fim do século XX. In: SANTOS, J.V.T. (Org). Violência em tempos de globalização. São Paulo: Hucitec, 1999, p. 101-117.

PUHL, M. J. Educação Ambiental: compreender o contexto socioambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 11, n. 4, p. 184-196, 2016.

ROSA, C. D.; PROFICE, C. C. Que tipo de Educação Ambiental e para quem? Fatores associados a atitudes e comportamentos ambientais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 13, n. 1, p. 111-125, 2018.

RUSCHEINSKY, A. Políticas públicas ambientais, mediação da educação e o bem natural da água, In NEUMANN, L. (Org). Desafios da educação para os novos tempos. Porto Alegre: Evangraf, 2014, p. 229-247.

RUSCHEINSKY, ALOISIO. Protagonismo de atores coletivos e políticas ambientais com a inclusão do outro. In: LOPES, J. R.; STEIL, C. A.; LEISTNER, R. M. (Org.). Políticas culturais e ambientais no brasil: da normatividade às agências coletivas. Porto Alegre: Cirkula Ed., 2016, v. 2, p. 83-106.

RUSCHEINSKY, A.; TREIS, M. Desastre ambiental, atores sociais, políticas públicas e espaços passíveis de participação. Revista de Psicologia Política, v. 19, p. 602-614, 2019.

SECCHI, L. Análise de Políticas Públicas: diagnóstico de problemas, recomendação de soluções. São Paulo: Cengage Learning, 2016, 238p.

SILVA, D. C.; KUHN J., N. Projeto banhados em nós-patrimônio cultural, material e natural da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos. Revista Eletrônica Científica da UERGS, v. 3, n. 4, p. 711-722, 2017.

VICENTE, A. C. V. et al. Os fóruns participativos como espaços para prática da ecocidadania. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 11, n. 2, p. 43-53, 2016.

WITTLER. Projeto Contra Cheias no Vale do Rio dos Sinos, em São Leopoldo, Novo Hamburgo. Disponível em: <http://www.wittler.com.br/>. Acesso em ago. de 2020.

WYNNE, B. Risk and environment as legitimatory discourses of technology: reflexivity inside out?. Current sociology, v. 50, n. 3, p. 459-477, 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

Ruscheinsky, A., & Treis, M. C. (2021). A integração entre políticas públicas de proteção social com Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(4), 205–226. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10629

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-05-07
Aceito em 2021-05-03
Publicado em 2021-08-01