A emergência do educador ambiental crítico a partir da formação docente: importância do saber socioambiental na construção de projetos de intervenção coletivos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10601

Palavras-chave:

Abordagem Hermenêutica-Fenomenológica Complexa; Formação Docente; Educador Ambiental Crítico, Participação, Saber Ambiental

Resumo

A formação docente em educação ambiental pode auxiliar no enfrentamento de uma lógica hegemônica que não promove reflexões dos padrões societários almejados. Nesse intento, o presente artigo nos propicia a reflexão sobre a necessidade de repensar e de reconstruir os programas de formação docente em educação ambiental. A partir das interpretações do trabalho de campo realizado no povoado Caueira, Itaporanga-Se, discutimos como a formação do educador ambiental crítico pode contribuir para a elaboração de projetos de intervenção coletivos nas unidades escolares. A metodologia adotada no campo foi a Abordagem Hermenêutica-Fenomenológica Complexa, que subsidiou a propositura de uma formação docente contra hegemônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luanne Michella Bispo Nascimento, Universidade Federal de Sergipe

É doutoranda no Programa de Pós Graduação em Educação (PPGED). É mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo PRODEMA/UFS (2014), onde foi bolsista CAPES. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe, Campus Itabaiana (2011). De 2008 a 2010 foi bolsista PIBIC/CNPq. Seus trabalhos foram produzidos no âmbito do Grupo de Estudos e Pesquisa Processos Identitários e Poder (GEPPIP), seguindo as linhas da sustentabilidades, processos identitários, tradicionalismo, conflitos ambientais e saberes ambientais de comunidades do entorno do Parque Nacional Serra de Itabaiana. Atualmente trabalha no Núcleo de integração entre a UFS e a Educação Básica (NIUEB) na Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (SEDUC), fazendo acompanhamento e articulação de programas e projetos da universidade desenvolvidos na escolas da educação básica. É membro do Grupo de Pesquisa de Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE), onde sua atual linha de pesquisa é o estudo da Educação Ambiental crítica e emancipatória como o cerne do processo educativo.

Aline Lima de Oliveira Nepomuceno, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Educação (PPGED-UFS), mestre em Educação (PPGEduc-UFRRJ-2012), graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura Plena) (UFS- 2009). Desepenha pesquisas junto ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE-UFS), ao Projeto Sala Verde na UFS, ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental, Diversidade e Sustentabilidade (GEPEADS-UFRRJ) e ao Grupo de Estudos em Educação Científica (GEPEC-UFS), atuando nas áreas de Educação Ambiental, Formação de Professores, Metodologias Participativas, Metodologias para o Ensino de Ciências e Biologia. É professora do ensino superior efetiva do Departamento de Biologia da UFS, nas disciplinas de Metodologias para o Ensino de Ciências e Biologia e membro permanente do Programa de Pós-gradação em Educação (PPGED) - UFS.

Celso Daniel Mandlate, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Licenciatura em ensino de Portugues pela Universidade Pedagogica-Gaza (2018) e mestrado em Educação-Formação de professores - Universidad Europeia del Atlantico (2018). Atualmente é professor do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino

Denio Alberto Barbosa Tavares, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em ARQUITETURA E URBANISMO pela Universidade Tiradentes (2001) e graduação em MATEMÁTICA LICENCIATURA PLENA pela Universidade Tiradentes (2005). GEOGRAFIA - LICENCIATURA pela Universidade Federal de Sergipe (2017), Mestrando em Ensino das Ciências Ambientais - PROFCIAMB/UFS.

Referências

ARANTES, L. M.; MONKEN, E. M. F. A atuação de educadores ambientais na formação de professores de escolas municipais de Belo Horizonte (MG), no Programa Escola Integrada Inhotim. Acta Biológica Catarinense, jul.-dez.; 1(2): 36-45, 2014.

ARAÚJO, M. I. O. A universidade e a formação de professores para a Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Brasília, n. 0, p. 71-78, Nov./2004.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface (Botucatu), Botucatu, v. 2, n. 2, p. 139-154, Feb. 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Formando COM-VIDA, Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola: construindo Agenda 21 na escola / Ministério da Educação, Ministério do Meio Ambiente. 3. ed. rev. e ampl. – Brasília: MEC, Coordenação-Geral de Educação Ambiental, 2012.

D'ESPOSITO, M. E. W.; COSTA NEVES, R. da. Pesquisando a partir da perspectiva da complexidade na área de linguística Aplicada. DELTA, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 239-259, June 2015 .

DIAS, G.F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004.

FREIRE, M. M. Da aparência à essência: a abordagem hermenêutico-fenomenológica como orientação qualitativa de pesquisa. In: ROJAS, J.; MELLO, L.S. (Org.). Educação, pesquisa e prática docente em diferentes contextos. 1ed. Life Editora, v. 1, 2012, p. 181-199.

GUIMARÃES, M. Armadilha paradigmática na Educação Ambiental. In: LOREIRO, C. F. B., LAYRARGUES, P. P., CASTRO, R. S. (orgs.). Pensamento complexo, dialética e Educação Ambiental. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GUIMARÃES, M. Processos formativos do educador ambiental: a práxis de intervenção numa (com)vivência pedagógica. Didática e Prática de Ensino na relação com a Formação de Professores. EdUECE, 2014, Livro 2 - 05829.

JACOBI, P. R.; TRISTAO, M.; FRANCO, M. I. G. C. A função social da Educação Ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Cad. CEDES, Campinas , v. 29, n. 77, p. 63-79, Apr. 2009.

LAYRARGUES, P. P. Subserviência ao capital: Educação Ambiental sob o signo do antiecologismo. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.13, n.1 – pags. 28-47, 2018.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 4°ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LEFF, E. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

SANTOS, D. M., LEAL, N. M. Pedagogia de projetos e sua relevância como práxis pedagógica e instrumento de avaliação inovadora no processo de ensino-aprendizagem. Revista Científica da FASETE. 2018.2.

SANTOS, R. M. de S. dos et al. A necessidade de uma nova conscientização ambiental: A Educação Ambiental como prática. Revista brasileira de Educação e saúde (Pombal – PB, Brasil), v. 3, n. 2, p. 28-33 abr.-jun., 2013.

SILVA, J.S, ARAÚJO, M.I.O. O estágio de docência e a formação de professores em Educação Ambiental: reflexões e práticas. In: NEPOMUCENO, A.L.O., ARAÚJO, M.I.O. (orgs). Docência: caminhos por diferentes referências [recurso eletrônico] – São Cristóvão, SE: Editora UFS, p. 79-100, 2019.

REIGOTA, M. Desafios à Educação Ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998. p.43-50.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 2007.

RODRIGUES, J. M. M., SILVA, E. V. da Silva. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Problemática, Tendências e Desafios. 2ª ed. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Como Citar

Nascimento, L. M. B., Nepomuceno, A. L. de O., Mandlate, C. D., & Tavares, D. A. B. (2021). A emergência do educador ambiental crítico a partir da formação docente: importância do saber socioambiental na construção de projetos de intervenção coletivos. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 212–231. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10601

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido em 2020-05-01
Aceito em 2021-02-01
Publicado em 2021-03-09