Reflexões entre biotecnologia, ética e Educação Ambiental, à luz da toria da complexidade, de Edgar Morin

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.10526

Palavras-chave:

Complexidade, Criticidade, Ética, Problemas Ambientais, Tecnologia

Resumo

Diante do atual quadro de degradação socioambiental, faz-se urgente uma reflexão aprofundada sobre o assunto, para que novos caminhos sejam construídos em busca da sustentabilidade ambiental e da justiça social. Apesar da complexidade envolvida quando se trata do ambiente, as discussões voltadas para a solução da problemática ambiental, muitas vezes são polarizadas entre duas perspectivas, sendo uma delas pautada na tecnologia e a outra em discussões críticas, reflexivas e éticas, que se apoiam, portanto, em epistemologias distintas e articuladas, respectivamente, com as ciências naturais e as ciências humanas. Diante desse cenário, este artigo promove uma reflexão sobre os limites e potencialidades das possibilidades apresentadas, apoiados nos princípios da Educação Ambiental e na da Teoria da Complexidade, de Edgar Morin. O princípio dialógico da Teoria da Complexidade abarca que os aspectos, a primeira vista, antagônicos, podem ser, na verdade, complementares, alterando a polaridade das discussões sobre os possíveis enfrentamentos da degradação ambiental. Assim, propomos a integração das duas possibilidades. Defendemos que os avanços tecnológicos, a serem integrados ao contexto socioambiental, devem ser submetidos ao crivo de um olhar crítico, complexo e ético. Dessa forma, possíveis distorções de ordem mercadológica ou oriundas de análises pontuais poderão ser minimizadas, atendendo, assim, a complexidade e a urgência que envolve a temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Mazurek, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro-PR)

Nicole Kataoka Silva, Faculdade Guairacá (PR)

Graduanda do curso de Psicologia da Faculdade Guairacá (PR).

Yuri Kataoka Silva, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Biologia Evolutiva da Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro- PR) 

Daniela de Almeida dos Santos, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Mestra em Ensino de Ciências Naturais e Matemática da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro-PR)

Ana Lucia Suriani Affonso, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Professora do departamento de Biologia da Universidade do Centro-Oeste (Unicentro – PR)

Mauricio Camargo Filho, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Professor do departamento de Geografia da Universidade do Centro-Oeste (Unicentro – PR)

Referências

ARTAXO, P. As três emergências que nossa sociedade enfrenta: saúde, biodiversidade e mudanças climáticas. Estudos Avançados, v. 34, n. 100, p. 53-66. 2020.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

CHAUI, M. Convite à Filosofia. 13 ed. São Paulo: Editora Ática, 2008.

CHRISPINO, A. Introdução aos enfoques CTS – Ciência, Tecnologia e sociedade – na educação e no ensino. Documentos de trabajo de iberciencia, n. 4, 2017. 175p.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental crítica. In: LAYRARGUES, P. P. (org). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004. p. 25-34.

GONÇALVES, C. W. P. Os descaminhos do meio ambiente. 15 ed. São Paulo. Contexto, 2016.

HARMS, U. Biotechnology Education in Schools. Electronic Journal of Biotechnology, v. 5, n. 3, p. 204-2011. 2002.

IGLESIA, P. M. Ciencia – tecnología – sociedad en la enseñanza-aprendizaje de las ciencias experimentales. Alambique: Didáctica de las Ciencias Experimentales. p. 7-11, 1995.

KATAOKA, A. M.; MORAIS, M. M. Educação Ambiental e paradigma da complexidade: aproximações entre ciências naturais e ciências humanas. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. Macapá, v. 11, n. 2, p. 53-65 2018.

LAYARGUES. P. P. Pandemias. Colapso climático, antiecologismo: educação ambiental entre emergências de um ecocídio apocalíptico. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 01-30, 2020.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

LEANDRO, L. A.; NEFFA, E. M. Soluções tecnológicas ecoeficientes para o desenvolvimento sustentável: uma análise teórico-conceitual. REGET. v. 18, n. 1, p. 566-576. 2014.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. 4 ed. São Paulo. Cortez, 2012.

MAIA, J. S. S. Educação Ambiental crítica e formação de professores. 1 ed. Curitiba. Appris, 2015.

MORIN, E. Complexidade e ética da solidariedade. In: CASTRO, G; CARVALHO, E. A. C.; ALMEIDA, Maria C. A. (Orgs.). Ensaios de Complexidade. Porto Alegre: Sulina, 1997, p.15-24.

MORIN, Edgar. O método 1: A natureza da natureza. Portugal, Publicações Europa-America, 1997.

MORIN, E. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, F. M.; SILVA, J. M. (org). Para navegar no Século XXI. Tecnologias do Imaginário e Cibercultura. Porto Alegre: Sulina/Edipucrs, 2000.

MORIN, E. Ciência com consciência. 16 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5 ed. Porto Alegre. Sulina, 2015a.

MORIN, E. Ensinar a viver: um manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Editora Sulina, 2015b.

MORIN, E. O Método VI: Ética. Porto Alegre: Sulina. 2011.

PÉREZ, L. F. M. A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC). In: PÉREZ, L. F. M. A _. Questões sociocientíficas na prática docente: Ideologia, autonomia e formação de professores [online]. São Paulo: Editora UNESP, p. 54-61, 2012.

SANTOS, D. B.; SURIANI-AFFONSO, A. L.; KATAOKA, A.M. Contribuições da Educação Ambiental Crítica para abordagem CTSA. Rencima, v. 11, n. 3, p. 418-435. 2020.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I.C.M. (orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

TOBÓN, A. M. La conciencia ecológica un paradigma de la calidad de vida. Luna Azul, Colombia, p. 1-2. 2006.

Downloads

Publicado

01-02-2022

Como Citar

Kataoka, A. M., Mazurek, D. ., Silva, N. K., Silva, Y. K., Santos, D. de A. dos, Affonso, A. L. S., & Camargo Filho, M. . (2022). Reflexões entre biotecnologia, ética e Educação Ambiental, à luz da toria da complexidade, de Edgar Morin. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(1), 433–447. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.10526

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2020-04-14
Aceito: 2021-12-21
Publicado: 2022-02-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.