O aproveitamento da energia solar e as relações com a Educação Ambiental em dois estudos de caso no Paraná

Palavras-chave: Energia Solar, Educação Ambiental, Sustentabilidade, Desenvolvimento.

Resumo

Este artigo apresenta aspectos do aproveitamento da energia e suas relações com a educação ambiental utilizando a abordagem da percepção socioambiental de moradores de algumas localidades da área urbana de Curitiba, Paraná, Brasil. A pesquisa consiste em uma abordagem quantitativa e qualitativa que buscou compreender o uso de sistemas de aquecimento solar e geração fotovoltaica nos hábitos e costumes da população usuária e possíveis mudanças comportamentais decorrentes da presença dessa nova tecnologia. Os fatores que influenciaram a abordagem: (a) o conhecimento prévio desse complexo habitacional pelo pesquisador; (b) a delimitação espacial do complexo habitacional com um número relativamente alto de aquecedores solares ou painéis fotovoltaicos, o que facilitou a operacionalização da pesquisa; (c) a falta de banco de dados sobre os proprietários de sistemas de aquecimento solar / fotovoltaico. A pesquisa revelou que há um grande déficit, espaço e oportunidade de trabalhar a educação ambiental nesse tipo de população.

Referências

ACHÃO, C.C.L. Análise da Estrutura de Consumo de Energia no Setor Residencial Brasileiro. 2003. Tese (Doutorado em Planejamento Energético) - COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2003.

ACKERMAN, T; GÖRAN, A; SÖDER, L. Distributed generation: a definition. Electric Power Systems Research, v. 57, n. 3, 2001. DOI: 10.1016/S0378-7796(01)00101-8.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (ANEEL). Atlas de Energia Elétrica do Brasil. Brasília, 2005.

AGÊNCIA NACIONAL DE PETRÓLEO (ANP). Boletim de Recursos e Reservas de Petróleo e Gás Natural 2016. Brasília, 2017.

ASCERALD, H.. Ambientalização das Lutas Sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. São Paulo: Estudos Avançados, 2010.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA, 2009.

BRANCO, S. M. Energia e meio ambiente. São Paulo: Moderna, 2002.

BREHM, M. A. Geração de energia elétrica fotovoltaica distribuída por pequenos consumidores domésticos no Paraná: potencialidades e aspectos sócio-ambientais. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

BRITO M. C.; VALLÊRA, A. Meio século de história fotovoltaico. Lisboa: Departamento de Física e Centro de Física da Matéria Condensada (CFMC), 2006.

COLLE, S. et al. Impacto da energia solar sobre o pico de demanda de energia de chuveiros elétricos de famílias de baixa renda no Brasil. In: XII Congrese Ibérico, 12, 2004, Vigo; Congreso Íbero Americano de Energía Solar, 7, 2004, Vigo. Anais… Vigo: Editora M. Vazquez; J. F. Seara, 2004.

COTTRELL, F. Energy and Society: The Relation Between Energy, Social Change, and Economic Development. New York: McGraw Hill, 1955.

DEMO, Pedro. Metodologia científica em Ciências Sociais. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 1995.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AQUECIMENTO SOLAR (DASOL/ABRAVA). Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil – Ano de 2015. São Paulo: DASOL/ABRAVA, 2016.

DORON, R.; PAROT, F. Dicionário de Psicologia. Lisboa: Climepsi Editores, 2001.

DUFFIE, J. A.; BECKMAN, W. A. Solar engineering of thermal processes. 4. ed. New York: John Wiley & Sons, Inc., 2013.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE). Balanço Energético Nacional 2016: Ano base 2015, Rio de Janeiro: EPE. 2016.

ENVIRONMENTAL POLICY INTEGRATION IN EUROPE (EEA). State of play and an evaluation framework. Copenhagen: [s.n.], 2005. Disponível em: <http://www.eea.europa.eu/publications/technical_report_2005_2>.

FAGGIONATO, S. Percepção ambiental. Material e textos. 2011. Disponível em: <http://educar.sc.usp.br>. Acesso em: 09 jan. 2018.

FANTINELLI, J. T. Análise da evolução de ações na difusão do aquecimento solar de água para habitações populares Estudo de caso em Contagem – MG. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2006.

FOLADORI, G. O Capitalismo e a crise ambiental. Revista Raízes, v. 18, n. 19, maio 1999.

FRAIDENRAICH, N. Tecnologia solar no Brasil. Os próximos 20 anos. Disponível em: <http://www.feagri.unicamp.br/energia/energia2002/jdownloads/pdf/papers/paper_Fraidenraich.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2017.

FURTADO, C. Em busca de novo modelo. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

KNECHTEL, M. R.; FLORIANI, D. Educação ambiental: epistemologia e metodologias. Curitiba: Gráfica Vicentina, 2003.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidad, racionalidad, complejidad, poder. México: Siglo XXI Editores/PNUMA, 1998.

LEFF, E. A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez Ed., 2003.

MORIN, E. Introducción al pensamiento complejo. 3. ed. Barcelona: Gedisa, 1997.

NASPOLINI, H. F.; MILITÃO, H. S. G.; RÜTER, R. The role and benefits of solar water heating in the energy demands of low-income dwellings in Brazil. Energy Conversion and Management. V. 51, n. 12, dez. 2010.

O’CONNOR, J. ¿Es posible el Capitalismo sostenible? In: ALIMONDA, H. (Org.). Ecología política, naturaleza, sociedad y utopía. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

OKAMOTO, J. Percepção ambiental e comportamento. São Paulo: Plêiade, 1996.

PEREIRA, E.B et al. Atlas brasileiro de energia solar. Swera, São José dos Campos, 2006.

PEREIRA, E. B. et al. Atlas brasileiro de energia solar., São José dos Campos: INPE, 2017.

PEREIRA, E. M. D. et al. Energia Solar Térmica. In: TOLMASQUIM, M. T. (Org). Fontes renováveis de energia no Brasil. Rio de Janeiro: Interciência, 2003.

ROKEMBACH. H. L. Aspectos sociais relacionados à difusão de sistemas fotovoltaicos conectados à rede em residências na cidade de Curitiba. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

ROBBINS, S. Comportamiento organizacional, México: Prentice-Hall, 1999.

RÜTHER, R. Edifícios solares fotovoltaicos: o potencial da geração solar fotovoltaica integrada a edificações urbanas e interligada á rede elétrica pública no Brasil. Florianópolis: LABSOLAR, 2004.

WACHSMANN, Ulrike. Mudanças no consumo de energia e nas emissões associadas de CO2 no Brasil entre 1970 e 1996: Uma análise de decomposição estrutural. 2005. Dissertação (Doutorado em Planejamento Energético). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

WHITE, L. A. The Evolution of Culture. New York :McGraw Hill, 1959.

WILD, M. et al. A New Diagram of the Global Energy Balance. , New York: American Institute of Physics, 2013.

YIN, R. K. Case study research: design and methods. New York: Sage Publications, 1990.

Publicado
2021-03-10
Como Citar
Colatusso, R., Araújo, C., Gobbi, E. F., & Andreoli, F. (2021). O aproveitamento da energia solar e as relações com a Educação Ambiental em dois estudos de caso no Paraná. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 293-315. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10519
Seção
Artigos