Educação Ambiental nas unidades de ensino básico de Luiz Alves (SC): perfil e percepção docente

  • Eder Caglioni Centro Universitário Leonardo da Vinci = Uniasselvi
  • Michele Ribeiro Ramos Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Deyla Paula de Oliveira Universidade Federal do Tocantins - UFTO
  • Elias João de Melo Secretaria Municipal de Educação de Blumenau – SEMED
  • Susana Müller Campigotto Secretaria Municipal de Educação de Luiz Alves – SEMED
Palavras-chave: Educação Ambiental Extraclasse, Educação Infantil, Ensino Fundamental, Percepção Ambiental Docente

Resumo

Este estudo objetivou compreender o perfil e a percepção ambiental dos professores, atendentes e gestores escolares das unidades de ensino básico, níveis Educação Infantil e Fundamental, de Luiz Alves/SC, nos anos de 2008 e 2018. Para a coleta dos dados, foi utilizado um questionário semiestruturado com perguntas objetivas, com justificativa de respostas em algumas das perguntas. Participaram da pesquisa 56 professores, atendentes e gestores em 2008 e 43 em 2018. Em sua maioria, os professores, atendentes e gestores têm conhecimento do conceito de educação ambiental. A maior parte relatou que aborda o tema em sala de aula, apesar de terem mencionado que materiais didáticos específicos e mesmo palestras poderiam ajudá-los a abordar melhor o tema em suas aulas. Embora tenha sido detectada pouca inclusão de atividades ambientais fora dos espaços escolares, observou-se um aumento nas construções de hortas escolares, grande aliada na abordagem de temas ambientais nas escolas. Percebeu-se uma lacuna entre a teoria e a prática no que tange às mitigações dos problemas ambientais apontados para o município de Luiz Alves. Formações complementares em educação ambiental de maneira integrada, contínua e a longo prazo tornam-se necessárias nas unidades de ensino do município.

Referências

ACCIOLY, E. A escola como promotora da alimentação saudável. Ciência em Tela, v. 2, n. 2, p. 1-9, 2009.

AGUIAR, P. L. de; MULULO, J. C. P.; PEDROSO, L. de S.; GUIMARÃES, K. Q.; FACHÍN-TERÁN, A. A horta escolar como recurso promotor para aproximação das crianças da educação infantil com o meio ambiente. Educação Ambiental em ação, v. XVI, n. 62, p. 1-7, 2017.

ARAÚJO, J. B. S.; OLIVEIRA, P. E. S. A Educação Ambiental na grade curricular do curso de Agronomia da UFS. Revista Sergipana de Educação Ambiental, v. 1, n. 2, p. 112-129, 2015.

AZEVEDO, D. S. de; FERNANDES, K. L. F. Educação Ambiental na escola: um estudo sobre os saberes docentes. Educação em foco, v. 14, n. 2, p. 95-119, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 70o ed. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BARROS, A. de J. P.; LEHFELD, N. A. DE S. Projeto de Pesquisa: propostas metodológicas. Petrópolis: Vozes, 1990.

BARROS, M. M.; TAVARES, G. G.; PEIXOTO, J. de C.; SILVA, S. D. E. Vivenciar e perceber o lugar: estudo da percepção ambiental de escolares da rede municipal de ensino da cidade de Anápolis, Goiás, Brasil. Revista Investigação Qualitativa em Educação, v. 2, p. 414-420, 2015.

BRASIL. Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 1981

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei No 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Lei N° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução no 1, de 15 de maio de 2006. Institui diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em pedagogia, licenciatura. Brasília, 2006.

BRASIL. Lei n° 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília, 2009.

BRASIL. Lei n° 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília, 2009.

BRASIL. Lei n° 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências Brasília, 2014a.

BRASIL. Ministério da Educação. Cartilha Nacional da Alimentação Escolar. 2014b.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: linha de base. Brasília: INEP, 2015.

CAMPOS, M. M. Educar crianças pequenas: em busca de um novo perfil de professor. Revista Retratos da Escola, v. 2, n. 2-3, p. 121-131, 2008.

CARVALHO, M. R. V. Perfil do professor da educação básica. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018. 67 p.

CARVALHO NETO, C. Z. Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência. São Paulo: Laborciencia, 2018.

CARVALHO, P. M. S.; SILVA, F. A. R. E. Horta orgânica como ambiente de aprendizagem de Educação Ambiental para alunos com deficiência intelectual. Revista da SBEnBio, , n. 7, p. 1-9, 2014.

DWORAK, A. P.; CAMARGO, B. C. Mal-estar docente: um olhar dos professores. Formação de professores: contextos, sentidos e práticas, p. 6912-6924, 2017.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde do professor. Bauru: EDUSC, 1999.

FINDLAY, E.; KERESEKA, D.; SHADRACK, F.; HENDERSON, R.; KUPE, S. Discovering Biodiversity: an educator’s guide to exploring nature’s variety. Port Vila: Vanuatu: Live & Learn Environmental Education, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17o ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Professora sim, tia não. 7o ed. São Paulo: Olho Dágua, 1995.

JUSTEN, L. M. Trajetórias de um grupo interinstitucional em um programa de formação de educadores ambientais no estado do Paraná (1997-2002). Educar em Revista, n. 27, p. 129-145, 2006.

KLUCK, C.; CAGLIONI, E.; OLIVEIRA, S. D.; MARCON, I. T.; CORRÊA, V. G.; JESUS, C. R. Educação Ambiental formal em escolas municipais das microbacias Ribeirão Máximo e Ribeirão Serafim, em Luís Alves/SC. 4o Fórum Anual de Iniciação Científica. Anais...Blumenau: Edifurb, 2005.

LEFF, E. A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2003.

LUCENA, T. C.; FIGUEROA, M. E. V.; OLIVEIRA, J. C. A. Educação Ambiental, sustentabilidade e saúde na criação de uma horta escolar: melhorando a qualidade de vida e fortalecendo o conhecimento. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 5, n. 2, p. 01-09, 2015.

LUIZ ALVES. PREFEITURA MUNICIPAL. Lei no 1.798, de 10 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a Política de Educação Ambiental Municipal e dá outras providências. Luiz Alves, 2019.

PORTAL RESÍDUOS SÓLIDOS-PRS. Documentário: lixo extraordinário. Disponível em: <https://bit.ly/3bNyYp3>. Acesso em: 20 mar. 2020.

RABELO, A. O. Eu gosto de ser professor e gosto de criança: a escolha profissional dos homens pela docência na escola primária. Revista Lusófona de Educação, v. 15, p. 163-173, 2010.

RAMOS, H. B. P.; BENEVIDES, E. V. B. Cartilha: lei dos crimes ambientais. Brasília: Ibama, 2004.

REGO, D.; ANDRADE, E. G. R. Os aspectos teórico-metodológicos da representação social sobre o ensinar: construíndo identidades docentes. Research, Society and Development, v. 8, n. 1, p. 1-18, 2019.

REZENDE, C. N. V.; SILVA, S. L. C. E; SILVEIRA, T. C. Percepção ambiental e a prática docente nas escolas do meio rural do município de Itapetinga-BA. Revista Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, v. 23, p. 493-514, 2009.

RIBEIRO JÚNIOR, J. I. Análises Estatísticas no Excel. 2o ed. Viçosa, MG: UFV, 2013.

SANTOS, M. C.; KEUROGHLIAN, A.; EATON, D. P. Construção do conhecimento agroecológico como instrumento de Educação Ambiental em Corguinho, Mato Grosso do Sul. Cadernos de Agroecologia, v. 9, n. 4, 2014.

SATO, M. Formação em Educação Ambiental – da escola à comunidade. In: COEA/MEC (Org.). Panorama da Educação Ambiental no Brasil. p. 5-13, 2000. Brasília: MEC.

SCHAEFER-SANTOS, J.; RIZZI, N. E. Dinâmica de uso do solo da bacia hidrográfica do rio Luís Alves, sub-bacia do rio Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Floresta, v. 40, n. 2, p. 335–344, 2010.

SCHNEIDER, E. Gestão ambiental municipal: preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável. XX ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia da Produção. Anais...São Paulo: ABEPRO - Associação Brasileira de Engenharia de Produção, 2000.

SEBRAE. Luiz Alves em números. Florianópolis: Sebrae/SC, 2017.

SOMMER, J. C. Educação Ambiental no ensino fundamental: análise de uma experiência da rede municipal de Blumenau, 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Centro de Ciências Tecnológicas - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2000.

SOUZA, J. G. S.; ALMEIDA, E. A. Educomunicação ambiental: comparando ações realizadas no espaço escolar e no percurso de aula-passeio em uma unidade de conservação costeira. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 8, n. 1, p. 36-50, 2013.

TOMIO, D.; ADRIANO, G. A. C.; SILVA, V. L. S. E. (Com) viver em espaços de uma escola sustentável e criativa. Polyphonía, v. 27, n. 1, p. 367-391, 2016.

XAVIER, C. L.; NISHIJIMA, T. Percepção ambiental junto aos moradores do entorno do arroio Tabuão no Bairro Esperança em Panambi/RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 1, n. 1, p. 47-58, 2010.

Publicado
2021-02-04
Como Citar
Caglioni, E., Ramos, M. R., Oliveira, D. P. de, Melo, E. J. de, & Campigotto, S. M. (2021). Educação Ambiental nas unidades de ensino básico de Luiz Alves (SC): perfil e percepção docente. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 181-201. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10494
Seção
Artigos