Diagnóstico sobre prática de Educação Ambiental em Unidades de Conservação no Estado do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10416

Palavras-chave:

Educação transformadora; Educação conservadora; Áreas preservadas.

Resumo

A sociedade atual modificou-se em grande escala pelo desenvolvimento tecnológico e industrial e, cada vez mais, são vivenciados conflitos socioambientais. A Educação Ambiental (EA) surgiu na década de 1960 visando articular esses desafios socioambientais e explicitando possíveis mudanças nas ações humanas para a manutenção do meio em que estamos inseridos. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão de literatura buscando diagnosticar como a EA está sendo praticada em Unidades de Conservação (UC) no estado do Paraná e se esta prática se associa a vertente conservadora ou crítica emancipatória.  Espera-se assim, com a tessitura desse estudo teórico contribuir com a literatura sobre EA e, principalmente, diferenciar as vertentes Conservadora e Crítica. Para essa pesquisa, utilizou-se sites de busca de artigos científicos e a pesquisa booleana. Foram verificados somente trabalhos realizados em UCs que utilizaram a EA conservadora. Dessa forma, constatou-se que o objetivo dos trabalhos se resumia apenas a conduzir o público (visitantes) a uma reflexão sobre o ambiente, caracterizando ações distintas dos pressupostos da EA crítica, ou seja, pontuais, reducionistas, fragmentadas e unilateral da questão ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique Gonçalves Luz, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná - UNICENTRO

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática - PPGEN.

Ana Lucia Suriani Affonso, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2003), mestrado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (2006) e doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos (2010). Atualmente é professora titular da Universidade Estadual do Centro-Oeste e atua no Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática da UNICENTRO. Tem experiência nas áreas de Ecologia, Educação Ambiental e Ensino.

Referências

ADAMS, B. G. A importância da lei 9.795/99 e das diretrizes curriculares nacionais da educação ambiental para docentes. REMOA/UFSM, Revista monografias ambientais, v. 10, n. 10, p. 2148 – 2157, 2012.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I e II da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, 2000.

BRASIL. Lei Nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, n. 79, 28 abr. 1999.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 18 de junho de 2012, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. 2012.

CARILLO, A. C.; BATISTA, D, B. A conservação do papagaio-da-cara-roxa (Amazona brasiliensis) no estado do paraná – uma experiência de educação ambiental no ensino formal. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.31, n.1, p.113-122, 2007.

CONFINS. Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution. Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International. 2016.

GROFOSKI, L. C.; LUZ, C. H. G.; MAZON, J. A. Idealização da trilha da lua cheia no Parque Municipal das Araucárias em Guarapuava (PR). Relato de experiência. XV Encontro Paranaense de Educação Ambiental, 2017.

GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. 3ª ed. São Paulo: Papirus. 2007.

IAP. Instituto Ambiental do Paraná. 2005. Disponível em: <http://www.uc.pr.gov.br/> Acesso em: 05 de agosto de 2019.

IAP. Instituto Ambiental do Paraná. 2017. Disponível em: <http://www.uc.pr.gov.br/> Acesso em: 05 de agosto de 2019.

LIMA, G. F. C. Crise ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002. p. 127-129.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Crítica: contribuições e desafios. In: BRASIL. Vamos Cuidar do Brasil: Conceitos e práticas em Educação Ambiental na Escola. Ministério da Educação. Brasília. 2007. p.57-64.

LOUREIRO; C, F. B.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71. 2013.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. Disponivel em: https://www.mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao. Acesso: 09 de março de 2020.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

NEVES, l. M.; JANKOSKI, D. A.; SCHNAIDER, M. J. (Orgs). Tutorial de pesquisa bibliográfica. Curitiba: SiBi/UFPR, 2013.

OLIVEIRA, M. L. Trabalho docente: por uma educação ambiental crítica, transformadora e emancipatória. GT-22: Educação Ambiental. Recife. 2008. Disponível em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt22-4916-int.pdf> Acesso em: 04 de agosto de 2019.

PARANÁ. Plano de Manejo Parque Estadual de Vila Velha. Instituto Ambiental do Paraná, Curitiba, 2004. Disponível em: <http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Planos_de_Manejo/PE_VilaVelha/PEVV_introducao_final.pdf> Acesso em: 06 de agosto de 2019.

SANTOS, D. R. V. Proposta de Programa de Educação Ambiental para o Parque Nacional de Ilha Grande: integrando proteção ambiental e participação social. 2014. 40f. Monografia (Especialização em Gestão Ambiental em Municípios). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2014. Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/6253.>. Acesso em: 06 de agosto de 2019.

SOUZA, M. C. C. Educação ambiental e as trilhas: contexto para a sensibilização ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental - Revbea, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 239-253, 2014.

TANNOUS, S.; GARCIA, A. Histórico e evolução da Educação Ambiental, através dos tratados internacionais sobre o meio ambiente. Nucleus, v.5, n.2, p. 183-196. 2008.

Downloads

Publicado

2021-03-08

Como Citar

Luz, C. H. G., & Affonso, A. L. S. (2021). Diagnóstico sobre prática de Educação Ambiental em Unidades de Conservação no Estado do Paraná. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 143–152. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10416

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-03-09
Aceito em 2020-09-03
Publicado em 2021-03-08