A História Ambiental e a participação da sociedade na construção de uma trilha interpretativa

  • Aline Schú Unversidade de Passo Fundo
  • Jaime Martinez Universidade de Passo Fundo
  • Marcos Gerhardt Universidade de Passo Fundo
Palavras-chave: Interpretação Ambiental, Parque Natural Municipal João Alberto Xavier da Cruz, História Oral.

Resumo

As áreas protegidas são espaços que podem proporcionar a reconexão das pessoas com a natureza. Este artigo relata a construção de uma trilha interpretativa guiada no Parque Natural Municipal João Alberto Xavier da Cruz (PNMJ) de Carazinho, Rio Grande do Sul, Brasil, com base nas memórias coletadas por meio da História Oral e empregando as referências conceituais da História Ambiental. Um teste piloto foi aplicado e a atividade passou a integrar o Programa de Uso Público da Unidade de Conservação. Ao envolver a sociedade na construção de propostas de interpretação ambiental para áreas protegidas, os sentimentos de identidade e pertencimento a estes espaços podem ser fortalecidos.

Biografia do Autor

Aline Schú, Unversidade de Passo Fundo

Mestre em Ciências Ambientais (UPF, 2019). Programa de pós-graduação em Ciências Ambientais, Universidade de Passo Fundo, Instituto de Ciências Biológicas, Passo Fundo, RS, Brasil. Rua Jacob Claudino Rech, 184, Bairro Santo Antônio, CEP 99500-000, Carazinho, RS.

Jaime Martinez, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Ecologia, Manejo e Conservação da Vida Silvestre (UFMG, 2007). Professor titular no Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da Universidade de Passo Fundo, Instituto de Ciências Biológicas, Passo Fundo, RS, Brasil. Rua Presidente Vargas, 190, Centro, CEP 99500-000, Carazinho, RS.

Marcos Gerhardt, Universidade de Passo Fundo

Doutor em História (UFSC, 2013). Professor Adjunto no Programa de Pós-Graduação em História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Passo Fundo (UPF). Av. Brasil Leste, 2375, Caixa Postal 3010, Bairro Petrópolis, 99.050-970, Passo Fundo, RS.

Referências

BRASIL. Decreto Legislativo nº 2, de 05 de junho de 1992. Convenção Sobre Diversidade Biológica. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf_chm_rbbio/_arquivos/cdbport_72.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2017.

BRASIL. Diretrizes para visitação em Unidades de Conservação. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Departamento de Áreas Protegidas. Brasília, 2007. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/estruturas/ascom_boletins/_arquivos/livro.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2020.

BRASIL. Portaria nº 375, de 19 de setembro de 2018. Institui a Política de Patrimônio Cultural Material do Iphan e dá outras providências. Disponível em: <http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-375-de-19-de-setembro-de-2018-41601031>. Acesso em: 14 out. 2019.

GERHARDT, M.; NODARI, E.S. Patrimônio ambiental, História e biodiversidade. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, Anápolis, v.5, n.3, p.54-71, jul./dez. 2016.

HÜNING, C. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 23 jul. 2018. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa da área de aplicação da Lei 11.428 de 2006. 2012. Escala: 1:5.000.000. Disponível em: <http://geoftp.ibge.gov.br/informacoes_ambientais/estudos_ambientais/biomas/mapas/lei11428_mata_atlantica.pdf>.Acesso em: 14 abr. 2020.

IKEMOTO, S.M. et al. Avaliação do potencial interpretativo da trilha do jequitibá, Parque Estadual dos Três Picos, Rio de Janeiro. Sociedade & Natureza. Uberlândia. 21 (3): 271-287, 2009.

KUSSLER, A.L. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 23 jul. 2018. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

LIMA-GUIMARÃES, S.T.Trilhas Interpretativas e Vivências na natureza: aspectos relacionados à percepção e interpretação da paisagem. Caderno de Geografia. v. 20. n. 33. 2010.

LOPES, M.R.O. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 13 mar. 2019. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

LUZ, S.R.D. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 15 jan. 2019. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

MARTINEZ, J. et al. A trilha interpretativa como recurso didático na Educação Básica. In: STURM, Luciane et al (Org.). Qualidade do Ensino na Educação Básica: Contribuições das ciências da natureza, da matemática e de suas tecnologias. Passo Fundo: Upf, 2015. 272 p.

MEDEIROS, R. Evolução das tipologias e categorias de áreas naturais protegidas no Brasil. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v.IX, n. 1, p.40-64, jun. 2006.

PÁDUA, J.A. As bases teóricas da História Ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, 2010.

PRESTES, N.P. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 29 maio, 2019. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

ROVAI, M.G.O. Tradição oral e patrimônio imaterial: o papel da memória na luta por políticas públicas na Comunidade de Canárias, Maranhão. Revista Resgate. Vol. XXI, p. 7-16, 2013.

SNUC. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília: MMA/SBF, 2000, (32 p.) Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em: 26 nov. 2017.

SUCKAU, V.A. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 02 ago. 2018. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

TILDEN, F. Interpreting our heritage. North Carolina: The University of North Carolina Press, 1977. Disponível em: <https://is.muni.cz/el/1421/podzim2017/MUI_338/Interpreting_Our_Heritage__Chapel_Hill_Books_.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2020.

TOLEDO, S.S. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 09 jan. 2019. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

VARINE, H. O tempo social. Tradução Fernanda Camargo-Moro e Lourdes Rego Novaes. Rio de Janeiro: Eça Editora, 1987.

VARINE, H. As raízes do futuro - O patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Tradução Maria de Lourdes Parreiras Horta. Porto Alegre: Medianiz, 2013.

VASCONCELLOS, J.M.O. Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de trilhas interpretativas no Parque Estadual Pico do Marumbi e Reserva Natural Salto Morato - PR. 1998. 163 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal), Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1998. Disponível em: <https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/25417>. Acesso em: 08 jan. 2020.

VASCONCELLOS, J.M.O Trilhas interpretativas: aliando educação e recreação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. Anais. Curitiba: UNILIVRE. v.1. p. 465-477, 1997.

VIDAL, P.G. Entrevista concedida a Aline Schú. Carazinho, 30 jan. 2019. [A entrevista encontra-se gravada no acervo da autora].

Publicado
2020-08-21
Como Citar
Schú, A., Martinez, J., & Gerhardt, M. (2020). A História Ambiental e a participação da sociedade na construção de uma trilha interpretativa. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 1-19. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10194
Seção
Artigos