A LINGUAGEM DA CRIANÇA REPRESENTADA NAS TIRINHAS DE ARMANDINHO, DE ALEXANDRE BECK

Autores

  • Ilsa do Carmo Vieira Goulart Universidade Federal de Lavras
  • Marciano Renato Ribeiro Universidade Federal de Lavras

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2018.v6.678

Resumo

O artigo tem por objetivo investigar e compreender a linguagem infantil presente no gênero textual tirinha, como um processo de interação verbal e de representação da própria linguagem da criança, especificamente nas histórias de Armandinho, de Alexandre Beck. Como proposta metodológica optou-se pelo desenvolvimento de uma pesquisa bibliográfica, a partir de uma reflexão teórica e exploratória sobre o gênero tirinhas, diante da qual realizamos um levantamento de dados do autor e do personagem. As discussões teóricas procuram aproximar dois eixos de discussão temática: um sobre o desenvolvimento da linguagem como processo de interação social, conforme Vygotsky (1984, 1989), outro sobre a concepção enunciativa-discursiva da linguagem, segundo Bakhtin (2003, 2006). O estudo indica que a linguagem da criança, na tirinha de humor, aparece representada como forma de manifestação de sentimentos, de expressão atitudinal, de expressividade, de compromisso social em prol de um bem comum, de críticas e de conscientização sobre variados temas.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem infantil, tirinhas, interação social.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilsa do Carmo Vieira Goulart, Universidade Federal de Lavras

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

Professora do Departamento de Educação e do Programa de Pó-Graduação da Universidade Federal de Lavras.

Marciano Renato Ribeiro, Universidade Federal de Lavras

Graduando em Letras pela Universidade Federal de Lavras.

Downloads

Publicado

2018-05-28

Como Citar

Goulart, I. do C. V., & Ribeiro, M. R. (2018). A LINGUAGEM DA CRIANÇA REPRESENTADA NAS TIRINHAS DE ARMANDINHO, DE ALEXANDRE BECK. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 6(1), 49–73. https://doi.org/10.34024/olhares.2018.v6.678