Relações de gênero e violência na escola

Quando as jovens brigam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.11624

Palavras-chave:

Violência na Escola, Gênero, Habitus de gênero

Resumo

O presente texto apresenta uma reflexão acerca de episódios de violência praticados por jovens garotas dentro de escolas. O material de reflexão é fruto das pesquisas empíricas desenvolvidas durante a realização do curso de pós-graduação stricto sensu no nível de mestrado e doutorado em uma escola pública e uma escola particular, respectivamente, da cidade de São Paulo. Durante a pesquisa foram realizadas diversas técnicas de pesquisa qualitativa e quantitativa – unicamente na pesquisa no mestrado. Embora as realidades entre as duas populações sejam bem distintas, as relações sociais de gênero demonstraram ser uma excelente e eficiente ferramenta de análise para interpretar esses eventos porque somente a leitura de classe ou de nível socioeconômico não se demonstraram suficientes para desenvolver a análise. Esta, por sua vez, demonstrou que as jovens reagiram de modo condizente com suas socializações embora também contestassem essas mesmas socializações que as colocavam somente com vítimas e não como autoras de violência física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Rogério da Conceição Neves, Universidade de São Paulo

Doutor e Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Licenciatura em Ciências Sociais pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2004) e graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (2000).Integra o Grupo de Estudos sobre Educação, Gênero, Sexualidade (EDgEs/USP), na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, sob coordenação da Profa. Dra. Cláudia Vianna e Profa. Marilia Pinto de Carvalho e o Grupo de Pesquisa sobre Práticas de Socialização Contemporânea (GPS) coordenado pela Profa. Titular Maria da Graça Jacintho Setton

 

Referências

ABRAMOVAY, Miriam. Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO/Observatório de Violências nas Escolas/ Ministério da Educação, 2005.

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, Instituto Ayrton Senna. UNAIDS. Banco Mundial. USAID. Fundação Ford/ CONSED/ UNDIME, 2004.

AQUINO, Julio Groppa. Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996.

AXELROD, Paul. No Longer a “Last Resort”: The End of Corporal Punishment in the Schools of Toronto. The Canadian Historical Review, [S. l.], v. 91, n. 2, p. 261–285, 2010. Disponível em: http://muse.jhu.edu/content/crossref/journals/canadian_historical_review/v091/91.2.axelrod.html.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. a.

BOURDIEU, Pierre. Campo de poder, campo intelectual. Buenos Aires: Montessor, 2002. b.

BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

CAMACHO, Luiza M. Y. Violência e indisciplina nas práticas escolares de adolescentes: um estudo das realidades de duas escolas semelhantes e diferentes entre si. 2000. Tese - Universidade de São Paulo, [S. l.], 2000.

CAMACHO, Luiza Mitiko Yshiguro. As sutilezas das faces da violência nas práticas escolares de adolescentes. Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 123–140, 2001. DOI: 10.1590/S1517-97022001000100009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022001000100009&lng=pt&tlng=pt.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, [S. l.], v. ano 4, n.o, n. jul/dez, p. 432–443, 2002.

CONNELL, R. W. La organización de la masculinidad. In: Masculinidad/es: poder y crisis. Santiago de Chile: Ediciones de las Mujeres, 1997.

CONNELL, Raewyn. Políticas da Masculinidade. Educação e Realidade, [S. l.], v. 20 (2), n. jul/dez, p. 185–206, 1995.

DEBARBIEUX, Éric. Prefácio. In: ABRAMOVAY, Miriam (org.). Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO/Observatório de Violências nas Escolas/ Ministério da Educação, 2005.

GUIMARÃES, Áurea M. Vigilância, punição e depredação escolar. Campinas: Papirus, 1988.

LONGAREZI, Andréa M. Os sentidos da indisciplina na escola: concepções de professores, equipe técnica e alunos das séries finais do ensino fundamental. 2001. Tese - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Araraquara, [S. l.], 2001.

LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado. [s.l: s.n.].

NEVES, Paulo Rogério da Conceição. “As meninas de agora estão piores do que os meninos”: gênero, conflito e violência na escola. 2008. Universidade de São Paulo, [S. l.], 2008. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-05112009-155238/.

NEVES, Paulo Rogério da Conceição. Disposições de gênero e violências escolares: entre traições e outras estratégias socializadoras utilizadas por jovens alunas de uma instituição privada do município de São Paulo. 2014. Doutorado - Universidade de São Paulo, [S. l.], 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-05052014-150749/pt-br.php.

SANTOS, Lilian P. Garotas indisciplinadas numa escola de ensino médio: um estudo sob o enfoque de gênero. 2007. Mestrado - Universidade de São Paulo, [S. l.], 2007.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, [S. l.], v. 20 (2), n. jul/dez, p. 71–99, 1995.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, [S. l.], n. 20, p. 60–70, 2002. DOI: 10.1590/s1413-24782002000200005.

SPOSITO, Marília Pontes. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 27, n.1, n. jan./jul.2001, p. 87–103, 2001.

WAISELFISZ, Jacobo. Mapa da violência: os jovens do Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 1998.

Downloads

Publicado

2021-07-25

Como Citar

Neves, P. R. da C. (2021). Relações de gênero e violência na escola: Quando as jovens brigam. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 9(2), 01–17. https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.11624