Educação inclusiva, bullying e preconceito no ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.11618

Palavras-chave:

Educação Inclusiva, Violência escolar, Teoria Crítica da Sociedade

Resumo

O bullying e o preconceito são formas de violência escolar relacionadas, que podem ter objetivos distintos. Neste artigo, verifica-se se, em escolas regulares, alunos considerados em situação de inclusão são mais vítimas do que os demais e se há relação entre a discriminação desses alunos e a prática do bullying e do preconceito. Coletaram-se os dados em 2018, mediante questionário aplicado a 240 alunos do 9.º ano do ensino fundamental de oito escolas da região noroeste do Paraná e entrevista com 23 professores, que, nesse período, ministravam as disciplinas de Arte, de Educação Física e de Português nessas escolas. Realizaram-se o cálculo do coeficiente de Pearson (r) e as análises qualitativas fundamentadas pela Teoria Crítica da Sociedade. Os alunos considerados em situação de inclusão não são mais vítimas de bullying do que os demais; isso, porém, não elimina a necessidade de resistência à escola que segrega, de políticas públicas para a educação inclusiva e de ações de combate ao preconceito e ao bullying pela via da autorreflexão. Os dados indicam preconceito contra alunos afeminados tanto por parte de melhores nas disciplinas de sala de aula como por melhores em atividades físicas, explicitando o estereótipo machista de feminino e de masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Terezinha Bellanda Galuch, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pela PUC. Professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação (UEM). 

Eduardo Augusto Pavani, Universidade Estadual de Maringá

Graduando do 5º ano de Psicologia (ingresso em 2016) pela Universidade Estadual de Maringá (UEM); ênfase em Saúde e Processos Clínicos. 

Eduardo Oliveira Sanches, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professor do Departamento de Teoria e Prática da Educação (UEM). 

Analice Czyzewski, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professora do Departamento de Fundamentos da Educação (UEM).

Gabriela Natacha Alvares Numazawa, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), bolsista de Iniciação Científica pelo CNPq. 

 

Referências

ADORNO, T. W. Tabus acerca do magistério. In: ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. p. 97-117.
ADORNO, T. W. Minima moralia: reflexões a partir da vida danificada. 2. ed. São Paulo: Ática, 1993.
BRASIL. Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015.Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, 07 de jul. 2015. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 29 dez 2020.
BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 de abr 2002. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 29 dez 2020.
BRASIL. Lei nº 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, 30 de ago 2008. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 29 dez de 2020.
BRASIL. Lei nº 13.409 de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Diário Oficial da União, 29 de dez 2016. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13409.htm#:~:text=L13409&text=LEI%20N%C2%BA%2013.409%2C%20DE%2028,das%20institui%C3%A7%C3%B5es%20federais%20de%20ensino>. Acesso em: 29 dez de 2020.
CROCHICK, J. L. Preconceito e bullying: marcas da regressão psíquica socialmente induzida. Psicol. USP, São Paulo, v. 30, 2019. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/pusp/v30/1678-5177-pusp-30-e190006.pdf>. Acesso em: 26 dez 2020.
CROCHÍK, J. L. Formas de violência escolar: preconceito e bullying. In. Movimento, v. 3, 29-56. 2015. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32559>. Acesso em: 21 dez. 2020.
CROCHÍK, J. L. Hierarchy, violence and bullying among students of public middle schools. Paidéia, (RibeirãoPreto) [online], v. 26, n. 65, p. 307-315, 2016. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/paideia/v26n65/1982-4327-paideia-26-65-0307.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2020.
CROCHÍK, J. L. et al. Análise de um formulário de inclusão escolar. Imagens da Educação, v. 29, n. 1, p.71-87, 2011. Disponível em: < http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ImagensEduc/article/view/13306>. Acesso em: 29 dez 2020.
CROCHÍK, J. L. et al. Inclusão e discriminação na educação escolar. Campinas: Alínea Editora, 2013.
CROCHÍK, J. L. Preconceito, Indivíduo e Sociedade. Temas em Psicologia, 4 (3), 47-70. 1996. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1996000300004>. Acesso em: 20 dez 2020.
DRUMONT, Marly Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas, São Paulo, v. 3, p. 81-85, 1980. Disponível em: < http://hdl.handle.net/11449/108171>. Acesso em: 20 dez. 2020.
HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.
LOBATO. O colocador de pronomes. In: PINTO, Edith Pimentel (org.)
O Português do Brasil: textos críticos e teóricos II -1920-1945 - Fontes para a teoria e a história. São Paulo: Edusp, [1924] 1981.
MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Zahar editores: Rio de Janeiro, 1973.
MARCUSE, H. Eros e civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Zahar Editores: Rio de Janeiro, 1978.
OLIVEIRA, R. A atualidade de Marcuse: contrarrevolução e resistência. Revista Ideação, [s.l.], n. 36, jul./dez 2017, p. 42-58. Disponível em: < http://periodicos.uefs.br/index.php/revistaideacao/article/view/3138>. Acesso em: 29 dez 2020.
ROSA, Elisa Zaneratto. Por uma reforma psiquiátrica antimanicomial: o papel estratégico da Atenção Básica para um projeto de transformação social. 380 f. (Tese)-Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2016. Disponível em: < https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18816>.

Downloads

Publicado

2021-04-21

Como Citar

Bellanda Galuch, M. T. ., Pavani, E. A., Oliveira Sanches, E. ., Czyzewski, A., & Natacha Alvares Numazawa, G. . (2021). Educação inclusiva, bullying e preconceito no ensino fundamental. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 9(1), 108–128. https://doi.org/10.34024/olhares.2021.v9.11618