A Influência de oficinas com jogos de regras na avaliação dos pais sobre aspectos cognitivos e afetivos de crianças com TDAH

  • Daniela Dadalto Ambrozine Missawa Universidade Federal do Espírito Santo
  • Claudia Broetto Rossetti Universidade Federal do Espírito Santo
  • Mônica Cola Cariello Brotas Corrêa Universidade Vila Velha
Palavras-chave: TDAH, pais, jogos de regras

Resumo

O estudo acerca das relações entre afetividade e cognição em crianças com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um tema atual e complexo. O objetivo deste estudo foi analisar como a participação dos pais em oficinas de jogos de regras, juntamente com o filho com TDAH, contribui para modificação da percepção dos mesmos com relação a aspectos da afetividade e da cognição dessas crianças. Participaram do estudo oito-díades responsável-criança com TDAH. Foram utilizados como instrumentos os laudos psicológicos das crianças, o “Protocolo para hipótese diagnóstica para TDAH” e o protocolo de “Histórias Sobre os Aspectos Afetivos” preenchidos pelos pais antes e após as oficinas. Os resultados demonstraram a ocorrência de alterações positivas e negativas nas avaliações dos pais acerca dos seus filhos. Observou-se que as oficinas com jogos de regras contribuíram para alterações na percepção dos pais acerca dos filhos com TDAH.

Métricas

Carregando métricas...

Biografia do Autor

Daniela Dadalto Ambrozine Missawa, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2004), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2006) e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2017). Atualmente é bolsista FAPES de Pós-Doutorado e desenvolve atividades de pesquisa, docência e orientação no Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFES.

Claudia Broetto Rossetti, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (1992), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (1996) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (2001). Concluiu Pós-Doutorado na Universidade de São Paulo em 2011. É Professora Titular da Universidade Federal do Espírito Santo, tendo atuado no Departamento de Psicologia de 2000 a 2008 e passando a atuar no Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento a partir de 2008. Faz parte do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP/UFES) desde 2002 tendo exercido a função de Coordenadora do PPGP/UFES (biênio 2015-2017). Atua na linha de Processos de Desenvolvimento, tendo interesse em investigar: aspectos afetivos e grupais do desenvolvimento de adultos, envelhescência, ludicidade e criatividade.

Mônica Cola Cariello Brotas Corrêa, Universidade Vila Velha

Doutora em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Espírito Santo (2014). Possui mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005).Coordenadora Pedagógica do Curso de Medicina da Universidade Vila Velha ES. Professsora dos Cursos de Medicina e Psicologia da Universidade de Vila Velha ES. Especialista em Ativição de processos de mudança na formação superior em saude pela FIOCRUZ/MS e Gestão Pedagógica de Escola Técnicas de Saúde (UFMG/MS). Atualmente compõe a equipe de educação permanente da ETSUS Vitória ES- Secretaria Municipal de Saúde de Vitória. Atua na área de psicologia da aprendizagem e do desenvolvimento com foco em estudos sobre Intervenção Precoce em Transtorno do Espectro do Autismo.

Referências

ALVES, L.; BIANCHIN, M. A. O jogo como recurso de aprendizagem.

Revista Psicopedagogia. 27(83): 282-7, 2010

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM IV – Manual

Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (4 ed.). Porto Alegre:

Artes Médicas, 2000.

ASSIS-SILA, L.; ALVARENGA, P. Práticas Educativas Maternas e

Comportamentos Infantis no Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Temas em Psicologia, 21(2): 361-377, 2013.

COUTINHO, G.; MATTOS, P.; SCHMITZ, M.; FORTES, D.; BORGES, M. Concordância entre relato de pais e professores para sintomas de TDAH: resultados de uma amostra clínica brasileira. Revista Psiquiatria Clínica. 36(3):97-100, 2009.

COUTO, T. de S.; MELO-JUNIOR, M. R. de; GOMES, C. R. de A. Aspectos neurobiológicos do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): uma revisão. Ciência e Cognição, 15 (1): 241-251, 2010.

DELVAL, J. Introdução à prática do Método Clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GRAEFF, R. L. ; VAZ, C. E. Avaliação e diagnóstico do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Psicologia USP, 19(3): 341-36, 2008.

HARPIN, V. A. The effect of ADHD on the life of an individual, their family, and community from preschool to adult life. Arch Dis Child; 90(Suppl I), 2005.

PESSOA, V. S. A Afetividade sob a ótica psicanalítica e piagetiana.

Publicatio UEPG – Ciências Humanas, 8(1): 97-107, 2000.

PETRUCCI, G. W.; BORSA, J. C.; KOLLER, S. H. A Família e a Escola no Desenvolvimento Socioemocional na Infância. Trends in Psychology / Temas em Psicologia, 24(2): 391-402., 2016.

PHELAN, T. W. TDA/ TDAH: Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, São Paulo: M. Books, 2005.

PIAGET, J. () Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1896-1980/2012.

________. Inteligencia y afectividad. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

SÃO PAULO (Município). Secretaria de Saúde. Portaria Nº 986/2014–SMS.G. São Paulo: 2014.

ROHDE, L. A.; BARBOSA, G.; TRAMONTINA, S.; POLANCZYK, G. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(Supl II):7-11, 2000.

RODRIGUES, O. M. P. R.; ROSSI, L. R. Protocolo para hipótese diagnóstica para TDAH – versão para pais, professores e observação situacional. In: WEBER, L.; DESSEN, M. A. (orgs) Pesquisando a Família – instrumentos para coleta e análise de dados. Curitiba: Juruá, 2011.

ROHENKOHL, L. M. I. A.; CASTRO, E. K. de Afetividade, Conflito Familiar e problemas de Comportamento em Pré-Escolares de Famílias de Baixa Renda: Visão de Mães e Professoras. Psicologia: Ciência e Profissão, 32 (2): 438-451, 2012.

SÁNCHEZ, C. D.; RODRÍGUEZ, A. R. Diagnóstico de déficit de atención versus la família como recurso terapêutico. Cuadernos de Trabajo Social., 26(2): 295-303, 2013.

SANTOS, C. C. Análise Microgenética de aspectos cognitivos e afetivos em idosas: uma proposta teórica e metodológica. 228f. Tese (Doutorado em Psicologia). UFES, Vitória, ES, 2011.

SENA, S. S.; SOUZA, L. K. de Desafios teóricos e metodológicos na pesquisa psicológica sobre TDAH. Temas em Psicologia, 16(2): 243-259, 2008.

WECHSLER, D. Escala Wechsler de Inteligência para crianças – WISC III. (Vera Lúcia Marques de Figueiredo). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

WECHSLER, D. Escala Wechsler de Inteligência para crianças – WISC IV. (Adaptação Brasileira: F. J. M. Rueda; A. P. P. Noronha; F. F. Sisto; A. A. A. Santos; N. R. Castro). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

Publicado
2020-04-22
Como Citar
Dadalto Ambrozine Missawa, D., Broetto Rossetti, C., & Cola Cariello Brotas Corrêa, M. (2020). A Influência de oficinas com jogos de regras na avaliação dos pais sobre aspectos cognitivos e afetivos de crianças com TDAH. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 8(1), 49-65. https://doi.org/10.34024/olhares.2020.v8.10286