Marketing de destino com sustentabilidade: o caso de Vila do Abraão

  • Philipe Campello Costa Brondi da Silva Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Ecoturismo, Sustentabilidade, Ilha Grande, Place Branding

Resumo

O presente trabalho visa analisar o segmento de ecoturismo como estratégico para destinos frágeis que necessitam da preservação ambiental para sua atratividade. A escolha do tema se dá pelo fato de se observar que na atividade turística, os segmentos de turismo de sol e de cultura são de forma geral, priorizados por grande parte dos destinos turísticos, não só no Estado do Rio de Janeiro como em outras regiões do país. Apesar de algumas localidades fluminenses já destinarem grande parte da sua atenção e de recursos ao desenvolvimento do ecoturismo, observa-se que muito ainda pode ser feito em termos de direcionamento de políticas públicas e privadas. O presente estudo tem como objetivo investigar destinos semelhante ao da Vila do Abraão, podem ser beneficiados ao utilizarem ferramentas de place branding pautado no segmento de ecoturismo e assim contribuir para sua sustentabilidade. Para se atingir tal objetivo, a pesquisa foi realizada por meio de levantamento de dados secundários e primários. Os resultados apontaram aspectos negativos de se priorizar a promoção de destinos de sol e praia, em conjunto com produtos e serviços relacionados com o semento de ecoturismo. Os dados apontam ainda que esta estratégia favorece para atrair pessoas com hábitos de viagem mais conscientes e com maior cuidado em se preservar o destino e contribuir para a economia local e, diretamente, para a sustentabilidade local. Além disso, o estudo é base para sua proposta de elaboração de um Manual de Orientação para Estratégia de Marketing de Destinos Ecoturísticos.

Biografia do Autor

Philipe Campello Costa Brondi da Silva, Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Turismo pela Universidade Estácio de Sá (2010) e mestrado em Ciência Ambientais na Universidade Veiga de Almeida (2016). Atualmente é vice-presidente de marketing na SUDERJ e foi Subsecretário de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro e Gerente de Marketing da TurisRio

Referências

ANSARAH, M.G.R. Turismo: segmentação de mercado. São Paulo: Futura, 2000.

BENI, M. C. Política e estratégia do desenvolvimento regional: planejamento integrado e sustentável do turismo. Turismo em Análise, v.10, n.1, p. 7-17, maio 1999.

BOYD, S. W; BUTLER, R. W. Managing ecotourism: an opportunity spectrum approach. Tourism Management, v. 17, n. 8, p. 557-566, 1996.

CEBALLOS-LASCURAÍN, H. Disponível em: <http://www.unep.org/bpsp/Tourism/ Tourism%20Synthesis%20Report.pdf> Acesso em: 25 set 2016.

COMISSÃO INTERMINISTERIAL DO MEIO AMBIENTE (CIMA). Subsídios técnicos para elaboração do relatório nacional do Brasil para a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Brasília, 1991.

CUNHA, L. H.; COELHO, M. C. N. Política e Gestão Ambiental. In: CUNHA, S. B; GUERRA, A. J. T. (organizadores). A Questão Ambiental: diferentes abordagens. 2 ed. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, 2005.

DENCKER, A. F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. São Paulo: Futura, 1998.

DIAS, R. Turismo sustentável e meio ambiente. São Paulo: Atlas, 2003

FENNELL, D. A. Ecoturismo: Uma Introdução. São Paulo: Contexto, 2002.

INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE (INEA). Plano de Manejo – Parque Estadual da Ilha Grande. Ano: 2011. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/ cs/groups/public/documents/document/bmvh/mdey/~edisp/inea012819.pdf> Acesso em: 25 set 2016

MINISTÉRIO DO TURISMO. Anuário Estatístico de Turismo de 2017. Ano:2018. Disponível em: http://dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html. Acesso em: 03 dez 2018

MINISTÉRIO DO TURISMO. Boletim de Desempenho do Turismo. Ano: 2018. Disponível em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/. Acesso em: 03 dez 2018

MINISTÉRIO DO TURISMO. Ecoturismo: orientações básicas. 1 ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO (OMT). Panorama del Turismo Internacional. Ano:2018. Disponível em: https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284419890. Acesso em: 05 nov 2018

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO (OMT). Desenvolvimento de Turismo Sustentável: manual para organizadores locais. 1ed. Brasília: OMT, 1998.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO (OMT). Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Porto Alegre: Bookman Companhia, 2003.

PRODETUR. Plano de Desenvolvimento Integrado de Turismo Sustentável (PDITS) – Polo Serra. Ano: 2010. Disponível em: <http://www.prodetur.rj.gov.br/arquivos/PDIT_SERRA.pdf> Acesso em:25 set 2016

RICHERS, R; PIMENTA, C. Segmentação: opções estratégicas para o mercado brasileiro. São Paulo: Nobel, 1991.

RIOCEPTUR. Relatório de Receita com Turismo Internacional. Ano: 2018. Disponível em: <http://www.rioceptur.com.br/wp-content/uploads/2018/09/RELAT% C3%93RIO-2017-P%C3%BAblico-Rioceptur.pdf> Acesso em: 15 jan 2019

RIOCEPTUR. Relatório de Crescimento de Demanda de Turismo Internacional. Ano: 2018. Disponível em: http://www.rioceptur.com.br/wp-content/uploads/2011 /11/CRESCIMENTO-DA-DEMANDA-INTERNACIONAL-BRASIL-E-RIO-2007-2016-1.pdf> Acesso em: 15 jan 2019

RUSCHUMANN, D. Turismo e Planejamento Sustentável: a proteção do meio ambiente. 14 ed. Campinas: Papirus Editora, 2008.

SANCHO, A. Introdução ao Turismo. São Paulo: Roca, 2001.

SISTEMA Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília, DF, MMA/SBF,2000, (32 p.).

Publicado
2020-04-29
Como Citar
Silva, P. C. C. B. da. (2020). Marketing de destino com sustentabilidade: o caso de Vila do Abraão. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.6739
Seção
Artigos