“Maior somma de factos historicos, elucidados com mais methodo”

Américo Braziliense e a invenção do espaço paulista na escrita da história escolar (1873-1879)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00420

Palavras-chave:

cultura política; historiografia escolar; Américo Braziliense

Resumo

No último quartel do século XIX ocorreram inúmeros embates em defesa da renovação dos conteúdos de história no espaço escolar brasileiro. Um dos principais eixos norteadores das discussões era atinente à ampliação da História Pátria na disciplina História, que até então privilegiava a experiência clássica europeia. Neste artigo analisamos o processo de construção do espaço paulista e a defesa da História do Brasil na escrita da história escolar do intelectual paulista Américo Braziliense. Tem-se como fonte central o livro escolar, publicado em 1876, que reverberava o deslocamento do eixo espacial da corte para a província de São Paulo, no âmbito do processo de construção da cultura política republicana paulista após a Convenção de Itu (1873).

2.11.0.0

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magno Francisco de Jesus Santos, UFRN

Professor Adjunto do Departamento de História e do Programa de pós-Graduação em História da UFRN

Referências

ALVES, Eva Maria Siqueira. O Atheneu Sergipense: traços de sua história. Aracaju: Adgraf, 2005.
ANANIAS, Mauriceia. As escolas para o povo em Campinas: 1860-1889, origens, ideário, contexto. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação). Campinas, Unicamp, 2000.
AULETE, Francisco Júlio de Caldas. Diccionário contemporâneo da língua Portuguesa. Vol. 2. Lisboa: parceira Antônio Pereira, 1881, p. 1061.
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.
BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
BLOCH, Marc. Apologia da História, ou, o ofício do historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
BRASILIENSE, Américo. História Pátria: resumo das exposições oraes feitas pelo Sr. Dr. Américo Brasiliense aos alumnos do Collegio S. João. Gazeta de Campinas. nº 328, 2 de fevereiro de 1873, p. 2.
CALMON, Pedro. História da Civilização Brasileira. Brasília: Senado Federal, 2002.
CASON, Silvia Regina. Os lentes catedráticos e professores do Ginásio de Campinas/SP: atual EE Culto à Ciência – trajetórias e obras (1896-1942). 199f. Tese (Doutorado em Educação). Campinas, Unicamp, 2019.
CHARTIER, Roger. Escutar os mortos com os olhos. Estudos Avançados. V. 24, nº69, 2010, p. 6-31. CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados. V. 11, nº 5, 1991, p. 173-193.
CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria e Educação. V. 2, 1990.
CORREA, Rubens Arantes. O ofício de escrever e ensinar História: a propósito de Lições de História Pátria de Américo Brasiliense. Fronteiras: Revista de História. V. 18, n. 32, Dourados, 2016.
COSTA, Emília Viotti. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 6ª ed. São Paulo: EDUNESP, 1999.
FERREIRA, Antônio Celso. A epopeia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: UNESP, 2002.
FERRONATO, Cristiano de Jesus. Das aulas avulsas ao Lyceu Paraibano: as primeiras configurações de instrução secundária na província da Paraíba do Norte (1836-1884). Aracaju: EDISE, 2014.
GASPARELLO, Arlette Medeiros. Construtores de identidades: a pedagogia da nação nos livros didáticos da escola secundária brasileira. São Paulo: Iglu, 2004.
GAZETA DE CAMPINAS. Collegio S. João. In: Gazeta de Campinas. nº 165, 18 de junho de 1871, p. 3.
GAZETA DE CAMPINAS. Collegio Ypiranga. Gazeta de Campinas. nº 34, 24 de fevereiro de 1870, p. 4.
GAZETA DE CAMPINAS. Conde Zaba. Gazeta de Campinas. nº 142, 25 de março de 1871, p. 2.
GAZETA DE CAMPINAS. Conde Zaba. Gazeta de Campinas. nº 143, 30 de março de 1871, p. 2.
GAZETA DE CAMPINAS. História Pátria. Gazeta de Campinas. nº 328, 2 de fevereiro de 1873, p. 2.
GAZETA DE CAMPINAS. Notícias. Gazeta de Campinas. nº 237, 30 de janeiro de 1873, p. 1-2.
GOMES, Ângela de Castro. A República, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argumentvm, 2009.
GOMES, Ângela de Castro. História de chinelo: o ensino de História através do rádio no Brasil dos anos 1950, in ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo e GONTIJO, Rebeca (orgs.). O ensino de História em questão: cultura histórica, usos do passado. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.
GOMES, Daniel Mendes. Geografia no ensino secundário em São Paulo (1834-1896). 246f. Tese (Doutorado em Educação). São Paulo, PUC, 2016.
JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Trad. Gizele de Souza. Nº 1, 2001.
LISBOA, José Maria. Ao Leitor. In: MELLO, Américo Braziliense de Almeida. Licções de História Pátria pelo Dr. Américo Brasiliense publicadas por José Maria Lisboa. São Paulo: Typographia da Província, 1876.
LOVATTO, Angélica; BARSOTTI, Paulo Douglas. O Partido Republicano Paulista e a política em São Paulo: apontamentos bibliográficos do Projeto Memória Paulista. Novos rumos. V. 52, nº 1, 2015, p. 1-20.
MACEDO, Joaquim Manuel de. Lições de História do Brasil para uso dos alumnos do Imperial Collegio Pedro Segundo. Rio de Janeiro: Typographia Impacial, 1861.
MAGALHÃES, Marcelo de Souza; GONTIJO, Rebeca. A proclamação da república em três tempos. In: ROCHA, Helenice; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza (Org.). Livros didáticos de História: entre políticas e narrativas. Rio de Janeiro: FGV, 2017, p. 223-244.
MAGALHÃES, Marcelo de Souza; GONTIJO, Rebeca. O presente como problema historiográfico na Primeira República em dois manuais escolares. Revista História Hoje. V. 2, n. 4, 2013.
MATTOS, Selma Rinaldi de. O Brasil em lições: a história como disciplina escolar em Joaquim Manuel de Macedo. Rio de Janeiro: Acces, 2000.
MELLO, Américo Braziliense de Almeida. Licções de História Pátria pelo Dr. Américo Brasiliense publicadas por José Maria Lisboa. São Paulo: Typographia da Província, 1876.
MELO, Ciro Flávio de castro Bandeira de. Senhores da História e do esquecimento: a construção do Brasil em dois manuais didáticos de história na segunda metade do século XIX. Belo Horizonte: Argumentum, 2008.
MOACYR, Primitivo. A instrução e as províncias: subsídios para a História da Educação no Brasil (1835-1889). 2º vol. São Paulo: Companhia Editora nacional, 1939.
MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. O ideário republicano e a educação: o ensino em Campinas no final do século XIX. Revista da Faculdade de Educação. V. 11, n. 1, 1985, p. 101-136.
MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. O ideário republicano e a educação: o ensino em Campinas no final do século XIX. Revista da Faculdade de Educação. V. 11, n. 1, 1985, p. 101-136.
REIS, Aaron Sena Cerqueira. Américo Brasiliense e suas Lições de História Pátria (1876): concepções de ensino em um manual autorizado pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Saeculum: Revista de História. N. 29, João Pessoa, 2013, p. 437-449.
REIS, Aaron Sena Cerqueira. Ensino de História no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro: as ideias de Agostinho Marques Perdigão Malheiro Filho (1850) e Américo Brasiliense de Almeida e Mello (1876). São Cristóvão, 92f. Dissertação (Mestrado em Educação). UFS, 2013.
SANTOS, Magno Francisco de Jesus. “Um operoso e erudito estudioso da história da nossa pátria”: Raphael Galanti e o ensino de História do Brasil (1896-1917). Revista IHS: Antiguos Jesuítas em Iberoamerica. Vol. 7, n. 2, 2019, p. 42-62.
SANTOS, Magno Francisco de Jesus. O prefácio dos tempos: caminhos da romaria do Senhor dos Passos em Sergipe (séculos XIX e XX). São Cristóvão, 320f. Tese (Doutorado em História), UFF, 2015
SANTOS, Magno Francisco de Jesus; SANTOS, Ane Luíse Silva Mecenas. Um conto moral que sirva de espelho da vida: Balthazar Góes, um intelectual pensando o ensino de História. Interfaces Científicas: Educação. 7 (2), 2019, p. 23-34.
SIRINELLI, Jean-Pierre. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma cultura política. 2ª ed. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
SOUZA, Carlos Eduardo Dias de. A educação como prática política: formação e renovação de repertórios pedagógicos no Segundo Reinado (o Colégio Pedro II, o Ginásio Baiano e o Culto à Ciência). 238f. Tese (Doutorado em Sociologia). São Paulo: USP, 2015.
ZABA, N. F. La méthode de N. F. de Zaba pour faciliter l’étude de l’histoire universelle: avec deux cartes coloriees, table d’exercice, oite de jetons, et une brochure explicative. Montreal, 1874.
ZABA, N. F. The principal of the history and literature of Poland. London: Hamilton, Adans e co, 1856.
ZABA, N. F. Zaba’s method of studing universal history: with chronological chart, key and board of exercise. Montreal, 1874.

Downloads

Publicado

2022-02-23

Como Citar

Santos, M. F. de J. (2022). “Maior somma de factos historicos, elucidados com mais methodo”: Américo Braziliense e a invenção do espaço paulista na escrita da história escolar (1873-1879). Almanack, (29). https://doi.org/10.1590/2236-463329ea00420

Edição

Seção

Artigos