Tecnologias Sociais para a convivência com o semiárido: uso de cisternas domiciliares em comunidades rurais do Ceara

  • Rivania Teles Universidade Federal de Campina Grande
Palavras-chave: Políticas Públicas, Semiárido Brasileiro, Cisternas, Comunidades Rurais

Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar a utilização de cisternas domiciliares e como esta tecnologia tem contribuído para melhorar as condições de vida da população nas comunidades rurais de Cajazeirinha e Minador, localizados no município de Ipaumirim, estado do Ceará. O estudo foi baseado em coleta de dados por meio da realização de entrevistas e questionários em agosto de 2019. Para avaliar a qualidade da água, foram colhidas amostras de água das cisternas, e do principal poço cacimbão para realizar análises físico-química e microbiológica. Para a análise físico-química foram verificados o pH, condutividade, sólidos totais, cloreto e dureza. Na análise microbiológica foram verificadas a presença ou ausência de coliformes totais a 30 °C e 45 °C em uma série de três: 10 ml; 1 ml e 0,1 ml. Foram utilizados replicagem em placas de Petri para identificar presença ou ausência de Escherichia Coli. Segundo os resultados da análise físico-química a água possui uma qualidade considerada dentro dos padrões de potabilidade e na análise microbiológica foi detectada uma baixa presença de coliformes totais, assim também como a ausência de E. Coli. A população estudada é constituída por 26 famílias, um total de 97. De acordo com o resultado da investigação, concluiu-se que a efetivação de programas sociais de políticas públicas na região, de fato tem beneficiado a população a mitigar a escassez de água nos períodos de estiagem. A implantação das cisternas domiciliares melhorou consideravelmente a qualidade de vida da população, e todos na comunidade se mostraram satisfeitos com o uso da referida tecnologia social.

Referências

ASSIS, T. R.P. Sociedade Civil e a Construção de Políticas Públicas na Região: o caso do Programa Um Milhão de Cisternas Rurais (P1MC). Revista de Políticas Públicas, v.16, n.1, pp.179-189, 2012.

BAPTISTA, N.Q.; CAMPOS, C.H. Fatores históricos, sociais, culturais e políticos do semiárido. In: CONTI, I.L.; SCHROEDER, E.O. (Orgs.). Estratégias de convivência com o semiárido brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília, IABS, 27-34, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual técnico de análise de água para consumo humano. Brasília: Funasa, 2013.

BRITO, L.T.L. et al. Cisternas domiciliares: água para consumo humano. Embrapa Semiárido-Capítulo em livro científico. ALICE, v., pp.81-101, 2007.

CAMPOS, J.N.B. Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, v.28, pp.65-88, 2014.

CONTI, I.L.; SCHROEDER, E.O. Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: IABS, 2013.

CHAGAS, M. F. V.; ROLIM, R. V. Em Família. Cajazeiras, Gráfica Real, 2004.

DA SILVA, P.C.G. et al. Caracterização do Semiárido brasileiro: fatores naturais e humanos. Embrapa Semiárido - Capítulo em livro científico. ALICE, pp.18-48, 2010.

DE ANDRADE, J.A.; NUNES, M.A. Acesso à água no Semiárido Brasileiro: uma análise das políticas públicas implementadas na região. Revista Espinhaço UFVJM, pp.28-39, 2017.

IBGE -Intituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Populacional 2010. Disponível em <https://cidades.ibge.gov.br>.

INS - Instituto Nacional do Semiárido. Semiárido brasileiro ultrapassa 23,5 milhões de habitantes. 2017. Disponível em <http://www.brasil.gov.br>.

PASSADOR, C.S. Apontamentos sobre as políticas públicas de combate à seca no Brasil: cisternas e cidadania? Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v.15, pp.65-86, 2010.

PONTES, E.T.M.; MACHADO, T.A. Desenvolvimento sustentável e convivência com o semi-árido: o caso do programa um milhão de cisternas rurais no nordeste brasileiro. Encontro Nacional de Geografia Agraria, v.19, 2012.

LIMA, A.E.F.; DA SILVA, D.R.; SAMPAIO, J.L.F. As tecnologias sociais como estratégia de convivência com a escassez de água no semiárido cearense. Conexões-Ciência e Tecnologia, v.5, pp.9-21, 2011.

MALVEZZI, R. Semiárido: uma visão holística. CONFEA, Brasília, 2007.

SILVA, R.M.A. Entre dois paradigmas: combate a seca e convivência com o semiárido. Sociedade e Estado, v.18, n.1-2, pp.361-385, 2003.

SCHISTEK, H. O Semiárido Brasileiro: uma região mal compreendida. In: CONTI, I.L.; SCHROEDER, E.O. (Orgs.). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília, IABS, pp.61-72, 2013.

SUASSUNA, J. Semiárido: Proposta de Convivência com a Seca, Fundação Joaquim Nabuco, Recife, 2002.

Publicado
2020-08-24
Como Citar
Teles, R. (2020). Tecnologias Sociais para a convivência com o semiárido: uso de cisternas domiciliares em comunidades rurais do Ceara. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 320-332. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9984
Seção
Artigos