Paisagismo e Educação Ambiental: revitalização do espaço escolar e suas potencialidades problematizadoras

  • Deisi Geneci Sander Universidade Federal de Rio Grande - FURG, Rio Grande, RS
Palavras-chave: Prática Pedagógica. Meio Ambiente. Educação Ambiental. Ecopedagogia.

Resumo

O presente artigo apresenta a reflexão sobre a aplicação de uma oficina pedagógica sob o viés da Educação Ambiental (EA) e da Ecopedagogia em duas escolas municipais de ensino fundamental em São Leopoldo/RS, que desejavam a revitalização paisagística do espaço escolar e de uma pracinha no entorno da escola. O projeto de ação foi idealizado a partir do Curso de especialização Lato Sensu em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande (UAB/FURG), tendo como objetivo oferecer subsídios formativos aos educadores das escolas à incorporação da dimensão socioambiental na revitalização paisagística dos espaços, explorando noções de interdisciplinaridade, meio ambiente, Educação Ambiental e Ecopedagogia. Para isso, pesquisou-se as concepções dessas categorias nos textos de Marcos Reigota, Carlos Frederico Bernardo Loureiro, Isabel Cristina de Moura Carvalho e Moacir Gadotti. Por meio da aplicação de questionários e oficinas, foi possível concluir que a maioria dos educadores mantém uma concepção naturalista de meio ambiente, apesar de a concepção de Educação Ambiental aproximar-se significativamente dos seis objetivos da EA definidos da Carta de Belgrado. A aplicação da oficina resultou, de acordo com as respostas dos docentes, na ampliação do entendimento das concepções das categorias mencionadas, na concordância de possível reformulação da prática pedagógica para atender ao que prima a Ecopedagogia e na compreensão do rico campo pedagógico que pode ser explorado com os alunos, durante a revitalização dos espaços públicos citados.

Referências

ACSELRAD, Henri. Justiça Ambiental. In: FERRARO JUNIOR, Luiz Antônio (Org.) Encontro e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA. Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p. 217 – 228.
AVANZI, Maria Rita. Ecopedagogia. In: LAYRARGUES, P.P. (Org.) Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 35-49.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.
PATTO, Maria Helena de Souza. (Org.) Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo,1997.
COIMBRA, José de Ávila Aguiar. Considerações sobre a interdisciplinaridade. In: Interdisciplinaridade nas ciências ambientais. p. 52-70. São Paulo: Signus Editora, 2000.
COUSIN, Cláudia da Silva. Pertencimento Ambiental. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, FURG/SeaD, 2010, 10p.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. 9 ed. São Paulo: Gaia, 2004.
GADOTTI, Moacir. A ecopedagogia como processo apropriada ao processo da Carta Terra. Cuiabá: Revista de educação pública, 2003. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2017.
GUTIÈRREZ, Francisco; PRADO, Cruz. Ecopedagogia e cidadania planetária. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 1999.
LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.
LAYRARGUES, Philippe Pomier. Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contrahegemônica. Revista Contemporânea de Educação. Brasília, n 14, p. 398-421. Ago/dez. 2012.
MEDEIROS, Willian da Silva.; BRANCHER, Vantoir Roberto. A concepção ambiental dos docentes de um curso técnico de um Instituto Federal de Educação no RS. Rev. Eletrônica Mestrado Educação Ambiental. E-ISSN 1517-1256, v. 33, n.3, p. 92-109, set/dez. 2016.
MORALES, Angélica Góis Müller. A formação dos profissionais educadores ambientais e a universidade: trajetórias dos cursos de especialização no contexto brasileiro. Educar, Editora UFPR, Curitiba, n. 34, p. 185-199, 2009.
PRIMACK, Richard B.; RODRIGUES, Efraim. Biologia da Conservação. Londrina: Gráfica Editora Midiograf, 2001.
REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental? São Paulo: Brasiliense, 1994.
REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação social. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2007.
SERPA, Ângelo. O espaço público na cidade contemporânea. 2ª ed., São Paulo: Contexto, 2014.
Publicado
2019-12-12
Como Citar
Sander, D. G. (2019). Paisagismo e Educação Ambiental: revitalização do espaço escolar e suas potencialidades problematizadoras. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 14(4), 260-275. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.9609
Seção
Artigos