Mapas mentais e Educação Ambiental: experiência com alunos do ensino médio

  • Peter da Silva Rosa Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ
  • Angelica Carvalho Di Maio Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Mapas Mentais, Educação Ambiental, Percepção Ambiental

Resumo

Diante do atual contexto que revela intensa degradação ambiental e reconhecendo a importância da educação para a transformação do status quo, o presente trabalho teve por objetivo analisar e compreender a percepção ambiental de estudantes do ensino médio em Itaboraí (RJ), por meio de mapas mentais. Além disso, foi desenvolvida a atividade de construção de representações geoespaciais dos problemas socioambientais do espaço de vivência do alunado, visando à prática de uma educação ambiental contextualizada. Apesar da importância de metodologias participativas como a supracitada, os resultados apontaram que a concepção mais abrangente e complexa de meio ambiente ainda foi muito limitada diante das visões tradicionais verificadas nas argumentações e nos produtos cartográficos.

Biografia do Autor

Peter da Silva Rosa, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ

Professor de Geografia (licenciado pela UERJ), bacharel em Ciência Ambiental (UFF), especialista em Planejamento e Educação Ambiental (UCAM) e em Cartografia, geotecnologias e meio ambiente no ensino (UFF) e mestrando do programa de Pós-Graduação em Educação (UFF).

Angelica Carvalho Di Maio, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ

Doutora em Geografia, professora associada do Departamento de Análise Geoambiental e Vice-Diretora do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense.

Referências

BACCI, D. L. C.; SANTOS, V. M. N.; MARTINS, L. Aplicação do Mapeamento Socioambiental na Formação Inicial de Professores: uma Abordagem Metodológica Crítica e Participativa. Revista de Graduação USP – Grad+, v.2, n.1, p.05-12, mar. 2017. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ gradmais/article/view/124420/126024>. Acesso em: 21 abr. 2019.

BACCI, D. L. C.; SANTOS, V. M. N. Mapeamento socioambiental como contribuição metodológica à formação de professores e aprendizagem social. Revista Geologia USP, Publicação Especial, São Paulo, v.6, p.19-28, ago. 2013.

BATISTA, N. L.; BECKER, E. L. S.; CASSOL, R. Os mapas mentais e a percepção ambiental dos alunos de ensino médio do município de Quevedos/RS. In: XI Encontro Nacional da ANPEGE, 2015, Presidente Prudente. Anais... Presidente Prudente - SP: ANPEGE, 2015. p. 3405-3416. Disponível em: <http://www.enanpege.ggf.br/2015/anais/arquivos/11/320.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRANCO, N. C. et al. Análise dos fatores motivadores de mortalidade das micro e pequenas empresas em Itaboraí/RJ a partir da implantação do Comperj (2006-2014). In: XII Congresso Nacional de excelência em gestão & III Inovarse – Responsabilidade social aplicada, 2016, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: XII CNEG & III INOVARSE, 2016.

CARVALHO, I. C. M.; STEIL, C. A. Percepção e ambiente: aportes para uma epistemologia ecológica. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, volume especial, p. 59-79, março de 2013. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3443/2069>. Acesso em: 21 abr. 2019.

CARVALHO, I. C. M. Qual educação ambiental? Elementos para um debate sobre educação ambiental e extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.2, nº2, p. 43-51. abr-jun. de 2001.

CRUZ, A. A.; TEODORO, P. H. M. A cartografia social em ambientes escolares por uma educação ambiental crítica. Revista Espinhaço, v.5, n.1, p.39-47, 2016.

DUBA, V. H. C. As contradições nas tramas do cotidiano programado: a degradação da vida e a banalização do espaço na cidade de Itaboraí – RJ. 2016. 152f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia do Departamento de Geografia e Meio Ambiente da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

HELBEL, M. R. M.; VESTENA, C. L. B. Fenomenologia: a percepção ambiental como objeto de construção à Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA). São Paulo, v.12, n.2, p.67-78, 2017.

KASHIWAGI, H. M. O processo de percepção e apropriação do espaço nas comunidades marginais urbanas: o caso da favela do Parolin em Curitiba – PR. 2004. 192f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Setor de Ciências da Terra da Universidade Federal do Paraná, Curitiba – PR, 2004.

KOZEL, S.; GALVÃO, W. Representação e ensino de geografia: contribuições teórico-metodológicas. Ateliê Geográfico, Goiânia-GO, v. 2, n. 3, p.33-48, dez. 2008. Disponível em: <https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/5333/4394>. Acesso em: 21 abr. 2019.

KOZEL, S. Representação e Ensino: aguçando o olhar geográfico para os as-pectos didático-pedagógicos. In: SERPA, A. (org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador: EDUFBA, p. 71 – 88, 2008.

KOZEL, S. Mapas Mentais – uma forma de linguagem: perspectivas metodológicas. In: KOZEL, S.; SILVA, J. C.; GIL FILHO, S. F. (Orgs.). Da percepção e cognição a representação: reconstruções teóricas da Geografia Cultural e Humanista. São Paulo: Terceira Margem, 2007.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da Educação Ambiental contemporânea no Brasil. In: VI Encontro Pesquisa em Educação Ambiental, 2011, Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: EPEA, p. 1-15, 2011..

LEFF, E. Discursos sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010.

MARIN, A. A. Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.3, n.1, p. 203-222, 2008.

MARQUES, A. L. B. A. A relevância dos mapas mentais e do Google Earth para a cartografia escolar: um estudo com graduandos de pedagogia. 2012. 104f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, Maceió – AL, 2012.

MONIZ, M. A. Condições ambientais e riscos à saúde do contexto de construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro: um estudo de percepção dos atores sociais locais. 2016. 186f. Tese (Doutorado em Ciências). Programa de Pós-graduação em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016.

OBRAC – Olimpíada Brasileira de Cartografia. Guia para realização da Etapa II – Fase 3, 2017. Disponível em: <http://www.olimpiadadecartografia.uff.br/ images/imagens/Guia__Google_My__Maps__e__GPS.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2018.

SATO, M. Debatendo os desafios da educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v.1, p. R-14-R-33, 2001.

SEEMANN, J. Mapas e Percepção ambiental: do mental ao material e vice-versa. OLAM: Ciência e Tecnologia, Rio Claro, n. 1, v. 3, p. 200 – 223, 2003.

SOUSA, L. F. Espaços dialógicos dos barqueiros na Amazônia: uma relação humanista com o rio. 2012. 272f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Paraná, Curitiba – PR, 2012.

SOUZA, C. J. O.; PEREIRA, M. B. Cartografia escolar na formação do professor de geografia e a prática com mapas mentais. Revista Brasileira de Educação em Geografia. Campinas (SP), v.7, n.13, p.248-276, jan./jun. 2017. Disponível em: <http://www.revistaedugeo.com.br/ojs/index.php/revistaedugeo/article/view/513/255>. Acesso em: 20 abr. 2019.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Publicado
2020-02-16
Como Citar
Rosa, P. da S., & Di Maio, A. C. (2020). Mapas mentais e Educação Ambiental: experiência com alunos do ensino médio. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(1), 160-181. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9471
Seção
Artigos