Artrópodes como tema gerador de uma prática educativa em uma escola de artes no município de Palotina (PR)

  • Bruna Caroline Buss Universidade Federal do Paraná, PR
  • Valéria Ghisloti Iared Universidade Federal de São Carlos, SP
Palavras-chave: Insetos, Educação Ambiental, Educação da Atenção

Resumo

O presente trabalho é um relato de experiência que teve como objetivo analisar uma interação educativa na qual os artrópodes foram apresentados e vivenciados por um grupo de crianças em uma escola de artes no município de Palotina (Paraná). Com o intuito de sensibilizar os educandos quanto aos artrópodes, foi propiciado um espaço educativo de emergência de curiosidade, afetividade e respeito para com esses animais. A coleta de dados foi realizada por meio de observação, diário de campo e alguns materiais produzidos nos encontros. Após a triangulação e análise dos dados, emergiram quatro aspectos relevantes para o estudo, sendo eles: curiosidade; percepção da presença; biodiversidade local e sensibilização por meio dos sentidos.

Biografia do Autor

Bruna Caroline Buss, Universidade Federal do Paraná, PR

Programa de Pós-Graduação em Entomologia

Valéria Ghisloti Iared, Universidade Federal de São Carlos, SP

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2006). Especialista em Educação Ambiental pelo Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (CRHEA/ EESC/ USP). Mestra e Doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais pela UFSCar.Participa do Grupo de Pesquisa registrado e certificado pelo CNPq - GEPEA Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental, do Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região (CESCAR), e de diversas redes de EA: Rede de EA de São Carlos (REA-São Carlos), REPEA, REBEA e RUPEA (Rede Universitária de Programas de EA para Sociedades Sustentáveis).

Referências

ANTUNES, A. M.; CUZ, MILHOMEM, V. R.; FARIA, MENEZES, J. C. N. Uso de Recursos Áudio-Visuais em Sala de Aula para Sensibilização da Comunidade Escolar contra as Drogas Psicotrópicas. Ensino, Saude e Ambiente, v. 4, n. 3, 2011.

ARAUJO, D. L. C.; FERNANDES, M. A. F. A estética fotográfica a favor da sensibilização ambiental: reflexão e prática. Revista Educação Ambiental em Ação. 2010.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm> Acesso em: 26 mai. 2019.

CARVALHO, I. C. M.; GRUN, M. Hermenêutica e educação. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (Org.). Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.175-188.

CYSNEIROS-MATOS, C. H. et al. Utilização de modelos didáticos no ensino de entomologia. Revista de biologia e ciências da terra, v. 9, n. 1, 2009.

FERRARIS, A. O. Que medo! Mente e Cérebro, edição 183 - Abril 2008. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/que_medo__imprimir.html> Acesso em: 27 de Outubro de 2018.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALHEIGO, C. B. S.; SANTOS, G. M. M. Saberes dos visitantes do zoológico de Salvador – BA sobre a fauna nativa e sua conservação. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, vol. 23, p. 515-530, 2009.

GIBSON, J. J. The ecological approach to visual perception. Boston: Houghton Mifflin, 1979.

GOLDSCHMIDT, A. I. et al. A importância do lúdico e dos sentidos sensoriais humanos na aprendizagem do meio ambiente. Anais do XIII Seminário Internacional de Educação, 2008.

GUIMARÃES, M. et al. Educadores ambientais nas escolas: as redes como estratégia. Cadernos Cedes, Campinas, v. 29, n. 77, p. 49-62, 2009.

HOEFFEL, J. L.; FADINI, A. A. B. Percepção ambiental. In: FERRARO JUNIOR, L.A. (Org.). Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Vol 2. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2007. p 253-262.

INGOLD, T. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, v. 33, n. 1, 2010.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, n. 118, p. 189-205, 2003.

JARA, F. La miel y el aguijón. Taxonomía zoológica y etnobiología como elementos em la definición de las nociones de género entre los Andoke (Amazonia colombiana) Journal de la Société des Américanistes, v. 82, p. 209-258, 1996.

JUSTINA L. A. D. et al. Modelos didáticos no ensino de Genética. Anais do Seminário de extensão da Unioeste, 3., 2006.

KUNIEDA, E. Espaços educadores no contexto do CESCAR (Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região/SP): do conceito à formação em Educação Ambiental. 2010. 145 f. Tese (Doutorado em Ciências, área de concentração em Ecologia e Recursos Naturais) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de são Carlos, São Carlos, 2010.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MILLER, J. R. Biodiversity conservation and the extinction of experience. Trendsin Ecology and Evolution, v. 20, n. 8, p. 430-434, 2005.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

MIRANDA, J. A. S.; FIGUEIREDO, R. A. Percepção e valores dos insetos no ensino fundamental de escola pública em Araraquara, SP. Anais do V EPEA – Encontro Pesquisa em Educação Ambiental. São Carlos: Ufscar, 2009. 15 p. Disponível em: <http://www.epea.tmp.br/epea2009_anais/pdfs/plenary/T02.pdf>. Acesso em: 20 outubro 2018.

MORALES, A. G. Educação Ambiental: somente a paixão levará a preservação. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental v. 3, jul/ago/set. 2000.

MORAN, J. M. Integração das Tecnologias na Educação. Desafios da televisão e do vídeo à escola. Secretaria de Educação a Distância, SEED. 2005.

RODRIGUES, P. et al. Materiais biológicos como instrumentos de ensino e aprendizagem em Biologia: construindo experiências formativas. Anais do X Encontro de Extensão e IX Encontro de Iniciação à Docência, João Pessoa, PB, 2008.

RODRIGUES, W. C. et al. Metodologia científica. Faetec/IST. Paracambi, p. 2-20, 2007.

SCHUELTER, G. et al. Capacitação de professores em Educação Ambiental: uma proposta utilizando a internet. Florianópolis: UFSC, 2001.

SILVA, R. M. O Relicário de Celeida Tostes. Dissertação de mestrado. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC. Rio de Janeiro, 2006.

SILVEIRA, L. S.; ALVES, J. V. O uso da fotografia na Educação Ambiental: tecendo considerações. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 3, n. 2, p. 125-146, 2008.

TAFNER, M. A.; FISCHER, J. O cérebro e o corpo no aprendizado. Indaial: ASSELVI, 2004.

THIEMANN, F. T. Biodiversidade como tema para a Educação Ambiental: contextos urbanos, sentidos atribuídos e possibilidades na perspectiva de uma Educação Ambiental crítica. 2013. 159 f. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

THIEMANN, F. T.; OLIVEIRA, H. T. Biodiversidade: sentidos atribuídos e as contribuições do tema para uma Educação Ambiental crítica. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 8, p. 114-128. 2013.

WHYTE, W. F. Sociedade de esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Tradução de Maria Lucia de Oliveira. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2005.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Publicado
2020-02-25
Como Citar
Buss, B. C., & Iared, V. G. (2020). Artrópodes como tema gerador de uma prática educativa em uma escola de artes no município de Palotina (PR). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(1), 379-396. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9470
Seção
Relatos de Experiências