A pesca artesanal e a comunidade do Jaraguá: um mapeamento científico

  • Rony Jefferson Albuquerque Farias Universidade Federal de Alagoas, AL
  • Valter Silva Centro Universitário Tiradentes, AL
  • Ronaldo Gomes Alvim Centro Universitário Tiradentes, AL
Palavras-chave: Pesca Artesanal, Jaraguá, Revisão Literatura

Resumo

A pesca artesanal é uma das atividades de subsistência mais antigas realizadas pelo ser humano e apresenta importância cultural e econômica no município de Maceió/AL. A comunidade de pescadores do Jaraguá é uma das mais antigas e de grande importância história  porém há necessidade de refletir sobre sua relevância científica. Por esta razão a presente  pesquisa tem por objetivo mapear a literatura utilizadando Google acadêmico e a biblioteca virtual da SCieLO referente a esta comunidade. Inicialmente, foram utilizados os seguintes descritores: “multiculturalismo”, “pluralismo jurídico”, “pesca artesanal”, “ Jaraguá” e “meio ambiente”. Mas em virtude dos resultados obtidos esses descritores foram reduzidos para “multiculturalismo”, “pesca artesanal”. O que foi possível perceber é a carência de pesquisas referentes a comunidade de pescadores do Jaraguá, sendo todas elas referentes ao período da remoção compulsória das famílias dos pescadores para os diversos conjuntos residenciais. Concluiu-se, então, que são necessários estudos focados numa visão interdisciplinar e holísta da referida comunidade diante de complexidade das relações sociais envolvidas no tema.

Biografia do Autor

Valter Silva, Centro Universitário Tiradentes, AL
 

Doutor em Ciências na área de concentração de Saúde Baseada em Evidência pelo Programa de Pós-Graduação em Medicina Interna e Terapêutica (UNIFESP). Possui: (1) especialização em Estatística com Ênfase em Pesquisa Quantitativa (UEL); (2) aperfeiçoamento em Saúde Baseada em Evidências (Hospital Sírio-Libanês); (3) especialização em Obesidade, Emagrecimento e Saúde: Abordagem Multidisciplinar (UNIFESP); (4) especialização em Exercício Físico Aplicado à Reabilitação Cardíaca e Grupos Especiais (FEFISO); (4) graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Educação Física (FEFISO). Atualmente é: (1) professor permanente do Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologias e Políticas Públicas da UNIT/AL; (2) pesquisador associado do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP); (3) professor no curso de medicina da UNIT/AL; (4) Membro do Comitê de Ética em Pesquisa do UNIT/AL; (5) membro da Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde (ABENEFS) atuando no Conselho de Ética. É membro de gr5pos de pesquisa (ver: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhorh/5658866906519055). Recebeu cerca de 650 citações (Índice-H = 13; Índice i10 = 15; https://scholar.google.com/citations?user=_PI0ZFMAAAAJ&hl). Participou e apresentou suas pesquisas em diversos eventos científicos nacionais e internacionais. Como parte da minha transparência em pesquisa, declaro não ter nenhum conflito de interesse financeiros ou não financeiros. Atua na área de pesquisa interdisciplinar com foco principal em: (1) Revisão sistemática e metanálise; (2) Métodos de pesquisa e estatística; (3) Saúde baseada em evidência; (4) Prática baseada em evidência; (5) Ensaios clínicos; (6) Atividade física/exercício; (7) Obesidade; (8) Produção científica.

Ronaldo Gomes Alvim, Centro Universitário Tiradentes, AL

O professor Alvim tem experiência profissional em Ecologia, sobretudo em Ecologia Humana. Atuou como docente de graduação e pós-graduação em diversos cursos nas áreas da Educação Ambiental, Ecologia Multidisciplinar, Educação, Ambiente e Sociedade entre outros. Graduou-se no ano de 1989,em Licenciatura Plena em Biologia, pelas Faculdades Metodistas Integradas Isabela Hendrix (FAMIH). No ano de 1993, concluiu o curso de Especialista pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) em Ciências do Ambiente. Em 1996 terminou seu curso de mestrado em Educação Ambiental na Universidad Nacional Experimental "Ezequiel Zamora" (UNELLEZ), na Venezuela, com a defesa da dissertação "Programa de Sensibilización sobre la Problemática Ambiental de La Morita, dirigido a los alumnos de la Escuela Básica José Antonio Paez" (reconecido pela UFMG). No ano de 2005 obteve o título de PhD em "Medio Ambiente Natural y Humano en las Ciencias Sociales" pela Universidad de Salamanca (USAL), Espanha com a defesa da tese: "Crisis Minera y Crisis Social: Consecuencias Sociales del Agotamiento de los Recursos Mineros en Itabira (Minas Gerais, Itabira)", obtendo a classificação "Cum Laude" (reconhecido pela UFPR). Foi Professor Visitante no Departamento de Asuntos Ambientales no ano acadêmico 2004-2005 na Universidad Metropolitana (UMET) em San Juan, Porto Rico, através do Fulbright Scholar-In-Residence Program (SIR) onde proferiu aulas no mestrado em Educação Ambiental com a disciplina Ecologia Humana. Em 2012 publicou seu primeiro livro intitulado "Ecologia Humana: da visão acadêmica aos temas atuais", publicado pela Editora da Universidade Federal de Alagoas EDUFAL e posteriormente em 2015 participou como um dos coordenadores, do livro "Ecologia Humana uma visão global" lançado pela Editora da Universidade Estadual de Feira de Santana e em 2017 do "Ecología Humana contemporánea: apuntes y visiones en la complejidad del desarrollo" lançado no Paraguai e "As raízes da Ecologia Humana". Atualmente é Pesquisador Associado ao Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP) e Professor do Núcleo Interdisciplinar de Pós-Graduação (NIPG) do Centro Universitário Tiradentes (Unit/Alagoas). Nos últimos anos vem sendo parecerista para revistas nacionais e estrangeiras.

Referências

ALBUQUERQUE, A.A.; PEIXOTO, G.V.; ALBUQUERQUE, A.M.G. Uma demonstração do vigor da cidade: a resistência dos pescadores do Jaraguá, Maceió-AL. Anais do III Seminário Internacional Urbicentro. Bahia. Out. 2012. Disponível em <http://www.ppgau.ufba.br/urbicentros/2012/ST175.pdf> Acesso em 31 mai. 2017.

ALBUQUERQUE, U. P.; LINS NETO, E. M. F. Seleção dos participantes da pesquisa. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. (Ed.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife: Nupeea, 2010 (Coleção estudos e avanços).

ALVIM, R.G. As condições de vida dos pescadores artesanais de Rua da Palha. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 34, p. 101-110, 2012.

BARROSO, L.R. Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas. 5º Ed. Rio de Janeiro, Editora Renovar, 2001, p. 85.

BATES, D. G. Human adaptive strategies: ecology, culture, and politics. 3rd ed. Boston: Pearson Education, 2005.

BATES, D. G.; LEES, S. H. Case studies in human ecology. New York: Plenum Press, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em 10 out. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca, regula as atividades pesqueiras, revoga a Lei no 7.679, de 23 de novembro de 1988, e dispositivos do Decreto-Lei nº 221, de 28 de fevereiro de 1967, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11959.htm> Acesso em 10 abr. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.040 de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>, Acesso em 10 jun. 2017.

CARVALHO, I.G.S. et al. Por um diálogo de saberes entre pescadores artesanais, marisqueiras e o direito ambiental do trabalho. Ciênc. Saúde Coletiva, n. 10, p. 4011-4022, Out. 2014. Rio de Janeiro, v. 19.

CAPELLESSO, A.J.; CAZELLA, A.A. Pesca artesanal entre crise econômica e problemas socioambientais: estudo de caso nos municípios de Garopaba e Imbituba (SC). Ambient. Soc., São Paulo, v. 14, n. 2, p. 15-33,

CRESWELL, J.W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. 3º ed. Porto Alegre, Artmed: 2010.

DIEGUES, A.C. Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar. São Paulo: Ática, 1983.

FAO - Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (2014). O estado da pesca e da aquacultura no mundo. Roma, 2012. Disponível em <http://www.fao.org/3/a-i3720e.pdf> Acesso em 13 Mai. 2017.

FREITAS, M.B.; RODRIGUES, S.C.A. As consequências do processo de desterritorialização da pesca artesanal na Baía de Sepetiba (RJ, Brasil): um olhar sobre as questões de saúde do trabalhador e o ambiente. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 10, p. 4001-4009, Out. 2014..

FREITAS, M.B.; RODRIGUES, S.C.A. Determinantes sociais da saúde no processo de trabalho da pesca artesanal na Baía de Sepetiba, estado do Rio de Janeiro. Saúde Soc., São Paulo, v. 24, n. 3, p. 753-764, Set. 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid

GARRONE NETO, D.; CORDEIRO, R.C.; HADDAD JR., V. Acidentes do trabalho em pescadores artesanais da região do Médio Rio Araguaia, Tocantins, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 795-803, Jun. 2005.

MAPA, 2013. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/pesca-e-aquicultura> Acesso em 15 de abr. de 2017

MARTINS, M.L.S.; ALVIM, R.G. Perspectivas do trabalho feminino na pesca artesanal: particularidades da comunidade Ilha do Beto, Sergipe, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. Hum., Belém, v. 11, n. 2, p. 379-390, Ago. 2016.

MESQUITA, E.M.C.; ISAAC-NAHUM, V.J. Traditional knowledge and artisanal fishing technology on the Xingu River in Pará, Brazil. Braz. J. Biol., São Carlos, v. 75, n. 3, supl. 1, p. 138-157, Ago. 2015.

MOTA, D.M.; SCHMITZ, H.; SILVA JUNIOR, A. (Dis)agreements on the use of natural resources within a context of land transformation in Sergipe. Ambient. Soc., São Paulo, v. 18, n. 2, p. 41-58, Jun. 2015.

MOTA, D.M. et al. O trabalho familiar extrativista sob a influência de políticas públicas. Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 52, supl. 1, p. 189-204, 2014.

OLIVEIRA, B.M.C. Percepção ambiental dos pescadores de marisco do litoral norte de Pernambuco. Anais do III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Goiânia/GO. Nov. 2012. Disponível em <http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2012/XI-043.pdf> Acesso em 31 mai. 2017.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT. Convenção 188. Disponível em <http://www.oitbrasil.org.br/content/referente-ao-trabalho-na-pesca> Acesso em 10 abr. 2017

PENA, P.G.L.; MARTINS, V.; REGO, R.F. Por uma política para a saúde do trabalhador não assalariado: o caso dos pescadores artesanais e das marisqueiras. Rev. Bras. Saúde Ocup., São Paulo, v. 38, n. 127, p. 57-68, Jun. 2013.

PENA, P.G.L.; FREITAS, M.C.S.; CARDIM, A. Trabalho artesanal, cadências infernais e lesões por esforços repetitivos: estudo de caso em uma comunidade de mariscadeiras na Ilha de Maré, Bahia. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 8, p. 3383-3392, Ago. 2011.

PINTO, S.R.; AVILA, C.F.D. Sociedades plurales, multiculturalismo y derechos indígenas en América Latina. Polít. Cult., México, n. 35, p. 49-66, Jan. 2011.

PRADO JÚNIOR, C. História econômica do Brasil. 43 ed. São Paulo. Brasiliense, 2012.

RAMALHO, C.W.N. A desnecessidade do trabalho entre pescadores artesanais. Sociologias, Porto Alegre, v. 17, n. 38, p. 192-220, Abr. 2015.

RAMALHO, C.W.N. Pescados, pescarias e pescadores: notas etnográficas sobre processos ecossociais. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum., Belém, v. 11, n. 2, p. 391-414, Ago. 2016.

ROA, J.E.R. Pluralismo jurídico y mecanismos de coordinación entre los sistemas de justicia indígena y el sistema nacional de justicia en Colombia. Rev. Derecho Estado, Bogotá, n. 33, p. 101-121, Jul. 2014.

SANTOS, E.C.; SAMPAIO, C.L.S. A Pesca Artesanal na Comunidade de Fernão Velho, Maceió (Alagoas, Brasil): de Tradicional a Marginal. RGCI, Lisboa, v. 13, n. 4, p. 413-424, dez. 2013.

SILVA, J.A. Direito Constitucional Ambiental. São Paulo: Malheiros, 2004.

TREVIZAN, S.D.P.; LEAO, B.M. Pluralidade jurídica: sua importância para a sustentabilidade ambiental em comunidades tradicionais. Soc. Estado., Brasília, v. 29, n. 2, p. 539-560, Ago. 2014.

TÓMAZ, A.F.; MARQUES, J. (org.). Ecologias Humanas. Feira de Santana-BA. UEFES, 2014. 462 p. il.

VARGAS, S.F.; LASCARRO, A.A. Derecho a la autodeterminación de los pueblos indígenas en el ordenamiento jurídico colombiano. Rev. Estud. Soc., Bogotá, n. 53, p. 65-76, Jul. 2015.

WOLKMER, A.C. Pluralismo Jurídico: Fundamentos de uma nova cultura no Direito. 3º ed. São Paulo: Alfa Ômega, 2001.

Publicado
2020-02-25
Como Citar
Farias, R. J. A., Silva, V., & Alvim, R. G. (2020). A pesca artesanal e a comunidade do Jaraguá: um mapeamento científico. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(1), 397-414. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9424
Seção
Artigos