Alternativas políticas e pedagógicas da produção de sabão artesanal: um diálogo com a Educação Ambiental

Palavras-chave: Óleo residual de cozinha, Descarte, Sabão artesanal, Etnografia, Educação Ambiental

Resumo

O estudo foi desenvolvido com três objetivos integrados: (i) adquirir referencial teórico sobre a temática do óleo residual de cozinha e os impactos causados pelo descarte inadequado; (ii) aplicar o método etnográfico para obtenção de dados sobre a cultura da fabricação de sabão artesanal no Munícipio de Paramirim/BA; (iii) realizar análise laboratorial da qualidade do sabão produzido. Para apreensão dos dados foi realizado: (i) estudo bibliográfico; (ii) método etnográfico (Martyn Hammersley e Paul Atkinson, 2007); (iii) análise sensorial, testes de densidade, teor de umidade, propriedade de consistência e potencial hidrogeniônico (pH). O método etnográfico foi eficiente para apreensão dos dados no contexto social estudado. A análise laboratorial constatou que uma das amostras possui pH básico muito elevado, podendo causar riscos à saúde dos fabricantes e usuários do sabão. Os dados empíricos fundamentam uma proposta de educação ambiental com as mulheres na Bahia.

Biografia do Autor

Venâncio Alves Amaral, Universidade de Sorocaba - UNISO

Atualmente, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO, área de concentração - Farmacotécnica e tecnologia farmacêutica, linha de pesquisa - Desenvolvimento e avaliação de substâncias bioativas. Mestre em Processos Tecnológicos e Ambientais pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO (2017), área de concentração - Inovação, tecnologia e ambiente, linha de pesquisa - Processamento e caracterização de materiais e produtos, concluído com bolsa UNISO/Ex-aluno. Bacharel em Biotecnologia pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO (2015), concluído com bolsa do Programa Universidade para Todos - ProUni. Bolsista por duas vezes no Programa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq (2014; 2015), pesquisas com ênfase em Educação Ambiental, Biodiesel e Espaços de educação. Acompanhou o desenvolvimento do projeto intitulado: Síntese e caracterização de filmes e scaffolds a base de fibroína - Estágio supervisionado em Biotecnologia (2014). Tem experiência em pesquisa na área de Educação Ambiental, Biodiesel e Biomateriais.

Marco Vinícius Chaud, Universidade de Sorocaba - UNISO

Possui graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de São Paulo Ribeirão Preto (1980), mestrado em Fármaco e Medicamentos pela Universidade de São Paulo Ribeirão Preto (1993), doutorado em Fármacos e Medicamentos pela Universidade de São Paulo (1999) e pós doutorado pela Universidade de São Paulo (2002). Professor titular do Curso de Farmácia na Universidade de Sorocaba (UNISO). Docente permanente do programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade de Sorocaba. Docente permanente do programa de pós-graduação em Processos Tecnológicos e Ambientais. Experiência de ensino em Farmacotécnica, Tecnologia Farmacêutica e Farmacotécnica Industrial. Linhas de pesquisas abrangem: 1) Desenvolvimento e Avaliação de Substâncias Bioativas com ênfase em biodisponibilidade de fármacos e aplicação de fluído supercrítico para obtenção de dispersões sólidas e liberação modificada de fármacos; 2) Sistemas biomiméticos. Orienta alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado. Sócio Fundador da Sociedade Brasileira de Ciências Farmacêuticas (ABCF). Sócio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Marcos Antônio dos Santos Reigota, Universidade de Sorocaba - UNISO

Doutor pela Universidade Católica de Louvain. Realizou estágio de Pós-doutorado na Universidade de Genebra e estágios de pesquisa na London School of Economics and Political Science(1994); no Institut for Social Research of Frankfurt(1997) com bolsa do DAAD/CAPES e com bolsa da Fundação Japão, na Josai International University em Chiba (2000) e na Sophia University de Tóquio (2005). É membro honorário da Academia Nacional de Educação Ambiental do México. Foi coordenador do GE Educação Ambiental da Anped , organizador do "Simpósio Fundamentos da Educacão Ambiental," no Consejo Europeo de Investigaciones Sociales de América Latina (Bruxelas e Salamanca), co-coordenador do GT "Ecologias outras" da Abrapso. Editor da Revista de Estudos Universitários (2007-2013). Recebeu da OAB- São Carlos-SP, em 1998, o prêmio de "Personalidade do Meio Ambiente-". Em 2005 foi homenageado pela Universidad Pedagógica Veracruzana do México e em 2006 pela Associação Promissense Olho d`água de Proteção Ambiental de Promissão-SP. Pesquisador do CIIIEA-Centro Internacional e Interdisciplinário de Investigación y Ensenãnza Aplicada (Oaxaca-México) financiado pelo DAAD. Professor convidado (Lecturer) na Alice Salomon University (Berlim) em 2015, 2016 e 2017. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação e da graduação em Arquitetura da Uniso. Líder do grupo de pesquisa Cotidiano Escolar, cadastrado no CNPq. Bolsista de produtividade científica do CNPq (Pq-nível 2).

Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.004. Resíduos Sólidos –Classificação, 2004.
ADOMILLI, G. K.; TEMPASS, M. C.; LOPES, R. DA C. Notas teórico-metodológicas sobre a pesquisa etnográfica na área de educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 34, n. 3, p. 226–244, 2017.
AZEVEDO, O. D. A. et al. Fabricação De Sabão a Partir Do Óleo Comestível Residual : Conscientização E Educação Científica. XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física - SNEF, p. 1–9, 2009.
BERTÊ, M.; FANTINEL, L.; FERNANDES, L. DA S. Reaproveitamento de óleo de fritura para fabricação de sabão. Disciplinarum Scientia, v. 15, n. 2, p. 191–200, 2014.
BRASIL. Prefeitura Paramirim Amada Terra. Disponível em: Acesso em: 25 de jan. de 2019a.
BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: Acesso em: 25 de jan. de 2019b.
BRASIL. NBR 13903 - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1997.
BRASIL. Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. 2ª edição, revista – Brasília (ANVISA), 2012.
BROCK, J. et al. Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n. 3, p. 564–570, 2008.
CÉSAR, J.; PAOLI, M.-A.; ANDRADE, J. C. DE. A Determinação da Densidade de Sólidos e Líquidos. Chemkeys - Liberdade para aprender, p. 1–8, 2004.
DO MONTE, E. F. et al. Impacto ambiental causado pelo descarte de óleo; Estudo de caso da percepção dos moradores de Maranguape I, Paulista–PE. Revista Geama, v.1, n. 2, p. 205-219, 2015.
FERREIRA, J. R. DOS S.; DOS SANTOS, E. F. C. Recicler Brasil: Aplicando a Engenharia de Produção na reciclagem de óleo de fritura. XXXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção - ENEGEP, p. 1–9, 2016.
FERREIRA, M. C.; SANTOS, N. F. DOS. Ensino de química e pedagogia de projetos socioambientais: O reaproveitamento do óleo comestível na produção de sabão artesanal por alunos de uma escola do estado da Paraíba - O projeto limpando sua sujeira. IV Congresso Nacional de Educação - CONEDU, p. 1–10, 2014.
FILHO, S. T. et al. Sistema de análise estequiométrica para produção de sabão a partir do óleo vegetal residual : uma estratégia para redução do impacto ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 15, n. 15, p. 3019–3025, 2013.
FREITAS, C. F.; BARATA, R. A. R.; NETO, L. S. M. Utilização do óleo de cozinha usado como fonte alternativa na produção de energia renovável, buscando reduzir os impactos ambientais. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção – Enegep, São Carlos/SP, 2010.
HAMMERSLEY, M.; ATKINSON, P. Ethnography: Principles in practice. 3rd ed. United Kingdom: Routledge, p. 275, 2007.
LIMA, N. M. DE O. et al. Produção e caracterização de sabão ecológico - Uma alternativa para o desenvolvoimento sustentável do semiárido paraibano. Revista Saúde e Ciência On line, v. 3, n. 3, p. 26–36, 2014.
LISBOA, G. L. DA C. et al. Estudo de caso: Destinação do óleo vegetal usado em restaurantes e lanchonetes no bairro de Nazaré, em Belém-PA. II Congresso Amazônico de Meio Ambiente & Energias Renováveis, p. 1–11, 2016.
LOPES, R. C.; BALDIN, N. Educação ambiental para a reutilização do óleo de cozinha na produção de sabão - projeto “ECOLIMPO”. IX Congresso Nacional De Educação - EDUCERE; III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, p. 1035–1042, 2009.
MATTA, L. D. M.; NETO, L. S. Ensino de Bioquímica e Formação Docente: Propostas de Projetos Voltados para o Ensino Básico, Desenvolvidos por Estudantes de Licenciatura. Química Nova na Escola - QNEsc, v. 38, n. 3, p. 224–229, 2016.
MILLIOLI, V. S. et al. Biorremediação de solo impactado com óleo cru: avaliação da potencialidade da utilização de surfatantes. Rio de Janeiro: CETEM/MCT (Série Tecnologia Ambiental), 2008.
MOTA JUNIOR, V. D. Educação Ambiental, Política, Cidadania e Consumo. Interacções, n. 11, p. 214-229, 2009.
MORGAN-MARTINS, M. I. et al. Reciclo-óleo : do óleo de cozinha ao sabão ecológico , um projeto de educação ambiental Reciclo-oil : the cooking oil in soap ecological , an environmental education project. Cinergis, v. 17, n. 4, p. 301–306, 2016.
NEVES, E. O.; GUEDES, C. A. M.; SANTOS, K. C. DOS. Empreendedorismo social e sustentabilidade : um estudo de caso sobre o projeto “ mulheres em ação jogando limpo com a natureza ” do IFNMG. Revista da FAE, v. 13, n. 2, p. 1–14, 2010.
OLIVEIRA, R. S. DE; DUTRA, J. M. Óleos residuais como tema de debate em educação ambiental. Scientia Amazonia, v. 5, n. 2, p. 92–95, 2016.
OLIVEIRA, G. C. et al. Sustec jr nas escolas: Conscientização sobre a reciclagem do óleo comestível usado. Revista ELO–Diálogos em Extensão, v. 5, n. 1, 2016.
PEREIRA, C. S. D. S. et al. Acão Social e Ambiental na Comunidade de Engenheiro Gutierrez - IRATI / PR com o uso de materiais recicláveis. Revista PublicAção, v. 3, n. 1, p. 23–31, 2012.
PITTA JUNIOR, O. S. R. et al. Reciclagem do óleo de cozinha usado: uma contribuição para aumentar a produtividade do processo. In: INTERNACIONAL WORKSHOP ADVANCES IN CLEANER PRODUCTION. p. 1-10, 2009.
PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D. A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002.
RABELO, R. A.; FERREIRA, O. M. Coleta seletiva de óleo residual de fritura para aproveitamento industrial. Universidade Católica de Goiás, v. 6, p. 1–21, 2008.
RAMALHO, H. F.; SUAREZ, P. A. Z. A Química dos Óleos e Gorduras e seus Processos de Extração e Refino. Revista Virtual de Química - RVq, v. 5, n. 1, p. 2–15, 2013.
REIGOTA, M. O que é educação ambiental. 2. Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2009.
REIS, V.; LUNARDI-MENDES, G. M. O registro do etnógrafo : reflexões sobre a prática etnográfica educacional. Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 26, p. 164–183, 2018.
RODRIGUES, L. B.; COUTINHO, J. P.; SILVA, C. A. DA. Proposta de reaproveitamento do óleo de fritura residual em um restaurante industrial. RGSA - Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 4, n. 3, p. 136–145, 2010.
SANTOS FILHO, R. C. Dos. et al. O aproveitamento de resíduos sólidos urbanos, por meio do processo de compostagem aeróbia enriquecida com casca de sururu para aproveitamento na construção civil. Caderno de Graduação-Ciências Exatas e Tecnológicas-UNITALAGOAS, v. 4, n. 2, p. 125, 2017.
SANTOS, D. M.; NAGASHIMA, L. A. Saber popular e o conhecimento científico: Relato de experiência envolvendo a fabricação de sabão caseiro. REnCiMa, v. 8, n. 2, p. 127–142, 2017.
SANTOS, V. M. L. DOS et al. Preservação ambiental e reciclagem de óleos residuais. Extensão em Foco, n. 3, p. 99–107, 2009.
SCHOTT FILHO, O. et al. Projeto Estiva: uma iniciativa de gestão de resíduos sólidos urbanos em comunidades de baixa renda. Revista ELO–Diálogos em Extensão, v. 6, n. 3, 2017.
SILVA, Â. J. DA; SANTOS, W. L. P. Conhecimento popular e a Educação CTS em oficinas de sabão caseiro. Indagatio Didactica, v. 8, n. 1, p. 1931–1946, 2016.
SILVA, L. N. A.; BRAZ, C. O.; PINHEIRO, A. S. F. Confecção de sabão caseiro a partir do reaproveitamento do óleo de cozinha como ferramenta de Educação Ambiental em escolas de Santarém-Pará. VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental-ConGeA, Campo Grande/MS, 2017.
SIQUEIRA, M. M.; MORAES, M. S. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6, p. 2115-2122, 2009
TEIXEIRA, C. R. et al. Abordagem CTSA - Prática pedagógica no Ensino de Ciências a partir da produção de sabão caseiro. Pedagogia em Foco, v. 10, n. 3, p. 41–53, 2015.
TESCAROLLO, I. L. et al. Proposta para avaliação da qualidade de sabão ecológico produzido a partir do óleo vegetal residual. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 19, n. 3, p. 871–880, 2015a.
TOMASI, K. et al. Perfil de consumo e descarte de óleo comestível no município de ijuí-rs. Revista Contexto & Saúde, v. 14, n. 27, p. 54–64, 2014.
UCHIMURA, M. S. Dossiê Técnico - Sabão. Instituto de Tecnologia do Paraná, p. 1–27, 2007.
WEBER, F. A Entrevista, a Pesquisa e o Íntimo, ou: Por que censurar seu diário de campo? Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 32, p. 157–170, 2009.
WILDNER, L. B. A.; HILLIG, C. Reciclagem de óleo comestível e fabricação de sabão como instrumento de educação ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 5, n. 5, p. 813–824, 2012.
Publicado
2019-09-13
Como Citar
Amaral, V. A., Chaud, M. V., & Reigota, M. A. dos S. (2019). Alternativas políticas e pedagógicas da produção de sabão artesanal: um diálogo com a Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 14(3), 50-74. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.9365
Seção
Artigos