Alternativas políticas e pedagógicas da produção de sabão artesanal: um diálogo com a Educação Ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.9365

Palavras-chave:

Óleo residual de cozinha, Descarte, Sabão artesanal, Etnografia, Educação Ambiental

Resumo

O estudo foi desenvolvido com três objetivos integrados: (i) adquirir referencial teórico sobre a temática do óleo residual de cozinha e os impactos causados pelo descarte inadequado; (ii) aplicar o método etnográfico para obtenção de dados sobre a cultura da fabricação de sabão artesanal no Munícipio de Paramirim/BA; (iii) realizar análise laboratorial da qualidade do sabão produzido. Para apreensão dos dados foi realizado: (i) estudo bibliográfico; (ii) método etnográfico (Martyn Hammersley e Paul Atkinson, 2007); (iii) análise sensorial, testes de densidade, teor de umidade, propriedade de consistência e potencial hidrogeniônico (pH). O método etnográfico foi eficiente para apreensão dos dados no contexto social estudado. A análise laboratorial constatou que uma das amostras possui pH básico muito elevado, podendo causar riscos à saúde dos fabricantes e usuários do sabão. Os dados empíricos fundamentam uma proposta de educação ambiental com as mulheres na Bahia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Venâncio Alves Amaral, Universidade de Sorocaba - UNISO

Atualmente, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO, área de concentração - Farmacotécnica e tecnologia farmacêutica, linha de pesquisa - Desenvolvimento e avaliação de substâncias bioativas. Mestre em Processos Tecnológicos e Ambientais pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO (2017), área de concentração - Inovação, tecnologia e ambiente, linha de pesquisa - Processamento e caracterização de materiais e produtos, concluído com bolsa UNISO/Ex-aluno. Bacharel em Biotecnologia pela Universidade de Sorocaba/SP - UNISO (2015), concluído com bolsa do Programa Universidade para Todos - ProUni. Bolsista por duas vezes no Programa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq (2014; 2015), pesquisas com ênfase em Educação Ambiental, Biodiesel e Espaços de educação. Acompanhou o desenvolvimento do projeto intitulado: Síntese e caracterização de filmes e scaffolds a base de fibroína - Estágio supervisionado em Biotecnologia (2014). Tem experiência em pesquisa na área de Educação Ambiental, Biodiesel e Biomateriais.

Marco Vinícius Chaud, Universidade de Sorocaba - UNISO

Possui graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de São Paulo Ribeirão Preto (1980), mestrado em Fármaco e Medicamentos pela Universidade de São Paulo Ribeirão Preto (1993), doutorado em Fármacos e Medicamentos pela Universidade de São Paulo (1999) e pós doutorado pela Universidade de São Paulo (2002). Professor titular do Curso de Farmácia na Universidade de Sorocaba (UNISO). Docente permanente do programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade de Sorocaba. Docente permanente do programa de pós-graduação em Processos Tecnológicos e Ambientais. Experiência de ensino em Farmacotécnica, Tecnologia Farmacêutica e Farmacotécnica Industrial. Linhas de pesquisas abrangem: 1) Desenvolvimento e Avaliação de Substâncias Bioativas com ênfase em biodisponibilidade de fármacos e aplicação de fluído supercrítico para obtenção de dispersões sólidas e liberação modificada de fármacos; 2) Sistemas biomiméticos. Orienta alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado. Sócio Fundador da Sociedade Brasileira de Ciências Farmacêuticas (ABCF). Sócio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

Marcos Antônio dos Santos Reigota, Universidade de Sorocaba - UNISO

Doutor pela Universidade Católica de Louvain. Realizou estágio de Pós-doutorado na Universidade de Genebra e estágios de pesquisa na London School of Economics and Political Science(1994); no Institut for Social Research of Frankfurt(1997) com bolsa do DAAD/CAPES e com bolsa da Fundação Japão, na Josai International University em Chiba (2000) e na Sophia University de Tóquio (2005). É membro honorário da Academia Nacional de Educação Ambiental do México. Foi coordenador do GE Educação Ambiental da Anped , organizador do "Simpósio Fundamentos da Educacão Ambiental," no Consejo Europeo de Investigaciones Sociales de América Latina (Bruxelas e Salamanca), co-coordenador do GT "Ecologias outras" da Abrapso. Editor da Revista de Estudos Universitários (2007-2013). Recebeu da OAB- São Carlos-SP, em 1998, o prêmio de "Personalidade do Meio Ambiente-". Em 2005 foi homenageado pela Universidad Pedagógica Veracruzana do México e em 2006 pela Associação Promissense Olho d`água de Proteção Ambiental de Promissão-SP. Pesquisador do CIIIEA-Centro Internacional e Interdisciplinário de Investigación y Ensenãnza Aplicada (Oaxaca-México) financiado pelo DAAD. Professor convidado (Lecturer) na Alice Salomon University (Berlim) em 2015, 2016 e 2017. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação e da graduação em Arquitetura da Uniso. Líder do grupo de pesquisa Cotidiano Escolar, cadastrado no CNPq. Bolsista de produtividade científica do CNPq (Pq-nível 2).

Referências

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10.004. Resíduos Sólidos –Classificação, 2004.
ADOMILLI, G. K.; TEMPASS, M. C.; LOPES, R. DA C. Notas teórico-metodológicas sobre a pesquisa etnográfica na área de educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 34, n. 3, p. 226–244, 2017.
AZEVEDO, O. D. A. et al. Fabricação De Sabão a Partir Do Óleo Comestível Residual : Conscientização E Educação Científica. XVIII Simpósio Nacional de Ensino de Física - SNEF, p. 1–9, 2009.
BERTÊ, M.; FANTINEL, L.; FERNANDES, L. DA S. Reaproveitamento de óleo de fritura para fabricação de sabão. Disciplinarum Scientia, v. 15, n. 2, p. 191–200, 2014.
BRASIL. Prefeitura Paramirim Amada Terra. Disponível em: <https://www.paramirim.ba.gov.br/?page_id=40> Acesso em: 25 de jan. de 2019a.
BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/paramirim_ba> Acesso em: 25 de jan. de 2019b.
BRASIL. NBR 13903 - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1997.
BRASIL. Guia para Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. 2ª edição, revista – Brasília (ANVISA), 2012.
BROCK, J. et al. Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n. 3, p. 564–570, 2008.
CÉSAR, J.; PAOLI, M.-A.; ANDRADE, J. C. DE. A Determinação da Densidade de Sólidos e Líquidos. Chemkeys - Liberdade para aprender, p. 1–8, 2004.
DO MONTE, E. F. et al. Impacto ambiental causado pelo descarte de óleo; Estudo de caso da percepção dos moradores de Maranguape I, Paulista–PE. Revista Geama, v.1, n. 2, p. 205-219, 2015.
FERREIRA, J. R. DOS S.; DOS SANTOS, E. F. C. Recicler Brasil: Aplicando a Engenharia de Produção na reciclagem de óleo de fritura. XXXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção - ENEGEP, p. 1–9, 2016.
FERREIRA, M. C.; SANTOS, N. F. DOS. Ensino de química e pedagogia de projetos socioambientais: O reaproveitamento do óleo comestível na produção de sabão artesanal por alunos de uma escola do estado da Paraíba - O projeto limpando sua sujeira. IV Congresso Nacional de Educação - CONEDU, p. 1–10, 2014.
FILHO, S. T. et al. Sistema de análise estequiométrica para produção de sabão a partir do óleo vegetal residual : uma estratégia para redução do impacto ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 15, n. 15, p. 3019–3025, 2013.
FREITAS, C. F.; BARATA, R. A. R.; NETO, L. S. M. Utilização do óleo de cozinha usado como fonte alternativa na produção de energia renovável, buscando reduzir os impactos ambientais. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção – Enegep, São Carlos/SP, 2010.
HAMMERSLEY, M.; ATKINSON, P. Ethnography: Principles in practice. 3rd ed. United Kingdom: Routledge, p. 275, 2007.
LIMA, N. M. DE O. et al. Produção e caracterização de sabão ecológico - Uma alternativa para o desenvolvoimento sustentável do semiárido paraibano. Revista Saúde e Ciência On line, v. 3, n. 3, p. 26–36, 2014.
LISBOA, G. L. DA C. et al. Estudo de caso: Destinação do óleo vegetal usado em restaurantes e lanchonetes no bairro de Nazaré, em Belém-PA. II Congresso Amazônico de Meio Ambiente & Energias Renováveis, p. 1–11, 2016.
LOPES, R. C.; BALDIN, N. Educação ambiental para a reutilização do óleo de cozinha na produção de sabão - projeto “ECOLIMPO”. IX Congresso Nacional De Educação - EDUCERE; III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, p. 1035–1042, 2009.
MATTA, L. D. M.; NETO, L. S. Ensino de Bioquímica e Formação Docente: Propostas de Projetos Voltados para o Ensino Básico, Desenvolvidos por Estudantes de Licenciatura. Química Nova na Escola - QNEsc, v. 38, n. 3, p. 224–229, 2016.
MILLIOLI, V. S. et al. Biorremediação de solo impactado com óleo cru: avaliação da potencialidade da utilização de surfatantes. Rio de Janeiro: CETEM/MCT (Série Tecnologia Ambiental), 2008.
MOTA JUNIOR, V. D. Educação Ambiental, Política, Cidadania e Consumo. Interacções, n. 11, p. 214-229, 2009.
MORGAN-MARTINS, M. I. et al. Reciclo-óleo : do óleo de cozinha ao sabão ecológico , um projeto de educação ambiental Reciclo-oil : the cooking oil in soap ecological , an environmental education project. Cinergis, v. 17, n. 4, p. 301–306, 2016.
NEVES, E. O.; GUEDES, C. A. M.; SANTOS, K. C. DOS. Empreendedorismo social e sustentabilidade : um estudo de caso sobre o projeto “ mulheres em ação jogando limpo com a natureza ” do IFNMG. Revista da FAE, v. 13, n. 2, p. 1–14, 2010.
OLIVEIRA, R. S. DE; DUTRA, J. M. Óleos residuais como tema de debate em educação ambiental. Scientia Amazonia, v. 5, n. 2, p. 92–95, 2016.
OLIVEIRA, G. C. et al. Sustec jr nas escolas: Conscientização sobre a reciclagem do óleo comestível usado. Revista ELO–Diálogos em Extensão, v. 5, n. 1, 2016.
PEREIRA, C. S. D. S. et al. Acão Social e Ambiental na Comunidade de Engenheiro Gutierrez - IRATI / PR com o uso de materiais recicláveis. Revista PublicAção, v. 3, n. 1, p. 23–31, 2012.
PITTA JUNIOR, O. S. R. et al. Reciclagem do óleo de cozinha usado: uma contribuição para aumentar a produtividade do processo. In: INTERNACIONAL WORKSHOP ADVANCES IN CLEANER PRODUCTION. p. 1-10, 2009.
PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL-PÉREZ, D. A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002.
RABELO, R. A.; FERREIRA, O. M. Coleta seletiva de óleo residual de fritura para aproveitamento industrial. Universidade Católica de Goiás, v. 6, p. 1–21, 2008.
RAMALHO, H. F.; SUAREZ, P. A. Z. A Química dos Óleos e Gorduras e seus Processos de Extração e Refino. Revista Virtual de Química - RVq, v. 5, n. 1, p. 2–15, 2013.
REIGOTA, M. O que é educação ambiental. 2. Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2009.
REIS, V.; LUNARDI-MENDES, G. M. O registro do etnógrafo : reflexões sobre a prática etnográfica educacional. Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 26, p. 164–183, 2018.
RODRIGUES, L. B.; COUTINHO, J. P.; SILVA, C. A. DA. Proposta de reaproveitamento do óleo de fritura residual em um restaurante industrial. RGSA - Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 4, n. 3, p. 136–145, 2010.
SANTOS FILHO, R. C. Dos. et al. O aproveitamento de resíduos sólidos urbanos, por meio do processo de compostagem aeróbia enriquecida com casca de sururu para aproveitamento na construção civil. Caderno de Graduação-Ciências Exatas e Tecnológicas-UNITALAGOAS, v. 4, n. 2, p. 125, 2017.
SANTOS, D. M.; NAGASHIMA, L. A. Saber popular e o conhecimento científico: Relato de experiência envolvendo a fabricação de sabão caseiro. REnCiMa, v. 8, n. 2, p. 127–142, 2017.
SANTOS, V. M. L. DOS et al. Preservação ambiental e reciclagem de óleos residuais. Extensão em Foco, n. 3, p. 99–107, 2009.
SCHOTT FILHO, O. et al. Projeto Estiva: uma iniciativa de gestão de resíduos sólidos urbanos em comunidades de baixa renda. Revista ELO–Diálogos em Extensão, v. 6, n. 3, 2017.
SILVA, Â. J. DA; SANTOS, W. L. P. Conhecimento popular e a Educação CTS em oficinas de sabão caseiro. Indagatio Didactica, v. 8, n. 1, p. 1931–1946, 2016.
SILVA, L. N. A.; BRAZ, C. O.; PINHEIRO, A. S. F. Confecção de sabão caseiro a partir do reaproveitamento do óleo de cozinha como ferramenta de Educação Ambiental em escolas de Santarém-Pará. VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental-ConGeA, Campo Grande/MS, 2017.
SIQUEIRA, M. M.; MORAES, M. S. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6, p. 2115-2122, 2009
TEIXEIRA, C. R. et al. Abordagem CTSA - Prática pedagógica no Ensino de Ciências a partir da produção de sabão caseiro. Pedagogia em Foco, v. 10, n. 3, p. 41–53, 2015.
TESCAROLLO, I. L. et al. Proposta para avaliação da qualidade de sabão ecológico produzido a partir do óleo vegetal residual. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 19, n. 3, p. 871–880, 2015a.
TOMASI, K. et al. Perfil de consumo e descarte de óleo comestível no município de ijuí-rs. Revista Contexto & Saúde, v. 14, n. 27, p. 54–64, 2014.
UCHIMURA, M. S. Dossiê Técnico - Sabão. Instituto de Tecnologia do Paraná, p. 1–27, 2007.
WEBER, F. A Entrevista, a Pesquisa e o Íntimo, ou: Por que censurar seu diário de campo? Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 32, p. 157–170, 2009.
WILDNER, L. B. A.; HILLIG, C. Reciclagem de óleo comestível e fabricação de sabão como instrumento de educação ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnolgia Ambiental, v. 5, n. 5, p. 813–824, 2012.

Downloads

Publicado

13-09-2019

Como Citar

Amaral, V. A., Chaud, M. V., & Reigota, M. A. dos S. (2019). Alternativas políticas e pedagógicas da produção de sabão artesanal: um diálogo com a Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 14(3), 50–74. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.9365

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2019-04-23
Aceito: 2019-07-04
Publicado: 2019-09-13

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.