Percepção dos moradores sobre as araras-canindé (Ara ararauna), na área urbana de Campo Grande (MS)

  • Aline Calderan 1Universidade Anhanguera Uniderp - PPG em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Instituto Arara Azul
  • Larissa Tinoco Instituto Arara Azul
  • Celso Corrêa Souza Universidade Anhanguera Uniderp - PPG em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional
  • Neiva Maria Robaldo Guedes Universidade Anhanguera Uniderp - PPG em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Instituto Arara Azul
Palavras-chave: Aves, Psitacideos, Educação ambiental, conservação.

Resumo

Estudo sobre percepção ambiental se faz necessário para compreender a relação do homem com a natureza e promover a sensibilização para conservação. O objetivo desta pesquisa foi analisar a percepção dos moradores sobre as araras-canindé (Ara ararauna) na área urbana de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, bem como buscar envolver a população na conservação da biodiversidade, difundir conhecimentos e ampliar a consciência de cidadania.  A coleta ocorreu em 2017 e 2018, com 423 moradores. Foi utilizado o software Sphinx Léxica 5.0. Foi realizado análise fatorial, para reduzir o número de variáveis do bloco de questões em escala de Likert. Foram aplicados os testes de Kaiser-Meyer-Olkim e de esferecidade de Bartlett. Para extrair os fatores foi utilizado a rotação de Varimax. Independente da idade, do sexo, da escolaridade e da região onde moram, os moradores consideram que as araras são importantes e geram muita visibilidade para a cidade.

Referências

ANDRADE, M. A. A vida das aves: Introdução à biologia e conservação. Belo Horizonte: Editora Líttera Maciel, 1993. 160p.
BARBOSA, L. T. Avaliação do sucesso reprodutivo da arara-canindé (Ara ararauna – Psittacidae) e o desenvolvimento urbano de campo Grande, Mato Grosso do Sul. 2015. 60f. Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional) - Universidade Anhanguera Uniderp. Campo Grande.
BERMAN, M. G.; JONIDES, J.; KAPLAN, S. Os benefícios cognitivos da interação com a natureza. Ciência Psicológica, Montevidéu, Uruguai, v. 19, n. 12, p.1207-1212, 2008.
BRUN, F. G. K.; LINK, D.; BRUN, E. J. O emprego da arborização na manutenção da biodiversidade de fauna em áreas urbanas. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 2, n.1, p. 117-127, 2007
COSTANZA, R.; D’ARGE, R.; GROOT, R. S.; FARBER, S.; GRASSO, M.; HANNON, B.; LIMBURG, K.; NAEEM, S.; O’NEILL, R. V.; PARUELO, J.; RASKIN, R. G.; SUTTON, P.; VAN DEN BELT, M. The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, Londres, v. 387, n. 6630, p. 253-260. 1997.
COUTINHO, P. O valor da biodiversidade. 2001. Disponível on-line: . Acesso em: 22 junho 2017.
CLERGEAU, P.; JOKIMÄKI, J.; SAVARD, J‐P. L. Are urban bird communities influenced by the bird diversity of adjacent landscapes?. Journal of applied ecology, Londres, v. 38, n. 5, p. 1122-1134, 2001.
DIOGRANDE. Lei n. 5.561, de 15 de junho de 2015. Institui a ave simbólica do município de Campo Grande-MS e dá outras providências. Diário Oficial de Campo Grande, Poder executivo, Campo Grande, MS, 16 jun. 2015. p. 1.
DREWS, C. Attitudes, knowledge and wild animals as pets in Costa Rica. Anthrozoös, Oxford, v. 15, n. 2, p. 119-138, 2002.
FAGGIONATO, S. Percepção Ambiental. 2005. Disponível em: . Acesso em 14 de fevereiro de 2018.
FERNANDES, R. S.; SOUZA, V. J.; PELISSARI, V. B.; FERNANDES, S. T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. In: II Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, 2004, Indaiatuba. Anais... Indaiatuba: ANPPAS, 2004. p. 1-15.
FONSECA, J.S.; MARTINS, G.A. Curso de Estatística. São Paulo: Atlas. 1996. v. 6. 84p.
FREITAS, H., JANISSEK, R., MOSCAROLA, J., BAULAC, Y. Pesquisa interativa e novas tecnologias para coleta e análise de dados usando o Sphinx. Porto Alegre: Sphinx, 2002. 384p.
FREITAS, H.; MOSCAROLA, J. Análise de dados quantitativos e qualitativos: casos aplicados usando o Sphinx. Porto Alegre: Sphinx, 2000. 178p.
GONÇALVES, M. L. Q.; REGALADO, L. B. A relação entre o homem e o animal silvestre como uma questão de educação ambiental. Fórum ambiental da alta paulista, Tupã, v. 3, n. 1, p. 309-330, 2007.
GUEDES, N. M. R. Araras da Cidade. In: QUEVEDO, T. L. Araras da cidade – Músicas do Mato. Campo Grande: Editora Alvorada, 2012. 160p.
HAIR Jr. J. F.; BLACK, W. C; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; Análise Multivariada de Dados. 6ed. Porto Alegre: Bookman, 2009. 688p.
HERMY, M.; CORNELIS, J. Towards a monitoring method and a number of multifaceted and hierarchical biodiversity indicators for urban and suburban parks. Landscape and Urban Planning, Toronto, v. 49, n. 3-4, p. 149-162, 2000.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2016. Atlas Brasil 2013, apresenta o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. Disponível: < http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?tema=idhm>. Acesso em 15 fev. 2017.
INGOLD, T. “Humanidade e animalidade”. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 28, 1995. 39-52 p.
MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4ed. Porto Alegre: Bookman,2001. 768p.
MEDINA, N. M. Breve histórico da Educação Ambiental. In: Pádua SM, Tabanez MF (orgs.). Educação Ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Brasília-DF: Instituto de Pesquisas Ecológicas – IPÊ, 1997. p.257-269.
MELAZO, G. C. Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares & Trilhas, Uberlândia, Ano VI, n. 6, p. 45-51, 2005.
MELLO, G. F.; RIBEIRO, A. I.; BONGIOVANNI, S. Percepção dos usuários do Parque Ecológico “João Domingos Coelho”, Assis/SP, quanto ao meio ambiente e aves, antes e após a implantação de placas informativas da avifauna local. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo, v. 10, n. 3, p. 177-199, 2015.
MELO, M. R. S.; GUEDES, N. M. R.; SOUZA, C. C. Percepção e valoração ambiental do Parque Estadual Matas do Segredo em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. (Perception and valuation environmental of Parque Estadual Matas do Segredo in Campo Grande, Mato Grosso do Sul). Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 9, n. 5, p. 1513-1528, 2016.
MELO, M. R. S.; SOUZA, C. C; GUEDES, N. M. R. Contribución del ecoturismo a la conservación del guacamayo rojo (arara-vermelha) en una reserva de Brasil. Estudios y perspectivas en turismo, v. 27, n. 1, p. 158-177, 2018.
PLANURB- Instituto municipal de planejamento urbano. 2017. Perfil socioeconômico de Campo Grande. Campo grande, MS: Prefeitura municipal de Campo Grande. Disponível em< http://www.campogrande.ms.gov.br/sedesc/downloads/perfil-socioeconomico-de-campo-grande/ >. Acesso em: 13 mar. 2018.
SCHUCH, M. I. S. Arborização Urbana: uma contribuição à qualidade de vida com uso de geotecnologias. 2006. 102f. Dissertação (Mestrado em Geométrica) – Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.
SICK, H. Ornitologia Brasileira. Edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1997. 882p.
TOLEDO, M. C. B. Análise das áreas verdes urbanas em diferentes escalas visando a conservação da avifauna. 2007. 149f. Tese (Doutorado em Zoologia) – Instituto de Biociências de Botucatu, Universidade Estadual Paulista. Botucatu.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia – Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel. 2012. 342p.
VILLAR, L. M.; ALMEIDA, A. J.; LIMA, M. C. A.; ALMEIDA, J. L. V.; SOUZA, L. F. B.; PAULA, V. S. A percepção ambiental entre os habitantes da região noroeste do estado do Rio de Janeiro. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 285-290, 2008.
WILSON, E. O. Biofilia. México: Fundo de Cultura Económica, 1989. 283p.
Publicado
2019-06-19
Como Citar
Calderan, A., Tinoco, L., Souza, C. C., & Guedes, N. M. R. (2019). Percepção dos moradores sobre as araras-canindé (Ara ararauna), na área urbana de Campo Grande (MS). Revista Brasileira De Educação Ambiental, 14(2), 277-294. https://doi.org/10.34024/revbea.2019.v14.6802
Seção
Artigos