Diagnóstico ambiental de uma microbacia urbana como instrumento de Educação Ambiental

Autores

  • Noelma Cristina Santos Freitas Secretaria de Educação de Mato Grosso-SEDUC
  • Daniela Maimoni de Figueiredo UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS http://orcid.org/0000-0002-2229-0905
  • Selma de Souza Nunes Secretaria de Educação de Mato Grosso e Doutoranda PPGCA/Unemat
  • Alessandra Aparecida Elzanna Tavares Morini Universidade Estadual de Mato Grosso-Unemat

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v9.15496

Palavras-chave:

Política Nacional de Educação Ambiental, Qualidade da Água, interdisciplinar

Resumo

O presente estudo objetivou desenvolver um trabalho de Educação Ambiental no ensino fundamental, por meio do método VERAH de pesquisa-ação, em uma microbacia urbana degradada, em Várzea Grande-MT. O desenvolvimento ocorreu em 3 etapas: 1 - aplicação de um questionário, preparação para as atividades em campo e aulas teóricas; 2 - Vivência em campo: levantamento dos cinco temas do VERAH na microbacia; 3 - Integração dos resultados e proposição de ações para recuperação da microbacia. Os resultados permitiram o levantamento das ações antrópicas que impactam a microbacia, proporcionando uma concepção crítica nos alunos, através do conhecimento interdisciplinar e participativo, bem como a proposição de ações de recuperação ambiental. Permitiu ainda apontar as dificuldades em desenvolver a Educação Ambiental na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noelma Cristina Santos Freitas, Secretaria de Educação de Mato Grosso-SEDUC

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Cuiabá (2003) e especialização em Educação Ambiental pela Faculdades Integradas Mato-Grossense de Ciências Sociais e Humanas (2008). Atualmente é Professor da Secretaria de Estado de Educação do Estado do Mato Grosso e mestranda no Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos da Universidade Federal de Mato Grosso.

Daniela Maimoni de Figueiredo, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

Graduada em Ciências Biológicas pela UFMT (1991), especialista em Biologia de Ambiente Inundáveis pela UFMT (1995), mestre em Ecologia e Conservação da Biodiversidade pela UFMT (1997) e doutora em Ecologia e Recursos Naturais/Limnologia pela UFSCar (2007). Sócia-fundadora da empresa Aquanálise, onde atuou como responsável técnica desde 2000 a 2014. Orientou 13 monografias de especialização e graduação, possui 18 trabalhos publicados em periódicos/anais e cap. de livros, organizou 02 livros. Desde julho/2012 atua como profa. colaboradora do mestrado em Recursos Hídricos-UFMT, orientando e co-orientando alunos (12) e ministrando disciplinas (Limnologia, Análises de água e Gestão dos Rec. Hídricos), sendo bolsista PNPD-Capes deste programa desde agosto de 2015.

Selma de Souza Nunes, Secretaria de Educação de Mato Grosso e Doutoranda PPGCA/Unemat

Doutoranda em ciências ambientais pela Universidade do Estado de Mato Grosso, Mestra em Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Mato Grosso, especialização em genética e evolução pelo grupo UNINTER, graduada em Ciências biológicas pelo Centro Universitário de Várzea Grande- UNIVAG. Professora efetiva da rede estadual de ensino em Mato Grosso, atuou junto ao Centro de Formação e Atualização dos Profissionais na Educação Básica - CEFAPRO (2018 a 2020). Desenvolve e participa de projetos de Educação Ambiental voltado a conservação das bacias hidrográficas. 

Alessandra Aparecida Elzanna Tavares Morini, Universidade Estadual de Mato Grosso-Unemat

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso (1995) e mestrado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade pela Universidade Federal de Mato Grosso (1999). Atualmente é docente da Universidade do Estado de Mato Grosso. Atividades ecologia microrganismos aquáticos, qualidade da água, docência em microbiologia.

Referências

ANDRADE, F.; ABREU, T. B.; CARVALHO, P. H. Análise de livros didáticos da EJA sob o olhar da Educação Ambiental crítica: existe transversalidade? Revista Ambiente & Educação v. 27, n. 2; dezembro de 2022.

BARROS, F.A. Avaliação dos impactos da urbanização na microbacia do córrego Traíra, Várzea Grande-MT. 2017. 104 p. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos), Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá MT, 2017.

BRANCO, E. P.; ROYER, M. R.; BRANCO, A.B.G. A abordagem da Educação Ambiental nos PCNs, nas DCNs e na BNCC. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 29, n. 1, 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação e Cultura. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/4. Acesso em 07 out. 2022>.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 27 de Abril de 1999 Dispõe sobre de Educação Ambiental, institui a Política Nacional da Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, p. 1. Abril. 1999.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 27 de Abril de 1999 Dispõe sobre de Educação Ambiental, institui a Política Nacional da Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, p. 1. Abril. 1999.

COSTA, D.; PONTAROLO, E.; MELLO, N. A. de. Educação Ambiental na escola: uma discussão sobre racionalidade instrumental e interdisciplinaridade. Revista Educere Et Educare, Vol. 13, N. 29, set./out. 2018.

CREPALDI, G. D. M.; BONOTTO, D. M. B. Educação Ambiental: um direito da Educação Infantil. Revista eletrônica editada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas de Educação na Pequena infância, v. 20, n. 38 p. 375-396| jul-dez 2018.

DIMAS, M. de S.; NOVAES, A. M. P.; AVELAR, K. E. S. O ensino da Educação Ambiental: desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 2, p. 501–512, 2021.

DOMINGOS, L. E.; SILVA, J. G. F. da S. Aula de campo no projeto TAMAR: conscientizando alunos do nível 1 da educação infantil, sobre os cuidados e sobrevivência das tartarugas no habitat de proteção Id on Line Rev. Mult. Psic. V.14, N. 50 p. 823-834, Maio/2020. Acesso em: 7 fev. 2023.

DRC-MT- Documento de Referência Curricular de Mato Grosso. Disponível em: https://sites.google.com/view/bnccmt/educa%C3%A7%C3%A3o-infantil-e-ensino-fundamental/documento-de-refer%C3%AAncia-curricular-para-mato-grosso Acesso em: 25 de julho de 2023.

FERNANDES, R. M.; KATAOKA, A. M.; AFFONSO, A. L. S. A abordagem das macrotendências da Educação Ambiental em livros didáticos. Revista Valore, Volta Redonda, 6 (Edição Especial): 1518-1530, 2021.

FERREIRA, L.C. et al. Educação Ambiental e sustentabilidade na prática escolar, Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 14, nº 2: 201-214, 2019.

FIDELIS, A. K.; GEGLIO, P. C. Interdisciplinaridade e contextualização: desafios de professores de ciências naturais em preparar os alunos para o enem. REnCiMa, v. 10, n.6, p. 215-234, 2019.

FIGUEIREDO, D.M.; DORES, E.G.C.; LIMA, Z.M. Bacia do rio Cuiabá-uma abordagem socioambiental. Cuiabá: EdUFMT, 2018.

FUJIOKA, B. M. Z.; CRUZ, L. A. N.; OLIVEIRA, E. M.. A Educação Ambiental apresentada na BNCC e no PCN: uma breve análise. Cadernos de Educação, v.20, n. 40, jan.-jun. 2021.

GUEDES, R.C.M. Avaliação do método de Educação Ambiental VERAH. 2010. 109 f. Dissertação (Mestrado em Análise Geoambiental). Centro de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade de Guarulhos, Guarulhos, SP, 2010.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do Saneamento 2022. Acesso disponível em <https://tratabrasil.org.br/ranking-do-saneamento-2022/>. Acesso em 12 out 2022.

LAYRARGUES, P.P.; LIMA, G.F.C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade. v. 17, n. 1, pp. 23-40. 2014.

LOPES, T. K. et al. Concepções e práticas da Educação Ambiental. Saúde Meio Ambiente. v. 6, n. 2, p. 3-15, 2017.

MACHADO SOBRINHO, J.B. et al. Diagnóstico preliminar das consequências do impacto socioambiental no córrego Água Limpa em Várzea Grande-MT. Biodiversidade, v.14, n. 3, 2015.

MARTINS JÚNIOR, E.; BIZERRIL, M.X.A. Avaliação de uma prática de Educação Ambiental desenvolvida por meio das diretrizes pedagógicas de Paulo Freire e da educomunicação. Revista Ibero-americana de Educação n.º 60/1, 2012.

MINETTO, E.R.O.; IORIS, A.A.R.; FIGUEIREDO, D.M. A etapa escolar da conferência infanto-juvenil de meio ambiente: análise dos projetos de Educação Ambiental. Revbea, v. 14, 2019

MOREIRA, G.S.; MARQUES, R.N.A importância das aulas de campo como estratégia de ensino-aprendizagem. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.5, p. 45137-45145 may. 2021.

NEPOMUCENO, A.L.O. O não lugar da formação ambiental na educação básica: reflexões à luz da BNCC e da BNC-FORMAÇÃO. Educação em Revista Belo Horizonte. v.37, 2021.

NUNES, S.; CAMARGO, J.; FIGUEIREDO, D.M. Aplicação de um método de pesquisa-ação em uma microbacia urbana como instrumento de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 13 n. 1: 22-42, 2018.

OLIVEIRA, A. D., et al. A Educação Ambiental na base nacional comum curricular: os retrocessos no âmbito educacional. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V.16, n. 5: 328-341, 2021.

OLIVEIRA, A. M. S. Educação Ambiental Transformadora: Método VERAH, 112 p. Editora Cone, 2016.

OLIVEIRA, A. M. S. et al. Diagnóstico Ambiental de Microbacia Urbana: Método VERAH. GUARULHOS: Laboratório de Geoprocessamento, Universidade Guarulhos, 2008.

OLIVEIRA, A. P. S.; FENNER, R. dos S. Interdisciplinaridade: o desafio de trabalhar a área das ciências da natureza na escola pública. Revista de Educação Ciência e Tecnologia, v.9, n.1, 2020.

OLIVEIRA, L.; NEIMAN, Z. Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 3, p. 36–52, 2020.

OLIVEIRA, V. A.; SILVA, P. C. A. A Educação Ambiental na sociedade atual: Uma experiência na rede escolar. Res., Soc. Dev. 2019.

PESSOA, L. C. T.; SILVA, M. M. T.; AZEVEDO, A. D. M. de. A Educação Ambiental e os documentos oficiais da educação básica: uma abordagem interdisciplinar à luz da BNCC. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 4, p. 425–445, 2022.

PROCÓPIO, J. C. et al. A Interdisciplinaridade da Educação Ambiental nas práticas educacionais de uma escola de ensino fundamental em Contagem (MG). Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 16, No 3: 301-315, 2021.

REIS, F. H. C. S. et al. A Educação Ambiental segundo os documentos norteadores: um estudo dos Parâmetros Curriculares Nacionais e da Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 17, No 2: 45-59, 2022.

REZENDE, A. P.; SOUZA, J. L.; NASCIMENTO, M. Diagnóstico ambiental do córrego Água Limpa em Várzea Grande MT, por meio da aplicação do protocolo de Avaliação Rápida (PAR) e Geotecnologias. Disponível em: <https://www.repositoriodigital.univag.com.br/index.php/engambient/article/view/356/358>. Acesso em: 30 de julho de 2023.

SALIM, C. R. Aula de campo na planície de inundação do rio Itabapoana: promoção da alfabetização científica no contexto das enchentes, 2017. 128 p. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências e Matemática). Inst. Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

SANTOS, C. M.; COLOMBO JÚNIOR, P. D. Interdisciplinaridade e educação: desafios e possibilidades frente à produção do conhecimento. Rev. Triang. Uberaba, MG v.11 n.2 p. 26-44, 2018.

SILVA, F. D. A contribuição da aula de campo para o ensino de ciências no ensino médio regular, à luz da teoria de Jerome S. Bruner. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências). Universidade Estadual de Roraima, 2017.

SILVA, S. S. A. da. FERREIRA, V. S. O Ônus e o Bônus da aula de campo no ensino de Ciências. Rev. Mult. Psic. V.13, N. 46, 2019.

SMERMAN, W. et al. Aplicação combinada dos métodos VERAH e Diagnóstico Ambiental de Nascentes no Córrego Jaçanã Azul, afluente do rio Perdido, em Juína-MT. Investigação, Sociedade e Desenvolvimento, v. 11, n. 16, 2022.

SOUZA, J. R. CAMPOS, C. R. P. Uma aula de campo no parque mochuara (Cariacica-ES): atividades investigativas para a Alfabetização Científica. REnCiMa, São Paulo, v. 11, n. 6, p. 761-778, 2020.

SOUZA, O. N.; RIBEIRO, J. C. Diagnóstico ambiental da sub-bacia urbana do córrego das garças, em Juína, Mato Grosso: Método VERAH. Revista Equador Vol. 11, Nº 2, 2022.

UHMANN, R. I. M.; FOLLMANN, L. A perspectiva do professor na Educação Ambiental. Revista Contexto & Educação. Editora Unijuí, Ano 34, nº 109, 2019.

ZEILHOFER, P., MIRANDA, C. S. Proposta de parcelamento e infraestrutura em bacias urbanas: estudo de caso - córrego do moinho, Cuiabá, MT. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, Nº 31, 2012.

Downloads

Publicado

01-04-2024

Como Citar

Freitas, N. C. S., Figueiredo, D. M. de, Nunes, S. de S., & Morini, A. A. E. T. (2024). Diagnóstico ambiental de uma microbacia urbana como instrumento de Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 19(2), 163–180. https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v9.15496

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2023-08-06
Aceito: 2024-01-24
Publicado: 2024-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.