Práticas de Educação Ambiental na educação infantil: Mata Atlântica, nosso bioma

Autores

  • Raquel Caparroz Cicconi Ramos Instituto Federal Catarinense
  • Isabel Cristina Bohn Vieira Universidade do Vale do Itajaí, Univali.
  • Eduardo Augusto Werneck Ribeiro Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14869

Palavras-chave:

Bioma, Educação Ambiental, Práticas Pedagógicas, Educação Infantil

Resumo

O presente artigo apresenta uma proposta de aplicação teórico-prática, com especial atenção ao bioma Mata Atlântica, exercitando o diálogo em Educação Ambiental desde a tenra infância. A propositura descreve um modelo de roteiro didático com um arcabouço lúdico e atrativo, sob a perspectiva colaborativa e participativa entre educandos, educadores e comunidade escolar. Essa aplicação objetiva que acadêmicos e profissionais da Educação Infantil fundamentem a cientificação de conceitos em Educação Ambiental, além de envolver e encorajar as crianças às experiências investigativas na construção do senso de solidariedade, justiça e o despertar para o cuidado ao meio em que vivem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Caparroz Cicconi Ramos, Instituto Federal Catarinense

Mestranda em Ciências Ambientais pelo Instituto Federal Catarinense. Graduada em Letras/ Inglês e Pedagogia. Especialista em Ética, valores e cidadania na Escola- Universidade de São Paulo; Administração da Educação com ênfase em docência do Ensino Superior. Experiência como professora na Educação Infantil, Ensino fundamental e docência na pós Graduação.

Isabel Cristina Bohn Vieira, Universidade do Vale do Itajaí, Univali.

Doutoranda em Ciências e Tecnologias Ambientais pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Mestra em Ciências Ambientais pelo Instituto Federal Catarinense, Bióloga, bacharel e licenciada, pelas Universidades, UNOESC e UNERJ .

Eduardo Augusto Werneck Ribeiro, Instituto Federal Catarinense

Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999), mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (2011). Atualmente é professor do Instituto Federal Catarinense (IFC). 

Referências

ARAÚJO, A. D. B. et al. Caracterização físico-química e perfil lipídico da semente de maracujá do mato (Passiflora cincinnata Mast.). Embrapa Semiárido-Artigo em periódico indexado (ALICE), 2019.

AURÉLIO, Dicionário. On-Line. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/fauna/>. Acesso em: 14 nov. 2022.

BATISTA, V. A. B. Da colonização à contemporaneidade- a exploração da Mata Atlântica: uma análise da exploração económica e uma proposta de minimização dos impactos ambientais pelo ecoturismo. 2022. 152p. Dissertação de Mestrado em Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas: Universidade de Nova Lisboa, 2022.

BRAGA, A. E. A mitologia greco-romana e a natureza nas representações do amor e do erotismo em Glaura de Silva Alvarenga. Boletim de Estudos Clássicos, n. 64, p. 173-205, 2019.

BRASIL. Lei Nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a política nacional do meio ambiente, seus fins e mecanismo de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938compilada.htm>. Acesso em: 18 fev. 2023.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 18 fev. 2023.

BRASIL. Portaria nº 678, de 14 de maio de 1991. Secretaria de Educação Continuada Alfabetização e Diversidade. Ministério da Educação. Brasília, DF, 1991. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&legislacao=94679>. Acesso em: 18 fev. 2023.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998, vol.1. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2023.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, DF: Presidência da República, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em 18 fev. 2023.

BRASIL. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: Ministério da Educação. Disponível em: <http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC/SEB, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 10 nov. 2022.

CAGLIONI, E. et al. Altitude e solos determinam variações abruptas da vegetação em gradiente altitudinal de Mata Atlântica. Rodriguésia, v. 69, p. 2055-2068, 2018.

COUTINHO, L. M. O conceito de bioma. Acta botanica brasílica, v. 20, p. 13-23, 2006.

DA COSTA, M. O.; SCHLINDWEIN, M. N.; PRADO, H. M. Convivências e percepções quilombolas do vale do Ribeira-SP sobre a conservação da fauna local (Mata Atlântica) e possíveis interações das instituições de ensino na temática. Revista Multidisciplinar de Educação e Meio Ambiente, v. 2, n. 3, p. 05-05, 2021.

DE ALMEIDA, A. B. et al. Fauna urbana: revisão bibliográfica dos mamíferos presentes em fragmentos florestais no estado de São Paulo. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 3, n. 3, p. 2407-2416, 2020.

DE CARVALHO, S. M. I.; NERY, J. T. Influência da variabilidade climática na dinâmica da vegetação natural do bioma Mata Atlântica–abordagem multitemporal. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 9, n. 4, p. 351-361, 2018.

DINIZ, G. J. R. et al. A importância da aplicabilidade do construtivismo para a educaçao infantil: The importance of the applicability of constructivism to early childhood education. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 9, p. 64538-64552, 2022.

DOS SANTOS, E. S. O.; GOMES, C. F. Pesquisas Brasileiras stricto sensu sobre a pedagogia waldorf: estudo exploratório. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 38931-38943, 2021.

EKOWAYS. Lélia púrpura: Cattleya purpurata, 2022. Disponível em: <https://www.ekoways.com/flora-mata-atlantica/>. Acesso em: 10 nov. 2022.

FEWB. Federação das Escolas Waldorf do Brasil. BNCC e Pedagogia Waldorf: A etapa da Educação Infantil. 2020. Disponível em: <http://fewb.org.br/documentos_bncc/BNCC-EI-Texto%20Final.pdf>. Acesso em: 08 nov. 2022.

FEWB. Federação das Escolas Waldorf do Brasil: histórico da escola Waldorf no Brasil. Disponível em: <https://www.fewb.org.br/pw_brasil.html>. Acesso em: 18 de fev. 2023.

FREITAS, N. A. O. et al. Educação Infantil na Base Nacional Comum Curricular: pressupostos epistemológicos em Piaget, Vigotsky e Wallon. Educere, v. 20, n. 2, p. 259-278, 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Biomas. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/cartas-e-mapas/informacoes-ambientais/15842-biomas.html?=&t=acesso-ao-produto.>. Acesso em: 12 nov. 2022.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Atlas da Mata Atlântica. Disponível em: <https://www.sosma.org.br/>. Acesso em: 14 nov. 2022.

GOMES, H. A.; IARED, V. G. A pedagogia waldorf e a Educação Ambiental: um diálogo a partir de uma perspectiva ecofenomenológica. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 38, n. 1, p. 202-223, 2021.

GOTARDO, R. et al. Características químicas e físicas de um Cambissolo Háplico do Bioma Mata Atlântica sob diferentes usos de solo. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 13, n. 3, p. 1039-1066, 2020.

KAMATH, J. V. et al. Psidium guajava L: A review. International Journal of Green Pharmacy (IJGP), 2(1), 2018.

LIMA, L. de C. et al. Conforto térmico em espaços abertos no clima quente e úmido: estudo de caso em um parque urbano no Bioma Mata Atlântica. Ambiente Construído, v. 19, p. 109-127, 2019.

MACHADO, E. C.; DE BARROS, D. A. Jardim sensorial: o paisagismo como ferramenta de inclusão social e Educação Ambiental. Extensão Tecnológica: Revista de Extensão do Instituto Federal Catarinense, v. 7, n. 13, p. 142-154, 2020.

MARIOT, M. P.; BARBIERI, R. L. Metabólitos secundários e propriedades medicinais da espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reiss. e M. aquifolium Mart.). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 9, n. 3, p. 89-99, 2007.

MARTINS, I. P. Crescimento e consumo de água por manjericão (Ocimum basilicum L.) sob diferentes regimes hídricos, Dissertação (Mestrado). 2017.

PIAGET, J. A psicologia da inteligência. Editora Vozes Limitada, 2013.

PIAGET, J. Relações entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2014. 356p.

PINTO, L. P. et al. Mata Atlântica Brasileira: os desafios para conservação da biodiversidade de um hotspot mundial. Biologia da conservação: essências. São Carlos: RiMa, 91-118, 2006.

RAMBO, G. C.; VON BORSTEL ROESLER, M. R. Vivência com a natureza no ambiente escolar na primeira infância e sua relevância para construção do respeito e cuidados com o meio ambiente. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 14, n. 1, p. 111-131, 2019.

RIBEIRO, E. A. W.; BOHN, I. C.; CAPARROZ, R. Distribuição da fauna na Mata Atlântica (Version 1). Zenodo, 2023. Disponível em: <https://doi.org/10.5281/zenodo.7654736.>. Acesso em: 19 fev. 2023.

SANTOS, J. S.; BEZZERA, S.; ALVES, S. A Importância do Inventário Florestal para Fauna e Flora da Região Local/The Importance of Forest Inventory for Fauna and Flora of the Local Region. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 10, p. 101591-101601, 2021.

SARAIVA, G. L.; DA ROSA ZUCOLOTTO, M. P. A pedagogia Waldorf e a Base Nacional Comum Curricular na formação da criança. Research, Society and Development, v. 9, n. 10, p. e7279108754-e7279108754, 2020.

SCHAFFER, W.B.; PROCHNOW, M. A Mata Atlântica e você: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Brasília: APREMAVI, 2002. Disponível em: <https://apremavi.org.br/wp-content/uploads/2021/08/a-mata-atlantica-e-voce-baixa-20mb.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2022.

STEINER, R. A filosofia da liberdade. São Paulo: Antroposófica, 2000.

VACHOLZ, H. G. C.; MARTINS, H. F. M.; BERNARDINELI, M. C. Desequilíbrio ecológico decorrente da introdução de espécies exóticas pela descarga da água de lastro de navios e a responsabilização civil. Revista do Curso de Direito, v. 17, n. 17, p. 19-40, 2022.

VIEIRA, I. C. B.; BOHN, C. S.; RIBEIRO, E. A. W. Práticas de Educação Ambiental: Estudantes Cientistas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 3, p. 18-37, 2021.

WIKIAVES. WikiAves, a Enciclopédia das Aves do Brasil: Goiabeira. Disponível em: <https://www.wikiaves.com.br/wiki/flora:goiabeira>. Acesso em: 10 nov. 2022.

Downloads

Publicado

18-08-2023

Como Citar

Ramos, R. C. C., Vieira, I. C. B., & Ribeiro, E. A. W. (2023). Práticas de Educação Ambiental na educação infantil: Mata Atlântica, nosso bioma. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(5), 129–154. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14869

Edição

Seção

Relatos de Experiências
##plugins.generic.dates.received## 2023-02-26
##plugins.generic.dates.accepted## 2023-04-13
##plugins.generic.dates.published## 2023-08-18

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.