A compreensão da natureza para atividades de Educação Ambiental na Unidade de Conservação FLONA de Palmares, Altos (PI)

Autores

  • Pedro Alves da Costa Filho Instituto Federal do Piauí (IFPI); Universidade Federal do Piauí.
  • Letícia Sousa dos Santos Ferreira Universidade Federal do Piauí
  • Patrícia Maria Martins Nápolis Universidadede Brasília; Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14688

Palavras-chave:

Percepção ambiental; unidade de conservação; interação; relação.

Resumo

A presente pesquisa analisa a compreensão dos estudantes sobre a Floresta Nacional Palmares, Altos - PI, destacando a importância de entender a interação ser humano-natureza e fatores que condicionam sua aproximação e/ou distanciamento. Apresenta um caráter descritivo, com abordagem quanti-qualitativa. A coleta de dados em campo foi por meio de entrevistas com 66 estudantes de ensino fundamental, médio e superior de instituições de ensino localizadas em áreas urbana e rural do estado do Piauí. Constatou-se que estudantes urbanos compreendem meio ambiente de forma naturalista, ao passo que os da área rural de modo antropocêntrico. Considerou-se que o contato direto com o meio natural é fator essencial à criação de sentidos, criando laços de afetividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Alves da Costa Filho, Instituto Federal do Piauí (IFPI); Universidade Federal do Piauí.

Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piauí. Servidor do Instituto Federal do Piauí e Membro do Grupo de Pesquisa em Etno e Educação Ambiental.

Letícia Sousa dos Santos Ferreira, Universidade Federal do Piauí

Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piauí. Subcoordenadora do Grupo de Pesquisa em Etno e Educação Ambiental.

Patrícia Maria Martins Nápolis, Universidadede Brasília; Universidade Federal do Piauí

Doutorado em Ciências, na linha de Pesquisa em Educação Ambiental pela Universidade Federal de São Carlos –UFSCar. Professora do curso de Ciências da Natureza, no Centro de Ciências da Natureza na Universidade de Brasília. Professora no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piauí. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Etno e Educação Ambiental. E-mail: pnapolis@uol.com.br    

Referências

ALEXÍADES, M. N. Collecting ethnobotanical data: an introduction to basic concepts andtechniques. In: ALEXIADES, M. N. Guidelines for ethnobotanical field collectors. New York: The New York Botanical Garden, 1996. p.53-94.

ANTIQUEIRA, L. M. R.; PINHEIRO, R. DE F.; SZMOSKI, R. M. A contribuição das tecnologias de informação e comunicação em espaços não formais de ensino: estudo de caso na Floresta Nacional de Piraí do Sul, PR. Boletim Goiano de Geografia, v. 40, n. 1, 2020.

ARCHELA, R. S.; GRATÃO, L. H. B.; TROSTDORF, M. A. S. O lugar dos mapas mentais na representação do lugar. Geografia, v. 13, n. 1, p. 127-142, 2004.

ARUS, G. Z.; OLIVEIRA, A. D. O ensino de botânica no ensino médio e áreas verdes urbanas. Revista Educação Ambiental em Ação, n. 69, 2019.

BARBOSA, L. G. Análise de Sistemas em Biogeografia: Estudo Diagnóstico da Cobertura Vegetal da Floresta Nacional de Palmares, Altos, Piauí /Brasil. 2015. Dissertação (mestrado), UNESP, Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2022. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/154622>. Acesso em: 10 jul. 2022.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 229p.

BARRABLE, A.; ARVANITIS, A. Flourishing in the forest: looking at Forest School through a self- determination theory lens. Journal of Outdoor Environmental Education, v. 22, p. 39–55, 2019.

BARTZIK, F.; ZANDER. L. D. A. Importância as aulas práticas de Ciências no ensino fundamental. Revista @rquivo Brasileiro de Educação, v. 4, n. 8, 2016.

BATISTA, E. C; MATOS, L. A. L; NASCIMENTO, A. B. A entrevista como técnica de investigação na pesquisa qualitativa. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v. 11, n. 3, p. 23-38, 2017.

BRANDÃO, M. L. S. M. et al. The role of buffer zones in the effectiveness of the environmental protection in Floresta Nacional de Palmares, Piauí state, Brasil. Ciência Florestal, v. 31, n. 4, p. 1789-1811, 2022.

BRANDÃO, M. T. Sobre o contato das crianças com a natureza na escola: análise do programa “criança e natureza” uma iniciativa da organização de impacto socioambiental-Alana. Monografia (graduação), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021. Disponível em: <https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/33711/4/SobreContatoCrian%c3%a7as.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2022.

BRASIL. República Federativa do. Decreto de 21 de fevereiro de 2005. Cria a Floresta Nacional de Palmares, no município de Altos, estado do Piauí, e dá outras Providências. Brasília: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2022. Brasília, Câmara dos Deputados: Edições Câmara, 2010. 437p.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

FRAGA, L. A. G.; RIONDET-COSTA, D. R. T.; BOTEZELLI, L. Percepção ambiental de alunos de escolas municipais inseridas no bioma Mata Atlântica. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 3, p. 439-456, 2021.

FRANTZ, C. M.; MAYER, F. S. The importance of connection to nature in assessing environmental education programs. Studies in Educational Evaluation, v. 41, p. 85–89, 2014.

FRIZZO, T. C. E.; CARVALHO, I. C. M. Tão Perto e Tão Longe: escolas próximas a unidades de conservação e os desafios para a ambientalização do currículo. Rev. Espaço do Currículo (online), João Pessoa, v. 11, n. 3, p. 311-324, 2018.

GANEM, R. S. Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Edições Câmara, 2010.

GODOY, L. R. D. C.; LEUZINGER, M. D. O financiamento do Sistema Nacional de Unidades de Conservação no Brasil: Características e tendências. Revista de Informação Legislativa, v. 206, p. 223-243, 2015.

HELBEL, M. R. M.; VESTENA, C. L. B. Fenomenologia e percepção ambiental como objeto de construção à Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v. 12, n. 2, p. 67-78, 2017.

HIRATA, C. A; MOURA, J. D. P.; SOUZA, V. F. Observação, vivência e sensibilização nas unidades de conservação em ambientes urbanos. Revista Eletrônica das Licenciatura/UEL, v. 1, n. 5, p. 146-151, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

JACOBI, C. M., FLEURY, L. C.; ROCHA, A. C. C. L. Percepção ambiental em unidades de conservação: experiência com diferentes grupos etários no Parque Estadual da Serra do Rola Moça, MG, 2004. Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte - 12 a 15 de setembro de 2004. Disponível em: <https://www.ufmg.br/congrext/Meio/Meio12.pdf>. Acesso em: 12 mai. 2022.

LEITE, C. M. C. O conceito lugar na perspectiva da Geografia Escolar. Itinerarius Reflectionis, v. 14, n. 2, p. 1-15, 2018.

LOBO, L. B. “É estudo do meio, não passeio!”: a Educação Ambiental crítica através do vínculo entre escolas e unidades de conservação. Monografia (graduação), Universidade Federal de São Carlos, 2021. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/14102/TCC_Lara%20Bittar%20Lobo.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 20 mai. 2022.

LOPES. J. C. R. Floresta nacional: implantação, gestão e estudo de caso – FLONA de Palmares. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2007.

LOPEZ, B.; MINOR, E.; CROOKS, A. Insights into human-wildlife interactions in cities from bird sightings recorded online. Landscape and Urban Planning, v. 196, 2020. Disponível em: <https://minorlab.weebly.com/uploads/5/5/2/0/55209937/lopez_etal_2020.pdf>. Acesso em 20 jul. 2022.

LOUV, R. A última criança na natureza: resgatando nossas crianças do transtorno do déficit de natureza. 1. ed. São Paulo: Aquariana, 2016.

MACHADO, L. M. C. P. A percepção do meio ambiente como suporte para a Educação Ambiental. In: POMPÊO, M. L. M. (ed.) Perspectivas na Limnologia no Brasil. União, 1999. p.1-13.

MARANDINO, M.; SELLES, S.; FERREIRA, M. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MARIN, A.; KASPER, K. M. A natureza e o lugar habitado como âmbitos da experiência estética: novos entendimentos da relação ser humano - ambiente. Educação em Revista, v. 25, n. 2, p. 267-282, 2009.

MARSELLE, M. R. et al. Urban street tree biodiversity and antidepressant prescriptions. Scientific Reports, v. 10, 2020.

MAZZARINO, J. M; ASSIS, P. A. G. Vivências na Natureza e as possibilidades inventivas na Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 11, n. 1, p. 9-18, 2016.

MENDONÇA, R. Educação Ambiental Vivencial. In: Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. v. 2, p. 119-129, 2007. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Dimas-Floriani/publication/236144823_Dialogo_de_Saberes/links/00b7d516573eb62535000000/Dialogo-de-Saberes.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2022.

MINISTERIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Plano de Ação Integrado e Sustentável para a RIDE Grande Teresina. Teresina, SEMPLAN, 2014. Escala Indeterminável. Disponível em: <http://semplan.teresina.pi.gov.br/wp-content/uploads/2014/09/Ride-_Diagnostico-Situacional-Participativo.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2022.

NASCIMENTO, G. M. B. O meio Ambiente na Compreensão e interação dos indivíduos: As contribuições da Educação Ambiental Crítica. Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Piauí, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Teresina, 2022.

PASSAFARO, P.; CARRUS, G.; PIRCHIO, S. I Bambino e L’Ecologia, Aspetti Psicologici Dell’Educazione Ambientale. Rome: Carrocci editore, 2010. 152p.

PEREIRA, D. M.; MULLER, E. S. Influência das Unidades de Conservação sobre a percepção dos estudantes da educação básica em relação às aves. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. FURG -RS, v. 36, n. 1, p. 305-323, 2019.

PNAD, IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

PYLE, R. M. The extinction of experience. Écologie & politique, v. 56, p. 64–67, 1978.

REICHARDT, L. G.; CAMPOS, R. F. F.; COFFERRI, H. A., KUHN, D. C.; Pagioro, T. A. Análise da percepção ambiental dos alunos do 9° ano da Escola C.E.M São Sebastião do município de Fraiburgo, Santa Catarina, Ignis, v. 8, n. 3, p. 44-63, 2019.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. 7ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SANTOS, D. G. G.; GUIMARÃES, M. Pertencimento: um elo conectivo entre o ser humano, a sociedade e a natureza. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 37, n. 3, p. 208-223, 2020.

SATO, M. Educação Ambiental. São Carlos: Rima, 2002.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005.

SILVA, A. S.; SILVA, F. T.; FIGUEIREDO, T. R. A importância das aulas de campo em Unidade de Conservação (UC) na Educação Básica: Pós-isolamento social. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v.15, n.7, p.155–164, 2020.

SOGA, M., & GASTON, K. J. Extinction of experience: The loss of human-nature interactions. Frontiers in Ecology and Environment, v. 14, p. 94–101, 2016.

THIOLLENT, M. J. M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. 5. ed. São Paulo: Polis, 1987. Disponível em: <https://www.academia.edu/27109731/Critica_Metodologica_Investigacao_Social_e_Enquete_Operaria_Michel_Thiollent>. Acesso em: 30 jul. 2022.

TUAN, Y. F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VIEIRA, S. R. O sentimento de pertencimento na formação do pedagogo: o curso de Pedagogia da FURG no contexto das novas Diretrizes Curriculares. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Rio Grande, 2012. Disponível em: <https://repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/8419/VIEIRA%2c%20SUZANE%20DA%20ROCHA.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em 10 ago. 2022.

ZANINI, A. M. et al. Estudos de percepção e Educação Ambiental: um enfoque fenomenológico. Ensaio - Pesquisa em Educação e Ciências, v. 23, 2021.

Downloads

Publicado

18-08-2023

Como Citar

Costa Filho, P. A. da, Ferreira, L. S. dos S., & Nápolis, P. M. M. (2023). A compreensão da natureza para atividades de Educação Ambiental na Unidade de Conservação FLONA de Palmares, Altos (PI). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(5), 261–279. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14688

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-12-14
Aceito: 2023-03-27
Publicado: 2023-08-18

Artigos Semelhantes

<< < 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)