O conhecimento da Ictiofauna e da Avifauna na Educação Ambiental Formal no Lago Braço Morto, Imbé (RS): Atividades pedagógicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14465

Palavras-chave:

Lago Braço Morto, Sensibilização Ambiental, Município de Imbé, Avifauna, Ictiofauna

Resumo

Este trabalho teve como objetivo utilizar na prática da Educação Ambiental Formal, materiais pedagógicos desenvolvidos a partir da pesquisa de levantamento das espécies de avifauna e ictiofauna do Lago Braço Morto, localizado no Município do Imbé, Rio Grande do Sul. Foram elaborados um Guia de Campo e um Caderno de Atividades, contendo as principais características de aves e de peixes da região. Este material foi aplicado junto aos alunos de escolas públicas, visando melhor trabalhar conceitos da Educação Ambiental. O emprego de materiais pedagógicos contendo conhecimento da diversidade local de peixes e aves demonstrou e despertou o interesse dos alunos para uma maior interação com o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moseli Romana, Uergs - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas e Gestão Ambiental. Finalizou o Mestrado profissional em Ambiente e Sustentabilidade pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Atualmente é a Bióloga Responsável Técnica na empresa : MSC Assessoria, Consultoria e Licenciamento Ambiental e Servidora Pública do Estado do Rio Grande do Sul, atuando como Professora do Ensino Médio e EJA, nas disciplinas de Biologia, Química e Física. Possui experiência na área da Biologia Geral e Gestão Ambiental, com ênfase no Meio Ambiente e Sustentabilidade. Também é Especialista em Perícia e Auditoria Ambiental, Ensino Superior e Neuropsicopedagogia. 

 

Lisiane Acosta Ramos, Uergs - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Ciências Habilitação Biologia Licenciatura Plena pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1994), graduação em Ciências Habilitação Biologia Bacharelado Com Ênfase em Fitoquímica pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1996), graduação em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2007), especialista em Sistemática e Biodiversidade Animal pela PUCRS (1995) e em Mídias na Educação pela UFRGS (2015), mestre em Oceanografia Biológica pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (1999) e doutorada em Oceanografia Biológica pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2006). Atualmente é professora adjunta na UERGS, campus Litoral Norte - Osório, atuando nos cursos de Biologia Marinha e Pedagogia (graduação) e em Meio Ambiente e Biodiversidade (pós-graduação)

Marc François Richter, Uergs - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Possui Graduação em Química pela Albert-Ludwigs Universität Freiburg na Alemanha (1990) e Doutorado em Bioquímica (1995) na mesma universidade. Depois do primeiro Pós-Doutorado no Institut Pasteur na França (1995-1997), chegou ao Brasil, onde atuou, durante dois anos (como pesquisador visitante do CNPq) no Centro de Biotecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). De 2000 a 2003 trabalhou junto ao Centro Integrado do Câncer (ULBRA) e a Fundação Sul-Americana para o Desenvolvimento de Drogas Anti-câncer (Fundação SOAD). Atuou também como Orientador de Mestrado durante os anos 2006 a 2010 no Programa de Pós-Graduação em Genética e Toxicologia Aplicada (PPGGTA da ULBRA). Atualmente, atua como professor adjunto na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) do qual é professor adjunto desde 2003. No período de 2003 a 2010 era Assessor do Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Uergs. De Fevereiro de 2010 a Novembro de 2014, atuava na função de Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação. De Janeiro de 2012 a dezembro de 2015, era Membro do Conselho de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Inovação e Desenvolvimento tecnológico do Estado do RS (SCIT-RS). De agosto de 2015 a junho de 2016 trabalhou na função de Diretor executivo da Fundação de Ciência e Tecnologia (CIENTEC) do Estado do Rio Grande do Sul, e de junho de 2016 a março de 2018 exerceu a função de Presidente da Fundação na mesma instituição. Desde março de 2018 está lecionando e atuando em projetos de pesquisa e de extensão nas áreas da Gestão Ambiental, Nutrição e Ciência de Alimentos. Também é Membro do Conselho do Núcleo de Inovação Tecnológico - NITUergs. Em em 2019 iniciou suas atividades como professor-orientador nos seguintes dois Mestrados profissionais: 1) Ambiente e Sustentabilidade (PPGAS-Uergs); e 2) Ciência e Tecnologia de Alimentos, orientando e lecionando (PPGCTA-Uergs). É editor chefe do Blog REPENSE, que realiza divulgação e conscientização de assuntos ligadas a sustentabilidade e os cuidados com o meio ambiente.

Referências

ADAMS, B. G. A importância da Lei 9.795/99 e das diretrizes curriculares nacionais da Educação Ambiental para docentes. Revista Monografias Ambientais, v. 10, n. 10, p. 2148-2157, 2012.

ARDOIN, N. M.; BOWERS, A. W.; GAILLARD, E. Environmental education outcomes for conservation: A systematic review. Biological Conservation, v. 241, p. 108224, 2020.

BERNARDES, M. B. J.; PRIETO, E. C. Educação Ambiental: disciplina versus tema transversal. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 24, p. 173-185, 2010.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: <https://www.apostilasopcao.com.br/arquivos-opcao/erratas/11197/69245/parametros-curriculares-nacionais-terceiro-e-quarto-ciclos-do-ensino-fundamental.pdf>. Acesso em 12 jul. 2022.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Da Educação Ambiental - Lei Nº 9795/1999, Art. 1º. Presidência da República Casa Civil - Subchefia para Assuntos Jurídicos, 1999. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321>. Acesso em: 03 jul. 2022.

BRASIL. Resolução nº 02 de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília-DF: Diário Oficial da União, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica, 2017. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-comum-curricular-bncc>. Acesso em: 06 ago. 2022.

BRASIL. Temas Contemporâneos e Transversais na BNCC: contexto histórico e pressupostos pedagógicos. 2019. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/guia_pratico_temas_contemporaneos.pdf>. Acesso em: 28 ago. 2022.

CHAPANI, D. T.; CAVASANN, O. O estudo do meio como estratégia para o ensino de ciências e Educação Ambiental. Mimesis, Bauru, v. 18, n. 1, p. 19-39, 1997.

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien, Tailândia - 5 a 9 de março de 1990. Disponível em: <https://educacao.mppr.mp.br/arquivos/File/dwnld/educacao_basica/educacao%20infantil/legislacao/declaracao_mundial_sobre_educacao_para_todos.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2022.

COSTA, R. G. de A. Observação de aves como ferramenta didática para Educação Ambiental. 2007.

DA SILVA, A. C; MESQUITA, G. M.; DE SOUZA, M. A. P. Educação Ambiental como paradigma para a construção da sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, p. 1133-1140, 2015.

DA SILVA, É. L. P. et al. Barreiras e ações para a sustentabilidade ambiental: um estudo de caso no IBAMA/CE. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 3, n. 4, p. 51-89, 2018.

DA SILVA FERREIRA, R. A. A Importância da Educação Ambiental Para a Busca da Sustentabilidade e Construção da Cidadania. Epitaya E-books, v. 1, n. 12, p. 297-313, 2022.

DE JESUS, E. N. et al. Contribuições da Agenda 21 escolar à participação social. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 11, p. 109726-109745, 2021.

DE MELO DINIZ, N. S. Década da ONU da Educação para o Desenvolvimento Sustentável O dito e o não dito no caminho de mudanças. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 11, n. 2, p. 46-57, 2016.

DE MOURA CARVALHO, I. C. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora, 2017.

DE OLIVEIRA, C. M. Agenda 21: propostas de integração. Revista Direito Ambiental e Sociedade, v. 9, n. 3, 2019.

DE VARGAS COSTA, P. Metodologias Ativas: processo investigativo pela produção de vídeos. Revista Insignare Scientia-RIS, v.4, n.2, p.180-188, 2021.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. In: Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo; Gaia; 9 ed; 2006. p. 551-551. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-711511>. Acesso em: 20 jul. 2022.

FERREIRA, E.; DE CÁSSIA FRENEDOZO, R. Ambientalização – desenvolvendo a Educação Ambiental em espaços formais de aprendizagem. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 37591-37604, 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GÜNZEL, R. E.; DORNELES, A. M. Educação Ambiental na formação inicial de professores de ciências: um olhar nas atas do ENPEC. Revista Brasileira de Educação em Ciências e Educação Matemática, v. 4, n. 2, p. 249-276, 2020.

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Educação Ambiental: as grandes diretrizes da Conferência de Tbilisi / organizado pela UNESCO. Brasília, 1997. 154p. (Coleção meio ambiente. Série estudos Educação Ambiental; edição especial). Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/livros/educacaoambientalasgrandesdiretrizesdaconferenciadetblisidigital.pdf>. Acesso em: 14 set. 2022.

LAYRARGUES, P. P. (Re) conhecendo a Educação Ambiental brasileira. In: LAYRARGUES, P. P. (coord.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, 156 p.

MALAQUIAS, J.F. et al. O lúdico como promoção do aprendizado através dos jogos socioambientais, integrando a educação formal e não-formal. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 29, p. 1-16, 2012.

MARAFANTE, L. J. Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente. NEAD (Núcleo de Educação à Distância, Faculdade de Educação São Luís, Jaboticabal, SP, 2009.

MARCATTO, C. Educação Ambiental: conceitos e princípios. Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM; Assessoria de Educação e Extensão Ambiental – AEX. 2002, 64 p: il. Disponível em: <http://jbb.ibict.br//handle/1/494>. Acesso em: 05 ago. 2022

MEDEIROS, A. B. de; MENDONÇA, M. J. da S. L. A importância da Educação Ambiental na escola nas séries iniciais. 2011. Disponível em: <http://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/a-importancia-da-educacao-ambiental-na-escola-nas-series-iniciais.pdf>. Acesso em: 07 set. 2022.

MEYER, M. Reflexões sobre a panorama da Educação Ambiental no ensino formal. In: Secretaria de Educação Fundamental. Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Brasília. 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/panorama.pdf>. Acesso em: 14 de maio de 2022.

MELLO, L.G. A importância da Educação Ambiental no ambiente escolar. 2017. Disponível em: <https://www.ecodebate.com.br/2017/03/14/importancia-da-educacao-ambiental-no-ambiente-escolar-artigo-de-lucelia-granja-de-mello/>. Acesso em: 23 ago. 2022.

MODESTO, M. C.; RUBIO, J. de A. S. A importância da ludicidade na construção do conhecimento. Revista Eletrônica Saberes da Educação, v. 5, n. 1, p. 1-16, 2014.

MORAES, L. P. de. Qualidade da água no Sistema Estuarino Tramandaí-Armazém, Rio Grande do Sul, Brasil, e percepção ambiental da comunidade local. 2011. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/40096>. Acesso em: 20 ago. 2022.

PEREIRA, C. C. et al. Percepção e sensibilização ambiental como instrumentos à Educação Ambiental. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 30, n. 2, p. 86 - 106, 2013.

RAMOS, I. P.; CARVALHO, E. D.; DINIZ, R. E. S. Abordagem ecológica em Educação Ambiental: elaboração de um guia ilustrado de peixes de água doce. Revista Ciência em Extensão, v. 5, n. 1, p. 83, 2009.

REZLER, M. A.; SALVIATO, G. M. S.; WOSIACKI, S. R. Quando a imagem se torna linguagem de comunicação de estudantes da 5ª e 6ª séries do ensino fundamental em Educação Ambiental. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 8, n. 1, p. 304-325, 2009.

RIGONAT, M. C. Hacia una educación ambiental anclada en el local. Revista Gestão em Ação, Salvador, v. 5, n. 2, p. 127-144, jul./dez. 2002.

RUAS, M. A. O Lago Braço Morto é alternativa para lazer em Imbé. Jornal Correio do Povo. 2018. Disponível em: <https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/geral/lago-do-bra%C3%A7o-morto-%C3%A9-alternativa-para-lazer-em-imb%C3%A9-1.251116>.. Acesso em: 30 jul. 2022.

SILVA, V. C. M.; RAGGI, D. G. Educação Ambiental com atividades lúdicas no ensino infantil. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 25, p. 1-7, 2019.

SOBRINHO, I. S. B. et al. Educação Ambiental: Trajetória e Compreensão. Enciclopédia Biosfera, v. 9, n. 17, 2013.

SOUZA, F. R. da S. Educação Ambiental e sustentabilidade: uma intervenção emergente na escola. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 15, n. 3, p. 115–121, 2020.

TAVARES, F. B. R.; SOUSA, F. C. de F.; SANTOS, V. É. da S. The environmental education with a transdisciplinary perspective in the context of the Brazilian legislation. Research, Society and Development, v. 7, n. 12, p. e2712478, 2018.

VACCARI, I. L.; LOPES, M. M. Educação Ambiental e a conservação da biodiversidade. 2014. Disponível em: <http://Revistaea.Org/Pf.Php?Idartigo=2082>. Acesso em: 28 set. 2022.

VERDERIO, L. Á. P. O desenvolvimento da Educação Ambiental na Educação Infantil: importância e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 16, n. 1, p. 130-147, 2021.

VIESBA, E.; DIAS, N.; ROSALEN, M. CTSA e Educação Ambiental: uma perspectiva integradora em oficinas pedagógicas. Humanidades e Tecnologia (FINOM), v. 33, n. 1, p. 69-87, 2022.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. da S. Atividades de campo no ensino das ciências e na Educação Ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, v. 2, n. 1, p. 1-12, 2009.

Downloads

Publicado

01-06-2023

Como Citar

Romana, M., Ramos, L. A., & Richter, M. F. (2023). O conhecimento da Ictiofauna e da Avifauna na Educação Ambiental Formal no Lago Braço Morto, Imbé (RS): Atividades pedagógicas . Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(4), 201–221. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14465

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-10-15
Aceito: 2023-01-26
Publicado: 2023-06-01

Artigos Semelhantes

<< < 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)