Educação Ambiental em trilhas com percepção de topofilia

Autores

  • José Edson Mora Universidade Anhanguera de Linhares
  • Antônio Sales Universidade Anhanguera - Uniderp

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14340

Palavras-chave:

Aula de campo; Percepção ambiental; Topofilia; Educação Ambiental.

Resumo

Esse trabalho foi elaborado no mestrado e sugere modelos para melhorar o aprendizado em aulas de campo na Trilha do Tamandaré, em Itaúnas (ES), resultando na produção de uma cartilha como ferramenta auxiliar no processo. A cartilha foi elaborada a partir de um levantamento da fauna e flora locais e dos pontos de maior topofilia, e é composta por um roteiro para visitas, dicas para o percurso da trilha e informações que auxiliam a percepção ambiental e histórica da localidade. As informações contidas na cartilha podem ser direcionadas a docentes, estudantes e turistas, e visam subsidiar o planejamento e a execução de uma visita a um ambiente natural, uma vez que a utilização da cartilha se mostrou uma ferramenta extremamente útil para uma melhor compreensão dos recursos naturais da trilha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFFONSO, G.U.M.; PINTO, A.B.C.; ALVES, D.D.P. Interpretação ambiental e educação ambiental crítica no ecoturismo: definindo critérios para analisar o plano interpretativo do parque nacional marinho dos abrolhos. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 4, p.167-194, 2022

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana, 1980.

CANDAU, M.V. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 118, p. 235-250, jan-mar. 2012. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>. Acessado em 21 de julho de 2022.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

DALFIOR, M.S.S. Da Escola ao Jequitibá: Potencializando Espaços Não Formais de Ensino. Dissertação. Universidade Federal do Espírito Santo, São Mateus-ES. 2019.

DANSEREAU, P. A Terra dos homens e a paisagem interior. Belém: NAEA/UFPA, 1999.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso de ensino de ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.14, n.1, p. 85-93, 2000.

LEITE, K. M. D. O Planejamento de Aula Colaborativo como Percurso para o Processo de Reflexão de Professores em Formação do Curso de Licenciatura em Química. Tese. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2021.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, v. 20, n.1, p.111-124, jun. 2008.

RELPH, E. As bases fenomenológicas da geografia. São Paulo: Abril, 1979.

RIBEIRO, M. A. Ecologizar. 4. ed. Brasília: Universa, 2009.

RODRIGUES, D. A. Educação e a diferença. In: RODRIGUES, D. A. (Org.). Educação e diferenças: valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto: Editora Porto, 2001.

SANTOS, E.A. V.; SODRÉ NETO, L. Dificuldades no ensino-aprendizagem de botânica e possíveis alternativas pelas abordagens de educação ambiental e sustentabilidade. Revista educação Ambiental em Ação. N. 58, ano 15, 2016.

SANTOS, Rodrigo Alves. Elaboração de um roteiro para aula de campo na trilha do morro do canal, Piraquara-PR. Dissertação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2019.

TUAN, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VYGOTSK, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Downloads

Publicado

01-04-2023

Como Citar

Mora, J. E., & Sales, A. (2023). Educação Ambiental em trilhas com percepção de topofilia. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(3), 311–328. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14340

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-09-16
Aceito: 2023-01-26
Publicado: 2023-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.