Potencial educativo e importância do zoológico para a conservação da fauna silvestre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14244

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Colônia de férias, Desmistificação do zoológico

Resumo

Os zoológicos são ambientes não formais de ensino com grande potencial educativo. Esse trabalho buscou promover a Educação Ambiental (EA) em espaços não formais, utilizando o zoológico como local de estudo. Para isso, uma colônia de férias foi organizada para 19 crianças (9 a 12 anos). A pesquisa teve uma abordagem qualitativa e a constituição dos dados se deu através de questionários pré e pós, submetidos a análise de conteúdo. Os resultados demonstraram uma carência no conhecimento sobre o real papel dos zoológicos e suas atribuições. Após as atividades, foi identificado uma maior criticidade com os temas estudados, demonstrando que existem várias possibilidades para se trabalhar a EA em zoológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diesse Aparecida de Oliveira Sereia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

É professora adjunta na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus de Dois Vizinhos, desenvolve atividade de pesquisa e docência junto ao curso de Ciências Biológicas e Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia. Possui Graduação em Ciências Biológicas (2005). Especialização em Educação Profissional na Modalidade Educação de Jovens e Adultos (2006). Especialização em Gestão Ambiental de Municípios (2012). Mestrado em Zootecnia pelo programa de pós-graduação em Zootecnia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2010). Doutorado em Biologia Comparada pelo programa de pós-graduação em Biologia Comparada da Universidade Estadual de Maringá (2012).

Jucelaine Haas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2002), mestrado em Agronomia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2007) e doutorado pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2015). Fez estágio como pesquisadora visitante na Universidade de Southampton, Reino Unido (2014 - 2015). É professora da UTFPR campus Dois Vizinhos. Tem experiência na área de Zoologia, com ênfase em controle alternativo de pragas, segurança para organismos nao-alvo e interação inseto-planta. 

Referências

ARAGÃO, G. M. O. Percepção ambiental de visitantes do Zoológico de Brasília-DF. 2014. 100 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Agroecossistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

AZEVEDO, B. R. M.; ALMEIDA, Z. S. Percepção ambiental e proposta didática sobre a desmistificação de animais peçonhentos e venenosos para os alunos do ensino médio. Acta Tecnológica, v. 12, n. 1, p. 97-108, 2017.

BALLESTE, S. Preferência por animais em jardins zoológicos: o caso do parque zoológico da fzb/rs. Acta Scientiarum. Human And Social Sciences, v. 41, n. 2, p. 1-10, 25 set. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Almeidina Brasil, 2011.

BARRETO, M. B.; CARVALHO, A. A. F.; REBOUÇAS, S. B. B.; AGUIAR, M. M. Ludicidade e percepção infantil como instrumentos para prática da Educação Ambiental no zoológico de Salvador – BA. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Salvador, v. 21, p.462-474, 2008.

BATT, S. Human attitudes towards animals in relation to species similarity to humans: a multivariate approach. Bioscience Horizons, v. 2, n. 2, p. 180-190, 21 abr. 2009.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. Petrópolis: Vozes Limitada, 2017. 520 p.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 de abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 05 jul. 2022.

COSTA, G. O. Educação Ambiental – Experiências dos Zoológicos Brasileiros. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 13, p.140-150, 2004.

CROKE, V. The modern ark: the story of zoos: past, present, and future. Reino Unido: Scribner, 2014. 272 p.

DOURADO, S.; RIBEIRO, E. Metodologia qualitativa e quantitativa. In: MAGALHÃES JÚNIOR, C.A.O.; BATISTA, M.C. (org.). Metodologia da pesquisa em educação e ensino de ciências. Maringá: Massoni, 2021. p. 14-34.

ESTEVAM, G.; JOB, J. R. P. P. Animais exóticos domesticados com potencial zoonótico: revisão da literatura. Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 14, n. 2, p. 114-120, 2016

FERREIRA, A. S.; BELATO, B. C. A.; SILVA, D. A.; SANTOS, J. R. C.; CORREA, T. H. C.; GONÇALVES, E. S.; LEIRA, M. H.; GUEDES, E. Bem-estar animal no zoológico: estudo de caso do zoológico de varginha - parque zoobotânico dr. mário frota. Revista Agroveterinária do Sul de Minas, v. 2, n. 1, p. 1-9, 2020.

FIGUEIRA, J. P. A. Zoológicos como locais não-formais de educação: um estudo de caso do zoológico municipal sargento prata em Fortaleza/CE. 2017. 48 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

FLICK, U. An Introduction to Qualitative Research. 4. ed. London: Sage, 2009. 528 p.

FRANÇA, B. M.; SANTOS, C. S; MATRONE G. M; BERTONI, L. A.; GONÇALVES, P. G; OLIVEIRA, T. C.; SILVA, L. C. G. Aspectos legais e destinação durante o resgate de animais silvestres nativos no Brasil. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 19, n. 1, 30 ago. 2021.

FREITAS, M; PEREIRA, E. R. The field diary and its possibilities. Quaderns de Psicologia, v. 20, n. 3, p. 235, 20 dez. 2018.

HANAUER, F. Riscos e rabiscos: o desenho na educação infantil. Perspectiva, Erechim, v. 37, n. 140, p. 73-82, 2013.

HERNANDEZ, É. F. T.; CARVALHO, M. S. O tráfico de animais silvestres no Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Human And Social Sciences, v. 28, n. 2, p. 257-266, 1 dez. 2006.

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Portaria N° 93, de 07 de julho de 1998. Regulamenta a importação e exportação de fauna silvestre.

ICMBIO. Por que não soltar animais exóticos na natureza? 2020. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/11220-por-que-nao-soltar-animais-exoticos-na-natureza>. Acesso em: 21 jul. 2022.

KLEESPIES, M., FEUCHT, V., BECKER, M., DIERKES, W. Environmental Education in Zoos—Exploring the Impact of Guided Zoo Tours on Connection to Nature and Attitudes towards Species Conservation. J. Zool. Bot. Gard., v. 3, n. 1, 56-68, 2022.

LACERDA, R. G.; PASSAROS, S. C.; DONNARUMA, T. L.; LIMA, T. G.; LOPEZ, E. Q. Reabilitação de Corujão Orelhudo- Bubo virginianus (Gmelin, 1788) para Educação Ambiental no Instituto de Biologia Marinha e Meio Ambiente, Fazenda Palmares-SP. Brazilian Journal Of Animal And Environmental Research, Curitiba, v. 3, n. 4, p. 4197-4207, 2020.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 14, n. 2, p.309-335, 2011.

MANACERO, R. B.; TANDELLO, A. M.; NOGALI, O. Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori). Atas de Saúde Ambiental, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 47-53, 2014.

MARTINS, J. P. A.; SCHNETZLER, R. P. Formação de professores em Educação Ambiental crítica centrada na investigação-ação e na parceria colaborativa. Ciência & Educação, Bauru, v. 24, n. 3, p. 581-598, set. 2018.

MELLO, S. S.; TRAJBER, R. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental na escola. Brasília: Unesco, 2007. 248 p.

MERGULHÃO, M. C.; TRIVELATO, S. L. F. Zoológico: uma sala de aula viva. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

MOSS, A.; ESSON, M. Visitor interest in zoo animals and the implications for collection planning and zoo education programmes. Zoo Biology, v. 29, n. 6, p. 715-731, nov. 2010.

MOURA, A. B. F.; LIMA, M. G. S. B. A reinvenção da roda: roda de conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 5, n. 15, p. 24-35, 2014.

NASSARO, A. L. F. Animais silvestres e o propósito de estimação. 2001. 116 f. Monografia (Especialização) - Curso de Direito, Faculdades Integradas de Guarulhos, Guarulhos, 2001.

NASSARO, A. L. F. O policiamento ambiental e o tráfico de animais silvestres no oeste paulista. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 8, n. 5, p. 18-35, 10 nov. 2012.

PIZZUTTO, C. S.; SGAI, M. G. F. G.; GUIMARÃES, M. O enriquecimento ambiental como ferramenta para melhorar a reprodução e o bem-estar de animais cativos. Revista Brasileira de Reprodução Animal, Belo Horizonte, v. 33, n. 3, p. 129-138, 2009.‬‬‬‬

PONTES, B. E. S.; SIMÕES, C. R. M. A.; VIEIRA, G. H. C.; ABÍLIO, F. J. P. Serpentes no contexto da educação básica: sensibilização ambiental em uma escola pública da paraíba. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 7, p. 79-99, 2017.

QUEIROZ, R. M.; TEIXEIRA, H. B.; VELOSO, A. S.; TERÁN, A. F.; QUEIROZ, A. G. A caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v. 4, n. 7, p.12-23, 2011.

QUEIROZ, F. L. L.; CAMACHO, R. S. Considerações acerca do debate da Educação Ambiental presente historicamente nas Conferências Ambientais Internacionais. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 12, n. 1, 2016.

REIS, L. C. L.; SEMÊDO, L.T. A. S.; GOMES, R. C.. Conscientização Ambiental: da educação formal a não formal. Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, v. 2, n. 1, p. 47-60, 2012.

RENCTAS- Rede nacional de combate ao tráfico de animais silvestres. 1º Relatório Nacional sobre o Tráfico de Animais Silvestres, 2001, 108 p.

SALOMÃO, H. A. S.; MARTINI, M.; MARTINEZ, A. P. A importância do lúdico na educação infantil: enfocando a brincadeira e as situações de ensino não direcionado. Psicologia.Pt, p. 1-21, 2007.

SANTANDER, R.; OBARA, A. T. Trilhas interpretativas e Educação Ambiental em um Jardim Botânico do Estado do Paraná. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 4, p. 481-501, 1 ago. 2022.

SANTOS, V. S.; GRABOWSKI, G.; SCHMITT, J. L. Análise da Realização de Educação Ambiental em uma Rede Pública de Ensino: contribuições de um modelo permanente e coletivo. Historia Ambiental Latinoamericana y Caribeña (Halac) Revista de La Solcha, v. 11, n. 2, p. 432-468, 17 ago. 2021.

SCROCCARO, V.L.; PEDROSO, D.S.; RODRIGUES, D.G. Prática docente em Educação Ambiental: um estudo de caso sobre a horta na educação infantil. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 17, n. 4, p. 261-274, 2022.

SGUAREZI, L. F. Viaje Paraná: Dois Vizinhos. 2019. Disponível em: <https://www.viajeparana.com/Dois-Vizinhos> Acesso em: 20 ago. 2022.

SILVA, F. S.; SANTOS, S. D. F.; TERÁN, A. F. O jardim zoológico do cigs: um espaço estratégico para despertar a sensibilização ambiental. Reamec, Cuiabá, v. 7, n. 2, p. 280-292, 2019.

Downloads

Publicado

01-04-2023

Como Citar

Rodrigues, K., Sereia, D. A. de O., & Haas, J. (2023). Potencial educativo e importância do zoológico para a conservação da fauna silvestre. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(3), 265–282. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14244

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-08-24
Aceito: 2022-12-13
Publicado: 2023-04-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.