As cavernas como tema interdisciplinar no ensino fundamental

Autores

  • Daniel Menin Universidade de São Paulo - USP https://orcid.org/0000-0002-1035-7033
  • Luciene Regina Paulino Tognetta Universidade Estadual Paulista
  • Denise de La Corte Bacci Universidade de São Paulo - USP

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13432

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Educação, Cavernas

Resumo

Frente às atuais discussões globais sobre a conservação da diversidade natural, este artigo tem como objetivo relatar experiências na implementação de um projeto educativo que aborda a Espeleologia como tema gerador e suas possibilidades de diálogo com o currículo escolar do ensino fundamental numa perspectiva interdisciplinar. O projeto educativo apoia-se nos referenciais teóricos da Geoconservação, da Educação Ambiental e da interdisciplinaridade, baseando-se na própria atividade e participação do sujeito como construtor dos conhecimentos para promover a aprendizagem. Desenvolvido em escolas públicas e particulares, para a faixa etária de 10 a 12 anos, o projeto é composto de duas fases, uma relacionada à formação continuada de professores, que aborda conceitos específicos de espeleologia, e outra na qual os estudantes desenvolvem projetos interdisciplinares relacionados ao tema das cavernas. Os resultados indicam que este projeto educativo sensibilizou os estudantes para a compreensão das diferentes áreas do conhecimento associada à espeleologia, promoveu aprendizagens significativas e contextualizadas e possibilitou o desenvolvimento de projetos interdisciplinares nas escolas, com participação efetiva dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Regina Paulino Tognetta, Universidade Estadual Paulista

Departamento de Psicologia da Educação/ PPGEE - Faculdade de Ciências e Letras-UNESP.

Denise de La Corte Bacci, Universidade de São Paulo - USP

Instituto de Geociências - IGc, Departamento de Geologia Sedimentar e Ambiental.

Referências

BACH JR., J. A percepção ambiental na pedagogia Waldorf pelas reflexões de Bachelard e sua relação com as bases da educação estética e ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 18, jan./jun. 2007.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 25 de janeiro de 2022>. Acesso em 05/05/2022.

BRASIL.MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política Nacional de Educação Ambiental. 1999. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/politicas/pnea.html>. Acesso 10 de novembro de 2021.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo. Cortez. 2004.

CARVALHO, L.M. A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H. C. S.; LOGAREZZI, A. (Orgs.). Consumo e Resíduo: fundamentos para o trabalho educativo. São Carlos: Edufscar, 2006. p. 19-41.

DECLARAÇÃO internacional dos direitos à memória da Terra. In: IMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE A PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO GEOLÓGICO, 1, 1991, Digne-les-Bains. Actes [...]. .Digne-les-Bains, France: Societé de Geologique de France, 1991.

DELVAL, J. A escola possível: democracia, participação e autonomia. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

DUARTE, N.; SAVIANI, D. Entrevista com o professor Dermeval Saviani “pedagogia histórico-crítica na atualidade". Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, SP, v. 16, n. 2, p. 4-12, 2019.

FAZENDA, I.C.A. (org.). Didática e interdisciplinaridade. 13. ed. Campinas, SP: Papirus. 2011.

FESTOZO, M.; TOZZONI-REIS, M.F.C. Ambientalização curricular no ensino superior: problematizando a formação de educadores ambientais. Anais do Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ENDIPE), 16, 2012, Campinas, Anais [...].Campinas, SP: UNICAMP, 2012. p.13-23.

FREIRE, P. Educação “bancária” e educação libertadora. In: PATTO, M.H.S. (org.). Introdução à psicologia escolar.3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997. p. 61-78.

GAUDIANO, G.E. Interdisciplinaridade e Educação Ambiental: explorando novos territórios epistêmicos. In: SATO, M.; CARVALHO, I.C.M. (org.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 120-132.

GOMES, H.A.; IARED, V.G. A pedagogia Waldorf e a Educação Ambiental: um diálogo a partir de uma perspectiva ecofenomenológica. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 38, n. 1, p. 202-223, 2021.

GRAY, M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. Chichester, England: John Wiley e Sons, 2004. p. 434.

GUIMARÃES, M. A formação de educadores ambientais. Campinas, SP: Papirus, 2004.

KELLER-FRANCO, E.; MASETTO, M. T. Currículo por projetos no ensino superior: desdobramentos para a inovação e qualidade na docência. Revista Triangulo, Uberaba, v. 5, n. 2, p. 03-21, jul./dez. 2012.

LAKATOS, I. A lógica do descobrimento matemático: provas e refutações. Zahar, 1978.

LOUREIRO, C.F.B. Educar, participar e transformar em Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Brasília, n. Zero. p.13-20, 2004.

MARIN, A A. A Educação Ambiental nos caminhos da sensibilidade estética. Revista Inter Ação, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 277-290, 2007.

MENIN, D.S.; TOGNETTA, L.R.P. Dizem que toda caverna é assim... literatura infanto-juvenil. Americana, SP: Adonis, 2019.

MOZENA, E.R.; OSTERMANN, F. Dialogando sobre a interdisciplinaridade em Ivani Catarina Arantes Fazenda e alguns dos integrantes do grupo de estudos e pesquisa em interdisciplinaridade da PUC-SP (GEPI). Revista Interdisciplinaridade, São Paulo, n. 10, 2017.

ONU. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, 2016. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>. Acesso em: 10/02/ 2022.

PIAGET, J. A construção do conhecimento. São Paulo: Secretaria de Estado da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas, 1987. Disponível em: <http://www.luzimarteixeira.com.br/wp-content/uploads/2011/03/a-construcao-do-conhecimento-segundo-piaget.pdf>. Acesso em: 03 de Março de 2022.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

PÓLYA, G. Mathematics, and plausible reasoning: induction and analogy in mathematics. Princeton University Press, 1954.

RIECKMANN, M. Educação para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: Objetivos de Aprendizagem. 2017.

SANTOS, B.S. A cruel pedagogia do vírus. Boitempo Editorial, 2020.

SIGEP. Serviço Geológico Brasileiro. Simpósio internacional sobre a proteção do patrimônio geológico,1., 1991, Digne-Les-Bains, França. Declaração Internacional dos Direitos a Memória da Terra.Disponível em: <http://sigep.cprm.gov.br/destaques/Declaracao_Internacional_Direitos_a_Memoria_da_Terra.pdf>. Acesso em: 03 de março de 2022.

SILVA, R.L.F; CAMPINA, N. N. Concepções de Educação Ambiental na mídia e em práticas escolares: contribuições de uma tipologia. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 6, n. 1 p. 29-46, 2011.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Menin, D., Tognetta, L. R. P., & Bacci, D. de L. C. (2022). As cavernas como tema interdisciplinar no ensino fundamental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(3), 72–91. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13432

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2022-01-25
Aceito: 2022-03-08
Publicado: 2022-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.