Educação Ambiental na gestão dos resíduos sólidos gerados por eventos culturais no Parque das Nações Indígenas, Campo Grande (MS)

Autores

  • Ingryd Khristina de Brito Universidade Anhanguera - Uniderp https://orcid.org/0000-0001-6845-2343
  • Giselle Marques de Araújo Universidade Anhanguera - Uniderp
  • Rosemary Matias Universidade Anhanguera - Uniderp
  • Ademir Kleber Morbeck de Oliveira Universidade Anhanguera - Uniderp

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13041

Palavras-chave:

Parque Urbano, Política Nacional dos Resíduos Sólidos, Eventos Culturais, Impacto Ambiental

Resumo

O Parque das Nações Indígenas, parque urbano localizado na cidade de Campo Grande, é um espaço utilizado pela população e considerado um ponto turístico. Eventualmente sedia eventos culturais, como shows musicais. O objetivo deste trabalho é investigar as consequências da ausência da política de Educação Ambiental em relação a estes eventos, em especial a respeito da geração de resíduos sólidos. Foi realizado o levantamento de eventos ocorridos entre os anos de 2013 e 2019, verificando as exigências e monitoramento do poder público em relação aos resíduos produzidos, contidos em dados oficiais dos órgãos de gestão ambiental. Como resultado foi observado que não há uma gestão adequada dos resíduos, nos eventos ocorridos no parque e sugere-se que se adotem medidas de Educação Ambiental para adequado manejo de resíduos produzidos em parques urbanos, bem como sugere-se que sejam suspensos tais eventos até a construção de um planejamento adequado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APÓS SHOW, Parque amanhece tomado pelo lixo. A Crítica, Campo Grande, 25 de ago. de 2014. Disponível em: <https://www.acritica.net/editorias/geral/apos-show-parque-amanhece-tomado-pelo-lixo/126450/>. Acesso em: 10 de jan. de 2021.

BARBOSA, A.C. Princípios do desenvolvimento sustentável na gestão de eventos. Intercom - Sociedade brasileira de estudos interdisciplinares da comunicação. Anais do XXXII Congresso de Ciências da Comunicação, 2009, 15p.

BARBOSA, V.L.; NASCIMENTO Jr., A.F. Paisagem, ecologia urbana e planejamento ambiental. Revista Geografia, Londrina, v.18, n.2, 2009, p.21-36.

BARBOSA, L. Sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004, 68p.

BERTAGLIA, P.R. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. 3ed. São Paulo: Saraiva, 2003, 509p.

BOVO, M.C.; CONRADO, D. O parque urbano no contexto da organização do espaço da cidade de Campo Mourão (PR), Brasil. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 34, v. 1, 2012, p. 50-71.

BRASIL. Lei nº. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, jul. 1999.

BRASIL. Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 03 de agosto de 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm>. Acesso em: 10 mar. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Cidades+Verdes, Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/agendaambientalurbana/cidadesmaisverdes>. Acesso em: 24 de jan. de 2022.

BRITO, F.S.L.; BRAGA, R.L. Percepção ambiental dos feirantes em relação aos resíduos sólidos gerados no mercado central de Ananindeua (PA). Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, n. 4, v. 16, 2021, p. 434–450.

CAMPO GRANDE. Lei n° 4.952, Institui a Política Municipal de Resíduos Sólidos do município de Campo Grande Campo Grande - MS, 28 de jun. de 2011. Disponível em: <http://www.campogrande.ms.gov.br/semadur/downoads/lei-n-4-952-de-28-de-junho-de-2011/>. Acesso em: 20 de maio de 2021.

CAVALCANTI, Maria J. M. Parques metopolitanos: gestão e proteção de áreas especiais. 2005. 255 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005. Disponível em: <https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3526>. Acesso em: 20 nov. 2014.

COELHO, M.C.N. Impactos ambientais em áreas urbanas - teorias, conceitos e métodos de pesquisa. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B., (org.). Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2001, p. 19-45.

DA SILVA MELO, M. R.; NUNES BEGA, L. R.; TAVEIRA, N.M.F.M; DE MATTOS, A.B. Parque das Nações Indígenas: área de interesse turístico, qualidade de vida e lazer na cidade de Campo Grande – MS. Revista de Turismo Contemporâneo, Natal, v. 3, n. 2, 30 dez. 2015. p. 299-317.

FEIBER, S.D. Áreas verdes urbanas, imagem e uso – o caso do Passeio Público de Curitiba – PR. RA’E GA. O espaço geográfico em análise, Curitiba, n. 8, 2004, p. 93-105.

FERREIRA, M. Lago do Parque tinha peixes de até 80 centímetros e 12 quilos. Campo Grande News, Campo Grande, 26 de jun. de 2019. Disponível em: <https://www.campograndenews.com.br/meio-ambiente/lago-do-parque-tinha-peixes-de-ate-80-centimetros-e-12-quilos>. Acesso em: 25 de jan. de 2021.

FERREIRA, M. Sustentabilidade e planejamento urbano e regional. Ciência ET Praxis, [S.l.], v. 6, n. 11, abr. 2017, p. 7-12.

FERNANDES, C.S.; NESSIMIAN, I.S.; DELVIZIO, J.B.U. Plano Diretor do Parque das Nações Indígenas – Campo Grande-MS. Campo Grande: Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, 1993.

FERNANDEZ, F.A.S. O poema imperfeito: crônicas de Biologia, conservação da natureza e seus heróis. 2 ed. Curitiba: UFPR, 2004.

Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. Disponível em: <http://www.fundacaodecultura.ms.gov.br/>. Acesso em 12 dez 2014.

GALVÃO, J. Festival Celebra Música Nacional. UCDB EM FOCO, Campo Grande, 03 de ab. de 2013. Disponível em: <https://site.ucdb.br/public/jornalismo-jornal/19167-em-foco-n-155.pdf>. Acesso em: 05 de dez. de 2020.

GARNES, G. Peixes mortos e até remédio poluem margem do lao do Parque das Nações. Campo Grande News, Campo Grande, 23 de nov. de 2017. Disponível em: <https://www.campograndenews.com.br/direto-das-ruas/peixes-mortos-e-ate-remedio-poluem-margem-de-lago-do-parque-das-nacoes>. Acesso em: 21 de jan. de 2021.

GOMES, Stéfano Bruno Vieira; ROCHA, Marcelo Borges. Study of Impacts of Solid Residues In: Conservation Units: The Case of The Student Trail. Research, Society and Development, v. 8, n. 10, p. e428101412, 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em <http://www.ibge.gov.br> Acesso em 08 dez. 2014.

IMASUL. Regulamento Interno do Parque das Nações Indígenas, 2012. Portaria n° 215, de 18 de junho de 2012. Dispõe sobre o regulamento interno do Parque das Nações Indígenas. Campo Grande, 2012. Disponível em: <https://www.parquedasnacoesindigenas.ms.gov.br/regulamento/>. Acesso em: 15 de mar. de 2020.

KISTNER, J.; SANTOS, K.R.S. Percepção crítica sobre material didático para Educação Ambiental e conhecimento popular do Parque Nacional da Serra do Itajaí. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, n. 4, v. 16, 2021, p. 18–35.

LIMA, L.M.Q. Lixo: tratamento e biorremediação. 3ed. São Paulo: Hemus, 1995, 265p.

MACEDO, S.S.; SAKATA, F.G. Parques urbanos no Brasil. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2003, 208p.

MASTROBUONO, F. Dimensionamento de eventos turísticos e sustentabilidade: In: PHILIPPI JR., A.; RUSCHMANN D. V. M. (Ed.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri: Manole, 2010, p. 713-733.

MATO GROSSO DO SUL. Lei n° 5.287 de 13 de dezembro de 2018. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 13 de dezembro de 2018. Disponível em: <http://aacpdappls.net.ms.gov.br/appls/legislacao/secoge/govato.nsf/448b683bce4ca84704256c0b00651e9d/1e48653d1d7caa5c0425836300411893?OpenDocument>. Acesso em: 09 de abr. de 2022.

MAYMONE, M.A.A. Parques Urbanos - origens, conceitos, projetos, legislação e custos de implantação, estudo de caso: Parque das Nações Indígenas de Campo Grande, MS. 2009. 188p. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Ambientais) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS.

MAZZER, C.; CAVALCANTI, O.A. Introdução à Gestão Ambiental de Resíduos. Infarma, Brasília, v. 16, n. 11-12, 2004, p. 67-77.

MENEZES, T. Uma semana após show dos 40 anos, sujeira continua no Parque das Nações. Campo Grande News, Campo Grande, 18 de out. de 2017. Disponível em <https://www.campograndenews.com.br/direto-das-ruas/uma-semana-apos-show-dos-40-anos-sujeira-continua-no-parque-das-nacoes>. Acesso em: 12 de jan. de 2020.

MUCELIN, C.A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 20, n. 1, jun. 2008, p. 111-124.

NASCIMENTO, D. Povo não respeita: show de Marília Mendonça deixa Parque das Nações recheado de lixo. Top Mídia News, Campo Grande, 12 de dez. de 2018. Disponível em: <https://www.topmidianews.com.br/cidade-morena/gravacao-de-dvd-de-marilia-mendonca-deixa-parque-das-nacoes-recheado/102152/>. Acesso em: 05 de jan. de 2021.

PARQUE DAS NAÇÕES INDÍGENAS. Estruturas do Parque. SEMAGRO - Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, 2021. Disponível em: <https://www.parquedasnacoesindigenas.ms.gov.br/estruturas/>. Acesso em: 05 jan. 2021.

PARQUE DAS NAÇÕES INDÍGENAS. Governo e Prefeitura vão definir cronograma de ações conjuntas para desassorear lago do Parque das Nações Indígenas. SEMAGRO - Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, 2019. Disponível em: <https://www.parquedasnacoesindigenas.ms.gov.br/governo-e-prefeitura-vao-definir-cronograma-de-acoes-conjuntas-para-desassorear-lago-do-parque-das-nacoes-indigenas-2/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

PLANURB. Legislação municipal de interesse ambiental de 1977 a janeiro de 1997. Campo Grande: EDUFMS, 1988.

PLANURB. Plano Diretor do Parque das Nações Indígenas. 1993.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Nobel, 1993, 103p.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002, 96p.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, 151p.

SANTOS, M.D Eventos verdes. In: MATIAS, M. (org) Planejamento, organização e sustentabilidade em eventos: culturais, sociais e esportivos. Barueri, SP: Manole, 2011, p 187-201.

SCALISE, W. Paisagismo urbano. Slides. 2002. Disponível em: <https://slideplayer.com.br/slide/1248073/>. Acesso em: 11 mai. 2022.

SCARDUA, F.P.; BURSZTYN, M.A.A. Descentralização da política ambiental no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n. 1/2, jan./dez. 2003, p. 257-290.

SPITZCOVKSY, D. A sustentabilidade no Rock in Rio 2011. Disponível em <http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cultura/sustentabilidade-rock-in-rio-2011-impacto-ambiental-social>. Acesso em 20 de nov de 2014.

YAHN, N. Limpeza no Parque das Nações recolhe uma tonelada de lixo por mês. Campo Grande News, Campo Grande, 20 de fev. de 2016. Disponível em: <https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/limpeza-no-parque-das-nacoes-recolhe-uma-tonelada-de-lixo-por-mes>. Acesso em: 22 de jan. de 2021.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Brito, I. K. de, Marques de Araújo, G. ., Matias, R., & Oliveira, A. K. M. de. (2022). Educação Ambiental na gestão dos resíduos sólidos gerados por eventos culturais no Parque das Nações Indígenas, Campo Grande (MS). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(3), 480–497. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.13041

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-12-09
Aceito: 2022-04-21
Publicado: 2022-06-01

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)