Análise histórica da Educação Ambiental da rede pública municipal de ensino do Rio de Janeiro: reflexões sobre o trabalho transversal e interdisciplinar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12280

Palavras-chave:

crise ambiental, histórico da educação ambiental, interdisciplinaridade e mudança de valores.

Resumo

A gravidade da crise ambiental global vem se mostrando em escala crescente. Assim, a Educação Ambiental (EA) se apresenta de forma relevante na formação do sujeito ecológico. O objetivo deste trabalho é identificar elementos da história da EA da Rede Pública do Município do Rio de Janeiro que contribuíram para um trabalho transversal e interdisciplinar. A metodologia de pesquisa é constituída de revisão bibliográfica e um levantamento histórico sobre a EA desenvolvida na Secretaria Municipal de Educação, por meio de análise de documentos, entrevista semiestruturada e um questionário semiaberto aos docentes. Foram encontrados elementos que colaboraram para a construção de projetos nas escolas de forma transversal e interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriane Catunda Timbó Muniz, Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula, em 1992, pós graduada em Planejamento e Educação Ambiental pela Universidade Cândido Mendes, em 2004, apresentando a Monografia “Análise das Atividades Aplicadas à Educação Ambiental Formal: um estudo de caso na Escola Municipal Presidente João Goulart e Mestrado Profissional em Ciências do Meio Ambiente pela Universidade Veiga de Almeida, no ano de 2020, defendendo a dissertação “Análise Histórica da Educação Ambiental da Rede Pública Municipal do Rio de Janeiro: Reflexões sobre o trabalho transversal e Interdisciplinar.

            Professora da Rede Pública Municipal de Ensino do Município do Rio de Janeiro, desde 1989, sendo regente até 2009, atuou na área de Educação Ambiental desde 1992, participando de cursos e capacitações na área, com realização de projetos nas escolas em que lecionou, como o Projeto “Salubrizar para Melhor Viver”, desenvolvido na Escola Municipal Estados Unidos (1ª Coordenadoria de Educação), no ano de 1992, quando foi apresentado no Fórum Global da RIO 92, no Parque do Flamengo, concomitante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, nos dias 6 e 7 de junho de 1992. Em 2003 desenvolveu o projeto “Mudança de Hábitos, na Escola Municipal Presidente João Goulart (2ª Coordenadoria de Educação). Como Coordenadora Pedagógica, desenvolveu o Projeto “Sustentabilidade – Quem Ama Cuida”, no ano de 2009, na Escola Municipal Rodrigo Mello Franco de Andrade (2ª Coordenadoria de Educação). Atualmente atua na Gerência de Desenvolvimento e Treinamento Técnico-administrativo/SME, como elemento de equipe.

Cecília Bueno, Universidade Veiga de Almeida

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula, mestrado em Gestão Ambiental pela Universidade Estácio de Sá e doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). Atualmente é professora titular da graduação e permanente do Mestrado Profissional em Ciências do Meio Ambiente da Universidade Veiga de Almeida, coordena a CPA Tijuca e faz parte da comissão científica. No Museu Nacional é pesquisadora colaboradora. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de Estradas, atuando principalmente nos seguintes temas: atropelamento de animais silvestres, ecologia de estradas, biologia e ecologia de mamíferos silvestres, educação ambiental, planejamento e gestão ambiental.

Daniel Fonseca de Andrade, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

Possui licenciatura e bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1996), mestrado em Ciência Ambiental - Universidade de South Bank - Londres (2000) e Doutorado em Ciência Ambiental pelo Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental (PROCAM) da USP/SP (2013). É Professor Adjunto no Departamento de Ciências da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Atua na graduação, no Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação (na linha de pesquisa de Gestão de Áreas Protegidas) e no Mestrado Acadêmico em Educação (Linha de pesquisa: Práticas educativas, linguagens e tecnologias). É Coordenador da LAPEar, o Laboratório de Pesquisas e Ações em Pesquisas de Educação Ambiental, onde atua com políticas públicas de educação ambiental e com a formação de educadores ambientais.

Referências

AMADO, Frederico. 3 Ed. Direito Ambiental Esquematizado. SP, Editora Método (GEN), 2012.

ARTAXO, Paulo. Uma Nova Era Geológica em Nosso Planeta: o Antropoceno. Revista USP. São Paulo. N 103.P.13-24. 2014.

BILIO, Maria Geni Pereira; OLIVEIRA, Nair Mendes de; CAMPOS Maria das Graças; SILVA, Ed Wilson Rodrigues. O que mudou na Educação Ambiental nas duas últimas décadas, mudanças e retrocessos. Investigação Qualitativa em Educação, volume 1, 2019.

BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília:1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 02/09/2020.

BRASIL. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 02/09/2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Política Nacional da Educação Ambiental. Diário Oficial da União. Brasília: 1999.Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/lei9795.pdf. Acesso em 2020.

BRASIL. Lei 4.791 de 02 de abril de 2008. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Educação Ambiental. Rio de Janeiro: 2008. Disponível em:

https://cm-rio-de-janeiro.jusbrasil.com.br/legislacao/255000/lei-4791-08. Acesso em 02/09/2020.

BRASIL. Resolução Nº 2 de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: 2012. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf. Acesso e, 02/09/2020.

BRASIL. Lei 12.796 de 04 de abril de 2013, altera a Lei 9.394 que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: 2013: disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm. Acesso em 02/09 2020.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado 221 de 2015. Altera a Lei 9.795, de 27 de abril de 1999 e a Lei 9.493 de 20 de dezembro de 1996. Propõe a disciplinarização da Educação Ambiental. Brasília: 2015. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/120737/pdf. Acesso em 02/09/2020.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental Crítica: Nomes e endereçamentos da Educação. Identidades da educação ambiental brasileira/Ministério do meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental: Philippe Layrargues (coord.) – Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

__________, Isabel Cristina de Moura. 6 Ed. Educação Ambiental: formação do sujeito ecológico. São Paulo, Cortez, 2012.

CARVALHO, Vilson Sérgio. Educação Ambiental e Desenvolvimento Comunitário. RJ, Editora WAK, 2006.

CAVALCANTI, Júlia Nazário de Abreu. Educação Ambiental: Legislação, Decretos e Resoluções pertinentes e a formação continuada de professores em educação ambiental na Paraíba. Ver. Eletrônica Mestr. Educ. Ambiental, v.30, n.1, p.71-82, jan/jun, 2013.

CEBALLOS, Geraldo; EHRLICH, Paul R.; RAVEN, Peter H. Vertebrates on the brink a indicators of biological annihilation and the sixth mass extintion. Contributed by Geraldo Ceballos, March 22, 2020 (sent for review December. 26, 2019; reviewed by Thomas E. Lovejoy and Jorgr L. Seberon). Disponível em:

https://www.pnas.org/content/early/2020/05/27/1922686117. Acesso em 02/09/2020.

CORRÊA, Mônica Marella; ASHLEY, Patricia Almeida. Desenvolvimento Sustentável, Sustentabilidade, Educação Ambiental e Educação para o Desenvolvimento Sustentável: Reflexões para o ensino de graduação. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambiental. Rio Grande, v. 35, n.1, p.92-111, jan./abr.2018.

DIAS, Genebaldo Freire. 9 Ed. Educação Ambiental: princípios e práticas. SP, Editora Gaia, 2010.

FREIRE, Paulo. 66 Ed. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo, Editora Paz & Terra, 2018.

GIOVANNI Cássio; ATEHORTUA, Yuly Marcela Giraldo; SANTOS, Juma Amanda Ferreira; MELCOP, Paula Dorothea. Políticas públicas de educação ambiental no Brasil: avanços, perspectivas e desafios. Formação e gestão inovadoras na era da transformação digital: abrangência, significados e relações. XIII Workshop de pós-graduação e pesquisa do Centro Paula Souza. São Paulo, 16-19 de outubro de 2018.

GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental Crítica. Identidades da educação ambiental brasileira/Ministério do meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental: Philippe Layrargues (coord.) – Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

__________, Mauro; CARTEA, Pablo Ángel Meira. Há Rota de Fuga para Alguns, ou Somos Todos Vulneráveis? A Radicalidade da Crise e a Educação Ambiental. Ensino, Saúde e Ambiente – Número Especial, pp. 21-43, junho. 2020.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n 118, p.189-205, março/2003.

______, Pedro Roberto. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, SP, v.3, n.2, p. 233-250, maio/ago. 2005.

LAYRARGUES, Philippe Pomier, Mapeando Macro-tendências político-pedagógico da EA contemporânea no Brasil. VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental” A Pesquisa em Educação Ambiental e a Pós Graduação Ribeirão Preto, setembro de 2011.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. Coleção questões da nossa época: v. 39. São Paulo, Cortez, 2012.

MALVEZZI, Mariana. Sustentabilidade e emancipação: a gestão de pessoas na atualidade. São Paulo, Editora Senac São Paulo, 2013.

NOCERA, Renata Pereira; MOLINA, Filiberto Eduardo R. Manrinque. Desafios Globais de Participação Ambiental na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Revista Jurídica Derecho, Volumen 8. Nro. 10, p. 92-106, Enero – Junio, 2019.

ORSI, Raquel Fabiane Mafra; GUERRA, Antonio Fernando Silveira. Formação continuada em Educação Ambiental: uma proposta em movimento. R. Educ. Públi., Cuiabá, v.28, nº 67, p.127-148, jan/abr. 2019.

PASTA DIGITAL da E/SUBE/CED-Extensividade – setor da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Conferência Infanto-Juvenil do Parque nacional da Tijuca, 2011.

PASTA DIGITAL da E/SUBE/CED-Extensividade – setor da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Princípios Escolares para um Mundo Sustentável, 2013.

PASTA DIGITAL da E/SUBE/CED/GPEC - setor da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Programa de Educação Ambiental na Escola, 2017.

PENTEADO, Heloísa D. 4. Ed. Meio Ambiente e Formação de Professores. SP, Editora Cortez, 2010.

PICCININI, Claudia Lino; ANDRADE, Maria Carolina Pires de. Educação Ambiental na Base Nacional Comum Curricular: retrocessos, contradições e o apagamento do debate socioambiental. VIII Encontro Regional de Biologia RJ/ES – 11 a 13 de setembro de 2017. Rio de Janeiro, RJ. UNIRIO – UFRJ – IBC.

REIGOTA, Marcos. 8. Ed. Meio Ambiente e Representação Social. SP, Editora Cortez, 2013.

SILVA, Maria Beatriz Oliveira e FLAIN, Valdirene Silveira. Capitalismo e Consumismo: Os desafios do consumo sustentável na sociedade contemporânea. Revista da AJURIS – Porto Alegre, v. 44, nº 143, dezembro, 2017.

SOUZA, Ana Cláudia Batista Lima; FREITAS, Marcos Antonio Braga de. A Política Pública de Educação Ambiental: Um Debate sobre a Necessidade de Formação Continuada aos Professores. Somalu, ano 19, n.1. jan/jun. 2019.

TREIN, Eunice Schilling, Educação Ambiental Crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação, vol. 7, n.14, agosto/dezembro de 2012.

VELASCO, Sirio Lopez. Notas sobre o documento final da “Rio + 20” e a educação ambiental em perspectiva ecomunitarista. Revista Filosofofazer. Passo Fundo, n.41, jul/dez. 2012.

Downloads

Publicado

01-06-2022

Como Citar

Muniz, A. C. T., Bueno, C., & Andrade, D. F. de. (2022). Análise histórica da Educação Ambiental da rede pública municipal de ensino do Rio de Janeiro: reflexões sobre o trabalho transversal e interdisciplinar. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(3), 208–229. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.12280

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2021-06-12
Aceito: 2022-03-22
Publicado: 2022-06-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.