Análise exploratória a partir de narrativa de vida: engajamento e crítica às metodologias pedagógicas em projeto de Educação Ambiental na Bacia de Campos (RJ)

Autores

  • Lilian Sagio Cezar Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Mônica do Nascimento Brito Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro https://orcid.org/0000-0001-7442-6942

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.11884

Palavras-chave:

Licenciamento Ambiental. Educação Ambiental. Metodologia Pedagógica

Resumo

Este artigo é resultado de pesquisa do Projeto de Educação Ambiental (PEA) Pescarte, que é uma medida de mitigação ambiental exigida pelo licenciamento ambiental federal, conduzida pelo IBAMA. Descrevemos e analisamos o papel das metodologias pedagógicas empregadas nos processos de educação não formal, na vertente da Educação Ambiental Crítica, promovidas pelo PEA Pescarte na Bacia de Campos, RJ. Para tanto se procedeu pesquisa social qualitativa de cunho exploratório a partir do estabelecimento de diálogo e interlocução em profundidade com uma pescadora eleita pela comunidade para ser representante da pesca artesanal junto aos processos educativos do PEA Pescarte. Cotejamos as informações sobre a participação de nossa interlocutora nos processos formativos às suas narrativas sobre sua trajetória de vida, buscando explicitar e correlacionar os resultados por ela obtidos diante da proposta pedagógica assentada no diálogo e na análise crítica da realidade, na escuta sensível, manutenção da mobilização diária e nas formações coletivas enquanto importantes metodologias que proporcionam tanto ao grupo da pesca artesanal, em especial as mulheres, quanto aos educadores, um aprofundamento de conhecimentos e fortalecimento nos processos educativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANELLO, L. F. S. Os programas de Educação Ambiental no contexto das medidas compensatórias e mitigadoras no Licenciamento Ambiental de Empreendimentos de exploração de petróleo e gás no mar do Brasil: a totalidade e a práxis como princípio e diretriz de execução. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) – Programa de Pós graduação em Educação Ambiental. FURG-RS, 2009, 189f.

BRASIL. Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca, regula as atividades pesqueiras, revoga a Lei no 7.679, de 23 de novembro de 1988, e dispositivos do Decreto-Lei no 221, de 28 de fevereiro de 1967, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11959.htm>. Acesso em: 12 dez. 2020.

COSTA, K. V. da; BRITO, C. I. de. Participação Popular na Gestão Pública do Meio Ambiente: A Aderência da Comunidade Pesqueira Artesanal aos Espaços Educativos Proporcionados pelo Licenciamento Ambiental de Petróleo e Gás. In: TIMÓTEO, G. M. (org.). Trabalho e pesca no litoral fluminense: reflexões a partir do Censo do PEA Pescarte. 1. ed. - Campos dos Goytacazes, RJ: EdUENF, 2019.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Editora Hucitec - Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre populações humanas e áreas úmidas brasileiras /USP, 2001.

FIRJAN. Manual de Licenciamento Ambiental – Guia de procedimentos passo a passo. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_sebrae.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GOHN, M. G. Educação Não Formal, Aprendizagens e Saberes em Processos Participativos. Educação Não Formal e Aprendizagens Informais. Revista da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, Investigar em Educação - II ª Série, Número 1, Portugal, 2014.

GOULD, K. Classe social, justiça ambiental e conflito político. In: ACSELRAD, H.; HERCULANO, S.; PÁDUA, J. A. (Org.). Justiça ambiental e cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. p. 69-80.

IBAMA. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Nota Técnica CGPEG/DILIC/IBAMA nº 02/10. Disponível em: <http://ibama.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=804&Itemid=719>. Acesso em: 10 dez. 2020.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, maio/ago. 2005.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão. Uberlândia, V. 7, 2008.

JUSTINO, M. A.; OCHOSKI, M.; DANTAS, A. M. Educação Ambiental em espaços não-formais. Relato de Experiência. Anais do XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental, 2017.

LOBATO, L. Algumas considerações sobre a representação de interesses no processo de formulação de políticas públicas. In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete (Org.). Políticas Públicas. v. 1. Brasília: ENAP, 2006. p. 289-313.

LAYRARGUES, P. P. “Educação Ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades”. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P, CASTRO; R. S. de (Orgs.) Repensar a Educação Ambiental: um olhar crítico – São Paulo: Cortez, 2009, p. 11-32.

LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e Educação Ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71, jan./abr. 2013.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental no Licenciamento: uma análise crítica de suas contradições e potencialidades. Sinais Sociais, Rio DE Janeiro, v.5, n.14, 2010, p.1-156, Setembro-Dezembro.

MARTINS, C. S. O Planetário: espaço não formal qualificando professores da segunda fase do ensino fundamental para o ensino formal.2009. Dissertação (mestrado), 2009.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de Gestão Ambiental: uma proposta de Educação Ambiental transformadora e emancipatória. In: LAYRARGUES, P. (org). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. MMA: Brasília, 2004.

RAMALHO, C. W. N. Pescados, pescarias e pescadores: notas etnográficas sobre processos ecossociais. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 11, n. 2, p. 391-414, maio-ago. 2016.

RODRIGUES, G.S.; PINTO, B. C. T.; FONSECA, L. C. S.; MIRANDA, C. C. M. O estado da arte das práticas didático-pedagógicas em Educação Ambiental (período de 2010 a 2017) na Revista Brasileira de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental. V. 14, No1: 09 - 28, 2019.

SANTOS, V. J. dos. A cadeia produtiva do pescado e invisibilidade feminina: prática, representação e apropriação. In: TIMÓTEO, G. M. (org.). Educação Ambiental com participação popular: avançando na gestão democrática do ambiente. 2. ed. - rev. e ampl. Campos dos Goytacazes, RJ: EdUENF, 2019.

SMITH, I. A. Mismanagement of inland fisheries and same corrective measures. ICLARM, Manila, 1982.

WALTER, T.; ANELLO, L. de F. S. de. A Educação Ambiental enquanto medida mitigadora e compensatória: uma reflexão sobre os conceitos intrínsecos na relação com o Licenciamento Ambiental de Petróleo e Gás tendo a pesca artesanal como contexto. Ambiente & Educação, Brasília, v. 17, p. 73-98, 2012.

Downloads

Publicado

01-02-2022

Como Citar

Cezar, L. S., & Brito, M. do N. (2022). Análise exploratória a partir de narrativa de vida: engajamento e crítica às metodologias pedagógicas em projeto de Educação Ambiental na Bacia de Campos (RJ). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 17(1), 405–417. https://doi.org/10.34024/revbea.2022.v17.11884

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2021-03-16
Aceito: 2021-12-06
Publicado: 2022-02-01

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.