Desafios da Educação Ambiental Crítica em Escolas Públicas de Mossoró (RN)

Autores

  • João Paulo Pereira Rebouças Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão
  • Gustavo Ferreira da Costa Lima Universidade Federal da Paraíba
  • Edevaldo da Silva Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11307

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Processo Pedagógico, Emancipação Social

Resumo

Esta pesquisa analisou a dinâmica do processo pedagógico de escolas de ensino básico no município de Mossoró, Rio Grande do Norte, quanto ao desenvolvimento da educação ambiental (EA). A análise abrangeu três dimensões: o projeto político-pedagógico (PPP), o currículo e a prática pedagógica. Quanto ao PPP e ao currículo analisou-se como ambos tratam às questões ambientais. Em relação às práticas procurou-se observá-las e identificar as percepções dos educadores sobre noções constituintes da EA. Os pressupostos metodológicos são desenhados numa abordagem qualitativa, utilizando como instrumentos de coleta de dados a revisão bibliográfica, a pesquisa documental, a observação sistemática e assistemática e grupos focais com roteiros semiestruturados. O artigo dialoga com os aportes teóricos da educação ambiental crítica, da ecologia política e da teoria da complexidade. Os resultados revelaram que à medida que o processo pedagógico se desenvolve do PPP até a prática nas salas de aula os princípios e diretrizes da educação ambiental crítica vão, gradualmente se diluindo e perdendo sua potência transformadora e emancipatória. As escolas tentam se transformar, mas o processo é longo, difícil, cheio de condicionamentos, contradições e limites. Estes desafios, que o texto discutirá, são algumas das barreiras para construir relações mais sustentáveis entre a sociedade e o ambiente.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACSELRAD, H. Cidadania e meio ambiente. In: ACSELRAD, H. (org.). Meio Ambiente e Democracia. Rio de Janeiro: IBASE, 1992.

BRANCO, E. P.; ROYER, M. R.; BRANCO, A. B. de G. A abordagem da Educação Ambiental nos PCNs, nas DCNs e na BNCC. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v.29, n.1, p.185-203, 2018.

BLANCO, M. B.; RUDMAN, A. N.; GREENE, L. K.; RAZAFINDRAINIBE, F.; ANDRIANANDRASANA, L.; WELCH, C. (2020) Back to basics: Gaps in baseline data call for revisiting an environmental education program in the SAVA region, Madagascar. PLoS ONE, v.15, p.e0231822, 2020.

BRASIL. Lei Nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 20 ago. 2020.

BURSZTYN, M.; BURSZTYN, M. A. Fundamentos de política e de gestão ambiental: os caminhos do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

CAGLIONI, E.; RAMOS, M. R.; OLIVEIRA, D. P. de; MELO, E. J. de; CAMPIGOTTO, S. M. Educação Ambiental nas unidades de ensino básico de Luiz Alves (SC): perfil e percepção docente. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 16, n. 1, p. 181-201, 4 fev. 2021.

CARVALHO, I. C. M. A invenção do sujeito ecológico: identidades e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: Sato, M.; Carvalho, I. C. M. (org.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre, Artmed, 2005.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

CHEN, S.; LIU, S. Developing Students’ Action Competence for a Sustainable Future: A Review of Educational Research. Sustainability, v.12, p.1374, 2020.

CRUTZEN, P. J. Geology of mankind: the Anthropocene: Nature, v. 415, p. 23, 2002.

GADOTTI, M. Projeto político pedagógico da escola cidadã. In: Salto para o futuro: construindo a escola cidadã, projeto político-pedagógico. Secretaria de Educação a Distancia. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto, SEED, 1998.

GUIMARÃES, R. P.; FONTOURA, Y. S. dos R. da. RIO+20 ou RIO-20? Crônica de um fracasso anunciado. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XV, n. 3, p. 1 9-39, set-dez, 2012.

GUIMARÃES, M. Pesquisa e processos formativos de educadores ambientais na radicalidade de uma crise civilizatória. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.13, n.1, págs. 58-66, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@: Mossoró. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/mossoro/panorama. Acesso em: 02 out. 2020.

KLEIN, N. Isso muda tudo: capitalismo versus clima. London: Allen Lane, 2014.

LAYRARGUES, P. P. Apresentação: (Re)Conhecendo a Educação Ambiental brasileira. In: BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004.

LAYRARGUES, P. P. Manifesto por uma Educação Ambiental indisciplinada. Ensino, Saúde e Ambiente, Número Especial, pp. 44-88, Junho, 2020.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. da C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, n.1, v.17, p. 23-40, 2014.

LIMA, E. S. Indagações sobre currículo: currículo e desenvolvimento humano. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

LIMA, G. F. da C. Crise ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (org.). Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2008.

LIMA, G. F. da C. Educação Ambiental no Brasil: formação, identidades e desafios. Campinas, SP: Papirus, 2011.

LIPIETZ, A. A ecologia política: solução para a crise da instância política? In: ALIMONDA, H. (Ed.). Ecologia política. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (org.). Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2008.

MARVILA, N. C.; GUISSO, L. F. Educação Ambiental e o processo de interdisciplinaridade no ambiente escolar. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 14, n. 4, p. 340-350, 12 dez. 2019.

MELO, H. M. S.; CARVALHO, D. B.; SAMPAIO, D. B. Environmental Education and Sustainable Consumption: Teachers’ Concepts and Practices. U. Porto Journal of Engineering, v.6, p.52-65, 2020.

MINAYO, M.C. de S. O desafio do conhecimento. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

MOORE, J. W. (Ed.). Anthropocene or Capitalocene? Nature, History, and the Crisis of Capitalism: PM Press, 2016.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. Porto Alegre: Sulina, 3ª Edição, 2007.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 16ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

OLIVEIRA, T. M. R. de; AMARAL, C. L. C. Ações para Minimizar a Fragmentação da Educação Ambiental em uma Escola Pública Paulista. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 15, n. 3, p. 297-314, 27 maio 2020..

REIBELT, L. M.; RICHTER, T.; WAEBER, P. O.; RAKOTOARIMANANA, S.; MANTILLA-CONTRERAS, J. (2014) Environmental education in its infancy at Lake Alaotra, Madagascar. Madagascar Conservation & Development, v.9, p.71-82.

ROCKSTRÖM, J. et al. Planetary boundaries: exploring the safe operating space for humanity. Ecology and Society, v. 14, n. 2, p. 32, 2009.

RODRIGUES, G. S.; PINTO, B. C. T.; FONSECA, L. C. de S.; MIRANDA, C. do C. O estado da arte das práticas didático-pedagógicas em Educação Ambiental (período de 2010 a 2017) na Revista Brasileira de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 14, n. 1, p. 9-28, 30 mar. 2019.

RODRIGUES, J. do N.; LOUREIRO, C. F. B. Pela formação integral de educadores: as dimensões reflexiva, crítica e ambiental. Educ. foco, Juiz de Fora, v. 22, n. 1, p. 1-25, 2017.

SANTOS, P. F.; DIAS, A. M.; COSENZA, A.; SILVA, M. A.; FONSECA, J. A. Impactos e Injustiças ambientais: significações de atores que constituem um conflito ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.12, n.1, p. 100-114, 2017.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: Educação Ambiental: pesquisa e desafios. SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (org.). Porto Alegre: Artmed, 2005.

SOMMERMAN, A. Inter ou transdisciplinaridade?: da fragmentação disciplinar ao novo diálogo entre saberes. São Paulo: Paulus, 2006.

TEIXEIRA, G.; MARQUES, H.; OLIVEIRA, R.; COUTO, W.; FIREMAN, E. O silêncio sobre a Educação Ambiental nos cursos de Pedagogia das Universidades Federais do Brasil. Acta Brasiliensis, v.3, p.74-78, 2019.

TOZONI-REIS, M. F. de C.; CAMPOS, L. M. L. Educação Ambiental escolar, formação humana e formação de professores: articulações necessárias. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, p. 145-162, Edição Especial n. 3, p. 145-162, 2014.

TRAJBER, R.; MENDONÇA, P. R. (org.). Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007.

VIEGAS, P. de L.; NEIMAN, Z. A prática de Educação Ambiental no âmbito do ensino formal: estudos publicados em revistas acadêmicas brasileiras. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 10, n. 2, págs. 45-62, 2015.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Rebouças, J. P. P., Lima, G. F. da C., & Silva, E. da. (2021). Desafios da Educação Ambiental Crítica em Escolas Públicas de Mossoró (RN). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(3), 59–78. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11307

Edição

Seção

Artigos