Formação continuada de professores de educação infantil em Educação Ambiental vivencial: a exploração dos pátios das escolas

  • Bruna Medina Finger Arnholdt Universidade do Vale do Taquari - Univates
  • Jane Márcia Mazzarino Centro Universitário Univates
Palavras-chave: Formação continuada; Professores de Educação Infantil; Educação Ambiental Vivencial; Pátio Escolar; Método do Aprendizado Sequencial.

Resumo

O objetivo é investigar um processo de formação continuada em Educação Ambiental vivencial com professores de Educação Infantil, no qual utilizou-se o Método do Aprendizado Sequencial como forma de explorar as possibilidades dos pátios das escolas. Partindo de uma abordagem qualitativa, de caráter descritivo, adotou-se a perspectiva intervencionista (pesquisa-ação), baseada nas pesquisas bibliográfica, documental e de campo. Fez-se uso da observação, registros (em diários de bordo e fotografias) e entrevistas individuais e em grupo. Os resultados referem-se a dois momentos do processo: o planejamento e a primeira etapa da formação continuada e as implicações desta na prática das professoras que participaram da segunda etapa do programa.

Biografia do Autor

Jane Márcia Mazzarino, Centro Universitário Univates

doutora em Ciências da Comunicação (Unisinos), professora do Programa de Pós Graduação Ambiente e dos cursos de Comunicação Social do Centro Universitário Univates. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Práticas Ambientais, Comunicação e Educação (CNPq).

Referências

AMORIM, V.M.; CASTANHO, M.E. Por uma educação estética na formação universitária de docentes. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 105, set./dez. 2008.

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: ARTMED, 2009.

ANTUNES, C. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ARNHOLDT, B.M.F. Educação Ambiental na Educação Infantil: as vivências com a natureza no pátio da escola. 2018. Dissertação (Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento) - Programa de Pós-Graduação Ambiente e Desenvolvimento, Universidade do Vale do Taquari.

BARBOSA, M.C.S. Por amor e por força: rotinas na Educação Infantil. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

BARCELOS, V.H.L. Educação Ambiental, Infância e Imaginação - uma contribuição à formação de professores(as). Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 6, n.1, 2009.

BONOTTO, D.M.B. Formação docente em Educação Ambiental utilizando técnicas projetivas. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 15, n. 32, set./dez. 2005.

BRASIL. Lei Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 17 mar. 2016.

BRASIL. Lei nº 9795 de 27 abril de 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 11 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 01 ago. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente e da Educação. Programa Nacional de Educação Ambiental – PRONEA. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 17 mar. 2016.

BRASIL. Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental. Programa Nacional de Formação de Educadoras (es) ambientais - PROFEA. Brasília, 2006.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. 3.v. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf>. Acesso em: 11 ago. 2016.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais, Ética. Brasília: MEC/SEF, 1997. 146p. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf>. Acesso em: 11 ago. 2016.

BRAULT, M. A formação do professor para a Educação Básica: perspectivas. Brasília: MEC/UNESCO, 1994.

CAMPOS, M.C.; SOUZA, T.N. de. Psicologia Ambiental, Psicologia do Desenvolvimento e Educação Infantil: integração possível? Paidéia, Ribeirão Preto, v. 18, n. 39, 2008.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2008.

CEPPI, G.; ZINI, M. Crianças, espaços, relações: como projetar ambientes para a Educação Infantil. Porto Alegre: Penso, 2013.

CORNELL, J. A alegria de aprender com a natureza: atividades na natureza para todas as idades. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1997.

CORNELL, J. Vivências com a natureza. 3ª ed. São Paulo: Aquariana, 2008a.

CORNELL, J. Vivências com a Natureza 2: novas atividades para pais e educadores. São Paulo: Aquariana, 2008b.

DUARTE, J.F. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. 5ª ed. Curitiba: Criar Edições, 2010.

DUARTE, J.F. Por que arte – educação?. 6ª ed. São Paulo: Papirus, 1991.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M.W. GASKELL, G. (Orgs.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

GONÇALVES, C.W.P.G. Os (des) caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.

GOUVÊA, G.R.R. Rumos da formação de professores para a Educação Ambiental. Educar em Revista, Curitiba, n. 27, jan./jun. 2006.

GRÜN, M. Ética e Educação Ambiental: a conexão necessária. 14ª ed. São Paulo: Papirus, 2012.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: ARTMED, 2010.

LARROSA, J. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LEFF, E. Aventuras da epistemologia ambiental: da articulação das ciências ao diálogo dos saberes. São Paulo: Cortez, 2012.

MADALÓZ, R.J.; ORMEZZAN, G.R. Formação pessoal e docente: o acesso pela via corporal. Revista de Ciências Humanas, v. 14, n. 23, dez. 2013.

MARIN, A.A.; KASPER, K.M. A natureza e o lugar habitado como âmbitos da experiência estética: novos entendimentos da relação ser humano – ambiente. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, ago. 2009.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

MENDONÇA, R. Educação Ambiental Vivencial. In: FERRARO-JUNIOR, L.A. (Org.) Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, 2007. Disponível em: <http://www.institutoroma.org.br/artigos/educacao_ambiental_vivencial.pdf 2016>. Acesso em: 12 mar. 2016.

MOYLES, J. Fundamentos da Educação Infantil: enfrentando o desafio. Porto Alegre: ARTMED, 2010.

OSTETTO, L.E. Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Campinas: Papirus, 2008.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

RODRIGUES, C. O vagabonding como estratégia pedagógica para a "desconstrução fenomenológica" em programas experienciais de Educação Ambiental. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, jan./mar. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982015000100303&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 12 ago. 2016.

SATO, M. Relações multifacetadas entre as disciplinas. In: Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação: formação de professores. Relações multifacetadas entre as disciplinas. Brasília, MEC, SEF, 2002. v. 3.

SCHÖN, D.A. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SILVA, I.S. da. 2010. Educação Ambiental, Intercultura e Antropofagia cultural brasileira – contribuições para a formação de professores (as). Dissertação (Mestrado em Educação) – Curso de Mestrado em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa. Disponível em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/cea/Antropofagia.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2015.

SILVEIRA, E. A arte do encontro: a educação estética ambiental atuando com o teatro do oprimido. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, dez. 2009

SMITH, A.P.; CRAFT, A. O desenvolvimento da prática reflexiva na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2010.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes, 2008.

THIOLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1992.

TOZONI-REIS, M.F.C. et al. A inserção da Educação Ambiental na Educação Básica: que fontes de informação os professores utilizam para sua formação? Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 2, 2013.

TRISTÃO, M.; JACOBI, P.R. Educação Ambiental e os movimentos de um campo de pesquisa. São Paulo: Anablume, 2010.

TRISTÃO, M. Uma abordagem filosófica da pesquisa em Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 55, out./dez. 2013.

VERGARA, S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.

VERGARA, S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ZAKREVSKI, S. B. Cenários da trajetória da Educação Ambiental. In: ZAKREVSKI, S. B. (Org.). A Educação Ambiental na escola: abordagens conceituais. Erechim: Edifapes, 2003.

Publicado
2020-12-04
Como Citar
Arnholdt, B. M. F., & Mazzarino, J. M. (2020). Formação continuada de professores de educação infantil em Educação Ambiental vivencial: a exploração dos pátios das escolas. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 134-154. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.11041
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##