Uma história que a história não conta: Comunidade do Nativo (ES) e impactos nos alagados da Planície Quaternária do Rio Doce

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11039

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Pertencimento, Justiça Ambiental, Comunidade do Nativo-ES, Planície Quaternária do Rio Doce

Resumo

O presente trabalho teve como intuito investigar as percepções socioambientais e narrativas de pertencimento dos moradores da Comunidade do Nativo visando construir conhecimentos que subsidiem ações de Educação Ambiental crítica. Utilizou-se o Mapeamento Participativo como estratégia para revelar a dinâmica histórica e espacial do território a partir dos saberes dos moradores. Os resultados situam as mudanças causadas pela drenagem artificial dos alagados na Planície Costeira do Rio Doce como elemento principal analisado sob os pressupostos teóricos da Educação Ambiental Crítica, considerando as articulações entre os conceitos de pertencimento, identidade e Justiça Ambiental, categorizados em três dimensões: território, ambiente e modos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flora Zauli Novaes, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Possui graduação em Ciências Biológicas - Licenciatura pela Universidade Federal do Espírito Santo, especialização em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG e atualmente mestranda na área de Ensino. Experiência na área de Projetos Socioambientais, Educação Ambiental e Biologia, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, etnobiologia, educação ambiental, ensino e manejo de fauna.

Tanise Paula Novello , Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande (2001) mestrado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (2006) e doutorado em Educação Ambiental pela mesma Instituição (2011). Também é professora da FURG vinculada ao Instituto de Matemática, Estatística e Física (IMEF) e membro da Secretaria de Educação a Distância (SEaD) atuando junto a formação de professores e tutores.É professora junto ao Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências (PPGEC). Atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, educação a distância e educação matemática.

Marcos da Cunha Teixeira, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (1997), mestre e Doutor em Entomologia (Tese em Ecologia) pela Universidade Federal de Viçosa (1999 e 2007, respectivamente). Atuo no ensino superior desde 2001 e entre 2009 e 2013 atuei como professor adjunto no Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) onde desempenhei as seguintes funções: - Autor e tutor do Programa de Educação Tutorial Conexões de Saberes Socioambientais; - Orientador no Programa de mestrado em Gestão de Políticas Públicas; - Assessor de meio ambiente e sustentabilidade do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas; Atualmente, sou professor adjunto do Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas (DCAB) da Universidade Federal do Espírito Santo - Campus São Mateus, onde desempenho as seguintes funções: - Coordenador do Laboratório de Educação Ambiental/Núcleo de Pesquisas e Práticas Pedagógicas em Biologia; - Orientador no Programa de Mestrado Profissional em Rede Nacional em Ensino de Biologia (PROFBIO - Nucleado na UFMG). Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão nas seguintes áreas: - Educação ambiental; - Ecologia e conservação da biodiversidade,; - Ensino de ciências e Biologia; - Divulgação das ciências.

Gustavo Machado Prado, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Viçosa (1997), mestrado (2002) e doutorado (2007) em Ciências Biológicas (Zoologia) pelo Museu Nacional/UFRJ. Atualmente é Professor adjunto no Centro Universitário Norte do Espírito Santo (CEUNES), da Universidade Federal do Espírito Santo, atuando no Programa de Pós-Graduação em Ensino na Educação Básica (Mestrado Acadêmico) e exercendo as funções de Coordenador da Comissão de Estágio Supervisionado das Licenciaturas do CEUNES e membro do Colegiado do curso de Ciências Biológicas (Licenciatura). Desenvolve pesquisa nas áreas de Biodiversidade, Ensino e Currículo.

Referências

ACSELRAD, H. Cartografias sociais e território. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 2008. 168p.

ACSELRAD, H. Justiça Ambiental. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (Org.) Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA. Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p. 217 –228.

ALMEIDA, A. W. B. et al. Caderno de Debates Nova Cartografia Social: territórios quilombolas e conflitos. Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições, 2010. 349p.

ANDRADE, F. M. R. Natureza e Representações que R-Existem: cinco séculos de invasão, apropriação e violência na amazônia brasileira. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 36, n. 2, p. 207-227, mai/ago 2019.

BRASIL. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6040.html>.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental: institui a política da Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: <http://www.lei.adv.br/9795-99.html>.

CAETANO, A. P. V.; OLIVEIRA, J. R.; ANHERT, R.; TEIXEIRA, C. C.; TEIXEIRA, M. C. Aspectos da História Ambiental da Ilha de Guriri - ES: contribuição para a Educação Ambiental biorregionalista. Enciclopédia Biosfera, v. 11, p. 190-198, jan. 2015.

COUSIN, C. S. Pertencimento Ambiental. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, FURG/SeaD, 2010, 10p.

DIEGUES, A. C. O Mito Moderno da Natureza Intocada. 3 ed. São Paulo: HUCITEC, 2001, 169p.

ERRANTE, A. Mas Afinal, a Memória é de Quem? histórias orais e modos de lembrar e contar. História da Educação, v. 4, n. 8, p. 141-174, set 2000.

FERREIRA, S. R. B. Donos do Lugar: a territorialidade quilombola do Sapê do Norte - ES. 2009. 522 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.

JUNTA, V. S.; SANTANA, L. C. Concepções de Educação Ambiental e suas abordagens políticas: análise de trabalhos dos Encontros de Pesquisa em Educação Ambiental (I, II e III EPEAs). Pesquisa em Educação Ambiental, 2011.

LAYRARGUES, P. P.; PUGGIAN, C. Convergências na Ecologia Política: quando a Educação Ambiental abraça a luta por justiça ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 11, n. 2, p. 72-82, 2016.

LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia Política, Justiça e Educação Ambiental Crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trabalho, Educação e Saúde, v. 11, n. 1, p. 53-71, 2013.

MANSUR, K. L.; MARQUES, A.; FIDALGO, E. C. C.; PRADO, R. B.; FERRAZ, R. P. D.; GONÇALVES, A. O.; DANTAS, M. Diagnóstico do Meio Físico da Bacia Hidrográfica do Rio Doce/Canal Quitingute (BHRD)-RJ. 2004.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Convenção sobre Povos Indígenas e Tribais em Países Independentes [Convenção 169]. 27 jun. 1989. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Convencao_169_OIT.pdf>. Último acesso em: fevereiro de 2019.

RIBEIRO, D. O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do brasil. SP. 2. ed. Companhia das Letras, 1995.

ROZARIO, E. M.; TEIXEIRA, C. C.; SILVA, E. D.; TEIXEIRA, M. C. A Relação Homem-Natureza nas Comunidades Tradicionais da Ilha de Guriri - ES: subsídios à Educação Ambiental. 1. ed., Curitiba: Appris, 2018.

RUSCHEINSKY, A. A Pesquisa em História Oral e a Produção de Conhecimento em Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental Pesquisa e Desafios. Porto Alegre: Artmed, p. 135-148, 2005.

SAUVÉ, L. Viver Juntos em Nossa Terra: desafios contemporâneos da Educação Ambiental. Revista Contrapontos, v. 16, n. 2, p. 288-299, 2016.

SOUZA, L. B.; CHAVEIRO, E. F. Território, Ambiente e Modos de Vida: conflitos entre o agronegócio e a comunidade quilombola de morro de são joão, tocantins. Sociedade & Natureza, v. 31, n. 1, p.1-26, 2019.

SUGUIO, K.; MARTIN, L.; DOMINGUEZ, J. M. L. Evolução da Planície Costeira do Rio Doce (ES) Durante o Quaternário: influência das flutuações do nível do mar. Atas do IV Simpósio do Quaternário no Brasil, p. 93-116, 1982.

TEIXEIRA, C. C. A Reorganização da Beira-mar: os diferentes modos de uso e ocupação no norte do espírito santo. 2010. 189 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Espírito Santo, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Novaes, F. Z., Novello , T. P., Teixeira, M. da C., & Prado, G. M. (2021). Uma história que a história não conta: Comunidade do Nativo (ES) e impactos nos alagados da Planície Quaternária do Rio Doce. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(3), 153–173. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11039

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)