Educação Ambiental e resíduos sólidos: uma vivência escolar a partir da metodologia da problematização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10880

Palavras-chave:

Sensibilização ambiental; Arco de Maguerez; Consumo consciente.

Resumo

O presente estudo objetivou sensibilizar estudantes de uma escola de Ensino Fundamental I em Coxim/MS sobre os impactos socioambientais da destinação inadequada dos resíduos sólidos, bem como sobre a importância de promover práticas de reuso, redução, reciclagem e coleta seletiva. Para isso, adotou-se a Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez na qual, em cinco etapas e com abordagens pedagógicas diferenciadas, os alunos puderam realizar uma leitura crítica dos dilemas ambientais em que estão inseridos, propor soluções aos problemas observados e transformar a realidade da instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marinez dos Santos, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Licencianda em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) - Unidade universitária de Coxim/MS. Estagiária do Programa Vale Universidade pela mesma instituição. Atualmente, atua junto ao Diretório Central dos Estudantes (DCE) como Coordenadora de Combate as Opressões e Assuntos Estudantis. Tem experiência na área de Biologia Geral, com ênfase em citogenética e Educação Ambiental.

Maíra Cristina de Oliveira Silva, Universidade Federal do ABC

Possui graduação em Gestão Ambiental pela Universidade de São Paulo (2013), especialização em Gestão da Educação pela Universidade Federal de São Paulo (2019) e mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade Federal do ABC - UFABC (2016). Atualmente é membro do grupo de pesquisa Integração de Sistemas Ambientais e Urbanos da UFABC. Tem experiência na área de ciências ambientais, com ênfase em planejamento territorial, atuando principalmente nos seguintes temas: vulnerabilidade socioambiental, mudanças climáticas, justiça ambiental e educação ambiental.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE). Panorama de resíduos sólidos no Brasil 2018/2019. Disponível em: <http://abrelpe.org.br/panorama/>. Acesso em: 22 mai. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR 10004: Resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004, p. 71.

BARBOSA, L. C. Políticas públicas de Educação Ambiental numa sociedade de risco: tendências e desafios no Brasil. Anais do IV Encontro Nacional da Anppas, v. 4, n. 5, p. 1-21, 2008.

BERBEL, N. A. N.; GAMBOA, S. A. S. A metodologia da problematização com o Arco de Maguerez: uma perspectiva teórica e epistemológica. Filosofia e Educação (Online), V. 3, N. 2, 2012.

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino aprendizagem. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

BRASIL. Lei n° 12305, de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília DF.

BUGS, G.; RAUBER, A.; ISOLAN, F. B. Ferramentas SIG - Sistemas de Informações Geográficas para o Planejamento Participativo. In: FURTADO, A.; PEREIRA, A.; PARENZA, C.; GERMANO, L.; COSTER, R.; RANGEL, R.; BASSANI, B. (Org.). Democracia nas Cidades e as Grandes Transformações Urbanas. Porto Alegre: Editora da Cidade, 2016.

CARVALHO, D. S.; GARCIA, T. V. L.; LIMA, J. P. S. Resíduos sólidos no brasil: uma conexão com a relação homem/natureza, sustentabilidade e Educação Ambiental. Educação Ambiental em Ação, v. 68, 2019.

COLOMBO, A. A. A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores. Semina: ciências sociais e humanas, v. 28, n. 2, p. 121-146, 2007.

COXIM. 2018. Censo Escolar/INEP 2018. Coxim, MS. Disponível em: <https://www.qedu.org.br/escola/255101-ee-semiramis-carlota-benevides-da-rocha/aprendizado>. Acesso em: 24 abr. 2020.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. Editora Gaia LTDA. 6° edição. p. 1-551, 2004.

FERREIRA, A. B. H. Mini Aurélio: dicionário de língua portuguesa. Editora Nova Fronteira. 4° edição. p. 1-790, 2001.

FRANZONI, P. G. R.; CRUZ, R. P.; QUARTIERI, M. T. Ensinando a metodologia da problematização com o Arco de Maguerez a partir da estratégia World Café. Reflexão e Ação, v. 27, n. 3, p. 191-207, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. Paz e terra. 25° edição, 1996.

FRIEDE, R. R.; REIS, D. S.; AVELAR, K. E. S.; MIRANDA, M. G. Coleta seletiva e Educação Ambiental: reciclar valores e reduzir o lixo. Educação & Formação, v. 4, n. 11 mai/ago, p. 117-141, 2019.

FUJITA, J. A. L. M.; CARMONA, E. V.; SHIMO, A. K. K.; MECENA, E. H. Uso da metodologia da problematização com o Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico. Revista Portuguesa de Educação, v. 29, n. 1, p. 229-258, 2016.

GARCIA, E. V.; VIESBA, L. M. V.; ROSALEN, M. S. Educação Ambiental para a sustentabilidade: formação continuada em foco. Humanidades e tecnologia (FINOM), v. 1, n. 16, p. 10-24, 2019.

GOMES, M. H. S. C.; OLIVEIRA, E. C.; BRESCIANI, L. P.; PEREIRA, R. S. Política Nacional de Resíduos Sólidos: Perspectivas de Cumprimento da Lei 12.305/2010 pelos municípios brasileiros, paulistas e da região do ABC. Revista de Administração da UFSM, v. 7, p. 93-110, 2014.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência; saúde coletiva, v. 17, p. 1503-1510, 2012.

JULIATTO, D. L.; CALVO, M. J.; CARDOSO, T. E. Gestão integrada de resíduos sólidos para instituições públicas de ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, v. 4, n. 3, p. 170-193, 2011.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

MARTINS, M. M. B.; SOUZA, S. L.; CARVALHO, R. C.; AGUIAR, M. G. G.; ALVES, A. B. L.; Souza, G. K. O. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas por adolescentes através do arco de Charles Maguerez. CIAIQ 2, 2018.

MATO GROSSO DO SUL. Coordenadoria Regional de Educação – CRE-4. E. E. Semíramis Carlota Benevides da Rocha. Disponível em: <http://www.cre4coxim.sed.ms.gov.br/coxim/>. Acesso em: 28 mai. 2019.

MORAES, M. A. C. Mapas Mentais como significação do conhecimento: um estudo de caso aplicado à Educação Infantil. Anais do IV Congresso Nacional de Educação: CONEDU, 2017.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: um conceito subjacente. Aprendizagem Significativa em Revista, V1(3), pp. 25-46, 2011.

NASCIMENTO, M. C. P.; MARCHI, C. M. D. F.; PIMENTEL, P. C. B. Proposição de metodologia em Educação Ambiental para minimizar impactos de resíduos sólidos em ecossistema de manguezal. PerCursos, v. 19, n. 41, p. 158-178, 2019.

QUEIROZ, E. D.; GUIMARÃES, M. O trabalho de campo em unidades de conservação como ambiente educativo e estratégia pedagógica fundamental para uma formação diferenciada em Educação Ambiental. Revista de Políticas Públicas, v. 20, p. 421-426, 2017.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2014.

SIQUEIRA, M. M.; MORAES, M. S. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência; Saúde Coletiva, v. 14, p. 2115-2122, 2009.

TEIXEIRA, T. Y. A. A Educação Ambiental e a biodiversidade: educar um cidadão é renovar sua consciência. Biodiversidade, v. 17, n. 2, 2018.

ZAOUAL, H. Do turismo de massa ao turismo situado. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.; BURSZTYN, I. (Orgs.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Brasília: Letra & Imagem, 2009. p.55-75.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Santos, M. dos, & Silva, M. C. de O. (2021). Educação Ambiental e resíduos sólidos: uma vivência escolar a partir da metodologia da problematização. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(3), 207–223. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10880

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido em 2020-07-04
Aceito em 2021-03-11
Publicado em 2021-06-01