Decrescimento e Bem Viver: paradigmas para um mundo pós-pandemia?

Autores

  • Nathan Pereira Dourado Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia (POSGEO/UFBA)
  • Marlene Grade Professora da Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10801

Palavras-chave:

crise civilizatória; crise capitalista; alternativas ao capitalismo; COVID-19.

Resumo

A pandemia provocada pelo novo coronavírus tem explicitado e agravado a crise do capitalismo, deixando-o diante de seus próprios limites de autorreprodução e, portanto, à beira do colapso. Partimos do entendimento de que a pandemia não surge do acaso, e sim como resultado do desequilíbrio ecológico, causado pela produção destrutiva do capitalismo globalizado. Neste trabalho discutimos as causas e os efeitos da pandemia, a sua relação com a crise ecológica, seus desdobramentos e possíveis respostas, com o intuito de contribuir para um debate recém-inaugurado: o mundo pós-pandemia. Nossa analise é, assumidamente, anticapitalista, dialética, crítica e esperançosa. Utilizamos como metodologia a pesquisa bibliográfica. O objetivo final deste trabalho é estabelecer um nexo entre os paradigmas do decrescimento e do Bem Viver, como possíveis alternativas para o mundo pós-pandemia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathan Pereira Dourado, Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia (POSGEO/UFBA)

Geografo (UNIFAL-MG), Especialista em Educação Ambiental (UFLA), Mestre em Agroecossistemas (UFSC) e Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia (POSGEO/UFBA)

Marlene Grade, Professora da Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Economia (UFSC) e Doutora em Geografia (UFSC)

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, 2016. 257 p.

ACOSTA, A. Reecuentro con la Madre Tierra: Tarea urgente para enfrentar las pandemias. Revista Nueva América, n.166, 2020.

ALTIERI, M; NICHOLLS, C. Agroecology and the emergence of a post COVID‑19 agriculture. Agriculture and Human Values, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10460-020-10043-7

ARRIGHI, G. Caos e governabilidade no sistema mundial moderno. São Paulo, Contraponto, 2001.

BESSON-GIRARD, J. Por uma conversão antropológica: o decrescimento é a saída do labirinto. In: LÉNA, P; NASCIMENTO, E. P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.p. 371-380.

BOCCATO-FRANCO, A. O decrescimento no Brasil. In: LÉNA, P; NASCIMENTO, E. P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 269-288.

BONAIUTI, M. A caminho da grande transição. In: LÉNA, P; NASCIMENTO, E. P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p.79-106.

CASTELLS, M. A hora do grande reset. Outras Palavras, São Paulo, 27 de abril de 2020. Disponivel em: <https://outraspalavras.net/pos-capitalismo/castells-a-hora-do-grande-reset/> Acesso em: 20 de maio 2020.

DALY, E. H. Crescimento sustentável? Não, obrigado. Ambiente & Sociedade, v. 7, n.2, 2004. Disponível em:< https://www.scielo.br/pdf/asoc/v7n2/24695.pdf>

DAVIS, M. A crise do coronavírus é um monstro alimenta¬do pelo capitalismo. In: DAVIS, M., et al. (Orgs.). Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem Amos, 2020. p.05-12.

DOURADO, N.P. O paradigma do Bem Viver: do desenvolvimento alternativo à alternativas ao desenvolvimento. Revista Contraponto, v.7, n.1, 2020. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/contraponto/article/view/100721> Acesso em: 26 maio de 2020.

ESTERMANN, J. Crisis civilizatoria y Vivir Bien: Una crítica filosófica del modelo capitalista desde el allin kawsay/suma qamaña andino. Polis: Revista de la Universidad Bolivariana, La Paz, v. 33, n. 11, p.149-174, 2012.

FOSTER, J.B. Uma catástrofe no século XXI, a menos que a humanidade mude subitamente de rumo. IHU, São Leopoldo, 08 de abril de 2020. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/597888-uma-catastrofe-no-seculo-xxi-a-menos-que-a-humanidade-mude-subitamente-de-rumo-entrevista-com-john-bellamy-foster> Acesso em: 20 de maio de 2020.

FOSTER, J.B. Marxismo e Ecologia: fontes comuns de uma Grande Transição. Lutas Sociais, São Paulo, v. 19, n. 35, p.80-97, jul. 2015. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/ls/article/view/26680> Acesso em: 12 jun. de 2020.

GEMMILL-HERREN, B. Closing the circle: an agroecological response to COVID-19. Agriculture and Human Values, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10460-020-10097-7

GEORGESCU-ROEGEN, N. The entropy law and economic process. Cambridge: Harvard University Press, 1971.

GIATTI, L. A reflexão da COVID-19: evoluindo do individualismo para a colaboração mútua. Diálogos Socioambientais: Dossiê Covid-19, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 35-37, maio 2020. Trimestral.

GLIESMANN, S.R.Transforming food and agriculture systems with agroecology. Agriculture and Human Values, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10460-020-10058-0

GUDYNAS, E. Buen Vivir: germinando alternativas al desarollo. América Latina em Movimiento, ALAI, n.462: 1- 20. Quito, 2011.

HARVEY, D. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2016.

HARVEY, D. Política anticapitalista em tempos de COVID-19. In: DAVIS, Mike, et.al (Orgs.). Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem Amos, 2020. p.13-24.

HENDRICKSON, M.K. Covid lays bare the brittleness of a concentrated and consolidated food system. Agriculture and Human Values, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10460-020-10092-y

IEA. Global Energy Review 2020, Internacional Energy Agency, Paris, 2020. Disponível em: <https://www.iea.org/reports/global-energy-review-2020> Acesso em: 12 maio de 2020.

KRENAK, A. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LATOUCHE, S. Pequeno Tratado do Decrescimento Sereno. Tradução: Claudia Berliner. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

LATOUCHE, S. Existira uma vida após o desenvolvimento? Estudos de Sociologia, v. 16, n. 2, p. 217 – 230, 2010.

LATOUCHE, S. O decrescimento. Por que e como? In: LÉNA, P.; NASCIMENTO, E.P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012a. p.45 – 53.

LATOUCHE, S. Convivialidade e Decrescimento. Cadernos IHU ideias, São Leopoldo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), ano 10, n. 166, 2012b.

LEFF, E. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2006

LÉNA, P. Os limites do crescimento econômico e a busca pela sustentabilidade: uma introdução ao debate. In: LÉNA, P; NASCIMENTO, E. P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 45-55.

LÖWY, M. Crise ecologica, crise capitalista, crise de civilização: a alternativa ecossocialista. Caderno CRH, Salvador, v. 26, n.67, p. 79 – 86, 2013.

MAMANI, F. H. Buen Vivir / Vivir Bien: filosofia, politicas, estratégias experiências regionales andinas. Lima, Peru, 2010.

MANDEL, E. Le capitalisme. Enciclopédia Universalis, 1981.

MARQUES, L. Capitalismo e colapso ambiental. 3ª ed. rev.ampl. - Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

MARQUES, L. A pandemia incide no ano mais importante da história da humanidade. Serão as próximas zoonoses gestadas no Brasil? Seção: CIÊNCIA, SAÚDE E SOCIEDADE: COVID-19, UNICAMP, Campinas, 05 de maio de 2020. Disponível em: <https://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2020/05/05/pandemia-incide-no-ano-mais-importante-da-historia-da-humanidade-serao-proximas >. Acesso em: 12 maio 2020.

MARX, K. O capital: crítica da economia política, livro I. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MASSY, C. COVID‑19, the Anthropocene, and transformative change. Agriculture and Human Values, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/s10460-020-10080-2

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no séc. XXI. São Paulo: Boitempo, 2007.

NETO, J.A.S.; CASTRO, F.M. Capitalism über alles: uma interpretação da pandemia de coronavírus no Brasil à luz da geografia radical de Neil Smith. Espaço e Economia, n.18, 2020. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.12104

PORTO-GONÇALVES, C.W. O desafio ambiental. Rio de Janeiro: Record, 2004.

PORTO-GONÇALVES, C.W. De neoliberais e de keynesianos em tempos de Coronavírus. Espaço e Economia, n.18, 2020. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.11699

QUIJANO, A. Bem Viver”: entre o “desenvolvimento” e a “des/colonialidade”do poder. Rev. Fac. Dir. UFG, v. 37, n. 1, p. 46-57, 2013.

RADOMSKY, G. F. Desenvolvimento, Pós-estruturalismo e Pós-desenvolvimento: a crítica da modernidade e a emergência de “modernidades alternativas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.26, n.75, p. 149-162, 2011.

RIST, G. O decrescimento para todos? In: LÉNA, P; NASCIMENTO, E. P. (Org.). Enfrentando os limites do crescimento: Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p.135 -156.

SACHS, W. et al. Justiça num mundo frágil: Memorando para a cúpula mundial sobre desenvolvimento sustentável. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2002.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SANTOS, M. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e Meio Técnico-cientifico-informacional. 5ª ed., 1. reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

SATO, M.; SANTOS, D; SÁNCHEZ, C. Vírus: simulacro da vida? Rio de Janeiro: GEA-SUR, UNIRIO, 2020.

THE EDITORIAL BOARD. Virus lays bare the frailty of the social contract: radical reforms are required to forge a society that will work for all. Financial Times. Londres, 3 abr. 2020. Disponível em: <https://www.ft.com/content/7eff769a-74dd-11ea-95fe-fcd274e920ca>. Acesso em: 10 maio de 2020.

VEIGA, J E. Neodesenvolvimentismo: quinze anos de gestação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 20, n. 3, p.1-25, set. 2006.

VEIGA, J E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamound, 2010.

WALLACE, R. G. Big Farms Make Big Flu: Dispatches on Infectious Disease, Agribusiness, and the Nature of Science. New York: Monthly Review Press, 2016.

WALLERSTEIN, I. Structural crises. New Left Review, n. 62, p. 133-142, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WORLD HEALTH STATISTICS 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Geneva: World Health Organization; 2018. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272596/9789241565585-eng.pdf?ua=1&ua=1>. Acesso em: 06 maio 2020.

ZIZEK, S. Um golpe como “Kill Bill” no capitalismo. In: DAVIS, M. et al. (Orgs.). Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem Amos, 2020. p.05-12.

Downloads

Publicado

03-08-2020

Como Citar

Dourado, N. P., & Grade, M. . (2020). Decrescimento e Bem Viver: paradigmas para um mundo pós-pandemia?. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(4), 380–401. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10801

Edição

Seção

Edição Especial
##plugins.generic.dates.received## 2020-06-17
##plugins.generic.dates.accepted## 2020-07-26
##plugins.generic.dates.published## 2020-08-03

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.