Ferramentas de Educomunicação Socioambiental: subsídios para a Gestão Integrada da Zona Costeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10786

Palavras-chave:

Gestão Costeira; Educação Ambiental; Educomunicação Socioambiental.

Resumo

A Gestão Costeira Integrada (GCI) pressupõe a difusão de informações e capacitação de atores sociais visando à participação efetiva neste processo. No âmbito da Política Nacional de Educação Ambiental  (PNEA), o Programa Nacional de Educomunicação Socioambiental aporta subsídios para produção da informação, difusão e acesso democrático. Este trabalho apresenta o processo de criação de material audiovisual sobre temáticas da GCI e analisa suas potencialidades sob a ótica do percurso formativo da Educação Ambiental  (EA) e da compatibilidade com os princípios da Educomunicação Socioambiental. Os resultados demonstram que essa compatibilidade é positiva, bem como permitem inferir que o mesmo tem potencial para auxiliar no fortalecimento dos indicadores de maturidade e eficácia da GCI, uma vez estar embasado na integração de distintas políticas públicas, seguindo estruturas normativas etjá existentes e incorporando a participação do órgão competente pela gestão costeira do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Classificação dos Resíduos Sólidos: ABNT NBR 10004, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: < https://analiticaqmcresiduos.paginas.ufsc.br/files/2014/07/Nbr-10004-2004-Classificacao-De-Residuos-Solidos.pdf> . Acesso em: 23 mar. 2017.

ANDERSON, L. W., KRATHWOHL, D. R., AIRASIAN, P. W., CRUIKSHANK, K. A., MAYER, R.E., PINTRICH, P. R., RATHS, J., WITTROCK, M. C. A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: A revision of Bloom's Taxonomy of Educational Objectives. New York: Pearson, Allyn & Bacon, 2001.

ANDRADE, J.; SCHERER, M. Decálogo da gestão costeira para Santa Catarina: avaliando a estrutura estadual para o desenvolvimento do Programa Estadual de Gerenciamento Costeiro. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v.29, p.139-154, 2014.

ASMUS, M.L., NICOLODI, J.L., ANELLO, L.S., GIANUCA, K. The risk to lose ecosystem services due to climate change: A South American case. Ecological Engineering, v.130, n.1, p.233-241, 2019.

BARRAGÁN MUNÕZ, J. M. Medio Ambiente y Desarrollo en Áreas Litorales: introducción a la planificación y gestión integradas. Cádiz, Espanha: Universidad de Cádiz, Servicio de Publicaciones, 2003.

BARRAGÁN MUÑOZ, J. M. Manejo Costero Integrado y Política Pública en Iberoamérica: Un diagnóstico. Necesidad de Cambio. Cádiz, Espanha: Red IBERMAR (CYTED), 2010.

BARRAGÁN MUÑOZ, J. M. Política, gestão e litotal: Uma nova visão da Gestão Integrada de Áreas Litorais. Madrid, Espanha: Editorial Tébar Flores, S.L., 2016.

BLOOM, B. S.; ENGELHART, M. D.; FURST, E. J.; HILL, W. H.; KRATHWOHL, D. R. Taxonomy of Educational Objectives. The Classification of Educational Goals. New York: David McKay Co Inc., 1956.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Brasília: DOU de 03/08/2010. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm> . Acesso em: 01 jun. 2020.

BRAZ, J. M. S.; FOGLIATTO, M. S. S; MOREIRA, B. D. Educomunicação Socioambiental: Um estudo de seus pontos de intersecção. In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Anais do XVIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste – Goiânia, Goiás, 19 a 21 de maio, 2016.

CAPRA, F. O ponto de mutação: A Ciência, a Sociedade e a Cultura emergente. São Paulo: Editora Cultrix, 30. ed., 2012.

CARTER, R. The myth of dangerous human-caused climate change. In: AusIMM New Leaders' Conference, 2007.

CASTELLO, J. P.; KRUG, L. C. Introdução às Ciências do Mar. Pelotas: Editora Textos, 2015.

COE, J. M.; ROGERS, D. B. Marine debris: sources, impacts and solutions. New York: Springer, 1997.

COSTA, F. A. M. (Org.). Educomunicação socioambiental: comunicação popular e educação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2008.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. C. A. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DEMAJOROVIC, J. Da política tradicional de tratamento do lixo a política de gestão de resíduos sólidos - As novas prioridades. Revista de Administração de Empresas, v. 35(3), p.88-93, 1995.

FRANÇA, F. F.; KATAOKA, A. M.; AFFONSO, A. L. S.; CRISOSTIMO, A. L. Educomunicação socioambiental: produção de peças educomunicativas como metodologia de ensino para a Educação Ambiental . Revista Práxis, v. 21(11), 2019.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, P. Educação e mudança. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

FREITAS, V. P.; FREITAS, G. P. Crimes contra a Natureza. São Paulo: Revista dos Tribunais, 6. ed., 2000.

FUNBEA. Fundo Brasileiro de Educação Ambiental. Educomunicação socioambiental e conservação de recursos hídricos. São Paulo. Ed. Diagrama. 2018.

GORMAN, D.; MOREIRA, F.; TURRA, A.; FONTANELLE, F. R.; COMBI, T.; BÍCEGO, M.; MARTINS, C. C. Organic contamination of beached plastic pellets in the South Atlantic: Risk assessments can benefit by considering spatial gradients. Chemosphere, v. 223, p. 608-615, 2019.

HOEFEL, F. G. Morfodinâmica de praias arenosas oceânicas: uma revisão bibliográfica. Itajaí: Editora da UNIVALI, 1. ed., 1999.

IMO. International Maritime Organization. Manual on Oil Pollution - Section II, Edition. 2018

IPCC. Intergovernmental Panel on Climate Change. Summary for Policymakers. In: Global Warming of 1.5°C. An IPCC Special Report on the impacts of global warming of 1.5°C above pre-industrial levels and related global greenhouse gas emission pathways, in the context of strengthening the global response to the threat of climate change, sustainable development, and efforts to eradicate. In: Press, v. 1, 2018. Disponível em: <https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/sites/2/2019/05/SR15_SPM_version_report_LR.pdf> . Acesso em: 05 ago. 2019.

KAPLÚN, M. Una Pedagogia de la Comunicación. Madrid: Ediciones de la Torre, 1998.

MANDEL, V. Comment développer une conscience écologique? La Recherche, v. 243(23), p. 664-666, 1992.

KITZMANN, D. I. S. Convergências e Percursos Formativos em Educação Ambiental. Anais do VI EDEA: Encontros e Diálogos com a Educação Ambiental. Rio Grande, 24 a 26 de set., 2015.

KOENE, J. Plastic Soup: Mapping the first steps towards solutions. Wageningen University Press, 2010.

LAVENDER, K. L.; MORÉT-FERGUSON, S.; MAXIMENKO, N. A.; PROSKUROWSKI, G.; PEACOCK, E. E.; HAFNER, J.; REDDY, C. M. Plastic Accumulation in the North Atlantic Subtropical Gyre. Science, v. 5996(329), p. 1185-1188, 2010.

MARENGO, J. A.; SCARANO, F. R.; KLEIN, A. F.; SOUZA, C. R. G.; CHOU, S. C. Impacto, vulnerabilidade e adaptação das cidades costeiras brasileiras às mudanças climáticas: Relatório Especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Rio de Janeiro: PBMC, COPPE – UFRJ, 2016.

MARQUES JR., A. N.; MORAES, R. B. C.; MAURAT, M. C. Poluição marinha. In: PEREIRA, R. C; SOARES-GOMES, A. (Orgs.). Biologia Marinha. Rio de Janeiro: Interciência, p. 505-528, 2009.

MENEZES, R. A. M.; Silva, E. C.; Costa, M. F. S.; Cunha, M. C. C.; Sarabia, M. L.; Silva, T. A.; Moura, G. J. B. Avaliação quali-quantitativa dos resíduos sólidos carreados para o reservatório do Tapacurá, Pernambuco, Brasil. Revista Ouricuri, v. 4, n. 1, p. 060-085, 2014.

MILANI, C. R. S. O princípio da participação social na gestão de políticas pública locais: uma análise de experiências latino-americanas e europeias. Revista de Administração Pública, v. 42(3), p. 551-579, 2008.

MORAES, S.; SABOYA, R.; ABIB, S.; REIS, M. J. Capacitação e Mobilização: a Perspectiva da Participação Cidadã no Plano Diretor de Balneário Camboriú (SC), Brasil. Journal of Integrated Coastal Zone Management, v. 10(4), p. 567-587, 2010.

MUEHE, D. Erosão Costeira - Tendência ou Eventos Extremos? O Litoral entre Rio de Janeiro e Cabo Frio, Brasil. Journal of Integrated Coastal Zone Management, v. 11, n.3, p. 315-325, 2011.

NAKANO, K. (Cord.). Projeto Orla: implementação em territórios com urbanização consolidada. São Paulo: Instituto Polis; Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2006.

NASCIMENTO, F. C.; LIMA, J. J. F. Diretrizes técnicas para locação de limites edificados em praias. Ambiente Construído, v. 10(4), p. 197-218, 2010.

NICOLODI, J. L., PETERMANN, R. M. 2010. Potential vulnerability of the Brazilian coastal zone in its environmental, social and technological aspects. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 5, p. 184-204.

NICOLODI, J. L.; ASMUS, M.L.; TURRA, A.; POLLETE, M. Avaliação dos Zoneamentos Ecológico-Econômicos Costeiros (ZEEC) do Brasil: proposta metodológica. Desenvolvimento e meio ambiente, v. 44, p. 378-404, 2018.

NICOLODI, J.L.; ASMUS, M.L.; POLETTE, M.; TURRA, A.; SEIFERT, C.A.; STORI, F.T.; SHINODA, D.C.; MAZZER, A.; SOUZA, V.A.; GONÇALVES, R.K. Critical gaps in the implementation of Coastal Ecological and Economic Zoning persist after 30 years of the Brazilian coastal management policy. Marine Policy, v.128, 104470, 2021.

ONU. Organização das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o desenvolvimento Sustentável. New York. 2015.

PNA. Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Volume I: Estratégia Geral, 2016. Disponível em: <http://www.pbmc.coppe.ufrj.br/documentos/PNA-Volume1.pdf> . Acesso em: 23 jul. 2017.

PNMC. Plano Nacional sobre Mudança do Clima. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Volume I, 2016. Disponível em: <http://www.pbmc.coppe.ufrj.br/documentos/PNA-Volume1.pdf> . Acesso em: 23 jul. 2017.

PORTO, G. E. L. Responsabilidade pela poluição marinha. Revista. CEJ, v. 12, p. 51-57, 2000.

QUINTAS, J.S.; GUALDA, M. J. A formação do educador para atuar no processo de Gestão Ambiental. Brasília: Edições IBAMA, 1995.

QUINTANA, C. G.; KITZMANN, D. I. S. Políticas Públicas na Educação Ambiental e as Mudanças Climáticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 36, p. 336-356, 2020.

ROCKLOFF, S. F.; LOCKIE, S. Participatory tools for coastal zone management: use of stakeholder analysis and social mapping in Australia. Journal of Coastal Conservation, v. 10, p. 81-92, 2004.

SABEDOT, S. Os processos geológicos e as alterações climáticas. Diálogo, v. 13, p. 157-171, 2008.

SANTOS, M. S. T.; AMARO, V. E.; FERREIRA, A. T. S.; BARBOZA, A. A.; FIGUEIREDO, M. C.; ARAÚJO, A. G. Metodologia para mapeamentos de vulnerabilidade costeira à elevação do nível médio do mar (NMM) em escala local. BCG - Boletim de Ciências Geodésicas, v. 21, n.4, p. 691-705, 2015.

SARKAR, P. R. Ideia e Ideologia. Brasília: Editora Ananda Marga, 2008.

SCHAUN, A. Educomunicação: Reflexões e Princípios. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

SCHIVELY, C. A. Quantitative Analysis of Consensus Building in Local Environmental Review. Jounal of Planning Education and Research, v. 27, p. 82-98, 2007.

SKINNER, B. J.; PORTER, S. C. The dynamic earth: an introduction to physical geology. New York: John Wilry & Sons, 5. ed., 2004.

SNYDERS, G. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

SOARES, I. O. Educomunicação o conceito, o profissional, a aplicação: contribuições para a reforma do Ensino Médio. São Paulo: Paulinas, ed., 2011.

SOMMERVILLE, S. E.; MILLER, K. L., MAIR, J. M. Assessment of the aesthetic quality of a selection of beaches in the Firth of Forth, Scotland. Marine Pollution Bulletin, v. 46, n.9, p. 1184-1190, 2003.

SOUZA, C. A nova gestão pública. In: MACHADO, G.; PINHO, A.; SOUZA, C.; PASSOS, E.; VALENTE, A. Gestão pública: desafios e perspectivas. Salvador: Fundação Luís Eduardo Magalhães, p. 38-62, 2001.

STAUDT, M. V.; MAZZARINO, J. M. Dispositivos audiovisuais na educomunicação socioambiental escolar: Explorações políticas e estéticas. Revista Brasileira de Educação Ambiental , v. 11(1), p. 157-172, 2016.

STEINER, R. A arte da educação I: o estudo geral do homem, uma base para a pedagogia. São Paulo: Antroposófica, 1995.

STEINER, R. A arte de educar baseada na compreensão do ser humano. São Paulo: Federação das Escolas Waldorf no Brasil, 2005.

STROHAECKER, T. M. Dinâmica populacional. In. NICOLODI, J.L., ZAMBONI, A. (Eds.). Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2008.

STOMMEL, H. M.; MOORE, D. W. An introduction to the Coriolis force. Columbia University Press, 1989.

TANNER, R.T. Educação Ambiental. São Paulo: Summus/Edusp, 1978.

TASSARA, E. Dicionário Socioambiental: idéias, definições e conceitos. São Paulo: FAART, 2008.

TOL, R. S. J. The Economic Impacts of Climate Change, Review of Environmental Economics and Policy, v. 12, n.1, p.4-25, 2018.

UNEP. United Nations Environment Programme. Marine plastic debris and microplastics – Global lessons and research to inspire action and guide policy change. Nairobi, 2016. Disponível em: < https://wedocs.unep.org/handle/20.500.11822/7720> . Acesso: 12 out. 2017.

UNEP. United Nations Environment Programme / Intergovernmental Oceanographic Commission. Guidelines on Survey and Monitoring of Marine Litter. Regional Seas Reports and Studies, IOC Technical Series, 83. 2009. Disponível em: <https://wedocs.unep.org/bitstream/handle/20.500.11822/13604/rsrs186.pdf?sequence=1andisAllowed=y > . Acesso em: 18 abr. 2017.

WATTS N, NEIL, A. W.; AGNOLUCCI P. et al. Health and climate change: policy responses to protect public health. Lancet, v. 386, p. 1861-1914, 2015.

Downloads

Publicado

2021-03-17

Como Citar

Marques, V. C., & Nicolodi, J. L. (2021). Ferramentas de Educomunicação Socioambiental: subsídios para a Gestão Integrada da Zona Costeira. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 385–408. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10786

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-06-13
Aceito em 2021-02-18
Publicado em 2021-03-17