Ecoresidente: Educação Ambiental para o fortalecimento da sustentabilidade escolar

  • Lucas da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus de Quixadá
  • Jackson Araujo de Sousa Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus de Quixadá
  • Antonio Breno Lopes da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus de Quixadá
Palavras-chave: Ecoresidente; Educação Ambiental; Sustentabilidade;

Resumo

O objetivo do presente trabalho é possibilitar o desenvolvimento de ações de educação ambiental, envolvendo a comunidade escolar, disseminando os princípios ecológicos e sustentáveis para se alcançar a racionalidade ambiental e a formação de sujeitos ecológicos no espaço escolar, tornando a escola mais sustentável. A pesquisa caracteriza-se como um estudo qualitativo, exploratório e descritivo, com enfoque na pesquisa-ação, seguindo algumas etapas, a saber: 1) Levantamento bibliográfico; 2) planejamento das ações; 3) realização das ações; e, 4) avaliação das ações desenvolvidas. Assim, os resultados evidenciam a importância e contribuição para a formação de sujeitos ecológicos, utilizando-se de estratégias e ações voltadas a educação ambiental em espaços escolares.

Referências

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm >. Acesso em: 11 de maio. 2020.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm> Acesso em: 25 de jan. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE). Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. 2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf>. Acesso em: 09 de maio de 2020.

BRASIL. Decreto nº 4.281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei º 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4281.htm>. Acesso em: 25 de jan. 2020.

BRASIL. M. M. A. Biodiversidade brasileira: Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2002. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/publicacoes/biodiversidade/category/142-serie-biodiversidade.html?download=896:serie-biodiversidade-biodiversidade-5&start=40>. Acesso em: 25 de jan. 2020.

BRAZ, N, C; LEMOS, J, R. “Herbário escolar” como instrumento didático na aprendizagem sobre plantas em uma escola de Ensino Médio da cidade de Parnaíba, Piauí. Revista Didática Sistêmica, Rio Grande do Sul, v. 16, n. 2, p. 3-14, 2014.

CARVALHO, I. C. M. A invenção do sujeito ecológico: identidade e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: SATO, M; CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental. Porto Alegre: Artmed, p. 53-65, 2005.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

CEARÁ. 12º Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação. Projeto Político Pedagógico: EEM José Martins Rodrigues. Quixadá: CREDE12, 2019.

CEARÁ. Lei 16.290, de 21 de julho de 2017. Dispõe sobre a criação do Selo Escola Sustentável e concede o Prêmio Escola Sustentável. 2017. Disponível em: <https://www.sema.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/36/2019/01/LEI-Selo-Escola_Sustent%C3%A1vel.pdf>. Acesso em: 11 de fev. 2020.

DIÁRIO DO NORDESTE. Energia solar: escolas públicas do Ceará são contempladas com projeto Luzes para Aprender. 4 de dezembro de 2015. Disponível em: <http://blogs.diariodonordeste.com.br/sertaocentral/educacao/energia-solar-escolas-publicas-do-ceara-sao-contempladas-com-projeto-luzes-para-aprender/42808> Acesso em: 30 de jan. 2020.

FRANCO, E. A. S. Projeto Escola & Universidade: a formação do sujeito ecológico. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo, v. 9, n. 2, p. 436-450, dez. 2014.

FREITAS, J. V. Educomunicação: contextualizando o processo de atribuição de sentidos e significados no delineamento do conceito. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBea), São Paulo, v. 10, n. 2, p. 149-162, jul. 2015.

LEÃO, T. C. C; ALMEIDA, W. R; DECHOUM, M; ZILLER, S. R. Espécies exóticas invasoras no Nordeste do Brasil: contextualização, manejo e políticas públicas. Recife: Cepan, 2011.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Tradução: Tiago Daniel de Mello Cargnin. Educação & Realidade. v. 34. n. 3, p. 17-24, set/dez, 2009.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Tradução: Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006.

LEFF, E. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução: Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 2001.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 2006.

MALAVASI, U. C; MALAVASI, M. M. Avaliação da arborização urbana pelos residentes – estudo de caso em Mal. Cândido Rondon, Paraná. Ciência Florestal, v. 11, n. 1, p. 189-193, mar. 2001.

NEVES, E. J. M; CARPANEZZI, A. A. Prospecção do cultivo do Nim (Azadirachta indica) no Brasil. Colombo: Embrapa Florestas, 2009.

PINHEIRO, P. S. L. Um estudo sobre o antropocentrismo nos livros didáticos de ciências naturais para os anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Formação de Professores. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié – Bahia: UESB, 2015.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

RODRIGUES, J. M. M. SILVA, E. V. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: problemática, tendências e desafios. 5. ed. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2017.

SANTOS, C, R. et al. Reciclagem de papel e o desenvolvimento de ações sustentáveis: uma parceria entre o Pibid interdicisplinar em Educação Ambiental e a Com-vida escolar. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBea), São Paulo, v. 12, n. 2, p. 114-126, jun. 2017.

SENA, L, M, M. Conheça e conserve a Caatinga: O Bioma Caatinga. v. 1. Fortaleza: Associação Caatinga, 2011.

SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2008.

TOTH, M; MERTENS, F; MAKIUCHI, M. F. R. Novos espaços de participação social no desenvolvimento sustentável: as contribuições da educomunicação. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 113-132, maio/ago. 2012.

TOZONI-REIS, M. F. C. Educação e Sustentabilidade: relações possíveis. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 14, n. 2, p. 293-308, nov/dez. 2011.

TOZONI-REIS, M. F. C. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciência & Educação, Bauru, v. 8, n. 1, p. 83-96, 2002.

TRIPP, D. Pesquisa Ação: Uma Introdução Metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31 n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

Publicado
2020-12-10
Como Citar
Silva, L. da, Sousa, J. A. de, & Silva, A. B. L. da. (2020). Ecoresidente: Educação Ambiental para o fortalecimento da sustentabilidade escolar. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 376-390. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10767
Seção
Artigos