Percepção e Educação Ambiental com os usuários da Praia de Arpoeiras, Acaraú (CE)

Autores

  • Adriana Sara da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
  • Karina Aparecida Araújo Dutra Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará https://orcid.org/0000-0002-3961-5315
  • Rafaela Camargo Maia Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará https://orcid.org/0000-0001-5871-4610

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10746

Palavras-chave:

Gestão costeira, Impactos ambientais, Ocupação praial

Resumo

O diagnóstico da percepção e a promoção da Educação Ambiental em zonas praiais são fundamentais diante da relevância desses ambientes. Devido às preocupações com a praia de Arpoeiras, uma área naturalmente frágil, o presente trabalho propôs uma estratégia de Educação Ambiental, a partir do levantamento de dados de moradores, comerciantes e frequentadores. Foi realizada a exposição de cartazes nos estabelecimentos e disponibilização de folders com QR code para os usuários da praia, página nas redes sociais e produção radiofônica. Foi possível notar a carência do público no que diz respeito ao conhecimento da conservação dos recursos naturais para a melhoria tanto do ambiente como para o bem-estar do cidadão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEGRETTI, S.M.M. et al. Aprendizagem nas redes sociais virtuais: o potencial da conectividade em dois cenários. Revista Cet, vol. 01, nº 02, abr. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Constituição Brasileira. Decreto-Lei nº 5.300 de 7 de dezembro de 2004. Brasília, 7 dez. 2004. P. 2. Disponível em: Acesso em: mar. 2017.

CORREIA, M. D.; SOVIERZOSKI, H. H. Ecossistemas Marinhos: Recifes, Praias e Manguezais. 1. Ed. Maceió – AL: Universidade Federal de Alagoas, 2005. 55 p. Disponível em: < encurtador.com.br/jpT06>. Acesso em: mar. 2017.

DAL PIVA, A. R.; PILATTI, L. A.; KOVALESKI, J. L. A gestão ambiental: melhoria na qualidade de vida nas organizações. Fortaleza, out. 2006.

FERREIRA, L. R. S.; OGLIARI, C. R. N. Ambiente virtual de aprendizagem e quir. Codes: uma forma de hibridizar aulas do ensino médio técnico da rede pública estadual do Paraná. Paraná, out. 2015. Disponível em: < encurtador.com.br/vCGHR>. Acesso em: mar. 2017.

FERREIRA, F. N.; FREITAS, J. V. Mar, areia e sensibilidade ambienta: Primeiros apontamentos sobre a invenção da paisagem na praia do cassino- Rio Grande ( RS). Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 12, No 4: 88-103, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA - IBGE. Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil. Rio de janeiro, 2011. 177 p.

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo – SP, s/v, n. 118, p. 189-205, 2003.

MANDARINO, F. C.; ARUEIRA, L. R. vulnerabilidade à elevação do nível médio do mar na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, jun. 2012.

MATTHES, P. M. M.; CASTELEINS, V. L. A Educação Ambiental: abrindo espaço para a cidadania. Paraná, out. 2009.

MELLO VIANA, Graziela Valadares Gomes de. Elementos sonoros da linguagem radiofônica: a sugestão de sentido ao ouvinte-modelo. Galaxia (São Paulo, Online), n. 27, p. 227-240, jun. 2014. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542014115683>. Acesso em: jun. 2017

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Projeto Orla: Fundamentos para Gestão Integrada. Brasília, 2006. p. 3. Disponível em: . Acesso em: mai. 2017.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Turismo de sol e praia: Orientações Básicas. 2. Ed. Brasília, 2010. 64 p.

NARCHI, N. E. La playa en donde aprendí a bucear: despojo marino y economías azules en la escala local. Dossiê A Educação Ambiental em uma perspectiva da Oceanografia Socioambiental, Vol. 24, n. 2, 2019.

NERY, A. S. D.; FREITAS, E. S.; VERMELHO, S. C. S. D. Facebook e a Educação Ambiental: Perfil dos grupos na rede social e sua relação com a escola. Anais do VIII Encontro Regional de Ensino de Biologia, Rio de Janeiro de setembro de 2017.

PAULA, M. A. N. R.; CARVALHO, A.P.; O gênero textual folder a serviço da Educação Ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – REGET. V. 18 n. 2, p. 982-989 Mai-Ago. 2014.

POSHAR, A. A influência estética dos cartazes artísticos na publicidade moderna. dez. 2007. Disponível em: <http://www.insite.pro.br/2007/52.pdf>. Acesso em: ago. 2017.

REINERT, M. et al. Rede Social como ferramenta de ensino-aprendizagem em sala de aula. Rio de Janeiro, set. 2010.

RIBAS, A. C. et al., O uso do aplicativo QR code como recurso pedagógico no processo de ensino e aprendizagem. Ensaios Pedagógicos, v.7, n.2, Jul/Dez 2017.

RODRIGUES, L. L.; FARRAPEIRA, C. M. R. Percepção e Educação Ambiental sobre o ecossistema manguezal incrementando as disciplinas de ciências e biologia em escola pública do Recife – PE. Revista Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, RS, v. 13, n. 1, 2008.

SATO, M.; SANTOS, J. E. Um Breve Itinerário pela Educação Ambiental. In: Da Educação Ambiental à Esperança de Pandora. São Carlos: Ribas, 2001.

SANTOS, M. R.; MAIA. R. C. Impacto da obra de urbanização da praia de Arpoeiras em Acaraú-ce sobre a macrofauna bentônica. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em meio ambiente e desenvolvimento regional), Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará, Acaraú, Ceará, 2019.

SILVA, D. G. A importância da Educação Ambiental para sustentabilidade. 2012. 11 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ciências Biológicas)- Curso de Ciências Biológicas com ênfase em Gestão Ambiental, Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí, São Joaquim, 2012. Disponível em: < encurtador.com.br/gqGJW>. Aceso em: ago. 2017.

SILVA, A. M. Educação Ambiental e sua relação com atitudes, valores e comportamentos ambientalmente responsável. Rio de Janeiro-RJ, set. 2014. Disponível em: < encurtador.com.br/fMWZ1>. Acesso em: mar. 2017.

SILVA, J. L. T. Projeto praia limpa: avaliando a percepção ambiental dos frequentadores da praia de Atalaia em Aracaju, SE. Poços das calças, MG, Set, 2016. Disponível em: < encurtador.com.br/jlAJL>. Acesso em: ago. 2017.

SOUZA, J. L.; SILVA, I. R. Avaliação da qualidade ambiental das praias da Ilha de Itaparica, Baía de todos os santos, Bahia. Salvador – BA, 2014. Disponível em: < encurtador.com.br/dgwzW>. Acesso em: jun. 2017.

VAIRO, A. C.; REZENDE-FILHO, L. A. R. Concepções de alunos do ensino fundamental sobre ecossistemas de manguezal: o caso de um colégio público do Rio de Janeiro. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 3, n. 2, p. 15-25, agosto, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Silva, A. S. da, Dutra, K. A. A., & Maia, R. C. (2021). Percepção e Educação Ambiental com os usuários da Praia de Arpoeiras, Acaraú (CE). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(3), 101–116. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10746

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)