Educação Ambiental, paisagem e ecosofia: o afeto que surge de encontros

  • Viviane Röhrs Univates
  • Jane Mazzarino Univates
Palavras-chave: Educação Ambiental, Mulher Rural, Paisagens Socioambietais, Ecosofia

Resumo

O objetivo é investigar a potência de intervenções em educação ambiental provocadoras de experiências ecosóficas para ampliar o envolvimento de mulheres rurais com suas paisagens. Trata-se de uma pesquisa de cunho intervencionista, apoiada em estudo bibliográfico, documental e de campo. O estudo delimita-se a um grupo de nove mulheres rurais do município de Lagoão, Rio Grande do Sul. As análises foram organizadas em duas categorias que emergiram ao longo do estudo: a) a proposta de intervenção, suas intenções e potências; b) ressignificações da paisagem de vida. Como resultados, identificou-se que as metodologias participativas e as vivências na natureza promoveram processos sensibilizadores capazes de provocar transformações ecológicas na vida das mulheres rurais; e que as paisagens socioambientais, com as intervenções, ficaram mais claras e assumiram algumas novas nuances.

 

Referências

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n.19, p.20-28, jan./abr. 2002.

BONDÍA, J. L. Pedagogia profana: Danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CABRAL, L. O. A paisagem enquanto fenômeno vivido. Geosul, v.15, n.30, p.34-45, 2000.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CARVALHO, I. C. M. Qual Educação Ambiental? Elementos para um debate sobre Educação Ambiental popular e extensão rural. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v.2, n.2, p.43- 51, abr./jun. 2001.

CARVALHO, D. R. de. A valoração da paisagem: uma reflexão do espaço concebido, percebido e vivido. 2011. Tese (Doutorado em Geografia) - Núcleo de Pós-Graduação em Geografia, Pró-Reitoria e Pós-Graduação em Pesquisa - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2011.

CAVALCANTE, K. L. A ecosofia de Félix Guattari: uma análise da filosofia para as questões ambientais. Cadernos Cajuína, v.2, n.2, p.72-78, 2017.

COSTA, M. E. B. Grupo focal. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, p. 180-192, 2005.

GOMES, R. de C. M.; NOGUEIRA, C.; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. Mulheres em contextos rurais: um mapeamento sobre gênero e ruralidade. Psicologia & Sociedade, v.28, n.1, p.115-124, jan./abr. 2016.

GUATTARI, F. As três ecologias. 11 ed. Campinas: Papirus, 1990.

GUIMARÃES, S. T. L. Reflexões a respeito da paisagem vivida, topofilia e topofobia à luz dos estudos sobre experiência, percepção e interpretação ambiental. Geosul, v.17, n.33, p.117-141, jan./jun. 2002.

HIGUCHI, M. I. G.; AZEVEDO, G. C. de. Educação como processo na construção da cidadania ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, n. 0, p. 63-70, jul. 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFA E ESTATÍSTICA. Número total de mulheres da população brasileira. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/> Acessado em: 12 de Mar. 2019.

JACOBI, P. Educação e meio ambiente: transformando as práticas. Rev. Brasileira de Educação Ambiental, n.0, p.28-35, nov. 2004.

LIMA, Solange T. Geografia e Iiteratura: alguns pontos sobre a percepção de paisagem. Geosul, v.15, n.30, p.7-33, 2000.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MEDEIROS, H. Q.; SATO, M. T. Educação Ambiental intercultural no Estado do Acre, Amazônia Brasileira. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 35, n.2, p.211-119, dez. 2013.

MEZOMO, Á. M.; VIEIRA, L. F. S.; BORGES, M. G.; COLLE, C. Trajetórias e vivências da Educação Ambiental na extensão rural do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EMATER/RS-ASCAR, 2010. 124 p.

MONBEIG, P. A paisagem, espelho de uma civilização. In: DANTAS, A. Pierre Monbeig: um marco da Geografia brasileira. Porto Alegre: Sulina, p. 116-127, 2005.

ROCHA, A. L. C. da; ECKERT, C. Etnografia: saberes e práticas. Iluminuras: série de publicações eletrônicas do Banco de Imagens e Efeitos Visuais, LAS, PPGAS, IFCH e ILEA, UFRGS. Lume, n.21, p.1-23, 2008.

SALVADOR, D. Das perspectivas técnicas e supra-orgânicas às representacionais: breves reflexões sobre as abordagens geográficas acerca da cultura. Holos, v.2, p.27-44, 2008.

SAUER, C. O. A morfologia da paisagem. In: ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: Editora UERJ, p. 12-74, 1998.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v.31, n2, p.317-322, mai/ago. 2005.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M., CARVALHO, I. (Orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, p. 17-44, 2005.

SISTEMA DE PLANEJAMENTO DA EMATER/RS. Institucional. 2018. Disponível em: <http://www.emater.tche.br>. Acesso em: 12 jan. 2019.

SOUZA, V. C. Paisagem e lugar: a percepção dos comerciantes da Praia da Ponta Negra - Manaus/AM-Brasil. Geosaberes, v.6, p.621-628, 2016.

TORRES, M. O ecofeminismo: "Um termo novo para um saber antigo". Terceira Margem, v.13, n.20, p.157-175, 2009.

TUAN, Y. Espaço e lugar. São Paulo: Difel, 1983.

TUAN, Y. Topofilia. São Paulo: Difel, 1980.

ZAKRZEVSKI, S. B. B. Por uma Educação Ambiental crítica e emancipatória no meio rural. Revista brasileira de Educação Ambiental, v.1, n.0, p.79-86, 2004.

Publicado
2020-08-24
Como Citar
Röhrs, V., & Mazzarino, J. (2020). Educação Ambiental, paisagem e ecosofia: o afeto que surge de encontros. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 345-364. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10666
Seção
Artigos