Projeto Saberes da Mata Atlântica: Percepção ambiental e científica de estudantes do entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (MG)

Autores

  • Ana Paula Agrizzi Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • Marcos da Cunha Teixeira Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES
  • Iorrana Vieira Salustiano Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, MG
  • Laís Azevedo Rodrigues Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • Alisson Andrade Almeida Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. MG
  • Jordana Luizi dos Prazeres Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • Izabella Oliveira Britto Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • Rafael Mendes Teixeira Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • João Paulo Viana Leite Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10535

Palavras-chave:

Percepção; educação ambiental; popularização científica, biorregionalismo.

Resumo

Objetivou-se analisar a percepção de estudantes da educação básica de quatro escolas públicas do entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro sobre o bioma Mata Atlântica. Adotando-se abordagem de pesquisa mista, utilizou-se evocação livre e aplicação de questionário para 150 estudantes. Os dados, submetidos à análise de conteúdo, revelaram a existência de percepção equivocada quanto a aspectos geográficos e de conservação da Mata Atlântica. Embora os estudantes tenham apresentado conhecimento acerca de espécies nativas, também relacionaram espécies exóticas ao bioma. Sugere-se o desenvolvimento de abordagens pedagógicas formais e não-formais baseadas na Educação Ambiental biorregionalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, B. F.; SOVIERZOSKI, H. H. Percepção dos alunos do ensino médio sobre os biomas de mata atlântica e caatinga. Revista Práxis, Volta Redonda, v. 8, n. 16, p. 81-94, dezembro 2016.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 03 mar. 2020.

BRASIL. Decreto no 4.281 de 25 de junho de 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4281.htm>. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei 9.795/99. Brasília, DF, 1999. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a política nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: < <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.html>. Acesso: 09 dez. 2019.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, 2000. 32 p. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao/sistema-nacional-de-ucs-snuc.html>. Acesso em: 20 mar. 2020.

CÂMARA, R. H. Análise de Conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: revista interinstitucional de psicologia, v. 6, n. 2, p. 179-191, 2013.

COUSIN, C. S. Pertencimento ao lugar e a formação de educadores ambientais: um diálogo necessário. Anais do VII EPEA - Encontro Pesquisa em Educação Ambiental Rio Claro - SP, p. 1-15, 2013.

COUSIN, C. S. Trilhas e itinerários da Educação Ambiental nos trabalhos de campo de uma comunidade de aprendizagem. 2004. 143f. Dissertação: (Mestrado em Educação Ambiental), Fundação Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande.

CRESWELL, J. W. Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre. Artmed. 2010. 296 p.

DEAN, W. A Ferro e Fogo: a história e a devastação da mata atlântica brasileira. 1ª ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2004. 484 p.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9ª ed. São Paulo: Gaia, 2004. 552 p.

EISENLOHR, P. V. et al. Disturbances, elevation, topography and spatial proximity drive vegetation patterns along an altitudinal gradient of a top biodiversity hotspot. Biodiversity and Conservation, v. 22, n. 12, p. 2767-2783, 2013.

FERNANDES, R. S.; SOUZA, V. J.; PELISSARI, V. B.; FERNANDES, S. T. Uso da Percepção Ambiental Como Instrumento de Gestão em Aplicações Ligadas às Áreas Educacional, Social e Ambiental. São Paulo: 2004. Disponível em: <http://143.106.158.7/anppas/encontro2/GT/GT10/roosevelt_fernandes.pdf>. Acesso em: 21 jan. 2020.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA. Novos Dados do Atlas da Mata Atlântica. 2011. Disponível em: <https://www.sosma.org.br/noticias/novos-dados-do-atlas-da-mata-atlantica/>. Acesso em: 11 mar. 2020.

GONZÁLEZ, S. Educação Ambiental Biorregional: a comunidade aprendente na ilha das Caieiras, vitória (es). Dissertação: (Programa de Pós-Graduação em Educação). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, 2006.

GRÜN, M. Hermenêutica, Biorregionalismo e Educação Ambiental. In: SAUVÉ, Lucie et al. Textos escolhidos em Educação Ambiental – de uma América à outra. Quebec: Les Publications ERE-UQAN, Tomo I. p. 91-99. 2002.

Instituto Estadual de Floresta. Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. 2020. Disponível em: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/197?task=view>. Acesso em: 11/03/2020.

JOLY, C. A.; METZGER, J. P.; TABARELLI, M. Experiences from the Brazilian Atlantic Forest: ecological finding sand conservation initiatives. New Phytologist, v. 204, n. 3, p. 459- 473, 2014.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. da C. As Macrotendências Político-Pedagógica da Educação Ambiental Brasileira. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. XVII, n. 1, 2014, p. 30.

LOUREIRO, C. F. B. Complexidade e Dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em Educação Ambiental. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, p. 131-152, 2006.

MOSCOVICI, S. Des Représentations Collectives aux Représentations Sociales. Em D. Jodelet (org.), Les Représentations Sociales. Paris, Press Universitary de France, 1989.

MYERS, N. et al. Biodiversity Hotspots for Conservation Priorities. Nature, v. 403, n. 6772, p. 853-858, 2000.

NUNES, M. E. R.; FRANÇA, L. F.; PAIVA, L. V. Eficácia de Diferentes Estratégias no Ensino de Educação Ambiental: associação entre pesquisa e extensão universitária. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. 20, n. 2, p. 61-78, 2017.

OLIVEIRA‐FILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of Floristic Differentiation Among Atlantic Forests in South Eastern Brazil and the Influence of Climate. Biotropica, v. 32, n. 4b, p. 793-810, 2000.

OLIVEIRA-JUNIOR, S. B.; SATO, M. Educação Ambiental e Etnoconhecimento: parceiros para a conservação da diversidade de aves pantaneiras. Ambiente e Educação, v. 11, p. 125-137, 2006.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Trad. de Ana Thorell. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, 487 p.

QUATERZANI, H. S.; AGRIZZI, A. P.; TEIXEIRA, M. C. O Que os Estudantes das Escolas das Restingas dizem sobre “Restinga”? um olhar biorregionalista sobre o ensino de ciências das escolas do distrito de guriri, es. Revista da SBEnbio, n. 9. p. 7553-7564, 2016.

RATEAU, P.; MOLINER, P.; GUIMELLI, C.; ABRIC, J. C. Teoria das Representações Sociais. Handbook of Theories of Social Psychology. v. 2, p. 477- 497, 2012.

REIGOTA, Marcos. Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez, 1995. 87 p.

RIBEIRO, M.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? implications for conservation. Biological Conservation. v.142, p.1141–1153, 2009.

RIBEIRO, M. C. et al. The Brazilian Atlantic Forest: a shrinking biodiversity hotspot. Biodiversity Hotspots, p. 405-434, 2011.

RIO, V.; OLIVEIRA, L. (Orgs.). Percepção Ambiental. a experiência brasileira. 2ª ed. São Paulo, Studio Nobel, 1999. 270 p.

SATO, M.; PASSOS, L. A. Biorregionalismo: identidade histórica e caminhos para a cidadania. In: LOUREIRO, L. F.; LAYARGUES, P.; e CASTRO, R. S. (orgs.), Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. Cortez, São Paulo, p. 221-252, 2002.

SAUVÉ, L. Uma Cartografia das Correntes em Educação Ambiental. Educação Ambiental: pesquisa e desafios, p. 17-44, 2005.

SEGURA, D. S. B. Educação Ambiental na Escola Pública: da curiosidade ingênua à consciência crítica. São Paulo: Annablume, Fapesp, 2001. 214 p.

SHIMIZU, A. M.; MENIN, M. S. S. Representações Sociais de Lei, Justiça e Injustiça: uma pesquisa com jovens argentinos e brasileiros utilizando a técnica de evocação livre de palavras. Estudos de Psicologia. Natal. v. 9, n. 2, p.239-247, 2004.

SILVA, J. M. C.; CASTELETI, C. H. M. Status of the Biodiversity of the Atlantic Forest of Brazil. the atlantic forest of south america: biodiversity status, threats, and outlook - CABS and Island Press, p. 43-59, 2003.

SILVA, J. M. C.; PINTO, L. P.; HIROTA, M; BEDÊ, L.; TABARELLI, M. Conservação da Mata Atlântica Brasileira: um balanço dos últimos dez anos. In.: CABRAL, D. C.; BUSTAMANTE, A. G. (Orgs). Metamorfoses Florestais: culturas, ecologias e as transformações históricas da mata atlântica. Prismas. 2016, 458 p.

SOS Mata Atlântica e INPE. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica: período 2017-2018, São Paulo (2019). Disponível em: <https://www.sosma.org.br/wp-content/uploads/2019/05/Atlas-mata-atlantica_17-18.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2020.

STRIER. K. B. The International Encyclopedia of Primatology, Wiley Online Library, 2016. Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/book/10.1002/9781119179313>. Acessado em: 05 abr. 2020.

STRIER, K. B.; POSSAMAI, C. B.; TABACOW, F. P.; PISSINATTI. A.; LANNA, A. M.; DE MELO, F. R. et al. Demographic Monitoring of Wild Muriqui Populations: criteria for defining priority areas and monitoring intensity. 2017. PLOS ONE. Disponível em: <https://doi.org/10.1371/journal.pone.0188922>. Acessado em: 05 abr. 2020.

UNESCO. Carta de Belgrado: uma estrutura global para a Educação Ambiental. Belgrado: UNESCO, 1975. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/informma/item/8066-carta-de-belgrado>. Acesso em: 08 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

Agrizzi, A. P., Teixeira, M. da C., Salustiano, I. V., Rodrigues, L. A., Almeida, A. A., Prazeres, J. L. dos, Britto, I. O., Teixeira, R. M., & Leite, J. P. V. (2020). Projeto Saberes da Mata Atlântica: Percepção ambiental e científica de estudantes do entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (MG). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 277–296. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10535

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-04-14
Aceito em 2020-06-12
Publicado em 2020-12-08

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)